Vitrali Moema

Posts tagged serviço social

Estudante carrega enxada na cerimônia de formatura em homenagem aos pais

0
Mais uma prova de que uma alma grata é capaz de indizíveis belezas!

Mais uma prova de que uma alma grata é capaz de indizíveis belezas!

 

Publicado na Revista Pazes

Na cidade de Mossoró, no Rio Grande do Norte, a jovem Kauany Sousa, de 24 anos, ergueu uma enxada durante sua entrada na cerimônia de formatura do curso de Serviço Social, na UnP (Universidade Potiguar) para agradecer seus pais pelo esforço no trabalho na roça para garantir o sustento dela e de mais três irmãos.

A homenagem feita pela estudante Kauany Sousa aos seus pais durante sua formatura no curso de Serviço Social na UnP (Universidade Potiguar) emocionou não só os convidados presentes na cerimônia, mas também milhares de internautas. Na festa, ocorrida no dia 9 de abril na cidade de Mossoró, no Rio Grande do Norte, Kauany levantou uma enxada para representar o trabalho de seus pais que garantiu o sustento da família durante sua infância difícil no campo. Assista o vídeo abaixo:

“Eu lembro do meu pai saindo todos os dias para trabalhar, como ele faz até hoje. Trabalhar na roça, para dar sustento para mim e mais três irmãos. Desde o início, foi sempre assim. A lembrança que eu tenho é de ver ele sair de casa para trabalhar”, contou a jovem de 24 anos em entrevista ao canal UERN TV, da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. A renda de seu pai, Nilson Pereira, não passava de R$ 20 por semana. Por conta das dificuldades financeiras, a família tinha problemas até mesmo para conseguir comer todos os dias. “[Lembro] de ver minha mãe preocupada todos os dias para dar um prato de comida para a gente. Muitas vezes não tinha e ela agradecia a Deus quando um vizinho chegava e dava uma alimentação. Eu lembro que na época meu pai ganhava R$ 20 por semana, para trabalhar no sol quente, todos os dias”, relata.

No sítio Caraúba Torta, no município potiguar de Almino Afonso, Kauany começou a aprender a ler e escrever debaixo de uma árvore, no espaço cedido por uma vizinha. Além disso, assim como seus outros três irmãos, ela também ajudava no trabalho de agricultura.

Assistam ao vídeo!

Aposentada se forma em serviço social aos 68: ‘Quero ajudar as pessoas

0
Maria Madalena Silva, 68, foi cozinheira por 20 anos e agora se formou em serviço social

Maria Madalena Silva, 68, foi cozinheira por 20 anos e agora se formou em serviço social

 

Publicado no UOL

Aos 68 anos, a aposentada Maria Madalena Silva acaba de se formar em serviço social. Mãe de dois filhos, ela não deixou a idade e nem os cabelos brancos atrapalharem o sonho de conquistar um diploma de ensino superior. Segundo a moradora de Santa Maria (DF), a motivação surgiu após trabalhar em uma clínica de reabilitação como cozinheira, onde anos depois voltou como estagiária. “Só quero ajudar as pessoas”, diz.

Maria iniciou os estudos na zona rural de Patos de Minas. Entrou na escola com sete anos e ficou apenas até os 11. Não havia professores na região. Mudou-se para Brasília aos 22 e trabalhou como empregada doméstica. Nos poucos momentos de lazer, os livros eram sua companhia. “Apesar das dificuldades morando no interior, sempre fui a melhor leitora da classe”, lembra.

Com duas filhas pequenas, a mulher teve que adiar o sonho de concluir os estudos. Trabalhou 14 anos como comerciante em um shopping de Brasília. Anos depois, foi cozinheira em uma clínica de reabilitação A motivação para estudar serviço social surgiu ali, já que a maioria dos pacientes, segundo ela, não sabiam dos direitos que possuíam.

“O Ministério Público tem conhecimento sobre todas as pessoas que estão internadas. Os pacientes e até mesmo os familiares muitas vezes não sabem que o Estado tem obrigação de ajudá-los. O assistente social tem esse dever, sabe? De repassar o conhecimento e pode ajudar e informar as pessoas”, diz a idosa.

Durante 20 anos, Maria trabalhou na cozinha da clínica. Em 2011, ela se aposentou. No mesmo ano, concluiu o ensino médio e prestou vestibular em uma faculdade particular de Taguatinga. Toda a mensalidade foi paga com o dinheiro da aposentadoria.

“Pagava R$ 280. Consegui desconto de 50%. Sempre ia para as aulas de carona ou ônibus, toda sexta-feira à noite e sábado de manhã. Era um curso semipresencial. Tive muitas dificuldades para fazer os trabalhos que eram pela internet, não tinha muita aptidão com o computador”, conta.

Apesar das dificuldades, a aposentada estudou durante quatro anos. Segundo ela, a ajuda da família e das amigas de curso foi essencial. “Era muito complicado postar os trabalhos. Porém, sempre tive apoio de todo mundo. Durante a faculdade, comprei muitos livros. Sempre tentei me aperfeiçoar.”

Após alguns semestres de curso, a idosa retornou a clínica de reabilitação. O trabalho foi um convite da diretora do local. “Voltar lá foi bom. As pessoas ficaram felizes também. Acho que não imaginavam. Na clínica, pude aprender tudo na prática, entender melhor o curso. Foi lá que descobri que queria ser assistente social para o resto da vida.”

Próximos sonhos

O diploma veio no dia 14 de março. Vestida de beca, a idosa relembra da data, que segundo ela, foi um dos mais felizes ao longo dos seus 68 anos. Os próximos passos são encontrar uma vaga no mercado de trabalho e começar uma pós-graduação.

“A colação de grau foi um sonho. Me senti feliz, realizada e nas nuvens. Ainda tenho esperança de poder contribuir com a sociedade, entende? Sou grata a Deus e as pessoas que me ajudaram.”

Maria é motivo de orgulho para toda a família. Emocionada, a filha Fernanda Queiroz, 44, diz que a mãe sempre foi motivo de inspiração para todos.

“A minha mãe apesar de ter demorado a concluir os estudos, sempre leu muito. Lembro-me dela lendo ‘O diário de Anne Frank’, uma ex-empregada doméstica com esse poder da leitura. É emocionante, inspirador. Não foi fácil a luta, os anos de estudo. Entretanto, valeu a pena. É isso que importa.”

Go to Top