Posts tagged sucesso

O professor de Harvard que ensina a ser feliz

0
O professor Tal Ben-Shahar: “A felicidade não é estática. É um processo que termina apenas com a morte”

O professor Tal Ben-Shahar: “A felicidade não é estática. É um processo que termina apenas com a morte”

Anna Carolina Rodrigues, na Você S/A

São Paulo – Os cursos mais populares da Universidade Harvard, nos Estados Unidos, não ensinam medicina nem direito, mas felicidade. No ano passado, mais de 1 000 alunos se inscreveram para assistir às aulas do professor Tal Ben-Shahar, que usa um ramo da psicologia para ajudar os estudantes de graduação na busca da realização pessoal.

Na primeira vez que ministrou o curso, há dez anos, oito pessoas se inscreveram. A fama cresceu e, embora os alunos façam trabalhos, não recebem notas, mas algo mais pessoal. “Eles falam que a aula muda a vida deles”, diz Tal. Nesta entrevista, ele mostra como encontrar satisfação profissional e pessoal.

VOCÊ S/A – Aulas que têm como enfoque otimismo e felicidade não são algo comum em uma universidade tradicional como Harvard. Por que criou o curso?

Tal Ben-Shahar – Comecei a estudar psicologia positiva e a ciência da felicidade porque me sentia infeliz. No meu segundo ano de estudante em Harvard, quando cursava ciência da computação, eu era bem-sucedido, pois tinha boas notas e tempo para atividades que me davam prazer, como jogar squash. Mesmo assim era infeliz.

Para entender por que, mudei de área e fui cursar filosofia e psicologia. Meu objetivo era responder a duas perguntas: por que estou triste e como posso ficar feliz? Estudar isso me ajudou, e decidi compartilhar o que aprendi.

VOCÊ S/A – Uma pesquisa de doutorado feita no Brasil revela visões diferentes do que é ser bem-sucedido, que vão além de dinheiro e poder. As pessoas buscam algo mais profundo?

Tal Ben-Shahar – Sucesso não traz, necessariamente, felicidade. Ter dinheiro ou ser famoso só nos faz ter faíscas de alegria. A definição de sucesso para as gerações mais novas mudou. Não é que as pessoas não busquem dinheiro e poder, mas há outros incentivos.

No passado, sucesso era definido de maneira restrita, e as pessoas ficavam numa empresa até a aposentadoria. Agora, há uma ânsia por ascender no trabalho, ter equilíbrio na vida pessoal e encontrar um propósito.

VOCÊ S/A – Qual a principal lição sobre a felicidade o senhor aprendeu?

O que realmente interfere na felicidade é o tempo que passamos com pessoas que são importantes para nós, como amigos e familiares — mas só se você estiver por inteiro: não adianta ficar no celular quando se encontrar com quem você ama. Hoje, muita gente prioriza o trabalho em vez dos relacionamentos, e isso aumenta a infelicidade.

VOCÊ S/A – Descobrir para onde queremos ir seria a grande questão?

Muita gente não sabe o que pretende da vida simplesmente porque nunca pensou sobre o assunto. As pessoas vivem no piloto automático. Ouvem de alguém que deveriam ser advogado ou médico, e acreditam em vez de se perguntar do que gostam. Essa é a questão fundamental.

VOCÊ S/A – Como aplicar as diretrizes da psicologia positiva no dia a dia do trabalho?

Uma maneira é pensar nos progressos diários que um profissional alcança no fim de cada dia. Segundo uma pesquisa de Teresa Amabile, professora de administração da Harvard Business School, quem faz isso tem índices mais altos de satisfação e é mais produtivo.

Deve-se também valorizar os próprios pontos fortes e, no caso dos chefes, os pontos fortes das pessoas da equipe, o que aumenta a eficiência dos times. Isso não significa deixar de lado as fraquezas, que devem ser gerenciadas. Apenas que a maior parte da energia precisa ser gasta fortalecendo os pontos fortes ao máximo.

VOCÊ S/A – Dá para fazer isso mesmo em momentos de crise ou de baixo desempenho?

Sim, desde que os profissionais sejam realistas. Em 2000, quando Jack Welch­ (ex-presidente da GE e referência em gestão) foi nomeado o gerente do século pela revista Fortune, perguntaram que conselho ele daria a outros gerentes. A resposta foi: aprendam a encarar a realidade.

O mesmo se aplica nesse caso. A psicologia positiva não defende que os erros e os pontos fracos sejam ignorados. Apenas propõe uma mudança de foco: parar de enxergar só o que vai mal e ver o que dá certo — mesmo nas crises. A proposta é observar o quadro completo da realidade.

VOCÊ S/A – Qual sua opinião sobre o discurso de que basta fazer o que ama para encontrar satisfação profissional?

Isso pode ser a solução para alguns. Na maioria dos lugares e trabalhos, é possível identificar aspectos significativos para cada pessoa. Uma pesquisa feita com profissionais que trabalham em hospitais mostrou que tanto no caso de médicos quanto de enfermeiros e auxiliares havia profissionais que enxergavam o trabalho como um chamado e outros que o viam apenas como um emprego.

Em outras palavras, o foco que damos ao trabalho acaba sendo mais importante do que a natureza dele. Alguém que é funcionário de um banco pode pensar que trabalha com planilhas o dia todo ou que está ajudando as pessoas a gerenciar sua vida.

VOCÊ S/A – O jornalista britânico Oliver Burkeman defende que não se deve buscar felicidade, mas o equilíbrio, pois ninguém pode ser feliz sempre. O que acha disso?

Concordo. A primeira lição que dou na minha aula é que nós precisamos nos conceder a permissão de sermos seres humanos. Isso significa vivenciar emoções dolorosas, como raiva, tristeza e decepção. Temos dificuldade de aceitar que todo mundo sente essas emoções às vezes. Não aceitar isso leva à frustração e à infelicidade.

VOCÊ S/A – O senhor é feliz?

Eu me considero mais feliz hoje do que há 20 anos e creio que serei ainda mais feliz daqui a cinco anos. A felicidade não é estática. É um processo que termina apenas com a morte. Encontrei significado em meu trabalho e faço o que me dá prazer, mesmo tendo, como todo mundo, momentos de estresse e sofrimento — esse é o equilíbrio que todo profissional deve almejar.

Mas também procuro desfrutar de coisas fora do mundo do trabalho: passar tempo com minha família, com meus amigos e encontrar um espaço na agenda para a ioga. Tudo com moderação.

Sucesso na TV, tirinhas de ‘Lili, a Ex’ ganham primeira coletânea em livro

0

Beatriz Montesanti, na Folha de S.Paulo

Para aqueles que acabaram de conhecer Lili na pele de uma morena neurótica ligada em 220, uma coletânea e uma exposição em São Paulo vão revelar as facetas originais da personagem, que fez sucesso numa série televisiva do canal GNT.

As tirinhas de “Lili, a Ex”, do cartunista Caco Galhardo, foram reunidas pela primeira vez em livro, editado por Toninho Mendes, “figura mitológica dos quadrinhos nacionais”, segundo define Galhardo.

Na coletânea, lançada nesta quinta (6), foram reunidas 112 tiras, de um acervo calculado por Galhardo em mais de 500 histórias –publicadas na Folha desde 2009. Além do livro, algumas das tiras originais de Lili estarão expostas na Galeria Ornitorrinco, em São Paulo, até 12 de dezembro.

Reprodução de tirinha do livro "Lili a Ex", do desenhista Caco Galhardo, lançado pela editora Peixe Grande / Caco Galhardo

Reprodução de tirinha do livro “Lili a Ex”, do desenhista Caco Galhardo, lançado pela editora Peixe Grande / Caco Galhardo

DUAS LILIS

Se por um lado os desenhos revelam as origens de Lili, por outro a coletânea deve sua existência ao sucesso da adaptação televisiva, que em sua primeira temporada foi a segunda série mais vista pelo público feminino na TV paga, segundo dados do próprio GNT.

“Tem muita gente ligada na série, é legal ter uma coisa impressa”, diz Galhardo, ele mesmo responsável pela adaptação do roteiro. “A personagem existia antes, no quadrinho, ela já tem uma historia e uma personalidade.”

Na série, Lili, interpretada por Maria Casadevall, se muda para o apartamento vizinho ao do ex-marido (Felipe Rocha), para poder acompanhar sua vida de perto –e destruir todos os seus eventuais relacionamentos.

A mudança é uma novidade da versão televisiva, que traz ainda personagens que não estão nos quadrinhos, como a melhor amiga cabeleireira (Daniela Fontan) e a mãe perua (Rosi Campos).

Já no livro e na exposição, é possível conhecer personagens de Galhardo que não foram levados para as telas, como o derrotado Chico Bacon, homem com quem Lili acaba na cama após uma noite de bebedeira.

“Eu não sei se ele se encaixa no universo televisivo. Eu vejo ele muito como um personagem dos quadrinhos”, comenta o cartunista, duvidando de uma potencial carreira na TV para Chico Bacon.

LILI, A EX
Lançamento de livro e exposição

ONDE Galeria Ornitorrinco, av. Pompeia, 520, tel.: (11) 2338-1156
QUANDO de seg. à sáb., das 10h às 19h; até 6/12
QUANTO grátis; o livro custa R$ 27 (64 págs.)

Jovem de 16 anos do sertão cearense escreveu um dos livros mais vendidos da Amazon

0

Apesar da pouca idade, Gabriel Damasceno, de Quixadá, já escreveu o primeiro livro de trilogia sobre a história do descobrimento do Brasil sob o ponto de vista de uma índia

Gabriel Damasceno no lançamento da primeira parte da trilogia Nita Cairu (Foto: Arquivo Pessoal)

Gabriel Damasceno no lançamento da primeira parte da trilogia Nita Cairu (Foto: Arquivo Pessoal)

Publicado na Tribuna do Ceará

José Gabriel Damasceno Almeida tem 16 anos e mora com os pais, no município de Banabuiú, a 225km de Fortaleza. Natural de Quixadá, o adolescente já publicou seu primeiro livro: “Nita Cairu e a Espada de Gohayó“, que conta a história do descobrimento do Brasil a partir da vida da índia Nita.

Desde criança, Gabriel lê de tudo um pouco. O garoto, que deseja ser jornalista, tentará, em 2014, ser aprovado na Universidade Federal do Ceará (UFC), através do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) ou na Universidade de Fortaleza (Unifor), pelo Programa Universidade para Todos (Prouni). Ele conta que decidiu começar a escrever quando assistiu a um vídeo do escritor Stephen King e ouviu o seguinte “conselho”: “Um bom autor pode escrever algo quando lê um livro e reflete que pode fazer melhor”.

Foi depois de uma aula de História do Brasil que Gabriel teve inspiração para criar o livro. “Eu estava na aula sobre Brasil Colônia e me interessei muito pela história do descobrimento do nosso País. Meu livro é a primeira trilogia com esse tema”, relata.

O romance conta a história da índia Nita – única sobrevivente de um massacre que acabou com toda a tribo Cairu. Durante a saga, Nita busca alguém para reproduzir, a fim de não deixar que sua etnia seja extinta. Em meio a isso, a indígena vive um triângulo amoroso com o índio Pirajá e o português Vicente.

O livro mistura romance, traições, escravidão e mistérios e está à venda pela Internet, nos sites da Amazon e da Editora Premius. A segunda parte da trilogia tem previsão de lançamento para 2015 e, de acordo com Gabriel, a repercussão está melhor do que ele esperava “As pessoas dizem que o livro é ótimo, muito instigante, e que estão loucos pelo segundo volume”, comenta.

Gabriel ocupa a 25ª cadeira da Academia Quixadaense de Letras. Seu livro já foi lançado em Banabuiú, Quixadá e Quixeramobim. Em breve, a obra chega a Fortaleza e ao Piauí. A saga de Nita Cairu entrou para os 60 livros mais vendidos da Amazon, na categoria Literatura/Fantasia.

App que ‘turbina’ memória com brincadeiras faz sucesso em escolas

0

Durante a maior parte da sua juventude, Ed Cooke sempre esteve entre os dez melhores no ranking do Campeonato Mundial de Memória. Entre seus feitos, está memorizar 2.265 dígitos binários em meia hora e a ordem correta das cartas em 16 baralhos, em apenas uma hora.

1

David Robson, na BBC

Mas, aos 26 anos, ele decidiu que queria ajudar pessoas a conseguir memorizar como ele.
“As técnicas de memorização requerem uma certa disciplina. Eu queria criar uma ferramenta que permitisse aprendê-las enquanto se relaxa”, diz.

Em 2010, ele lançou o site e app Memrise, que já foi usado por 1,4 milhão de pessoas para aprender línguas estrangeiras, história e ciência. A tecnologia deu origem a outros semelhantes, usados tanto por indivíduos quanto por escolas. Cooke conta que nem imaginava o tanto que poderia ser criado a partir de sua ideia.

“O app é muito poderoso, ele faz toda a parte difícil de se aprender”, conta Dominic Traynor, professor de espanhol em uma escola primária em Londres. “Eu diria que, com ele, conseguimos cobrir um ano letivo de aprendizagem em apenas seis meses.”

Princípios

O app foi criado por Cooke com seu colega dos tempos da Universidade de Oxford, o neurocientista Greg Detre, que hoje leciona em na Universidade de Princeton, nos Estados Unidos.

O Memrise segue alguns princípios básicos. O primeiro deles é tentar associar um fato sem nenhuma relação ao que se quer memorizar. Se esses fatos tiverem algum elemento de comédia, eles são mais fáceis ainda de serem lembrados.

Por exemplo, ao aprender alemão, para se memorizar a palavra “Abend” (“noite”), um curso de línguas usava uma foto do ex-presidente americano Abraham Lincoln relaxando à noite, ouvindo música. A legenda da foto diz: “‘Abe’ sempre para de trabalhar à noite”. A charge cômica ajuda a remeter o apelido do ex-presidente (“Abe”) à palavra alemã “Abend”.

O que o app faz é programar esses testes várias vezes ao longo de dias, semanas e meses. Essa repetição no longo prazo é eficiente para ajudar a pessoa a memorizar. Testes repetidos também produziram resultados melhores do que métodos convencionais usados em livros – como o desenho de diagramas.

Outro princípio que o app explora é o de tentar fazer as pessoas se lembrarem de algo quando determinado assunto se encontra em um limbo entre o esquecido e o lembrado. Detre diz que é aquele momento em que uma resposta está “quase na ponta da língua”, mas o usuário não consegue se lembrar totalmente.

Nesses momentos, testar a memória das pessoas faz com que elas aprendam com maior eficiência. Os criadores do app conseguiram fazer um algoritmo que identifica este momento.

Diversão

Outro princípio importante é a diversão no processo de aprendizagem.

“A experiência precisa ser algo leve, como ficar navegando em algum site como o Pinterest”, diz o diretor de operações da Memrise, Ben Whately.

Para isso, foram criadas comunidades em que as pessoas podem “competir”, de forma amigável, para ver quem aprende mais.

Segundo o professor Traynor, foi esse elemento de competitividade que fez com que seus alunos se esforçassem mais para aprender espanhol.

“Assim que eles chegam na aula, eles querem ver o quadro de vencedores.”

O professor desenvolveu um método bom de usar o app em sala de aula. Ele separa seus alunos em dois grupos – metade fica usando o app nos iPads da escola; a outra metade tem aulas convencionais com ele. Depois de um tempo, os dois grupos alternam as tarefas.

O Memrise também foi usado em outras escolas para ajudar os alunos a aprender a soletrar. O próximo passo dos criadores do app é achar formas de medir o desempenho individual de cada aluno, para ajudar os professores a lidar com deficiências específicas de cada um.

Na esteira do sucesso do Memrise em vários colégios, outras empresas lançaram propostas semelhantes.
Um dos apps, o Cerego, foi lançado em setembro do ano passado e traz cursos específicos de memorização em assuntos como anatomia do cérebro, teoria musical e história da arte. A empresa diz que pessoas que usam o app tiveram desempenho de 20% a 50% superior em testes.

Os professores dizem que o princípio de diversão funciona bem, os alunos precisam trabalhar menos para aprender. Quem acaba precisando trabalhar são os próprios professores – já que os alunos começam a avançar muito rápido na matéria, e os tutores precisam preparar novas aulas.

Go to Top