BKO WAVE SAÚDE

Posts tagged terror

Os novos filmes de terror serão um dia tão importantes quanto “O Exorcista”?

0

Cena do filme “O Exorcista” (1973) Imagem: Reprodução

Rodolfo Vicentini, no UOL

Ganhando mais espaço na Bienal Internacional do Livro, em São Paulo, o terror virou tema de debate no painel “Pós-horror: O Novo Terror” nesta sexta-feira (03). Os escritores Santiago Nazarian, Gabriel Tennyson e Marcos DeBrito analisaram como a nova leva de filmes e livros do gênero se diferenciam das produções “jump  scare” — aquelas de susto fácil que inundaram o mercado nos últimos anos — e vem ganhando destaque.

“Para mim, o pós-terror teria um descomprometimento com o gênero, ele utiliza convenções para trazer questões mais profundas do que o medo e o arrepio”, disse Santiago, que lançou “Neve Negra” em 2017 pela Companhia das Letras. “Acho que a questão é além do terror. Leitores mais jovens de gênero acham que eu faço um terror chato. Eu acho bom ter um terror ‘chato’ e outro mais comercial, convencional. As pessoas podem acabar se interessar por isso”.

Diretor e roteirista de “Condado Macabro” e “Mesa Pra Dois”, Marcos não gosta da alcunha por dar a entender que “nega” o que veio antes, mas entende que o pós-terror vem em um momento positivo. “[O termo] Acabou sendo criado para ir contra o ‘jump scare’, tipo [o da franquia] ‘Sobrenatural’, que é um estilo que vem sendo usado muito. A gente está retornando à origem. A gente tem que reeducar o público para além do susto fácil”.

Da esquerda para direita: Gabriel Tennyson, Marcos DeBrito, Antonio Carlos Sartini (mediador) e Santiago Nazarian Imagem: Iwi Onodera/UOL

Gabriel, autor de “Deuses Caídos” (Companhia das Letras, 2018), por sua vez, inseriu um novo tema para análise. Os filmes recentes que cativaram a crítica e não necessariamente o público, como “Um Lugar Silencioso” e “Corra!”, terão o mesmo apelo que alguns clássicos do cinema que uniram o modelo comercial, feito para as massas, com situações criativas e que fugiam do senso comum?

“Lembro quando relançaram ‘O Exorcista’ no cinema, com o corte do diretor. Quando vi o filme ainda pequeno, fiquei com tanto medo que dormia com o cobertor na cabeça, mas na sessão que fui a galera estava rindo. O horror precisa dessa renovação constante. Mas tenho dúvida se esses filmes serão lembrados como ‘O Exorcista’ foi lembrado naquela época”.

A questão levantada é válida, afinal “O Exorcista”, lançado em 1973, foi indicado a 10 Oscars (inclusive o de melhor filme) e entrou para a cultura pop como um dos mais assustadores da história do cinema.

Santiago crê que algumas produções atuais, que carregam a marca do “terror psicológico”, podem sim ficar tão marcantes quanto o filme dirigido por William Friedkin. “Eles estão sendo indicados ao Oscar, e isso já eterniza o filme de uma certa forma”.

Entre tantos temas debatidos pelo trio, o terror brasileiro tanto na literatura quanto na sétima arte também ganhou destaque, principalmente a necessidade de criar uma identidade própria para falar do que é palpável ao brasileiro.

“Eu escrevo sobre Egum em ‘Deus Caídos’, por exemplo. O brasileiro é um público conservador ainda, com paradigmas. O essencial seria filmes mais complexos, mas que atingisse a mensagem clara de entretenimento. É uma responsabilidade nossa [escritores, roteiristas e diretores]. É natural uma emulação do que vem de fora, mas eu creio que aos poucos vamos dar uma noção nacional e exportar isso.”

Marcos completou a ideia. “Precisamos criar mundos da nossa realidade. Não fazer [filmes e livros] porque estamos mais acostumados [com o que está sendo feito lá fora]. Estamos trazendo a nossa verdade com pitadas de comercial para um público que está começando a ler”.

O diretor, roteirista e escritor usou como exemplo seu livro “O Escravo de Capela”, em que muda a imagem popular do Saci. “Peguei as lendas africanas e criei um novo saci. Em vez de ser da natureza, peguei um escravo que cortaram a perna e voltou dos mortos para se vingar. É uma imagem real que reflete mais a nossa cultura. O saci original era tenebroso, e virou algo mais comercial com o tempo”.

Literatura de suspense e terror marca presença na 25ª Bienal do Livro

0

Os americanos A. J. Finn, autor de “Mulher na Janela”, e Charlie Donlea, de “A Garota do Lago”, participam pela primeira vez do da Bienal Internacional do Livro de São Paulo

Publicado no 24 Horas News

A literatura de suspense e terror tem ganhado cada vez mais fãs ao redor do mundo. No Brasil não é diferente e, para contemplar os leitores assíduos, dois grandes escritores do gênero estarão pela primeira vez no país e participarão da 25ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo, em agosto.

A. J. Finn, autor de “A Mulher na Janela”, que ganhará as telas de cinema com Amy Adams no papel principal, e Charlie Donlea, autor de “A Garota do Lago” e “Deixada para trás”, sobem ao Palco Cultural do evento para conversar com o público sobre a literatura de suspense e terror. A ideia é abordar o encantamento que suas histórias produzem nos leitores e a construção das narrativas.

No dia 5 de agosto, às 13h30, A. J. Finn, cuja obra faz sucesso mundo afora e foi vendida para mais de 30 países, se apresenta. Já no dia 8 de agosto, às 16h, é a vez de Charlie Donlea, que estreou há apenas dois anos na literatura e recebeu resenhas fervorosas de grandes nomes nos EUA, entre eles, Mary Kubica. Seus livros no Brasil já alcançam a marca de 150.000 exemplares vendidos. Ele vai contar sobre suas inspirações, falar dos dois primeiros livros e lançar seu novo Thriller, “Don’t Believe IT”.

Outra boa notícia para os fãs do gênero literário é que foi fundada, em janeiro deste ano, a Aberst (Associação Brasileira de Escritores de Romances Policial, Suspense e Terror), que logo criará uma premiação anual para autores do segmento, a exemplo do que acontece em outros países. Esta é uma forma de incentivar a produção da literatura de suspense e terror.

Realizada de 3 a 12 de agosto pela Câmara Brasileira do Livro (CBL), a 25ª edição marca os 50 anos da Bienal. Durante os 10 dias de evento, os visitantes poderão viver experiências culturais diversas e ter contato direto com autores, em bate-papos e palestras exclusivas.

Com a assinatura “Venha fazer esse download de conhecimento”, a campanha deste ano enfatiza a importância do diálogo, da abertura de perspectivas e busca de novos conceitos. Os debates na Arena Cultural irão abordar desde a literatura infantil, até a literatura de suspense e terror.

Fonte: IG Gente

Cemitério Maldito pode ser a adaptação mais apavorante dos livros de Stephen King

0

Karoline Póss, no Cinema 10

Publicado por Stephen King em 1983, o romance de terror Cemitério Maldito já foi convertido aos cinemas em 1989 e está sendo atualmente trabalhado para receber uma nova adaptação cinematográfica que deve estrear em abril de 2019.

A equipe responsável pela produção do filme acredita que este será um dos mais assustadores filmes já adaptados de livros de Stephen King, considerado como o mestre do terror, uma vez que esta obra é a mais apavorante de suas produções literárias, com o filme prometendo ser fiel ao arquivo original.

Com roteiro de Jeff Buhler, direção de Dennis Widmyer e Kevin Kolsch, o filme deve começar a ser gravado na segunda metade do ano, em Montreal. Ansiosos?

Enquanto Cemitério Maldito não estreia, conheça outros filmes de terror em nossa seção especial.

Escritores de romances policiais, suspense e terror ganham associação

0

Personificação cinematográfica de Pennywise, o palhaço de It: a coisa, livro de Stephen King | © Frame do Filme

Idealizada por Cláudia Lemes, Aberst tem como objetivo unir escritores dos gêneros e divulgar seus trabalhos. Inscrições para associados estão abertas.

Publicado no Publishnews

Populares ao redor do mundo, as associações de romances de gênero surgiram para fazer com que suas histórias tivessem mais reconhecimento e uma maior valorização. Por aqui, acaba de nascer uma: a Associação Brasileira de Escritores de Romance Policial, Suspense e Terror (Aberst). Idealizada pela escritora Cláudia Lemes, a associação foi criada com o objetivo de unir escritores dos gêneros, fortalecê-los dentro do cenário literário atual, promover eventos de interação entre escritores, publishers, blogueiros e leitores, divulgar obras e novidades e criar uma premiação anual das melhores obras policiais, de suspense e terror do ano.

Escritora Claudia Lemes é fundadora e primeira presidente da associação | © Divulgação

Eleitos por um grupo de aproximadamente 60 autores, o Conselho da Aberst é formado por seis pessoas, entre elas a fundadora como presidente. Tito Prates (embaixador da Agatha Christie no Brasil e escritor), Fábio Fernandes (tradutor de obras icônicas de Ficção Científica e escritor) e Vítor Abdala (escritor de terror e membro da Horror Writers Association) são os conselheiros; Mário Bentes (Publisher da Lendari) é o secretário e Jhefferson Passos (escritor de terror), o tesoureiro.

Além disso, a associação já conta com Associados Honorários como o escritor Raphael Montes, os editores Pedro Almeida e Alessandra Ruiz e o escritor de terror Rubens Francisco Lucchetti.

Ao PublishNews, Pedro, que é também colunista do PublishNews, ressaltou a importância da associação e a mudança que o gênero sofreu nos últimos anos: “nos romances policiais mais resenhados até os anos 2000, havia menos ação e personagens mais filosóficos, bonachões, quando o bom do gênero está na ação, na agilidade e na arquitetura do mistério. Enfim, foi a época em que se vendeu o que a elite cultural quis consumir. Mas agora há espaço para o livro em que o conteúdo volta a ser mais importante que a forma. Uma retomada dos princípios do gênero, seja como Agatha Christie, Bram Stoker, G K Chesterton e Allan Poe”.

Os associados, que podem ser escritores publicados e independentes, editores, capistas, revisores, blogueiros, youtubers e qualquer pessoa envolvida com literatura, terão acesso a uma rede de apoio, com o intuito de divulgar seus livros e lançamentos.

Pedro Almeida é associado honorário da Aberst

Outra vantagem é que esses associados também poderão participar do programa de resenhas da ABERST, que conta com mais de 25 blogs e canais literários que resenharão as obras dos autores associados e terão seus trabalhos e biografias divulgados no site oficial da associação (ainda em construção), e serão convidados para participar de eventos.

Para ajudar na profissionalização de novos autores, a associação também oferecerá cursos e oficinas de escrita com descontos consideráveis para seus associados, que também serão isentos de taxas de inscrição para a participação da Premiação Anual Aberst de literatura, com sua primeira edição prevista para outubro deste ano. Com as inscrições para associados abertas há pouco mais de um mês, a Aberst já conta com 50 deles e pretende ainda fechar parcerias com editoras para facilitar o ingresso de seus autores associados ao mercado, oferecendo sua rede de divulgação em troca.

Stephen King é o rei da adaptação para o cinema e a TV

0
Jogo Perigoso está disponível na Netflix. Foto: Netflix/Divulgação

Jogo Perigoso está disponível na Netflix. Foto: Netflix/Divulgação

Fernanda Guerra, no Diário de Pernambuco

Nos primeiros anos da década de 1970, Stephen King lançou o livro Carrie, a estranha, o primeiro a ser adaptado para os cinemas. Após a versão do filme, outros remakes foram lançados. De lá para cá, as obras do escritor norte-americano, hoje com 70 anos, ganharam projeção expressiva no cinema e na TV, tornando-o um dos autores mais adaptado no segmento audiovisual. Só em 2017, uma longa lista de produções surgiram a partir das obras de King: os filmes A torre negra e It: A coisa estrearam nos cinemas, os longas Jogo perigoso e 1922 foram lançados pela Netflix, que também exibiu a série O nevoeiro, extinta na primeira temporada. Nos Estados Unidos, também foi lançada a série Mr. Mercedes, ainda inédita no Brasil.

Para quem é fã do gênero terror e suspense, o longa-metragem Jogo perigoso, baseado no livro homônimo publicado em 1992, traz objetos clássicos do terror psicológico, como psicopata e alucinações, elementos recorrentes na obra do autor. Dirigido por Mike Flanagan, o título abrange para questões como machismo, pedofilia e abuso sexual. A produção acompanha Jessie (Carla Gurgino) presa à cama – mote que fez o público associar ao filme Louca obsessão (1992).

Com repercussão menor que Jogo perigoso, 1922 é estrelado por Thomas Jane, na pele de um fazendeiro que mata a esposa, Arlete (Molly Paker), auxiliado pelo filho, Henry (Dylan Schmid). Ele planeja cometer o crime quando ela decide se divorciar, vender a fazenda e se mudar para a cidade acompanhada do filho. O catálogo da Netflix também contempla outros títulos assustadores da obra do autor: Pacto maligno, Conexão mortal e Cemitério maldito, além de três temporadas do seriado Under the dome.

Go to Top