BKO WAVE SAÚDE

Posts tagged Tolstoi

5 escritores russos que você deveria ler

0

Leitura difícil é compensada por profundidade de temas e personificação de autores nas obras

Publicado no Guia da Semana

A primeira coisa que nos vem à cabeça quando pensamos em Literatura Russa é que a leitura é praticamente impossível. Isso faz com que, muitas vezes, deixemos de conhecer um título incrível por achar que não vamos conseguir compreendê-lo ou que o prazer de ler será transformado em algo extremamente cansativo.

Entretanto, os escritores russos possuem algo de especial: eles não são distintos e peculiares apenas pela escrita, mas pelas próprias pessoas que foram ou são, o que os torna a personificação de suas próprias obras. Isso, sem dúvidas, faz com que nós, leitores, consigamos enxergar um pouco do que eles são por dentro… E essa é uma experiência impagável.

Assim, para que você conheça alguns dos maiores nomes e se aproxime dessa literatura incrível e profunda, o Guia da Semana lista os escritores que você deveria ler. Confira:

LEON TOLSTOI

158

Tolstoi era conde e nasceu em uma família rica. Ficou órfão muito cedo, ainda na infância, e foi criado e educado por perceptores. Devido ao sentimento de vazio que sentia, alistou-se ao exército e, no início da vida adulta, passou a investir boa parte do tempo (e dinheiro) em bebida, jogo e prostitutas. Mais tarde, repudiou profundamente essa fase.

Mais velho, preocupado com a precariedade da educação no meio rural, criou uma escola para filhos de camponeses. O escritor mesmo escreveu grande parte do material didático e, ao contrário da pedagogia da época, deixava os alunos livres, sem excessivas regras e sem punições.

Teve 13 filhos de um casamento extremamente complicado e, depois de ter se dedicado imensamente à vida familiar, passou a escrever e tornou-se imensamente famoso logo com os primeiros títulos – Guerra e Paz, e Anna Karenina.

Bem sucedido como escritor, atormentava-se com questões sobre o sentido da vida e, por isso, passou a viver de forma simples como os camponeses.

Indicações de obras: Guerra e Paz, Anna Karenina, Ressurreição.

FIÓDOR DOSTOIÉVSKI

fiodor-dostoievski

Dostoiévski é considerado um dos maiores autores da história da humanidade, posição de extrema responsabilidade e reconhecimento. Entretanto, engana-se quem pensa que sua vida foi tranquila e maravilhosa.

Na juventude, participou de um grupo intelectual revolucionário e foi acusado de conspirar contra o imperador da Rússia e condenado à morte. Apenas quando já estava posicionado para ser fuzilado, teve sua pena transformada em trabalhos forçados e o fato o marcou e mudou completamente sua história.

Suas obras exploram a autodestruição, humilhação e assassinato, além de analisar estados patológicos que levam ao suicídio, à loucura e homicídios.

Indicações de obras: Crime e Castigo, Os irmãos Karamázov, Diário do Subsolo, O Idiota e Os Demônios.

DANIIL KHARMS

kharms

Em suas obras, protestava contra o realismo socialista e, por pouco, não acabou passando pela mesma situação que Dostoiévski. Assim, com a censura, já que não conseguia mais escrever como queria para a literatura adulta, passou a escrever livros infantis – e chocou as autoridades.

Os contos fizeram muito sucesso com o público infantojuvenil, afinal, o autor adotou um humor sombrio e tragicômico para contar situações banais. Em um de seus mais famosos, diversas velhas lançavam-se pela janela só para satisfazer a curiosidade de saber o que a velha anterior estava olhando. Mais adiante, o narrador, cansado de ver as mulheres morrendo, vai para a feira. O título? “Velhas que caem”.

Indicações de obras: Esqueci como se chama, Os sonhos teus vão acabar contigo, As velhas que caem.

NIKOLAI GOGOL

nikolai-gogol-1809-1852-russian-writer-everett

Gogol foi um contista genial, romancista e teatrólogo, além de um dos fundadores da moderna literatura russa. Levou à Russia o realismo fantástico e escreveu livros considerados obras primas, como “O Capote” e “O Retrato”.

O gosto pela leitura veio através de seu pai e a crença e religião de sua mãe – o que mais tarde transformou-se em um apego pelo misticismo extremamente doentio. Conheceu o grande poeta Alexandre Pushkin, que influenciou obras que ainda não haviam começado a ser escritas.

A sua obra reflete o lado moralista das questões que dizem respeito à condição humana, trágica e inapelavelmente prisioneira na sua jaula.

Indicações de obras: O Capote, O Retrato, Arabescos e Almas Mortas.

ANTON TCHEKHOV

anton-tchekhov

O escritor inventou uma nova forma de escrever contos: com o mínimo de enredo e o máximo de emoção. Em suas histórias, criava atmosferas, registrando situações que não se encerravam no final dos relatos – diferente do gênero da época, intrigante, com desfechos inesperados. Com uma visão de mundo ora humorística, ora poética, ora dramática, Tchekhov captou momentos ocasionais da realidade, fatias de vida, pequenos flagrantes do cotidiano, estados de espírito da gente comum. A genialidade de sua arte era transformar incidentes laterais e aparentemente insignificantes da existência individual em representações perfeitas do destino humano. Suas histórias não tinham o fanatismo e a densidade de Dostoievski nem o idealismo de Tolstoi, eram apenas humanas.

Indicações de obras: A Gaivota, As três irmãs, A festividade e A arte da simulação.

Nathália Tourais redator(a)

Lições de Tolstói

0

O escritor russo nos ensina em ‘Guerra e paz’ que apesar de todo o mau que há na vida, a humanidade vai deixando para trás, pouco a pouco, seu pior

Mario Vargas Llosa, no El País

FERNANDO VICENTE

FERNANDO VICENTE

Li Guerra e Paz pela primeira vez há meio século, em um volume único da Pléiade, durante as minhas primeiras férias remuneradas pela Agência France Presse, em Perros-Guirec. Estava escrevendo naquele período o meu primeiro romance, e vivia obcecado com a ideia de que, diferentemente do que ocorre com outros gêneros literários, a quantidade, no romance, era um ingrediente essencial da qualidade; de que os grandes romances costumavam ser também romances grandes –longos— porque abrangiam tantos aspectos da realidade que davam a sensação de expressar a totalidade da experiência humana.

O romance de Tolstói parecia confirmar milimetricamente essa teoria. A partir de um começo frívolo e mundano naqueles salões elegantes de São Petersburgo e de Moscou, com aqueles nobres que falavam mais em francês do que em russo, a história ia descendo e se espraiando por toda a complexa sociedade russa, expondo-a com toda a sua ilimitada gama de classes e tipos sociais, dos príncipes e generais aos servos e camponeses, passando pelos comerciantes e as senhoritas em idade de casar, os libertinos e os maçons, os religiosos e os aproveitadores, os soldados, os artistas, os arrivistas, os místicos, até envolver o leitor na vertigem de ter sob os seus olhos uma história na qual atuavam todas as variações possíveis daquilo que é humano.

Em minha lembrança, o que mais se destacava nesse romance eram as batalhas, a odisseia extraordinária do velho general Kutúzov, que, de derrota em derrota, vai aos poucos desgastando as tropas napoleônicas invasoras até que, com a ajuda do inverno brutal, da neve e da fome, consegue acabar com elas. Na minha cabeça, firmava-se a falsa ideia de que, se fosse preciso resumir Guerra e Paz em uma só frase, daria para dizer que se tratava de um grande mural épico sobre como o povo russo rechaçou as empreitadas imperialistas de Napoleão Bonaparte, “o inimigo da humanidade”, e defendeu a sua soberania; ou seja: um grande romance nacionalista e militar, de exaltação à guerra, à tradição e às supostas virtudes castrenses do povo russo.

Constato agora, nesta segunda leitura, que eu estava enganado. Longe de apresentar a guerra como uma experiência virtuosa na qual se forjam o moral, a personalidade e a grandeza de um país, o romance a expõe com todo o seu horror, mostrando em cada batalha –especialmente na alucinante descrição da vitória de Napoleão em Austerlitz— a monstruosa carnificina que ela provoca, a penúria e as injustiças que atingem os homens comuns, que constituem a maioria de suas vítimas; assim como a estupidez macabra e criminosa daqueles que detonam essas tragédias falando em honra, em patriotismo, em valores cívicos e militares, palavras cujo vazio e cuja pequenez se mostram evidentes aos primeiros disparos dos canhões. O romance de Tolstói tem muito mais a ver com a paz do que com a guerra. O amor à história e à cultura russa que indiscutivelmente o impregna não exalta em nada o som e a fúria das matanças, mas sim aquela vida interior intensa, cheia de reflexão, de dúvidas, a busca da verdade e o esforço em fazer o bem aos outros, tudo isso encarnado no bondoso e pacífico Pierre Bezúkhov, o herói do romance.

Embora a tradução de Guerra e Paz para o espanhol que estou lendo não seja excelente, a genialidade de Tolstói se faz presente a cada passagem, em tudo o que ele relata, e mais no que oculta do que no que explicita. Seus silêncios são sempre eloquentes, comunicam algo, estimulam a curiosidade do leitor, que fica preso ao texto, ansioso para saber se o príncipe Andrei finalmente declarará o seu amor a Natasha, se o casamento combinado realmente acontecerá, ou se o excêntrico príncipe Nikolai Andreiévitch conseguirá impedi-lo. Não há quase nenhum episódio no romance que não deixe algo no ar, que não se interrompa deixando de revelar ao leitor algum elemento ou informação decisivos, de modo a fazer com que sua atenção não diminua, se mantenha sempre ávida e alerta. É realmente extraordinário como em um romance tão amplo, tão diversificado, com tantos personagens, a trama é sempre conduzida com tanta perfeição por um narrador onisciente que nunca perde o controle, que delimita com absoluta maestria o tempo dedicado a cada um, que vai avançando sem descuidar nem preterir de nenhum deles, dando a todos o tempo e o espaço apropriados para fazer com que tudo avance conforme avança a própria vida, por vezes muito vagarosamente, por vezes em saltos frenéticos, com suas doses diárias de alegrias, tragédias, sonhos, amores e fantasias. (mais…)

Sensibilidade, um dom de poucos

0

Por que Tolstoi foi Tolstoi? Ou melhor, como Tolstoi conseguiu escrever o que escreveu? Ou então Victor Hugo? Ou então Miguel Cervantes? Ou então Goethe? Ou então Machado de Assis? Ou então Kafka? Como esses sujeitinhos tiveram a capacidade de expressar tantos sentimentos, situações e pensamentos humanos e de maneira tão viva e transformadora?

Tolstoi, autor de Guerra e Paz e de Anna Karenina

Tolstoi, autor de Guerra e Paz e de Anna Karenina

Max Fritz, no Obvious

Victor Hugo, autor de Os Miseráveis

Victor Hugo, autor de Os Miseráveis

Nosso querido Machado de Assis

Nosso querido Machado de Assis

Já busquei a resposta inúmeras vezes. Teriam eles alguma capacidade especial, ou seria apenas fruto de muito trabalho? Um grande amigo certa vez me disse ser a sensibilidade a grande diferença entre os grandes escritores e as pessoas “meramente comuns”. Achei essa resposta bastante convincente.

Pouquíssimas pessoas teriam capacidade de escrever, por exemplo, Grandes Expectativas. Somente um espírito aguçado e extremamente sensível às relações humanas e às formas como as pessoas de realidades sociais distintas interagem como o de Dickens poderia, de forma tão realista, narrar a estória de Pip.

O grande Charles Dickens

O grande Charles Dickens

Há um certo senso comum impregnado em quase todo mundo (suspeito e já ouvi dizer ser decorrência de ideias de Nietzsche, outro com indubitável sensibilidade ao mundo) de que qualquer indivíduo, com empenho e esforço próprio suficiente, poderia chegar aonde quisesse e, por exemplo, escrever um grande clássico. Mas duvido, com todas as forças, que haja 5 vivalmas capazes de escrever um livro do porte e da profundidade sentimental de Crime e Castigo, de Dostoievski.

Dostoievski, cuja sensibilidade é inigualável

Dostoievski, cuja sensibilidade é inigualável

Trata-se de um dom: o dom da sensibilidade. Pouquíssimos o têm. Parte significativa dos autores destaca-se por uma sensibilidade um pouco maior que a média e por muito esforço. Não se pode negar ser o esforço importante, pois a sensibilidade, sozinha, não leva a lugar nenhum. Mas os grandes autores, os clássicos, aqueles que jamais serão esquecidos, além de esforço, podemos ter certeza de que tinham uma sensibilidade absurda. Pode até ser que muitos deles tenham sido infelizes por esse motivo.

Allan Poe, dono de uma sensibilidade que talvez tenha arruinado sua vida © obvious: http://lounge.obviousmag.org/aqui_e_acola/2014/11/sensibilidade-um-dom-de-poucos.html#ixzz3Kl4KInxM  Follow us: obviousmagazine on Facebook

Allan Poe, dono de uma sensibilidade que talvez tenha arruinado sua vida
© obvious: http://lounge.obviousmag.org/aqui_e_acola/2014/11/sensibilidade-um-dom-de-poucos.html#ixzz3Kl4KInxM
Follow us: obviousmagazine on Facebook

Muito se diz que essa sensibilidade nasce de uma vida atribulada e cheia de sofrimentos. Salinger, outro com uma sensibilidade descomunal, discorda disso e menciona Walt Withman, talvez o maior poeta norte-americano, como exemplo de vida pacata e comum, mas cujos versos influenciaram e influenciam inúmeros poetas.

Walt Whithman, de Leaves of Grass

Walt Whithman, de Leaves of Grass

A nós, meras pessoas com sensibilidade comum, cabe desfrutar da leitura e dos dons dos grandes escritores.

1

Lista essencial de leitura para cada estágio da vida, segundo Tolstoi

0

Mesmo que alguém não possa terminar toda a grande literatura, tem-se que começar em algum lugar.

1

Maik Barbara, no Homo Literatus

Pouco depois de seu quinquagésimo aniversário, Liev Nicolaevitch, conde de Tolstói, ou mais comumente chamado apenas de Liev Tolstói, sucumbiu a uma profunda crise espiritual e decidiu retrair-se com o objetivo de encontrar o sentido da vida. Ele começou tal façanha lendo vorazmente as principais tradições filosóficas e religiosas espalhadas por todo o mundo, descobrindo grandes similaridades na forma como cada linha de pensamento se posicionava contra a verdade do espírito humano.

Ele também foi, como qualquer grande escritor, um leitor insaciável de literatura em geral, o que teceu junto a seus estudos o seu Um Calendário de Sabedoria (A Calendar of Wisdow), o qual passou as últimas décadas de sua vida desenvolvendo.

Mas, apesar de sua ampla e prolífica leitura, Tolstói considerava alguns livros em específico como especialmente importantes e influentes em seu desenvolvimento.

Já sob a idade de sessenta e três anos, em uma carta enviada a um amigo ele compilou uma lista dos livros que ao longo de sua vida mais tinha-o impressionado. Em 25 de outubro de 1891, então é encontrada em Cartas de Tolstoi (Tolstoi’s Letters), a máxima prefaciada sob responsabilidade do autor:

“Estou enviando a lista que comecei, mas não terminei, para sua consideração, mas não para publicação, uma vez que ela está longe de ser terminada”- (leitura, é claro, é inerentemente incompleta, haja vista que nunca se pode esperar “terminar” toda a literatura, ou sequer deve-se desejar tal coisa).

Sob o título As Obras que Deixaram uma Boa Impressão (Works Which Made an Impression), Tolstói divide sua lista de leitura em cinco estágios distintos da vida, começando com a infância e terminando em sua idade, na época – ele as classifica cada qual sob títulos variando entre sua excelência e qualidade, indo de “Grande” a “M. Grande” ou “Enorme”.

Curiosamente, Tolstói considera a literatura relativa da adolescência como um dos momentos mais formativos, prescrevendo a essa faixa etária livros maiores em qualidade e quantidade, enquanto que para a faixa dos vinte a meados dos trinta anos de idade a lista é mais escassa em ambas as qualidades, e sendo mais ocupada em parte pela poesia – talvez por poucas pessoas na época terem o luxo do lazer pela leitura durante seus mais vividos e vitais anos de desenvolvimento econômico, social e de vida em geral, ou talvez por Tolstói simplesmente acreditar que um adulto deve estar mais ocupado com outras coisas do que com a leitura nessa fase mais produtiva e ativa da vida.

Há apenas duas figuras femininas conhecidas na lista de Tolstoi, e pode-se imaginar que seja devido a preconceito, tanto particular quando em detrimento da época e de cultura – embora este último certamente molde o primeiro.

ESTÁGIO, IDADE, CLASSIFICAÇÃO, LISTA EM SI

INFÂNCIA | Até a idade dos 14 anos

GRANDE

Tales from The Thousand and One Nights (Bibliotecas Públicas): The 40 Thieves, Prince Qam-al-Zaman
Pushkin’s Poems (Bibliotecas Públicas): “Napoleon”

M. GRANDE

The Little Black Hen (Bibliotecas Públicas) de Pogorelsky

ENORME

The story of Joseph from The Bible (Bibliotecas Públicas)
The Byliny (Bibliotecas Públicas) folk tales: Dobrynya Nikitich, Ilya Muromets, Alyosha Popovich

IDADE: dos 14 aos 20 anos

GRANDE

The Conquest of Mexico (Bibliotecas Públicas) por William Prescott
Tales of Good and Evil (Bibliotecas Públicas) por Nikolai Gogol: “Overcoat”, “The Two Ivans”, “Nevsky Prospect”

M. GRANDE

A Sentimental Journey (Bibliotecas Públicas) por Laurence Sterne
A Hero for Our Time (Bibliotecas Públicas) por Mikhail Lermontov
The Hapless Anton por Dmitry Grigorovich
Polinka Saks (Bibliotecas Públicas) por Aleksandr Druzhinin
A Sportsman’s Notebook (Bibliotecas Públicas) por Ivan Turgenev
Dead Souls (Bibliotecas Públicas) por Nikolai Gogol
Die Räuber (Bibliotecas Públicas) por Friedrich Schiller
Yevgeny Onegin (Bibliotecas Públicas) por Alexander Pushkin
Julie, or the New Heloise (Bibliotecas Públicas) por Jean-Jacques Rousseau

ENORME

The Gospel of Matthew (Bibliotecas Públicas): “Sermon on the Mount”
The Confessions (Bibliotecas Públicas) por Jean Jacques-Rousseau
Emile: Or on Education (Bibliotecas Públicas) por Jean Jacques-Rousseau
“Viy” de The Collected Tales of Nikolai Gogol (Bibliotecas Públicas)
David Copperfield (Bibliotecas Públicas) por Charles Dickens

ADULTO | IDADE: dos 20 aos 35 anos

GRANDE

Poemas (Bibliotecas Públicas) por F.T. Tyutchev
Poemas (Bibliotecas Públicas) por Koltsov
The Iliad / The Odyssey (Bibliotecas Públicas) por Homer*
Poemas (Bibliotecas Públicas) por Afanasy Fet
The Symposium and The Phaedo (Bibliotecas Públicas) por Plato

M. GRANDE

Hermann and Dorothea (Bibliotecas Públicas) por Johann Wolfgang von Goethe
Notre-Dame de Paris (Bibliotecas Públicas) por Victor Hugo

IDADE: dos 35 aos 50 anos

GRANDE

Os romances da Sra. Henry Wood
Os romances de George Eliot
Os romances de Anthony Trollope

M. GRANDE

The Iliad / The Odyssey (Bibliotecas Públicas) por Homero
The Byliny (Bibliotecas Públicas)
Xenophon’s Anabasis (Bibliotecas Públicas)

ENORME

Les Misérables (Bibliotecas Públicas) por Victor Hugo

IDADE: dos 50 aos 63 anos

GRANDE

Discourse on Religious Subject (Bibliotecas Públicas) por Theodore Parker
Robertson’s Sermons (Bibliotecas Públicas)

M. GRANDE

The Book of Genesis (Bibliotecas Públicas)
Progress and Poverty (Bibliotecas Públicas) por Henry George
The Essence of Christianity (Bibliotecas Públicas) por Ludwig Feuerbach

ENORME

The Complete Gospels* (Bibliotecas Públicas)
Pensées (Bibliotecas Públicas) por Blaise Pascal
Epictetus
Confucius e Mencius
The Lalita-Vistara: Or Memoirs Of The Early Life Of Sakya Sinha (Bibliotecas Públicas) por Rajendralala Mitra
Lao-Tzu

As competências e complementos aos estudos sobre Tolstói podem ser acrescidos de estudos a parte, tais como: a meditação intemporal de Tolstói sobre a arte, suas crônicas sobre o despertar espiritual, e seu compêndio sobre a maior das sabedorias da humanidade.

Quanto ao leitor que deseja apreciar na integra a carta de Tolstói, ele mesmo recomenda que seja lida durante o segundo estágio de amadurecimento literário do saber humano segundo sua lista, ou seja, entre os 20 a 35 anos. Todavia para reflexão sobre a verdadeira educação clássica que propõe, pode ser lida mais próxima aos 35 anos de idade.

O Eduardo Jorge diz que lê Tolstói e a Veja entende Toy Story

0

Aqui trataremos de uma piada que ocorreu a respeito de uma coletiva com o candidato a presidente Eduardo Jorge. Deixando claro que não é apologia ou campanha eleitoral, já que as eleições passaram, mas para retratar a triste realidade do nosso jornalismo, principalmente no que tange a literatura e até a arte em geral.

1

Marcelo Vinicius, no Homo Literatus

Do que estamos comentando? De um alvoroço que tem rodado nas redes sociais a respeito do momento em que o candidato Eduardo Jorge disse em uma coletiva (você encontra o vídeo aqui) que prefere ler Tolstói (um clássico escritor russo), mas a jornalista Marcela Mattos registra que ele disse preferir assistir Toy Story. Transformando isso em manchete e publicando no site da Veja.

Como disse o nosso escritor Rafael Gallo, ganhador do Prêmio Nacional Sesc de Literatura, em sua rede no Facebook, a respeito dessa gafe:

Deve se achar esperta ainda, feito o monte de gente que tenho visto e ouvido nesses dias, que não fazem a menor ideia do tamanho das besteiras que têm soltado.

1

Outro escritor, o Sérgio Leo, que também ganhou Prêmio Sesc de Literatura, comentou a respeito, no perfil do seu Facebook:

Voltei, só para compartilhar o espanto com certo jornalismo nacional. O repórter pede desculpas por invadir a “privacidade pessoal” (!) do candidato. (Já eu me pergunto o que será privacidade impessoal). Eduardo Jorge diz que nunca fumou maconha e prefere Tolstói e a Veja relata que ele disse preferir… Toy Story.

1

O jornalismo é de uma grande responsabilidade ou deveria ser. Exige apuração, pois somos nós, leitores, que podemos ser prejudicados ou beneficiados. No mínimo deveria ter verificado o que o candidato disse de fato, que, por sinal, é facilmente possível verificar também por todos nós, acessando o próprio vídeo da coletiva mencionada. Analisaríamos, então, também, a expressão do Eduardo ao dizer “ler” e não “assistir”, como quis afirmar a tal jornalista da Veja, entre outras coisas.

Mas, todo ser humano erra, e ela errou. Compreendemos, pois quem nunca errou? Porém não deixa de ser uma gafe gritante, até porque o Eduardo foi bem claro na sua fala, sendo quase que impossível ocorrer um erro de interpretação tão destoante como esse. Contudo, não podemos duvidar de nada.

Salientando também que certos erros podem levar a uma consequência mais séria, principalmente se tratando de política (às vésperas da eleição) ou da imagem de uma pessoa sendo divulgada, dessa forma, na internet pelo um portal de notícias não tido como um portal de comédia, tornando preocupante certas deturpações.

Segue a tal matéria da Veja:

Defensor da descriminalização da maconha, o folclórico Eduardo Jorge afirmou, após debate entre os presidenciáveis nesta quinta-feira, que jamais experimentou a droga. “Eu tenho uma família de esportistas. Na minha casa nunca ninguém fumou nem cigarro, imagine maconha. Nós cuidamos muito da nossa saúde”, disse, ressaltando que é médico e que jamais “cairia numa bobagem dessas”. Para provar que não precisa de entorpecentes, o candidato à Presidência pelo Partido Verde citou alguns de seus hobbies: “Prefiro assistir a Toy Story com meu neto ou jogar futebol”, disse. (Marcela Mattos, do Rio de Janeiro)

1

A matéria pode ser acessada aqui.

Obs.: a gafe foi corrigida na revista Veja. O importante é isso, é reconhecer o erro, mesmo um erro que não poderia passar despercebido por ser tão gritante e envolver questões políticas, às vésperas da eleição, e imagem pessoal, mas acontece nas melhores famílias. Tudo resolvido, então, e bola para frente (depois das redes sociais, as notícias correm rápidas demais).

PS.: Compactuando com Rafael Gallo, não votei no Eduardo. Não se trata de defender um candidato, e sim de mostrar o quão sem referência os discursos são formados e – pior – formam a sua recepção.

Go to Top