BKO WAVE SAÚDE

Posts tagged Valores

Venda de livros cresce e volta às aulas puxa mercado de 2018

0

© 2016, MGAPress – Todos os direitos reservados Sobre Nós Nossos Clientes Cases de Sucesso Política de Privacidade Blog

Publicado na Exame

Se você acha que os livros estão morrendo, puro engano! Uma pesquisa divulgada pela Nielsen consultoria mostra que as vendas cresceram 4,19% em 2017 e os primeiros meses de 2018 também começaram bem para o varejo de livros.

O relatório ainda aponta o faturamento desse mercado, que cresceu 14,5% puxado pelo início do ano letivo e os livros de conteúdos escolares. Alguns materiais didáticos exigem dos alunos a compra de uma série de exemplares que, dependendo da profissão, servirão como guia para a vida inteira.

Em comparação à 2017, 2018 registrou mais de 3,5% de crescimento nos gêneros infantis, juvenis e educacionais. Não ficcção e Ficção cairam 1,7 e 2,5%, respectivamente.

Valores dos livros

A pesquisa também mostra que o preço médio dos exemplares comprados ficou na casa dos R$ 53,06. Entre os mais salgados, best sellers, traduções de outras línguas e materiais de estudo como livros de medicina estão entre os títulos com maior valor.

Demais áreas de saúde também registram a média. Livros de enfermagem, por exemplo, contam com uma série de conteúdos e recursos visuais extremamente apurados, que são constantemente atualizados pelos suas instituições reguladoras. Isso pode contribuir para o preço e inviabilizar a compra de uma edição usada, que provavelmente já estará obsoleta para os estudos.

A dica dé se organizar para esse gasto e pesquisar preços antes da aquisição. Também é possível obter descontos em compras coletivas com os colegas de classe. O livro deve ser pensado como um investimento profissional e pessoal pelo estudante.

Descontos para comprar livros

A prática de desconto para grandes compras também é comum no mercado de livrarias e a pesquisa Nielsen mostra também que o consumidor pode ganhar mais de 11% em algumas redes e compras.

Pais: Parem de educar seus filhos para serem campeões olímpicos

0
Track Champions

Track Champions

Barbara Semerene, no Brasil Post

Não me surpreende que o Brasil esteja ganhando menos medalhas do que o esperado nos Jogos Olímpicos Rio 2016. A meu ver, a expectativa era “fantasiosa”. Ganhar uma competição olímpica depende de muito mais do que esforço individual: é resultado de todo um aparato econômico-histórico-cultural que confere poder, autoestima, apoio afetivo e financeiro ao atleta, desde bem antes de ele ter nascido.

Historicamente, faz bem pouco tempo que o governo brasileiro investe em políticas públicas no esporte, comparado com países ricos e desenvolvidos, que tradicionalmente se destacam como campeões. O resultado das Olimpíadas sempre foi reflexo da geopolítica mundial, com raras exceções. Em geral, são mais bem sucedidos os “filhos” de países hegemônicos no mundo. Um ou outro “guerreiro” escapa ileso deste jogo de poder simbólico.

Pelo mesmo motivo, não é surpresa o show que os times femininos estão dando em diversos esportes, e o fato de ter o maior número de atletas assumidamente LGBTT. Mais uma vez: as Olimpíadas são reflexo da nossa cultura.

O que mais tem me chamado a atenção nestes Jogos Olímpicos é a reação de alguns atletas ao perder uma competição. Um judoca brasileiro, ao ser desclassificado por um golpe proibido, se nega a sair do tatame, discute com o juiz e fica gritando em direção aos mesários. Depois de alguns minutos, decide deixar a área de luta e abandona o ginásio chorando. Ele alega ter sido roubado, acusa a arbitragem internacional de persegui-lo e sempre prejudicá-lo no circuito mundial.

Em outro episódio, o treinador do atleta francês que fica atrás do brasileiro no salto de vara diz que o Brasil é um país bizarro. Um outro francês, desta vez na modalidade vôlei, justifica sua derrota acusando os colegas de doping.

Apesar de aparentemente inusitadas para um adulto, tais reações “exageradas” diante de uma frustração tampouco deveriam nos surpreender. Aliás, elas poderiam ser até mais comuns, considerando o mundo hipercompetitivo em que vivemos, onde não há espaço para perdedores. Um mundo onde as frustrações afetivas, desde a mais tenra idade, são tamponadas pelo consumismo, por recompensas materiais de pais que estão no mercado de trabalho ocupados demais tentando “vencer na vida”, sem tempo para dar amor e companhia para seus filhos.

Antes mesmo de o bebê sair da barriga, os pais planejam tudo para que ele seja um “vencedor”.

Estamos colocando nossos filhos no curso de inglês, no judô, na natação, no Kumon, no mandarim, na aula de música aos 2 anos de idade pra que ele seja bastante estimulado e consiga competir no mercado de trabalho. E pouco importa se já tem maturidade emocional para dar conta de uma agenda tão cheia.

Assim vamos educando crianças que nunca tiveram a oportunidade de brincar. Desde que nascem, jogar é obrigação, é treino, é competição.

Começamos na mais tenra idade a “treinar” nossos filhos para sobreviver neste mundo por meio de uma educação baseada em “punições e recompensas”. Reforçamos comportamentos positivos com “medalhas afetivas” ou materiais, e punimos na mesma moeda quando eles não são bem-sucedidos em comportamentos que julgamos “incorretos” ou aquém do esperado.

Simbolicamente, estamos o tempo todo dizendo para nossas crianças que elas só terão valor e só serão amadas se forem “campeãs” e atingirem as metas e objetivos que nós estipulamos.

O sistema escolar segue a mesma linha: avalia todos os alunos por meio de notas padronizadas e jamais dá retornos individuais considerando as singularidades do aprendizado e autenticidade das respostas de cada aluno.

Somos todos tratados como números. E queremos todos ser o número 10. E, quem não quer, é considerado um loser, ainda que seja um poeta ou gente finíssima.

O especialista em educação americano Alfie Kohn, em seu livro Unconditional Parenting (Paternidade e Maternidade Incondicionais, em tradução livre), critica esse modelo amplamente utilizado mundo afora de educação baseada no castigo e recompensa. Diz que os pais deveriam se perguntar menos “como fazer meu filho agir como quero?” e se questionar mais “do que meu filho precisa e como posso dar a ele o que ele precisa?”.

Segundo Kohn, é equivocada a visão de que somos pais permissivos e vivemos numa sociedade centrada na criança. “Não é verdade. As crianças vivem frustradas, porque seus pontos de vista não são levados a sério. Muitos pais tratam os filhos como irritantes desconhecidos. Os pais não precisam ser mais rígidos com os filhos, mas, sim, passar mais tempo com eles, para dar a eles mais orientação e tratá-los com mais respeito.”

Kohn defende uma educação menos voltada a estratégias que façam as crianças agirem conforme queremos no curto prazo. “Se você não comer tudo, não ganha sobremesa.” “Se você passar no vestibular, te dou um carro”, “se você correr na escada, vai ficar de castigo”. Às vezes, até renegando amor: o filho fica de recuperação e o pai fecha a cara e dá um gelo nele.

Vira e mexe me vejo fazendo este tipo de coisa com o meu filho de 4 anos. Às vezes até estimulo descaradamente a competitividade. Para fazê-lo ir logo escovar os dentes antes de sairmos para a escola, proponho: “vamos ver quem chega primeiro no banheiro?”.

Mas ando mais atenta às mensagens que estou transmitindo e que crianças registram para a vida toda: “competir é legal”, “só me amam quando faço exatamente o que o outro quer”, “para conseguir o que se quer, ameace e coloque medo”.

Segundo Kohn, quanto mais usamos a punição como conduta, mais criamos pessoas que pensam em como as consequências de suas ações afetarão elas próprias e não os outros… Crianças autocentradas.

Kohn argumenta que a punição impede a reflexão moral. Além disso, estimular a competitividade leva a criança a ver cada colega como potencial obstáculo para o seu sucesso. Os resultados previsíveis são: alienação, agressividade, inveja.

O escritor americano afirma que quando o seu senso de competência depende de triunfar sobre os outros, você irá, na melhor das hipóteses, se sentir seguro só de vez em quando, porque nem todos podem ganhar.

A competitividade torna a autoestima condicionada e precária e tem efeito sobre campeões e perdedores. Ele conclui: evite posicionar seu filho no mundo como superior aos outros. E aconselha: seja mais acolhedor e apoiador do que controlador; evite atrelar sua própria identidade às conquistas do seu filho.

Nada contra ser orgulhoso das conquistas dele, mas quando contar vantagem sobre o filho é algo que se faz com frequência e muito entusiasmo, é possível que se esteja confundindo sua identidade com a dele.

Lá em casa, faço questão de não deixar o meu filho de 4 anos ganhar todas as vezes em um jogo ou brincadeira. E nem fazer elogios do tipo “nossa, como você está bonito, vai ser o menino mais bonito da festa” ou “você é o melhor jogador de futebol do mundo”.

Durante muito tempo, ao não acertar no gol ou ao sair perdendo no dominó, meu pequeno agia de forma bem parecida àquele judoca brasileiro: dava piti, se jogava no chão, dizia que não tinha valido.

Aos poucos, eu tenho contado pra ele que o legal é jogar pra se divertir, não para ganhar. E divertido é quando cada hora um ganha. Se ele sempre ganhar, o outro sempre vai perder, o que, além de ser sem graça, não é justo que só um fique feliz e outro sempre triste. E digo que o amo quando ele perde ou ganha. Quero que ele se sinta amado só por existir.

O Brasil não está precisando de mais campeões olímpicos. O que o Brasil e o resto do mundo precisam é de bons perdedores.

A educação e a formação dos valores

0

criancas-brincam-no-patio-da-crechepre-escola-oeste-da-usp-universidade-de-sao-paulo-1348244619594_615x300
Leo Fraiman, do UOL

A educação empreendedora tem por base valores morais, que devem permear todas as atividades e atitudes em sala de aula, tanto dos alunos quanto dos professores.

Um dos elementos que distinguem uma educação de qualidade, de excelência e que realmente resulte duradoura e positiva para nossos educandos são as práticas de valores. Estes não se referem a ideias ou conceitos. Muitas vezes o professor, na melhor das intenções, confunde o princípio de valores com a prática de apresentar conceitualmente para os alunos o que é a fraternidade, a justiça ou a diversidade, porém essa é a parte visível do ensino de valores. Aprendemos valores quando os vivenciamos, assim percebemos que, efetivamente, praticamos esses conceitos nas escolas.

O que são valores, então? Valores são uma espécie de bússola interior, ou um eixo norteador, que nos aproxima ou nos afasta de pessoas, experiências e atitudes, percebidas como positivas ou negativas, de acordo com o critério de avaliação do que seja importante para nós. É o valor da justiça que nos afasta de um comportamento inadequado – ao descontar na nota de uma prova um comportamento não adequado de um aluno em sala de aula, por exemplo -, assim como é o valor da fraternidade que nos faz nos aproximar de um aluno que percebemos muito calado em sala de aula, demonstrando um genuíno interesse por ele.

António Damásio, em seu livro “E o Cérebro Criou o Homem”, mostra que o cérebro precisa perceber que um conceito, um conhecimento ou um dado são realmente significativos para que recrute e direcione neurônios e perceba que aquele conhecimento é importante. Então, somos movidos de acordo com o neurologista, por um valor biológico, ou seja, se biologicamente nosso corpo não sente que determinado conhecimento é realmente importante, o aprendizado não é fixado de modo profundo. Por isso, muitas vezes o ensino de valores acaba não tendo uma efetividade.

Os valores são importantes para o professor, pois o definem como pessoa e o ajudam a perceber como lidar com os alunos, os colegas, a instituição, na sociedade e até na vida pessoal.

Eles também são relevantes para que o professor perceba qual é a importância e o valor que está imprimindo em sua matéria. Se o educador não mostrar que aquela matéria é importante e significativa para os alunos, dificilmente o cérebro deles vai incorporar esse conhecimento.

E, finalmente, o valor se mostra relevante quando o professor valoriza o aluno, quando cuida, respeita, age de maneira zelosa e com consideração. E, assim, fundamentalmente, o valor se mostra ainda mais profundo quando o professor valoriza a vida, o respeito, a natureza e a aplicação daquilo que foi ensinado para melhoria da sociedade como um todo.

Concurso Cultural Literário – Especial para Professores

23

banner o valor do professor

O professor medíocre conta. O bom professor explica. O professor superior demonstra. O grande professor inspira.” A frase do educador e escritor norte-americano William Arthur Ward representa bem a importância e a responsabilidade de professoras e professores, que precisam inspirar no aluno a confiança, o desejo de aprender e, fundamentalmente, a cidadania e os bons valores humanos. Mas é necessário que esses profissionais descubram seu verdadeiro valor e reconheçam a importância que lhes é designada.

As mais belas ideias sobre educação, os mais sinceros e comoventes elogios ao papel do ensino no desenvolvimento de um país e os sonhos mais generosos em que a escola aparece como espaço de verdadeiro aprendizado e crescimento humano não resolvem o problema da educação se as professoras e os professores não forem e não se sentirem valorizados. Esta obra, por meio de um rico diálogo, oferece argumentos mais que convincentes para a valorização desses profissionais, que ocupam lugar incomparável na vida de cada um de nós e na estrutura social.

Para concorrer a 3 exemplares de “O valor do professor”, basta completar a frase “Tenho orgulho de ensinar porque….”. Use no máximo duas linhas.

O resultado será divulgado no dia 15/10 às 17h30 neste post e também no perfil do Twitter @livrosepessoas.

Parabéns a todos os mestres. Temos orgulho de vocês! 🙂

PS: Se participar via Facebook, por gentileza mencione um e-mail de contato.

***

Parabéns: Sérgio Machado, Marcos Florentino e Nely Mendes! =)

Por gentileza enviar seus dados completos para livrosepessoas@gmail.com em até 48hs.

Google anuncia Textbook e promete locação de livros didáticos na Play Store

0

Sistema é voltado aos estudantes universitários e pode garantir economias para quem não pode comprar livros.

Renan Hamann no Tecmundo
Google anuncia Textbook e promete locação de livros didáticos na Play Store

Livros didáticos são alguns dos materiais mais caros que um universitário pode encontrar em sua jornada e nem sempre é possível realizar empréstimos deles nas bibliotecas — geralmente há menos exemplares do que alunos interessados neles. Mas a Google planeja facilitar esse tipo de processo, graças ao programa Textbook, que deve ser implementado na loja de conteúdos digitais Google Play Store.

Com o programa, os consumidores vão poder realizar a compra e a locação de livros didáticos por meio de seus aparelhos com Android, podendo ainda sincronizar os materiais com computadores e dispositivos iOS. Há a promessa de valores até 80% mais baixos do que os encontrados em livrarias e outras lojas de materiais didáticos. Ainda não há informações sobre disponibilidade de conteúdos em português.

Fonte: The Verge

 

Go to Top