Vitrali Moema

Posts tagged vida

Em novo livro, Stephen Hawking dá breves respostas a grandes perguntas

0

Foto: Flickr/Charis Tsevis)

 

Publicado na Galileu

Deus existe? O que há dentro de um bruaco negro? É possível viajar no tempo? Essas são algumas das perguntas mais feitas à Stephen Hawking ao longo dos anos em que o físico se dedicou à ciência. E como bom divulgador da mesma, ele tentou responder a cada uma delas em um livro que, infelizmente, não conseguiu finalizar antes de sua morte, no dia 14 de março de 2018, aos 76 anos.

Seu filhos e colegas acadêmicos, por outro lado, conheciam bem o cosmólogo e sabiam que ele se alegraria com a publicação de Brief Answers to the Big Questions — o que aconteceu na terça-feira, 16 de outubro. Com a ajuda da família e dos amigos de Hawking, a obra foi finalizada com as memórias do autor e lançada pela editora norte-americana Bantam Books.

Confira abaixo algumas perguntas respondidas no livro e um breve resumo das visões de Hawking sobre elas:

Edição norte-americana de Brief Answers to the Big Questions (Foto: Bantam Books)

Deus existe?
O físico diz que a explicação mais simples é a de que Deus não existe e que não há evidências confiáveis de que haja vida após a morte mesmo que as pessoas possam viver através da sua influência e dos genes.

Como tudo começou? Há outros tipos de vida inteligente no universo?

Apesar de serem completamente diferentes, Stephen Hawking tem uma previsão semelhante para ambas questões. Segundo o físico, teremos a resposta para elas nos próximos 50 anos.

Nós sobreviveremos na Terra?

Para Hawking, a raça humana terá que melhorar suas qualidades mentais e físicas, mas a criação de super humanos geneticamente modificados — com uma memória melhor e mais resistentes a doenças — seria capaz de pôr em risco a vida dos outros.

Além disso, o cientista acreditava que, quando nos dermos conta do perigo representado pelas mudanças climáticas, já será tarde mais.

Edição britânica de Brief Answers to the Big Questions (Foto: John Murray)

Deveríamos colonizar o espaço?

Em novembro de 2016, o físico já havia afirmado que deveríamos deixar o planeta nos próximos mil anos. No início de 2017, ele tirou 900 anos do nosso prazo e disse que estava convencido de que isso deve acontecer dentro do próximo século.

Em seu novo livro, Hawking reafirma que não há outra opção senão deixar o planeta, arriscando a “aniquilação” da humanidade se isso não ocorrer.

A inteligência artificial irá nos ultrapassar?

Hawking acredita que sim, a inteligência das máquinas ultrapassará a nossa no próximo século e pode substituir a humanidade. Por isso, “precisaremos nos assegurar de que os computadores têm objetivos alinhados aos nossos’, escreve o cosmólogo na nova obra.

Como nós moldamos o futuro?

Segundo sua filha, a jornalista e escritora Lucy Hawking, uma das maiores preocupações de Stephen era a de que, “em uma época em que os desafios são globais, estamos nos tornando cada vez mais locais na nossa forma de pensar.”

Entre outras questões, em Brief Answers to the Big Questions Hawking também tenta responder o que há dentro de um buraco negro, se podemos prever o futuro ou se viagens no tempo são possíveis.

Biografia de Gisele Bündchen já está em pré-venda no Brasil

0

(foto: Reprodução/Instagram @gisele)

‘Aprendizados: Minha caminhada para uma vida com mais significado’ traz fatos da vida privada da discreta top model brasileira

Publicado no UAI [via Estadão]

A biografia de Gisele Bündchen Aprendizados: Minha caminhada para uma vida com mais significado chega às livrarias brasileiras a partir de 15 de outubro, pela BestSeller (Record) mas já está em pré-venda no site da editora. No livro, a übermodel revela pela primeira vez alguns aspectos de sua vida privada, numa jornada que vai da infância em Horizontina até o casamento e os filhos com Tom Brady.

Em novembro, Gisele virá ao Brasil para o evento de lançamento do livro.

Começam as filmagens do drama da vida real Just Mercy

0

Fábio Hurtado, no NerdBreak

Just Mercy chega aos cinemas em 2020!

Começaram as filmagens do drama Just Mercy, da Warner Bros. Pictures, que é inspirado no premiado best-seller de não-ficção de Bryan Stevenson.

Sobre o filme

Uma poderosa e instigante história verídica, Just Mercy narra a trajetória do jovem advogado Bryan Stevenson (Jordan) e sua histórica batalha por justiça. Depois de se graduar em Harvard, Bryan poderia ter tido uma série de empregos lucrativos. Em vez disso, ele vai para o Alabama para defender aqueles injustamente condenados, contando com o apoio da advogada local Eva Ansley (Larson). Um de seus primeiros e mais incendiários caso, é o de Walter McMillian (Foxx), que em 1987 foi condenado à morte pelo assassinato de uma garota de 18 anos, apesar de uma série de evidências mostrarem a sua inocência e o fato notório que o único testemunho contra ele veio de um criminoso com motivo para mentir. Nos anos que se seguem, Bryan se envolve em um labirinto de manobras jurídicas e políticas, além do racismo evidente, enquanto luta por Walter e outros casos semelhantes, com as probabilidades — e o sistema — empilhadas contra eles.

Sobre o livro

Publicado em 2014 por Spiegel & Grau, o livro está há 118 semanas na lista de best-sellers do The New York Times, e foi nomeado um dos livros do ano por grandes publicações, como a revista Time. Com o livro, Bryan Stevenson ganhou a Medalha de Excelência Andrew Carnegie, um NAACP Image Award, o prêmio literário para não-ficção Dayton Literary.

Ficha Técnica

O premiado cineasta Destin Daniel Cretton (O Castelo de Vidro) é quem dirige a partir de um roteiro que co-escreveu com Andrew Lanham (O Castelo de Vidro), baseado no litro de Stevenson: Just Mercy: A Story of Justice and Redemption.

O filme é estrelado por Michael B. Jordan (Pantera Negra), vencedor do Oscar Jamie Foxx (Baby Driver) e Brie Larson (Capitã Marvel).

O elenco principal inclui também O’Shea Jackson Jr. (Straight Outta Compton: A História do N.W.A) como Anthony Ray Hinton, outro condenado à morte injustamente cujo a causa é retomada por Bryan; Rob Morgan (Mudbound – Lágrimas Sobre o Mississippi) como Herbert Richardson, que também está no corredor da morte aguardando seu destino; e Tim Blake Nelson (Wormwood) como Ralph Myers, cujo testemunho crucial contra Walter McMillian é colocado em questão.

Grande parte de Just Mercy está sendo filmado nos arredores de Atlanta, Georgia, com algumas cenas sendo gravadas em Montgomery, Alabama.

Just Mercy tem estreia prevista para 27 de fevereiro de 2020.

11 grandes livros que podem ser comprados por menos de R$ 20

0

Vitor Paiva, no Hypeness

Em Por Que Ler Os Clássicos, o grande escritor italiano Ítalo Calvino define de mil formas o que é um clássico da literatura. “Um clássico é um livro que nunca terminou de dizer aquilo que tinha para dizer”, escreve Calvino, sugerindo que devemos não só ler os clássicos na juventude, como retornar a eles (sendo sempre uma nova leitura como uma primeira vez) em uma fase mais madura.

Ler pode ser visto como um exercício de linguagem, comunicação, de escrita, ético, estético, artístico, terapêutico, de autoconhecimento, de estudo, de empatia, de conhecimento da história e de expansão de consciência, de entendimento do mundo e da própria vida – e muito mais.

Antes mesmo de começar a ler, no entanto, levantar uma biblioteca e manter as prateleiras repletas de possibilidades de leitura pode, além de trabalhoso, ser bastante caro. Nada mais é barato nessa vida, e juntar o infinito de livros que gostaríamos – precisamos – para nos tornarmos quem sonhamos em ser pode nos custar uma pequena fortuna. Sabemos também, no entanto, que livros são mais importantes do que dinheiro, logo, para resolver tal dilema, separamos aqui 11 grandes livros, clássicos reconhecidos ou não, capazes de deixar Calvino orgulhoso, e que, inversamente proporcionais ao alto valor das letras em suas páginas, custam pouco dinheiro – a maioria menos de R$ 15, muitos em promoções abaixo de R$ 10, mas nenhum passando dos R$ 20.

São grandes obras em sua maioria reeditadas em coleções de bolso ou em versões menos luxuosas em seu acabamento (mas, nem por isso menos valiosas em seu conteúdo) mas que, quando lidas, seguem valendo mais do que qualquer tesouro. Para reunir essa fortuna crítica em sua casa sem precisar vender um estimado órgão de seu corpo, a pesquisa para feitura dessa seleção recorreu ao valor de venda virtual de coleções como Saraiva de Bolso, Companhia de Bolso e às edições especiais das editoras Penguin e L&PM.

Basta pesquisar em qualquer site de grande livraria para encontrar tais clássicos em edições especiais à venda por preços quase tão especiais quanto os próprios livros – e se preferir os e-books, os preços são ainda mais baratos. Alguns livros, especialmente os mais antigos, foram lançados por mais de uma editora, e podem apresentar variações de preço – logo, a pesquisa por preços ainda melhores pode ser frutífera. Com o passar do tempo os preços aqui dispostos podem mudar, assim como promoções podem ser encerradas.

1. Em Busca do Tempo Perdido, de Marcel Proust

Um dos maiores (literal e criticamente) romances da literatura universal, Em Busca do Tempo Perdido, de Marcel Proust, é dividido em 7 volumes. Naturalmente que o valor dos 7 livros, se comprados ao mesmo tempo, superam os preços estimados aqui – mas em algumas coleções cada volume é vendido por cerca de cinco reais, para se adentrar em um dos mais densos mergulhos literários possíveis – uma leitura para uma vida inteira.

2. A Grande Arte, de Rubem Fonseca

Brutal, violento, marginal, crítico e brilhante, o brasileiro Rubem Fonseca, reconhecido como autor de grandes obras policiais, encontra para muitos seu auge em A Grande Arte. Se valendo do usual universo do assassinato para debater sobre o dilema entre “alta arte” e “literatura de massas” (e o próprio romance policial), Fonseca criou, assim, uma obra-prima.

3. Orlando, de Virginia Woolf

Um dos mais complexos e estudados personagens da literatura universal, Orlando, de Virginia Woolf, debate com graça, lirismo e profundidade questões como as noções de gênero, o tempo e principalmente a sexualidade humana (e os dilemas entre o feminino e o masculino) com a genialidade da escrita de Woolf em uma narrativa impressionantemente corajosa para um livro publicado em 1928. Filosófico, crítico, bravo e luminoso, Orlando é uma profunda declaração de amor – inclusive à própria literatura.

4. Sagarana, de João Guimarães Rosa

Primeiro livro publicado do brasileiro João Guimaraes Rosa, Sagarana apresenta a dimensão de sua genialidade em nove contos imortais. Já trazendo o universo do sertão, dos vaqueiros, jagunços, seus dilemas e sentimentalidades e principalmente sua linguagens – trazendo a oralidade marcante e a escrita brilhante de Rosa como um dos pontos altos da literatura do século XX.

5. A Legião Estrangeira, de Clarice Lispector

Reunindo 13 contos do impressionante repertório de Clarice Lispector, A Legião Estrangeira traz alguns dos contos que colocam a autora no olimpo dos contistas em todo o século XX. O cotidiano e as relações humanas mundanas são reveladas de forma elegante e assombrosa pela pena de Clarice, em uma permanente tensão que parece nos levar às epifanias mais profundas sobre nós, o outro, o mundo.

6. A Teus Pés, de Ana Cristina César

Reunindo o único livro lançado por Ana Cristina César em vida por uma editora comercial, A Teus Pés traz poemas inéditos ao lado de Cenas de Abril, de 1979, Correspondência Completa, de 1979, e Luvas de Pelica, de 1980 – os três lançados previamente de forma independente. Ao mesmo tempo uma marca da época e profundamente atual, não é por acaso que Ana C. cada vez é celebrada como uma das mais importantes poetas e escritoras de sua geração, e A Teus Pés traz a marca definitiva de uma escritora imensa que nos deixou cedo demais.

7. A Morte de Ivan Ilitch, de Leon Tolstói

Reconhecida como uma das melhores e mais importantes novelas em todos os tempos, A Morte de Ivan Ilitch é considerada por muitos a obra-prima de Leon Tolstói – em uma obra que inclui clássicos como Anna Karenina e Guerra e Paz. Tolstói havia abandonado a literatura e rejeitado a própria obra para se dedicar à vida espiritual, e A Morte… representa a volta às letras de um dos maiores escritores em todos os tempos, para a realização de um dos mais impressionantes livros da história.

8. O Livro dos Abraços, de Eduardo Galeano

Como faz de modo geral em sua obra, o uruguaio Eduardo Galeano mergulha poeticamente no inconsciente sentimental e afetivo da América Latina através de pequenas histórias, coletadas em viagens ou imaginadas pelo autor. Através de tais pequenas memórias e diminutas narrativas O Livro dos Abraços traça uma delicada natureza da vida pelos olhos sensíveis do autor.


9. Os Sofrimentos do Jovem Werther, de J. W. Goethe

Um dos mais impactantes e escandalosos livros de todos os tempos, Os Sofrimentos do Jovem Werther, ao fundar o romantismo como uma das grandes obras-primas da história da literatura, impactou de tal forma o mundo à sua volta que a lenda reza que tenha provocado uma onda de suicídios em seus leitores. Para além da veracidade desse “efeito Werther”, o fato é que se trata de um dos mais incríveis romances sobre juventude, amor, sofrimento e desilusão já escritos.

10. Razão e Sentimento, de Jane Austen

Em Razão e Sentimento, Jane Austen nos leva a observar os costumes da Inglaterra do século XVIII, com as durezas e os sofrimentos velados de uma família, em especial as irmãs que, após a morte do pai, se veem sozinhas diante dos desafios da vida. Como o título sugere, os binômios da vida da época, que muitas vezes moldam ainda nossa moralidade hoje, atravessam as personagens em busca da experiência profunda do amor.

11. Frankenstein ou O Prometeu Moderno, de Mary Shelley

Foi de um pesadelo, em que viu um monstro criado pela ciência, que Mary Shelley criou uma das mais influentes obras da literatura moderna, dando vida a um personagem imortal: Frankenstein, uma criação verdadeiramente a frente de seu tempo. Shelley coloca em pauta, no início do século XIX, temas como a moral e a ética científica, a criação da vida por mãos humanas, a luta da ciência e do homem com a noção de deus, em uma escrita brilhante e assombrosa.

Bertrand Brasil lança “Mais poderosa que a espada”, de Jeffrey Archer

0

Cadorno Teles, no Mundo Hype

Uma bomba é instalada no transatlântico Buckingham, no dia de sua viagem inaugural pelas águas do Atlântico. O atentado, encomendado por agentes do IRA, tinha por objetivo provocar um estrago irreparável no navio para que a Barrington Shipping, comandada por Emma Clifton, fosse à falência, mesmo que isso custasse a vida de inocentes. Por sorte, os danos são minimizados e Emma e os prioritários do navio conseguem contornar a situação. O jeito é encobrir o acidente, mas isso não impede que alguns passageiros façam perguntas.

As consequências do atentado vão além e Emma precisa lidar com a crise que se instala na diretoria. Os segredos que envolvem o episódio abrem a brecha necessária para que uma velha inimiga da família, Lady Virgínia Fenwick, tente mais uma vez destruir a vida de Emma. Enquanto isso, Harry, seu marido, tem suas próprias preocupações, que surgem quando o que parece uma viagem simples a Moscou para uma palestra literária se torna algo bem mais complicado… e perigoso. Os livros da série As crônicas de Clifton guardam uma saga familiar que atravessa gerações, levando os leitores às docas da Inglaterra operária, às devastações da Primeira Guerra, às ruas da Nova York dos anos 1940 e à eclosão da Segunda Guerra Mundial.

Jeffrey Archer é nome assíduo nas listas de best-sellers do mundo inteiro. Entre seus romances, destacam-se Falsa Impressão, Filhos da Sorte e O Quarto Poder. Os pecados do pai é o segundo volume de “As crônicas de Clifton”. Considerada a obra mais ambiciosa de Archer em quatro décadas como escritor, a série é uma jornada poderosa que se estende por cem anos de história. Para saber mais, acesse: www.jeffreyarcher.co.uk

Go to Top