8 thoughts on “A Cabana (06)

  • 18 de abril de 2009 em 11:33
    Permalink

    Tendo a concordar com o cara, acho que pela primeira vez hehehe.

    Não gosta d’A Cabana.

    Mas creio que o fato de eu não acreditar em Trindade conta muito para o meu não-crer no livro, nem em metáfora…

    Resposta
  • 18 de abril de 2009 em 11:44
    Permalink

    Todo mundo que fala deste livro parece não tê-lo lido até o fim… e – muito menos ainda – entende que aquilo é uma ficção!

    Resposta
  • 18 de abril de 2009 em 13:09
    Permalink

    Comeu bola.. Deus apareceu em forma de mulher por causa do Mack… não que Deus é uma mulher permanentemente…

    Tanto que ele volta à versão masculina depois…

    A segunda parte é mais interessante… até porque é uma visão nova do “porque me abandonaste”, mas é só mais uma narrativa, observe que Caio Fábio por exemplo diz coisas semelhantes…

    Outra, Deus está em todos os lugares, óbvio que estaria ali com Jesus…

    Sobre hierarquias de governo, ler Tolstoy e os anarquistas cristãos (a igreja emergente é bem anarquista) rs

    Sobre hierarquias espirituais ler “quem é sua cobertura” de Frank Viola.

    Eu acho que o livro provavelmente tem heresias (eu não detectei nenhuma, pode ser falta de percepção minha), mas são poucas em número…

    Resposta
  • 20 de abril de 2009 em 16:01
    Permalink

    Não gostei. Postei um vídeo desse cara sobre sofrimento que estava razoável, depois disso, não gostei de mais nada que vi. Esse então, ultrapassou as medidas. Deve ter sido gravado em um mau dia, com a sogra presente ou algo assim. Postei sobre o livro em http://migre.me/zy4, se interessar a alguém.

    Resposta
  • 20 de abril de 2009 em 16:36
    Permalink

    poxa, e ele é da Mars Hill? da mesma igreja do Rob Bell?

    sabe o que vale ressaltar? a gente devia se perguntar as vezes se, se a gente vivesse na época de Jesus, será q iríamos acreditar que o Deus ínvisível e eterno, como bem ressaltou o maluco aí do vídeo, encarnou-se num carpinteiro maltrapilho, que se amarra em bater um papo com as prostitutas da cidade?

    Resposta
  • 22 de abril de 2009 em 0:13
    Permalink

    esse cara é um arrogante, mimado e grosso , se acha dono da verdade e do caminho,é fundamentalista disfarçdo de pós emergente, ele não me diz nada!
    O livro é uma ficção!!!
    Quanta burrice e pre conceito numa só pessoa que se acha muito ineteligente, e quantas pessoas o seguem…

    Resposta
  • 22 de abril de 2009 em 10:58
    Permalink

    Olá Cerestino, as igrejas tem o nome igual, mas não são unidas. Rob Bell é pastor em Michigan da comunidade Mars Hill. Mark Driscoll, da igreja Mars Hill em Seattle. Cada um fundou a sua igreja com o mesmo nome.

    Resposta
  • 1 de agosto de 2010 em 12:45
    Permalink

    Bom, a história em si é interessante, até a parte do desaparecimento da menina e tal. Mas depois a coisa vai ficando meio "fora de lugar" para mim. Não acredito em Trindade, e isso quase me tentou a deixar de ler no meio da história, mas levei em conta o fato de ser uma ficção – apesar de não ser essa a mensagem que William P. pretende passar com esse livro. Quando chegou na parte das caracterizações de Deus na cabana foi um pouco demais para mim.

    Resposta

Deixe um comentário para Jorge Moreno Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *