A caverna (6)

“Nas circum-navegações da vida uma brisa amena para uns pode ser para outros uma tempestade mortal, tudo depende do calado do barco e do estado das velas.”

“Nunca devemos nos sentir seguros daquilo que pensamos ser porque, nesse momento, poderá muito bem suceder que já estejamos a ser coisa diferente.”

“Se é que ainda há inocência nesse lugar do mundo a que chamamos cama.”

“As coisas, às vezes, correm mal, mas depois vem um dia que só traz notícias boas.”

“Cavalo coxo não leva recados, ou, se os leva, arrisca-se a deixá-los pelo caminho.”

José Saramago, em A caverna (Companhia das Letras).

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

One thought on “A caverna (6)

  • 1 de maio de 2009 em 18:02
    Permalink

    Bonitas frases. José Saramago, grande escritor.

    Bjim*

    Resposta

Deixe um comentário para Maria Inácia Bellico Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *