Tempus Fugit

Li Tempus Fugit pela primeira vez em 1998. Li novamente para sentir o gosto de algumas passagens que amo neste livro.

O amor mora num outro lugar: as palavras. Por isso que o Milan Kundera diz que começamos a amar uma mulher no momento em que ligamos o seu rosto a uma metáfora poética. Amamos uma pessoa pela poesia que vemos escrita no seu corpo.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

One thought on “Tempus Fugit

  • 24 de junho de 2009 em 14:23
    Permalink

    O título do post está incorreto, faltando um esse em Tempus 😉

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *