Leitura e construção da cidadania

Ler é um meio de se tornar melhor, mais completo, mais capaz de lidar com o mundo contemporâneo
Em dos grandes desafios deste início de século, em que um panorama de alto desenvolvimento científico-tecnológico está presente, é tornar o homem capaz de utilizar sua criatividade para gerar inovação e provocar mudanças no cenário em que está inserido. Isso implica uma postura sensível, dinâmica, responsável, independente e participativa.
A universidade, na tentativa de enfrentar essa questão, tem buscado caminhos de reestruturação/renovação de seus projetos pedagógicos, voltados à instauração de um ambiente de ensino-aprendizagem favorável à construção do perfil desse novo homem.
Ao se lançar um olhar mais acurado sobre a realidade nacional, um fato recente chama a atenção dos educadores: dados do Ministério da Educação e Cultura apontam que somente 2,5% dos cerca de 1,2 milhão de alunos que participaram do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), em 2002, conseguiram tirar uma nota acima de 70 pontos. Em relatório, o MEC afirma que “a ausência do domínio da leitura compreensiva” foi a possível causa do desempenho apresentado por esses alunos, ressaltando, em sua análise, que esse resultado indica a necessidade de se dar mais ênfase ao aprendizado da leitura.
Um ponto de grande contradição na sociedade contemporânea emerge ao se observar que, globalmente, se vive a era da complexidade enquanto, isoladamente, um aspecto de limitação do ser humano se faz presente: a dificuldade de compreender os códigos de sua língua, o que se traduz num empecilho para “ler o mundo” que está a sua volta e, conseqüentemente, se sentir parte desse todo.
Na busca de se apontar um caminho de possível interferência na realidade que se apresenta, com vistas à sua superação, acredita-se que o desenvolvimento do processo de leitura seja de fundamental importância na formação do homem durante toda a sua vida, não só nos meios acadêmicos, como forma de estruturá-lo ao bom desempenho, mas, principalmente, para sua descoberta pessoal, sua formação integral.
Nesse sentido, destacam-se alguns pontos para reflexão, ao se interrogar: Por que a leitura tem tanta importância na formação do homem?
– A leitura propicia o desenvolvimento da sensibilidade humana; é um estímulo à imaginação.
– A leitura impulsiona o potencial criativo do homem, é canal gerador e mantenedor de seu crescimento intelectual e propulsor do desenvolvimento harmonioso de sua personalidade.
– A leitura é caminho para a construção da autonomia e, conseqüentemente, da conquista da cidadania.
O ser humano é um ser dado à aventura, à curiosidade, à permanente procura.
Segundo Paulo Freire, “sonhar faz parte da natureza humana que, dentro da história, se acha em permanente processo de tornar-se”. (1993, p.91).
O homem se constrói ao sonhar e projetar seus sonhos. A imaginação criadora é, pois, própria da condição humana e, vitalmente, necessária para a ampliação de sua experiência e expansão para além do circunstancial e do imediato.
Sendo assim, a leitura pode se tornar um canal de extrema importância para o desenvolvimento da sensibilidade e da criatividade do homem.
Ler estimula a imaginação, instiga o pensamento, impulsiona o sonho, que se coloca como o motor de todo o processo de construção do homem como ser histórico.
Ao se constituir uma via de diálogo, de questionamento e de descoberta, a leitura amplia e dá significado à vida do homem.
Ao estimular o pensamento dinâmico e inquieto, propicia o exercício crítico, constituindo-se como caminho de conscientização, de descoberta de sua condição de ser criador e, como conseqüência, instrumentalizando-o na construção de sua plena cidadania.
O caminho da leitura, ao estimular e dar suporte ao processo de reflexão, torna-se, pois, veículo de libertação, ao possibilitar o desenvolvimento daquilo que o homem tem de mais vital – o seu pensar.
Nos versos de uma canção de Lupicínio Rodrigues, essa idéia transparece de forma sensível: “o pensamento parece uma coisa à toa, mas como é que a gente voa quando começa a pensar…”
Na tentativa de justificar a importância do domínio da leitura na formação do homem, alguns pontos são destacados, em resposta à questão:
Ler para quê?
Ler para despertar o desejo de ler mais, abrindo assim um canal de superação pessoal da mente e do espírito.
Ler para se tornar melhor, mais completo, mais tolerante, mais capaz de lidar com a diversidade no complexo mundo contemporâneo.
Ler para se descobrir como “ser de abertura”, sempre em busca de novas formas de compreensão de si mesmo e do mundo.
Eis algumas razões para acreditar que o caminho da leitura possa ser propulsor do processo de construção do ser autônomo e, como conseqüência, responsável pelo nascimento de sua cidadania plena.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *