História da filosofia medieval (1)

Além de escrever textos religiosos, são Jerônimo também era um leitor compulsivo, tanto que quando se retirou no deserto levou uma verdadeira biblioteca. Mais ou menos como dizer: “Podem tirar tudo da minha vida, mas não me tirem os livros.” É claro que, antes de mais nad, ele já havia censurara alguns daqueles textos. O livro de Ezequiel, por exemplo, já não tinha os capítulos XVI e XVIII devido a umas descrições detalhadas demais dos atos libidinosos das irmãs Oolá e Oolibá. Vale a pena salientar, finalmente, que, como todos os ermitões, Jerônimo sofreu as costumeiras e esperadas alucinações eróticas. Toda vez que estava a ponto de adormecer no deserto, como efeito, apareciam pontualmente diante dele mulheres que se despiam. E daí mais flagelações, arrependimentos e lágrimas.

História da filosofia medieval, de Luciano de Crescenzo (Rocco)

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *