Por quê o brasileiro lê pouco?

Raphael Soeiro

Fiquemos com a resposta da maior autoridade no mundo, a Unesco. Para o setor da ONU que cuida de educação e cultura, só há leitura onde: 1) ler é uma tradição nacional, 2) o hábito de ler vem de casa e 3) são formados novos leitores. O problema é antigo: muitos brasileiros foram do analfabetismo à TV sem passar na biblioteca. Para piorar, especialistas culpam a escola pela falta de leitores.

“Os professores costumam indicar livros clássicos do século 19, maravilhosos, mas que não são adequados a um jovem de 15 anos”, diz Zoara Failla, do Instituto Pró-Livro. “Apresentado só a obras que considera chatas, ele não busca mais o livro depois que sai do colégio.” Muitos educadores defendem que o Brasil poderia adotar o esquema anglo-saxão, em que os clássicos são um pouco mais próximos, dos anos 50 e 60, e há menos livros, que são analisados a fundo. Mas aí teria de mudar o vestibular, é isso já é outra história.

Fontes: Instituto Pró-Livro, ANL, Centro Regional para el Fomento del Libro en América Latina, el Caribe, España y Portugal (Cerlalc).
Via: Superinteressante

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

3 thoughts on “Por quê o brasileiro lê pouco?

  • 15 de dezembro de 2010 em 19:10
    Permalink

    Falando sobre Literatura Brasileira. Li uma entrevista do escritor Ignácio de Loyola Brandão e presenciei uma apresentação do também escritor Milton Hatoum, e ambos concordam que os jovens de hoje deveriam iniciar seu contato com a literatura a partir da produção contemporânea (no sentido de mais atual), num movimento de regressão, para só depois terem acesso aos clássicos mais antigos. Exemplificando com nosso grande Machado de Assis, segundo alguns críticos, a turma teen deveria iniciar o contato com a obra dele através de contos, e não logo de cara com romances densos como “Memórias póstumas de Brás Cubas” e “Dom Casmurro”. Bom, em se tratando de literatura brasileira, isso é uma das partes da ponta do Iceberg do problema em relação à formação de leitores não só da nossa literatura, mas também de leituras de outras áreas e assuntos.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *