A maior obra de Confúcio – quem diria – é falsa

Estudo publicado por pesquisador chinês mostra que a obra na qual se baseia boa parte dos preceitos da cultura do país nada tem a ver com os escritos originais do filósofo

Publicado na revista Veja

Busto do filósofo chinês Confúcio: maior obra foi redigida por estudiosos e é pouco fiel ao originalBusto do filósofo chinês Confúcio: maior obra foi redigida por estudiosos e é pouco fiel ao original (David Gray/Reuters)

Uma grande interrogação paira sobre um dos principais ícones da cultura chinesa: a obra de Confúcio. Shang Shu, a bíblia dos estadistas chineses escrita pelo filósofo há cerca de 2.400 anos, seria, em grande parte, falsa. A afirmação é feita pelo professor Liu Guozhong, da Universidade de Tsinghua, em Pequim, que fez um detalhado estudo comparando o livro atual a manuscritos gravados em bambu, cuja grafia também remonta a mais de dois milênios. Guozhong disse ao jornal Le Figaro que há cerca de mil anos a autenticidade do livro é colocada em xeque por intelectuais chineses.

Os manuscritos analisados pelo pesquisador pertencem à Universidade e tiveram sua autenticidade comprovada há três anos, por meio de testes de carbono 14. Não se sabe se o documento é o original escrito pelo filósofo, mas acredita-se, pela datação, que ele foi redigido no meio do período dos “Reis Combatentes”, no século IV a.C – época em que Confúcio vivia. Os manuscritos teriam sido roubados e vendidos a ricos mercadores que habitavam a ilha onde hoje fica Hong Kong há cerca de 2.000 anos. Em 2008, de maneira misteriosa, foram encontrados e comprados por um antigo acadêmico da Universidade de Tsinghua.

Quando o primeiro imperador Qin Shi Huang unificou o país, em 221 d.C., ordenou que todos os livros fossem queimados, sobretudo os de Confúcio. Dessa forma, conta o pesquisador Guozhong ao Le Figaro, a nova versão do Shang Shu, datada do ano 300 d.C., teria sido uma compilação muito pouco fiel aos volumes originais. Essa versão, que teria sido adaptada por estudiosos chineses durante a dinastia Qin, é a base de toda a antiga cultura chinesa.

Ainda que a obra de Confúcio tenha sido banida durante a Revolução Cultural de 1960, hoje capítulos do livro são ensinados em escolas na China e em Taiwan. Nas últimas duas décadas, temendo a ocidentalização da China e em busca de apoio da população, o Partido Comunista passou a resgatar os ensinamentos de Confúcio – muitas vezes deturpando-os e acrescentando ideias comunistas.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

One thought on “A maior obra de Confúcio – quem diria – é falsa

  • 6 de janeiro de 2012 em 21:06
    Permalink

    Leio sobre Confúcio e lembro de um de seus pensamentos: “Nunca elogie a si mesmo, ou as pessoas não acreditarão. Jamais fale mal de você mesmo, ou as pessoas elevarão essa deficiência ao infinito”.

    Quem diria, esse pensamento pode não ser dele.

    Resposta

Deixe uma resposta para Israel_Veira Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *