Operação Cai Fora!

Tonny Bellotto, no Blog da Companhia

Há todas aquelas belas histórias sobra a solidão infinita do escritor, do homem que acorda ao amanhecer para escrever e depois se arrasta ao longo do dia ansioso por acordar no dia seguinte e recomeçar a escrever. Da mulher que abdica dos prazeres mundanos e se retira como monja a uma pequena e bucólica praia deserta para dedicar-se às obrigações da literatura. Do poeta louco que se embriaga de vinho a cada noite num bar diferente, fiel apenas aos seus versos e às ruas que o conduzirão até um outro bar na madrugada seguinte. E há os caras normais, os escritores que além de escrever querem levar uma vida normal, com emprego, mulher, filhos, cachorro, cic e rg a dividir sua atenção com a Literatura com éle maiúsculo, essa tirana com cara de Gertrude Stein.

Esses escritores, eu por exemplo, vivem em busca de frestas de solidão e fiapos de silêncio pela casa e quase sempre encontram apenas tv ligada, telefone tocando, esposa a fim de um cinema e amigos dos filhos jogando pingue-pongue no terraço. Se um desses escritores, eu por exemplo, tem a sorte de ser guitarrista de rock ou caixeiro viajante, ou qualquer outra profissão que o obrigue a viajar de vez em quando, ele aproveitará a viagem para finalmente ficar sozinho. Para um escritor não é necessário que escreva, mas que fique sozinho.

Dia desses, aproveitando uma viagem a trabalho para São Paulo, depois de uma tarde ruidosa e “coletiva” despendida num ensaio, aproveitei a noite para ficar sozinho. Botei meu Operação Shylock debaixo do braço e rumei para um japinha conhecido em que só preciso abrir a boca para comer o peixe, já que o sushiman é meu velho amigo e nos comunicamos por telepatia. Mas eis que surge o Chato. Sim, o Chato está à espreita, sempre pronto para demolir a solidão do escritor.

Ainda que no sushi bar houvesse outros lugares, o Chato sentou-se ao meu lado. E ainda que eu não desviasse os olhos das páginas de Philip Roth, ele encontrou espaço para me perguntar: “Que livro é esse?”. “Operação Shylock, do Philip Roth. Conhece?”. “Não. É sobre o quê?”. “É sobre ser judeu”. “Você é judeu?”. “Não. Mas isso não me impede de ler o livro”. Não, claro. O que me impediu de ler o livro foi o Chato, que não parou de falar até mesmo depois de eu me levantar e cair fora. Acho que ele ainda está lá, falando até agora. Da próxima vez vou tentar um iPod desligado, com fones acoplados aos ouvidos.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *