Com saga de jovem no tráfico, carioca estreia com livro escrito no celular

Tiago Dias, no UOL

Assim como "Fiel", Jessé Andarilho escreve seu próximo livro na tela do celular (Foto: Divulgação)
Assim como “Fiel”, Jessé Andarilho escreve seu próximo livro na tela do celular (Foto: Divulgação)

Duas horas para ir, duas horas para voltar. O produtor cultural Jessé Andarilho passava quatro horas por dia no trajeto da Estação Tancredo Neves à Central do Brasil, para ir e voltar do centro do Rio de Janeiro. Capturado pela literatura, desde quando leu “Zona de Guerra”, de Marcos Lopes, o escritor de 33 anos começou a criar histórias no bloco de notas do celular durante o sacolejo diário do trem.

Da tela do celular, a primeira experiência literária chega agora às prateleiras. “Fiel” (ed. Objetiva, 212 páginas, R$ 26,90) conta sobre a trajetória do adolescente Felipe, morador da favela de Antares, na zona oeste do Rio. Criado desde pequeno sob os preceitos da igreja evangélica, ele acaba sendo seduzido pelo poder e prestígio do tráfico carioca.

“Eu pensava: O [jornalista e escritor] Caco Barcellos foi taxista. Se ele conseguiu, eu posso conseguir. Comecei a me dedicar no texto, do celular passava para o caderno, do caderno eu passava para o computador, já tentando amarrar os capítulos”, ele conta, ao UOL, por celular, de dentro de um trem. A correria continua, mas hoje o trajeto dura meia a hora a menos.

O fluxo veio da própria experiência como morador da favela, as histórias que acompanhou de amigos próximos e as intervenções do dia-a-dia no transporte público. “Se eu perco o foco, paro de escrever e presto atenção naquela história. O Felipe também dorme de madrugada nos ônibus e ouve aquelas conversas”. Na vida real, ao fundo da ligação, um vendedor grita. “Esse aqui vende cocada. E trabalha em abrigo de ex-usuários de drogas. Eu o conheço, inclusive”, conta.

A vida como ficção
Sem malabarismos estéticos e com uma linguagem direta, Jessé, no entanto, subverte o senso comum em “Fiel”. Felipe é bom moço, educado e estudioso, mas, mesmo assim, passa a fazer parte de uma facção na favela.

“A gente quer ter importância no nosso meio, quer ser o melhor. O Felipe enxergou ali essa possibilidade. Ele passou a vida sendo cobrado, proibido de ouvir outras músicas que não fossem da igreja e vendo o pai dele achar justificativas para suas ações na Bíblia. Na igreja, os jovens acreditam que tudo o que acontece na vida é uma ação de Deus. Ele começou a achar que era Deus que estava o colocando naquele caminho”, observa.

A ascensão e queda do personagem no crime é um exercício de imaginação dos muitos caminhos que sua própria vida poderia ter tomado e de tantos outros Felipes que vivem na periferia. Jessé não é bom no futebol e não usa gel para manter o moicano no estilo Neymar como seu personagem, mas ele também se divertia escondido da família e frequentava a igreja evangélica.

“O Felipe deixa de ser o Jessé Andarilho quando ele começa a se envolver com o tráfico. Ele tomou vida própria. Qualquer pessoa, independentemente da realidade financeira ou afetiva, poderia seguir o caminho do crime”.

“Fiel” ganhou a aprovação de respeito de MV Bill. Rapper e autor de “Cabeça de Porco” e “Falcão – Meninos do Tráfico”, ele escreve na contracapa de “Fiel”: “A escrita é interna, vinda de um cara que viveu ali, bem de perto. E só não afundou na criminalidade porque foi resgatado pela arte”.

fiel2Para o leitor que não lê
Jessé é o primeiro autor das oficinas da Festa Literária das Periferias (Flupp) a chegar a uma grande casa editorial. O livro sai em parceria com a Favela Holding, empresa do produtor e ativista Celso Athayde. Foi Athayde que recebeu Jessé nas primeiras visitas do escritor à Flupp. “Eu queria ser lido, então escolhi cada palavra pensando no leitor que não costuma ler. Nossa atenção hoje é disputada pelo celular, o Facebook e infinitas redes sociais. Para isso, eu tive conhecer mais de literatura”.

Feliz com a experiência, Jessé segue nos trens diários, sempre com os dedos no celular. “Eu escrevo até hoje. Trabalho para c******, tenho dois filhos, tenho uma vida muito corrida. Então o tempo vago é agora [no trem]. Estou escrevendo alguns textos, que podem virar o próximo livro, aqui.”

Trecho

Felipe era um admirador da arte da guerra ? um amigo de seu pai lhe disse que as estratégias poderiam ser usadas em muitas situações na vida, inclusive na hora de conquistar uma mulher. Pronto, foi o suficiente para ele comprar vários livros sobre o assunto. Com isso, começou a guerrear nos campos de batalha da vida sentimental. Logo ficou com fama de namorador. Além da boa aparência, tinha uma habilidade incrível com a bola. Ganhava todas as competições de que participava pela seleção da escola e com os Embaixadores do Rei. Aprendeu a falar pouco e só abria a boca quando alguém pedia sua opinião. Seu Hélio dizia: ?Boca fechada não entra mosquito.? Se alguém falasse mal de outra pessoa, ficava quieto, não concordava nem discordava com a ofensa. Apenas ouvia o desabafo. Sabia que se concordasse com a ofensa, no futuro a pessoa poderia usar a opinião dele como referência para continuar falando mal da outra. E se fosse contra o fofoqueiro, estaria defendendo a outra e também acabaria sobrando para ele. Com esses conflitos penetrantes foi criado. Seu Hélio sempre ensinou as malandragens da vida ao filho, sem saber que isso seria usado de forma diferente da que almejava.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *