O trabalho do leitor

1

Fernanda Pompeu, no Mente Aberta

Na minha cabeça, sempre acende a luz amarela quando leio que aluno virou cliente, cidadão virou consumidor, leitor virou patrão. Isso porque, aluno nem sempre tem razão, cidadão mesmo sem renda é cidadão, leitor é também operário.

Para um texto dar certo é preciso que duas vontades se encontrem e conversem. A força do escritor que fez o melhor possível para traduzir emoções em palavras. O esforço do leitor que se alfabetizou para perceber emoções nas palavras.

Quero dizer, leitor ótimo é aquele que labuta. Aquele que lê a frase duas vezes quando não a entende. Que ao desconhecer uma palavra, clica no dicionário eletrônico. Que quando gosta muito do texto, generosamente indica para um amigo, ou compartilha na rede social.

O escritor Evandro Affonso Ferreira (Araxá, MG, 1945), em recente entrevista à jornalista Márcia Abos, desabafou: “Quando escrevo dou o máximo de mim. Nem sempre o leitor faz o mesmo. Para escrever um livro, leio muito. Eu me dedico. Logo, o leitor também tem que ser dedicado”. Bingo!

Eu não me tornei uma leitora por obra do espírito santo, nem graças à internet. Suei olhos e neurônios para passar de textos básicos aos complexos. Do slogan ao parágrafo. Da notícia curta ao romance. Com toda certeza, ainda não tenho diploma de leitora. Pois trata-se de uma graduação de vida inteira.

Mas por que um leitor deve trabalhar? Afinal ele e ela já dão duro como doutor, manicure, estudante, nutricionista, técnico, operadora de telemarketing. Minha aposta é que o leitor esforçado tem como recompensa o prazer do texto. Isto é, ele aumenta sua taxa de deleite.

O prazer é a primeira razão de qualquer leitura não obrigatória – essa que é a mais deliciosa entre todas. Textos são escritos para sonhar, ensinar e aprender, convencer e vender, provocar. O leitor esforçado não é mesquinho e nem bondoso com os escritores. Ele aprendeu a discernir. Rejeita quando o querem enganar. Adora quando o querem encantar.

O leitor que trabalha a leitura do texto é um justo. Será capaz de criticar o ruim e elogiar o bom. Não atira confetes nem bordoadas nos seus comentários. Por fim, trata-se de um sujeito insistente. Farejador, não desiste fácil. Sua mente sempre quer mais.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

3 thoughts on “O trabalho do leitor

  • 15 de outubro de 2014 em 10:08
    Permalink

    Simplesmente um dos textos mais belos e precisos sobre o mundo da leitura!
    O meu muito obrigado a Fernanda Pompeu por tão perfeito texto!

    Resposta
  • 15 de outubro de 2014 em 18:45
    Permalink

    Como é bom ler coisas assim de escritores que escrevem e pensam no leitor, esse o qual lê com alma que quer sentir em cada “palavra” sua essência e significado.
    Texto lindo!

    Resposta
  • 15 de outubro de 2014 em 23:28
    Permalink

    Ótimo texto. Comunicação é isso né, uma grande via de mão dupla.

    Eu tento me “educar” lendo linguagebs diferentes. Exemplo, romances clássicos, contemporâneos, livro reportagens, livro reportagens em quadrinhos… etc. E tbm procuro as dicas daqueles q estudaram mti linguagem. Exemplo são osnlivros “como ler como um escritor” e “5 lições de storytelling”.

    Às vezes, em vez da crítica pura e simples, devemos tentar se colocar no lugar do autor: “o q ele quis dizer / o que fazia quando escrever isso?”

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *