Nosso Clube do Livro no VII Blogs de Letras

Fernanda Rodrigues, no Nosso Clube do Livro

blogs+de+letras
Imagem: Facebook

Na última terça-feira, dia 07 de outubro, aconteceu o VII encontro dos Blogs de Letras, e o Nosso Clube do Livro esteve presente, representado pela Fernanda Rodrigues. O evento foi organizado pela Cássia Carrenho  – do PublishNews – e pelo autor e editor Sérgio Pavarini.

Embora este seja o sétimo encontro, esta foi a nossa primeira vez. Chegamos timidamente, sem saber muito bem como seria e o que esperar; contudo, logo de cara, surgiu a pergunta: por que não começamos a participar antes?!

O grupo era grande, por isso houve uma apresentação individual. Foi bacana conhecer quem estava por trás dos blogs que lemos, além de saber que também estavam presentes autores e editores. Como além de dizer nome e blog, cada um disse um pouco sobre a última leitura que gostou, deu para notar a diversidade dos participantes do encontro por meio dos comentários tecidos desde obras sobre filosofia e política até os romances eróticos. Após as apresentações Sérgio Pavarini retomou a discussão que havia começado durante o encontro que aconteceu na Bienal Internacional do Livro de São Paulo: qual é o papel dos blogueiros literários na formação dos leitores?

blogs+de+letras+06
Sérgio Pavarini puxando a reflexão: qual é o papel do blogueiro literário?

É claro que este é um assunto que rendeu um debate rico, uma vez que cada leitor/blogueiro tem uma percepção distinta do que é leitura. Nós, particularmente, defendemos a ideia – que também foi compartilhada por outros blogueiros que estavam presentes – de que a leitura depende muito mais da bagagem de quem lê do que da obra em si. Quem tem muito conhecimento de mundo irá fazer uma análise mais crítica do que lê (mesmo que esta leitura faça parte das modinhas eitas para se tornarem best sellers), quem não tem, não conseguirá ver além do que está escrito. O papel do blogueiro literário é, portanto, mostrar a experiência de leitura que vai além, a que está nas entrelinhas – mesmo que receba comentários de pessoas que ainda não compreendam esta análise.

Após a discussão sobre o nosso papel, a Cássia Carrenho introduziu o assunto do encontro: livros digitais. Para começar, assistimos ao vídeo Suporte Técnico na Idade Média, que aborda o livro como uma tecnologia. Depois, ela nos apresentou um resumo da história do e-book, com direito a dados estatísticos. Dentre eles destacam-se o fato d que
58% dos leitores que leem o digital continuam lendo os livros físicos e que muitos dos leitores optam pelo livro digital quando não querem que outras pessoas saibam o que estão lendo.


Se você ainda não assistiu ao bem-humorado  Suporte técnico na idade Média, basta dar o play.

Para aprofundarmos no assunto, contamos com a presença da Beatriz Simonini, representante da Kobo Brasil, e do Thiago Ferro, da editora E-Galáxia – que publica apenas obras digitais. Um dos pontos levantados é que o livro digital é um livro como outro qualquer, mas que as pessoas (tanto leitores quanto o mercado) ainda estão em período de adaptação para enxergá-lo de tal modo. O livro digital tem vantagens uma vez que tem sua produção mais barata que a impressa e que possibilita a venda por impulso – já que o leitor pode obter a obra em qualquer lugar que ele esteja sem precisar esperar por entregas.

blogs+de+letras+03
Beatriz, Thiago e Cássia traçando um panorama do mercado editorial de livros digitais.

É claro que a questão do preço foi muito discutida; porque nós, leitores, não vemos uma diferença tão grande entre o valor do digital e o valor do impresso. Isso se dá muitas vezes porque as grandes editoras carregam o preço de suas estruturas – que acabam sendo repassadas no valor das obras. Além disso, há uma relação entre o valor da edição digital e impressa. Dependendo do livro e da editora, é contado apenas com a versão impressa para cobrir os custos da produção da obra. Ou seja, a questão mercadológica do valor que chega ao consumidor não é tão simples como parece ser.

O mercado digital tornou o processo de publicação mais democrático, como destacou o Thiago Ferro, da E-galaxy. Agora, os novos autores não precisam necessariamente de se prender a grandes editoras. A E-galaxy, por exemplo, vem publicando novos talentos e vê seu público de leitores crescendo cada vez mais. Por não publicar livros físicos, a relação entre produção e o preço das obras que chega aos leitores é consideravelmente mais justa – você consegue ler livros deles a partir de R$1,99! – e, além de autores desconhecidos, há publicações nomes conhecidos como Zeca Camargo, Max Gehringer, Ricardo Lísias, Nuno Ramos, José Luiz Passos, Marcia Tiburi, Noemi Jaffe.

Sobre 2015, muitas novidades virão. A Kobo acabou de lançar um device que é a prova d’água e está trabalhado para lançar novos modelos (ainda buscando tornar os preços mais acessíveis), já a E-galaxy publicará novas coleções e selos, na busca de jovens escritores com qualidade.

blogs+de+letras+05[1]
Blogueiros e autores marcando presença.

Depois do evento, saímos com mais vontade ainda de mergulhar de cabeça no mundo digital. Que venha o próximo encontro! 🙂

Para saber mais sobre o Blogs de Letras: Página do facebook | Grupo no facebook | Instagram | Blog PublishNews

Para ver as outras fotos que tiramos no evento, acesse a nossa página no facebook. 😉

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *