Favela do Rio sedia ‘Olimpíada da poesia’; veja vídeo

Luiza Franco, na Folha de S.Paulo

Veja o vídeo

Na Grécia Antiga, quem declamasse poemas medíocres podia levar uns tabefes da audiência. Hoje, o público costuma ser menos raivoso, mas é a ele que os praticantes do poetry slam, competição de poesia falada, devem sua glória ou vergonha –o júri que elege o vencedor é escolhido aleatoriamente entre a plateia.

O primeiro campeonato internacional desse gênero na América Latina, o Rio Poetry Slam, acontece na favela da Mangueira, no Rio de Janeiro, a partir desta quinta-feira (13). A final será no domingo (16).

Competidores de 16 países tentarão ganhar o público da terceira edição da Flupp (Festa Literária Internacional das Periferias), que começa nesta quarta-feira (12).

O poeta português Alexandre Diaphra e a brasileira Roberta Estrela D'Alva, na favela da Mangueira / Mauro Pimentel/Folhapress
O poeta português Alexandre Diaphra e a brasileira Roberta Estrela D’Alva, na favela da Mangueira / Mauro Pimentel/Folhapress

O evento terá discussões sobre temas como a situação da mulher e o movimento indígena, além de homenagem ao ativista e parlamentar Abdias do Nascimento (1914-2011), um dos criadores do Dia da Consciência Negra.

A tradução dos poemas em língua estrangeira —há poetas falantes de alemão, francês, inglês e italiano— será projetada ao fundo.

ESPORTE DA POESIA

No slam, a performance dura três minutos e é proibido recorrer a acompanhamento musical ou cênico.

“É você e a palavra”, resume a curadora da disputa, Roberta Estrela D’Alva, 36. “Tem gente que diz que o slam é o esporte da poesia falada e os slammers são os atletas.”

Ela acredita que a competição seja ideal para um evento como a Flupp, criado para formar novos leitores e autores na periferia das grandes cidades brasileiras.

“É uma desculpa para criar o interesse na poesia. Hoje existem mais de 500 comunidades de slam no mundo”, diz Estrela D’Alva.

O objetivo de todo slammer é dar uma “pancada emocional” no espectador. “Slam [batida, em inglês] é poesia com impacto”, diz o poeta português Alexandre Diaphra, que participa da disputa. “[No Brasil], geralmente temas fortes, políticos, funcionam”, explica Estrela D’Alva.

Segundo a poeta, em 2008 havia apenas uma competição no país. Hoje, são dez.

O gênero nasceu nos Estados Unidos nos anos 1980 e chegou até a Casa Branca, que sediou uma disputa em 2009.

Estrela D’Alva vê com bons olhos a popularidade do slam —para ela, trata-se de um ato político. “Política também é conviver, pensar, conversar”, afirma. “A gente faz política porque quer ser livre. Enquanto isso, a gente fica inventando o slam, o rap, a conversa.”

FLUPP – FESTA LITERÁRIA INTERNACIONAL DAS PERIFERIAS
ONDE Escola de Artes Técnicas Luís Carlos Ripper, r. Visconde de Niterói, 1.364, Mangueira, RJ
QUANDO qua.(12) a dom. (16), das 8h às 22h
QUANTO grátis

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *