Cultura do best seller e falta de livrarias restringem acesso à leitura

pesquisa8

Ednilson Xavier, no UOL

Finalmente enxergamos que é preciso regulamentar os mercados livreiro e editorial. É chegada a hora de tratarmos o livro não como uma simples mercadoria, mas sim como patrimônio cultural de uma nação. Enfim, o mercado percebeu que ter o comércio de livros nas mãos de poucos é extremamente comprometedor para a nossa rica bibliodiversidade e é um complicador para a nossa cultura.

A bibliodiversidade é uma preocupação do mercado livreiro com a formação do leitor. Trata-se de colocar à disposição uma maior variedade de títulos. Os grandes grupos editoriais e livreiros apostam na cultura do best seller. É claro que esses lançamentos mantêm muitas vezes o faturamento das livrarias, mas é necessário preocupar-se com a qualidade editorial e com a formação do leitor, que se dá por meio de bons livros clássicos.

Esses clássicos têm sido preteridos em virtude de terem um apelo comercial supostamente menor. A circulação dessas obras acaba sendo, de certa forma, esquecida, deixada de lado, para se priorizar as atualidades. Outra ameaça à bibliodiversidade é justamente a perda dos fundos de catálogo, os chamados de “cauda longa”. Esses não têm vendagem tão expressiva, mas são importantes e muitos estão esgotados, porque não há interesse de colocar em circulação livros com baixa vendagem.

Há mais de 10 anos a ANL defende a moralização do mercado livreiro brasileiro, indo muito além de estabelecer a Lei do Preço Fixo. Entendemos que a atuação do livreiro como agente literário pode contribuir muito para que possamos melhorar nossos precários índices de leitura. Para isto, é fundamental que todos que participam da cadeia produtiva, criativa e mediadora do livro valorizem a livraria do seu bairro, da sua cidade, e enxerguem nelas a possibilidade de formar novos leitores.

Não se pode negar, ainda, o avanço social por que passa o nosso país, a diminuição da desigualdade e o aumento da escolaridade, com acesso ao ensino em todos os níveis. Como complemento a essa ascensão cultural que vive o país, é necessário facilitar o acesso ao livro e à leitura, e faltam livrarias para esse público. Infelizmente, com a concentração de mercado e as restrições que as editoras impõem às pequenas e médias livrarias, o acesso ao livro e à leitura fica restrito às grandes superfícies.

Levantamento realizado pela ANL (Associação Nacional de Livrarias) constata um enorme deficit de livrarias no Brasil. Temos uma média de 1 livraria para 65 mil habitantes, sendo que o recomendado pela Unesco é de 1 livraria para 10 mil habitantes. A falta de livrarias nos mais diversos rincões de nosso país desestimula a leitura.

Por mais que queiramos investir e acreditar no mercado do livro digital, é na loja física que o livreiro consegue manter o seu negócio. É um mercado promissor. Desde que as regras do jogo sejam seguidas e respeitadas, podemos competir de forma justa. Isto é, o autor materializa sua ideia, a editora transforma em edição, a distribuidora abastece o mercado e o livreiro atende o leitor.

Como afirmado por alguns especialistas do setor, não basta a Lei do Preço Fixo para manter o setor saudável e equilibrado. É preciso que algumas práticas nocivas ao livreiro, principalmente de pequeno e médio porte, sejam revistas nas transações comercias.

Para implementação e um pacto pela leitura, é necessário vontade e valorizar parcerias entre editoras, distribuidores e livrarias.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

One thought on “Cultura do best seller e falta de livrarias restringem acesso à leitura

  • 5 de dezembro de 2014 em 13:24
    Permalink

    Artigo muito interessante, além de ter levantado importantes questões sobre necessidades de avanços do mercado nacional, para suprimir a atuação de determinadas empresas monopolistas.
    Mas tenho uma ressalva com um determinada parte do texto acima, ao ser dito que “é necessário preocupar-se com a qualidade editorial e com a formação do leitor, que se dá por meio de bons livros clássicos.”; pois me parece de caráter nivelatório, até discriminatório, associar “o bom leitor” a pessoa que leu em algum momento os clássicos. O que seria um clássico? Uma obra que ganhou notoriedade através dos tempos ou algo que é bem escrito, não sendo uma composição literária as duas coisas ao mesmo tempo.
    Existe um livro muito interessante chamado A Batalha dos Três Reino, de autoria desconhecida, feito no Japão, há aqueles que o consideram um clássico, mas não existe até o momento uma tradução para o nosso idioma. Então uma pessoa para ser “bom leitor”, dentro do padrão descrito acima, teria de saber outra língua para poder ler esses “clássico”. Configurando um absurdo para a maior parcela da população brasileira, que de modo infeliz, possui um ensino deficiente, em diversos setores, até o presente momento.
    Podendo concluir que a leitura de “clássicos”, ou falta dela, não pode dar maior, ou menor, merecimento ao indivíduo; já que este tem seus gostos pessoais, por ventura, não queira ler um “clássico” ou determinada obra não possui tradução.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *