O homem que distribuía livros

O homem que distribuía livros
Conheça a história de Binho, o criador da Bicicloteca

Robinson Padial, no Projeto Draft

Binho1
Binho. Do Bar do Binho. Do Sarau do Binho. Da Bicicloteca. Um poeta cuja maior poesia é distribuir livros.

“Nasci em Taboão da Serra e fui criado no Campo Limpo, bairro da zona sul de São Paulo, carente de centros culturais. Sempre gostei de literatura, mas quando era mais jovem tinha que me deslocar para outros lugares em busca de bibliotecas.

“Há quase vinte anos abri o Bar do Binho, que hoje não funciona mais. A coisa mais bacana que acontecia por lá era a Noite da Vela, evento em que nos reuníamos para ouvir boa música em discos de vinil, sob luz bem baixinha. Apareciam umas 30 pessoas, e vez ou outra alguém resolvia recitar poesias.”
“Acho que aquele ambiente acolhedor, repleto de amigos, inspirava potenciais poetas. E não é que surgiram alguns? Em 2013 até lançamos um livro, o Sarau do Binho, que reúne poesias de 179 autores da região.

“Em 2004, a Noite da vela deu lugar ao Sarau do Binho, evento que acontece toda semana em escolas, praças e até em unidades do Sesc de bairros distantes da zona sul. Também já inventamos outras atividades itinerantes, como a Bicicloteca, que começou em Mongaguá, no litoral paulista. Era assim: uma bike adaptada repleta de livros rodava divulgando o sarau e distribuindo exemplares. Também já fomos até Curitiba organizando saraus em várias cidades. E, detalhe, caminhando!

“Além do grupo de amigos poetas, minha mulher, a Suzi, sempre me apoiou. Ela me ajuda, e muito, na nossa nova empreitada: receber doações de livros e distribuí-los sem custo no Terminal Campo Limpo. O evento, que acontece em média a cada dois meses desde 2013, arrecada mais de 3 mil livros a cada vez que acontece. Os exemplares costumam acabar em menos de 5 horas.

“Meu sonho, atualmente, é morar fora de São Paulo, em um sítio, e fazer deste lugar um centro cultural. Se acho que o meu trabalho na capital vai acabar? Claro que não. A semente já está plantada!”

Robinson Padial, o Binho, 50, poeta, vive em São Paulo (SP).

Esta matéria, e muitas outras conversas de marca da Natura, podem ser encontradas na Sala de Bem-Estar, no Rede Natura. Seja bem-vindo!

Envie a sua história para a Sala de Bem-Estar da Natura. A Natura quer conhecê-la. A Natura quer publicá-la.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *