Os livros imperdíveis de economia e negócios de 2014

Da inovação à distribuição de riqueza, passando pela criatividade e bastidores de grandes empresas. Selecionamos 15 obras que trazem novos olhares, estratégias e inspiração

Publicado na Época Negócios

O Capital do Século XXI (Thomas Piketty)

* O Capital do Século XXI (Thomas Piketty)
Eleito o livro do ano pelo jornal britânico Financial Times e best-seller mundial – inclusive no Brasil, onde foi lançado em novembro, e rapidamente teve sua primeira edição esgotada. Thomas Piketty promoveu intensos debates sobre a estrutura e os mecanismos pelos quais o capitalismo atua, concentrando-se na desigualdade da distribuição de renda. Piketty passou mais de 10 anos analisando dados sobre o acúmulo de renda e patrimônio nos Estados Unidos e Europa. Sua obra abrange não só estatísticas, mas também questões comportamentais e históricas. Com uma escrita mais livre e menos presa a números, a tese de Piketty afirma que “nunca a desigualdade foi tão grande” e aponta caminhos para mudar esse cenário.

 

* Hack Attack (Nick Davies)* Hack Attack (Nick Davies)
O livro conta a história do “escândalo de grampos” envolvendo os veículos de mídia do magnata Rupert Murdoch. Os métodos que Murdoch liberava em seus jornais tornaram-se notícia e causaram supresa na Inglaterra por não serem nada ‘éticos’: de grampos para derrubar políticos a detetives contratados por cachês milionários. O livro traz novos dados sobre a rede montada ao redor desse esquema que visava, principalmente, atacar os “inimigos do império Murdoch”. “A Grã-Bretanha que emerge em Hack Attack é suja: como Davies diz: tudo está à venda e ninguém está isento”, analisa o New York Times.

 

 

The Second Machine Age (Erik Brynjolfsson e Andrew McAfee)* The Second Machine Age (Erik Brynjolfsson e Andrew McAfee)
Os autores, que trabalham no MIT – Brynjolfsson como economista e McAfee como cientista – discorrem sobre a força e os rumos da revolução digital e como ela se reflete em nível macro e microeconômico na vida das pessoas. A crítica americana afirmou que eles praticam o “antigo estilo econômico”, baseado em lógica, história e observação, para explicar o “big data” do mundo atual. Os dois mostram que os novos fundamentos da economia são baseados em uma realidade de “abundância” de informações – e isso tudo só está começando a ser compreendido agora.”The Second Machine Age é um trabalho ambicioso, envolvente e que traz, em alguns trechos, uma visão aterradora sobre como a tecnologia moderna está transformando a raça humana”, afirma a The Economist.

 

* This Changes Everything: Capitalism vs. the Climate (Naomi Klein)* This Changes Everything: Capitalism vs. the Climate (Naomi Klein)
“Ainda dá tempo de evitar um catástrofe climática”, escreve a escritora e ativista canadense, Naomi Klein. Ela alerta, no entanto: “Mas não com as regras atuais em que o capitalismo foi construído”. A autora já é conhecida por livros anteriores que abordam as mudanças climáticas. “Sua estratégia é mostrar como o hiperconsumo, a exploração empresarial das comunidades ou a fixação pelo crescimento perpétuo tem destruído o planeta”, afirma o New York Times. O novo livro não defende o “fim do capitalismo mundial” de um modo direto, mas reflete sobre como seus pricípios, monopólios e interesses poderiam caminhar em outras direções. Ela utiliza ciência, psicologia, geopolítica, economia e ética para moldar a questão climática. “O resultado é o livro ambiental mais importante e controverso dos últimos tempos”, avalia o jornal americano.

 

* The Innovators (Os Inovadores, Walter Isaacson)* The Innovators (Os Inovadores, Walter Isaacson)
Best-seller com versão em português, Os Inovadores é o mais recente livro de Walter Isaacson, o escritor americano que escreveu uma das biografias mais comentadas de Steve Jobs. Agora, ele destrincha outros inovadores, de séculos passados, e que criaram tudo que foi necessário para chegarmos aos anos dos computadores, da internet e dos tablets. Quem foram os gênios que montam esse imenso quebra-cabeça coletivo dos dias atuais? É isso que Isaacson busca responder. Há espaço para pessoas como Claude Shannon, o brilhante matemático que criou o conceito de bit, Alan Turing, que ampliou e expandiu as ideias de Babbage, ajudou os aliados a vencer a Segunda Guerra e foi preso, até Grace Hopper, provavelmente a primeira programadora do mundo.

 

 

* Creativity (Criatividade, Ed Catmull e Amy Wallace)* Creativity (Criatividade, Ed Catmull e Amy Wallace)
Considerado um dos melhores livros sobre “liderança criativa”, mostra como o cofundador da Pixar, Catmull, conseguiu administrar um estúdio e criar “tantas mentes criativas”. Há reflexões específicas sobre a gestão, como o fracasso da organização em proteger novas ideias e impor limites produtivos. “O que é impressionante é como Catmull insiste em ligar ideias criativas a trabalho e comportamentos”, analisa a Forbes. Há ainda histórias, avaliadas como imperdíveis, sobre bastidores de clássicos da animação, como Toy Story.

 

 

*House of Debt (Atif Mian e Amir Sufi’s)*House of Debt (Atif Mian e Amir Sufi’s)
O livro analisa como podemos “prevenir futuras recessões na economia”, trazendo, segundo a Economist avalia, uma “perpectiva mais atual sobre estagnação, inflação e omissões”. Os autores analisam especificamente as últimas crises dos Estados Unidos, além de recessões em outros países. Mian é um economista de Princeton, já Sufi um professor de finanças da Universidade de Chicago. Para eles, a “polarização política” e “legislaturas fragmentadas” têm sido os fatores fundamentais e provocativo de todas as últimas recessões.

 

 

 

* Think Like a Freak (Como Pensar como Um Freak, Stephen D Levitt e o jornalista Steven J. Dubner)* Think Like a Freak (Como Pensar como Um Freak, Stephen D Levitt e o jornalista Steven J. Dubner)
Após escreverem o best-seller Freakoconomics e o SuperFreakonomics – que no Brasil tem uma versão só para os dois títulos – o economista Stephen D. Levitt e o jornalista Steven J. Dubner começaram a ouvir perguntas de todos os tipos. Os dois livros buscam responder a questões que aparentemente não possuem relação e muito menos seriam analisadas e respondidas por economistas tradicionais. Exemplo: o que os lutadores de sumô tem a ver com professores? Apesar do estímulo que eles oferecem para quem quer buscar pensamentos nessa linha, pensar como os dois não é uma tarefa tão fácil. Pense como Um Freak foi a maneira que eles encontraram de tentar esmiuçar mais claramente o raciocínio para olhar o mundo de outra forma.

 

* The Everything Store (A Loja de Tudo, Jeff Bezos)* The Everything Store (A Loja de Tudo, Jeff Bezos)
Lançado no Brasil neste ano, o livro escrito pelo jornalista Brad Stone quer mostrar como a Amazon transformou-se de um site – pioneiro – de comércio de livros a uma gigante varejista mundial. A história de Stone parte de análises com funcionários, executivos e até pessoas próximas do fundador, Jeff Bezos, para mostrar a competição extrema e forma de “atuação impiedosa” da empresa.

 

 

 

 

* Por Que o Brasil Cresce Pouco? (Marcos Mendes)* Por Que o Brasil Cresce Pouco? (Marcos Mendes)
O economista Marcos Mendes faz um amplo levantamento sobre as agências reguladoras brasileiras buscando relacionar seu funcionamento a empresas. Neste caso, o desemprenho seria ruim, afirma, afetado por orçamentos reduzidos, crescimento pífio e indicações políticas no quadro de funcionários. Para ele, não há um interesse político na consolidação do Brasil que poderia ajudar o país a crescer muito mais.

 

 

 

 

* Flash Boys (Flash Boys: Revolta em Wall Street, Michael Lewis)

 

*David and Goliath (David e Golias, Malcom Gladwell)
Rever premissas, fazer novas perguntas e instigar o debate sobre aquilo que parece já ser status quo. É o que Malcom Gladwell, autor do famoso “O Ponto de Virada” faz na nova obra. O livro reflete sobre como algo que, a princípio parece ser uma desvantagem – como pobreza a debilidades – pode ser mais útil no final. O contrário também pode ocorrer: será que riqueza e fortuna realmente são vantagens? É um novo olhar sobre a forma como que, normalmente, encaramos limitações profissionais ou pessoais.

 

 

*David and Goliath (David e Golias, Malcom Gladwell)*David and Goliath (David e Golias, Malcom Gladwell)
Rever premissas, fazer novas perguntas e instigar o debate sobre aquilo que parece já ser status quo. É o que Malcom Gladwell, autor do famoso “O Ponto de Virada” faz na nova obra. O livro reflete sobre como algo que, a princípio parece ser uma desvantagem – como pobreza a debilidades – pode ser mais útil no final. O contrário também pode ocorrer: será que riqueza e fortuna realmente são vantagens? É um novo olhar sobre a forma como que, normalmente, encaramos limitações profissionais ou pessoais.

 

* Zero to One (De Zero a Um, Peter Thiel)* Zero to One (De Zero a Um, Peter Thiel)
Como confudador do PayPal e investidor inicial do Facebook e LinkedIn, Thiel traz no livro um pouco da experiência e novas ideias que adquiriu nos últimos anos. Quer, sobretudo, mostrar como é possível “deixar de copiar algo velho” e pensar em algo novo – em, monópolio, no sentido de criar algo que ganhe espaço e abra espaço para uma série de outras coisas. Para ele, o segredo não é competir, mas monopolizar. “Cada negócio é bem sucedido exatamente na medida em que faz algo que os outros não podem”.

 

 

 

* How Google Works (Jonathan Rosenberg e Eric Schmidt)* How Google Works (Jonathan Rosenberg e Eric Schmidt)
O New York Times avalia que o livro traz não é examente o que promete no título: há pouca informação sobre como realmente o Google funciona (seus bastidores, processos e conversas de executivos). Mas há muito sobre estratégia, inovação e cultura – em uma perspectiva que parte do Google para o setor no geral. A dupla que possui um boa trajetória na empresa – e ocupa cargos altíssimos hoje – é considerada referência no setor de tecnologia.

 

 

 

Adeus, Aposentadoria (Gustavo Cerbasi)* Adeus, Aposentadoria (Gustavo Cerbasi)
Em seu novo livro que rapidamente chegou à lista dos mais vendidos, o guru de finanças Gustavo Cerbasi apresenta estratégias e planos para as pessoas planejaram bem a sua vida quando pararem de trabalhar. O autor quer propor um novo caminho que vai além da poupança, fundos de pensão ou previdência. Para ele, esta “velha fórmula” já deixou de funcionar à medida em que vivemos em um país com custo de vida mais alto e maior expectativa de vida. Para Cerbasi é preciso investir em estratégias durante a carreira e ter uma nova visão e jeito de lidar com o dinheiro. No livro, ele apresenta esses planos e dicas de acordo com as faixas etárias.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *