Livro reúne contos inspirados em canções de Tom Jobim

Fotografias de paisagens do Rio de Janeiro tiradas por Isabel De Nonno para o livro
Fotografias de paisagens do Rio de Janeiro tiradas por Isabel De Nonno para o livro

Mariana Paiva, no A Tarde

Música leva pra passear: bastam uns acordes e a mente já passeia nos tons pasteis das lembranças. Ou da imaginação. É assim no livro Vou Te Contar: 20 Histórias ao Som de Tom Jobim. Nele, 20 escritores brasileiros contemporâneos se deixaram envolver por 20 canções de Tom para criar contos. O número não é à toa: o livro homenageia o cantor e compositor 20 anos depois de seu falecimento, em 1994.

A ideia surgiu no ano passado, quando Celina Portocarrero, organizadora do livro, percebeu que muito pouco estava sendo planejado para homenagear Tom em 2014. Estava numa palestra-show sobre a dupla Tom e Vinicius, e foram exatamente as músicas que levaram Celina a viajar na ideia.

“Meu encanto pelo Tom é da vida toda. Tenho quase 70 anos, então na minha adolescência a bossa nova estava começando, e Tom estava ali. Aliás, não conheço ninguém que um dia não tenha pensado: ‘Ah, se todos fossem iguais a você!’, como na música. Tom é o fundo musical de minha vida”, ela conta.

A escolha das canções para inspirar os escritores (de Silviano Santiago a André de Leones, de Menalton Braff a Sandra Luz) foi difícil. Começa por aí: o top 10 de músicas de Tom feito por Celina tem 36 músicas. “As minhas preferidas são as que ele fez sozinho”. Foi assim que entraram no livro canções como Falando de Amor, Querida, Águas de Março, Ligia, As Praias Desertas e Luiza.

Os contadores

À baiana Adelice Souza coube escrever um conto de amor (ou de amores) sobre a canção Wave, escolhida por ela entre as 20 disponíveis. “Queria fazer um conto baiano para Jobim. Tem músicas dele em que a Bahia está muito presente, mas eu queria uma universal. Queria fazer com que ele ficasse baiano, da nossa terra. O meu é o Tom Jobim abaianado, porque a gente tem tudo que ele tem, esse sambinha, essa bossinha. Tudo tão baiano”, Adelice diz.

É bem assim no conto: Adelice escreve de idas e vindas, como as ondas do mar (Wave é onda, em inglês), com direito a oferendas para Iemanjá.

Apaixonado por Tom Jobim desde a adolescência, o catarinense Carlos Henrique Schroeder escreveu inspirado pela canção Fotografia, num emocionante relato de incomunicabilidades e amor entre pai e filho. E viajou na música, exatamente como fazia anos atrás.

Na adolescência, entre os discos do Sepultura, Ramones e The Clash, Carlos guardava os de Tom Jobim. Naquele tempo, morava no interior e sentia falta do mar. Era Tom quem lhe trazia a praia para perto. “Aquela sonoridade tão praiana e idílica era diferente pra mim, eu passava horas viajando naquilo tudo. As letras são ingênuas, saudosistas. Nessa época da adolescência eu já ficava encantando com isso”.

No livro, tem também Silviano Santiago escrevendo inspirado pela canção Cai a Tarde; Monique Revillion viajando em Espelho das Águas e Henrique Rodrigues criando a partir de Gabriela. O volume vem ilustrado por fotografias de Isabel De Nonno e nem devia precisar dizer (mas vá lá): é bom de ler ouvindo música. Bem bom.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *