A Cuca Recomenda: O Alienado

Karen, no Por essas páginas

Adquiri o e-book de O Alienado há muito tempo, em uma promoção, e sempre adiava a leitura – apesar de ter muita curiosidade – por falta de tempo e por ter outros livros na frente, especialmente os de parceria. Participar de um blog é incrível, mas pela responsabilidade com editoras e autores parceiros, às vezes você acaba protelando as leituras que realmente quer fazer. Mas então eu estava de férias, com meu celular à beira da piscina, e pensei: estou de férias, ué! Vamos ler um livro de férias!

Deixando bem claro aqui que O Alienado não é exatamente um livro para ler nas férias, meus caros. É denso, inteligente, crítico, abstrato e muitas vezes, surreal. Só tinha lido alguns contos de Cirilo S. Lemos, mas a leitura do seu romance confirmou minhas suspeitas: sua mente é um lugar extremamente amplo e repleto de histórias surpreendentes – as mais malucas que se possa imaginar.

O_ALIENADOEm O Alienado, romance de Cirilo S. Lemos, o leitor é trazido a um complexo labirinto de acontecimentos e emoções onde acaba se questionando sobre quem observa suas memórias ou controla o destino das pessoas. Que segredos existem por trás das torres de aço e vidro da Cidade-Centro? Cosmo Kant, operário com nome de filósofo e vida ordinária, precisa lidar com essas questões após testemunhar um homem atravessar o espelho do banheiro como num passe de mágica. Enquanto o governo trava uma guerra não oficial contra o Nada, Cosmo vê sua história se entrelaçar com a de um inspetor encarregado de investigar possíveis ataques terroristas contra a realidade, mas que está mais interessado no amor de uma mulher proibida. A resposta para suas perguntas pode estar perdida entre as lembranças, no tempo que se estica e se sobrepõe, nas filas que parecem uma entidade coletiva, nas mãos de um Forasteiro manipulador que usa crianças como bombas, nos corredores escuros de um Arquivo inalcançável… ou em lugar nenhum. Em um mundo de dúvidas, só existe uma certeza: os Metafilósofos vigiam você.
Fonte

A primeira coisa que você, leitor, precisa saber, é que O Alienado não é um livro pé no chão, apesar de conter fortes críticas sociais. É um livro completamente louco, muitas vezes absurdo – e isso foi ótimo! – mas é bom avisar, porque se você for com outras ideias pode não gostar. O livro não faz sentido por muitas páginas, mas você sente, mais do que sabe, que em algum momento aquelas peças vão se encaixar.

Quero é não precisar acreditar em nada que alguém venha me dizer para acreditar. Quero descobrir tudo por mim mesmo.

Consegui distinguir três partes distintas e importantes no livro: a primeira, a narração de Cosmo sobre sua conturbada infância, quando nutria uma enorme admiração pelo amigo Virgílio, menino inteligente, que lia milhares de livros que o anterior não compreendia e sofria preconceito por causa da mãe de vida fácil. Ao mesmo tempo, Cosmo brigava com a mãe para manter essa amizade e sentia falta do pai, embarcado, que dificilmente estava em casa. Parece que não, mas depois de um tempo você percebe o quanto essa parte da história, uma das mais interessantes, interliga todo o resto feito os ovos em uma receita de bolo. Na realidade, todo o livro parece uma elaborada receita, onde cada ingrediente aparentemente não faz sentido, mas juntos, formam um belo resultado.

A segunda parte importante é a vida de Cosmo adulta, quando aparentemente ele está com problemas mentais. Tudo é bem confuso nessa parte, especialmente no início, mas quando você relaxa e deixa o absurdo penetrar, a leitura flui muito mais. A terceira parte é o livro que Cosmo está escrevendo, que também não parece fazer nenhum sentido, mas depois se enrosca e se reúne à história de uma maneira inacreditável. Todas essas partes são intercaladas e, se você não tomar cuidado, pira o cabeção, mesmo.

“É como se todos fossem fotos de coisas, não a coisa em si.”

É difícil falar desse livro porque é difícil explicá-lo, então vou me ater às minhas sensações durante a leitura. Confesso que, durante algumas páginas, fiquei com vontade de jogar tudo para o alto e pensei que era burra e concreta demais para toda aquela piração. Mas há algo na escrita de Cirilo, algo instigante e apaixonante, que impede o leitor de largar o livro e, quando você menos espera, está novamente grudado nas páginas. A história vai se construindo em pequenos detalhes que o leitor coleta em meio às três histórias, como se estivesse investigando a vida do personagem principal, Cosmo. Às vezes eu sentia que estava enlouquecendo junto com o personagem, mas não, é incrível como, no fim, tudo aquilo faz um sentido perturbador e, nem o personagem, nem você, leitor, estão perdendo a cabeça (há controvérsias, especialmente ao usar essa expressão… quem ler vai me entender bem no finalzinho). As três histórias se conectam de uma maneira surreal, mas coerente, e você fica lá, pasmo com aquela ideia maluca, mas fantástica, do autor. Vou precisar usar uma expressão estrangeira para definir um livro brasileiro, mas infelizmente, só ela traduz meu sentimento: esse livro é do tipo “blow your mind”.

Como li em e-book, não tenho tanta coisa assim a falar da edição da Draco, mas pelo que eu vi no livro digital, o físico parece ser bastante caprichado. Há, inclusive, alguns quadrinhos no meio do livro, que enriquecem a experiência. Infelizmente encontrei alguns pequenos erros de revisão que me incomodaram; nada que prejudique ou tire o brilhantismo do livro, no entanto. Aliás, preciso dizer que esse livro foi difícil de escolher trechos para a resenha: eu queria colocar milhares de frases aqui.

“Seu hálito tem o perfume de coisas guardadas.”

O Alienado facilmente pode ser uma daquelas obras brasileiras que perduram e são dissecadas por críticos literários, acadêmicos e professores de literatura. O livro tem o tom certo de crítica social, abstrato e um leve pedantismo literário que geralmente é encontrado nessas obras consagradas. (Mas até essa “pretensão” é ótima, pois também parece criticar os pedantes!) E, de fato, o livro e o autor merecem essa consagração. Espero de verdade que ele chegue um dia, e que bons livros nacionais como esse sejam reconhecidos. Os críticos e acadêmicos brasileiros precisam descer um pouco de seus pedestais e entender que na fantasia e ficção científica também existe sim alta literatura.

Ficha Técnica
Título: O Alienado
Autor: Cirilo S. Lemos
Editora: Draco
Páginas: 240
Avaliação: 5star

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *