Texto nota mil no Enem cita ‘Peppa Pig’ para falar sobre publicidade

15015740

Paula Sperb, na Folha de S.Paulo

Mesmo com a correria típica do ano de formatura no colégio e as aulas do cursinho pré-vestibular, Larissa Freisleben, 18, não abandonou a prática de balé.

Segundo a jovem de Farroupilha (a 91 km de Porto Alegre), uma entre 250 estudantes que tiraram nota mil na redação do Enem, a dança ajuda na concentração.

Mas o hábito de leitura foi determinante para seu bom desempenho na prova.

“Leio de tudo, de livros mais bobinhos a clássicos e filosofia”, conta ela, que prestará vestibular para direito.

Larissa gostou do tema, sobre publicidade infantil, e diz que já tinha lido textos a respeito. “Gostei mais do que o tema anterior [lei seca]. Consegui ter argumentos para essa proposta”, afirma.

Na redação, a estudante citou o exemplo da influência do desenho “Peppa Pig”, exibido no Brasil no canal Discovery Kids, porque notou que primos imitavam a personagem e pediam os produtos licenciados de presente.

“O texto apresenta exemplificação, domínio da norma culta, conceitos de várias áreas [resgate histórico] e proposta de solução viável e concreta”, analisa Geneviève Faé, 29, professora de redação em um cursinho de Caxias do Sul, cidade vizinha na qual Larissa estuda.

Os 250 candidatos que tiraram a nota máxima na redação fazem parte de um universo de 6,2 milhões de pessoas que fizeram a prova. Outros 530 mil receberam nota zero, a maior parte (53%) por entregar a prova em branco.

Leia abaixo a redação de Larissa Freisleben, que recebeu nota mil no Enem.

*

Publicidade Infantil: perigoso artifício

Uma criança imitando os sons emitidos por porcos já foi atitude considerada como falta de educação. No entanto, após a popularização do programa infantil “Peppa Pig”, essa passou a ser uma cena comum no Brasil. O desenho animado sobre uma família de porcos falantes não apenas mudou o comportamento dos pequenos como também aumentou o lucro de uma série de marcas que se utilizaram do encantamento infantil para impulsionar a venda de produtos relacionados ao tema. Peppa é apenas mais um exemplo do poder que a publicidade exerce sobre as crianças.

Os nazistas já conheciam os efeitos de uma boa publicidade: são inúmeros os casos de pais delatados pelos próprios filhos –o que mostra a facilidade com que as crianças são influenciadas. Essa vulnerabilidade é maior até os sete anos de idade, quando a personalidade ainda não está formada. Muitas redes de lanchonetes, por exemplo, valem-se disso para persuadir seus jovens clientes: seus produtos vêm acompanhados por brindes e brinquedos. Assim, muitas vezes a criança acaba se alimentando de maneira inadequada na ânsia de ganhar um brinquedo.

A publicidade interfere no julgamento das crianças. No entanto, censurar todas as propagandas não é a solução. É preciso, sim, que haja uma regulamentação para evitar a apelação abusiva –tarefa destinada aos órgãos responsáveis. No caso da alimentação, a questão é especialmente grave, uma vez que pesquisas mostram que os hábitos alimentares mantidos até os dez anos de idade são cruciais para definir o estilo de vida que o indivíduo terá quando adulto. Uma boa solução, nesse caso, seria criar propagandas enaltecendo o consumo de frutas, verduras e legumes. Os próprios programas infantis poderiam contribuir nesse sentido, apresentando personagens com hábitos saudáveis. Assim, os pequenos iriam tentar imitar os bons comportamentos.

Contudo, nenhum controle publicitário ou bom exemplo sob a forma de um desenho animado é suficiente sem a participação ativa da família. É essencial ensinar as crianças a diferenciar bons produtos de meros golpes publicitários. Portanto, em se tratando de propaganda infantil, assim como em tantos outros casos, a educação vinda de casa é a melhor solução.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *