Livro traz correspondências de mentes brilhantes

(Fotos: Hulton Archive/Getty Images (2), Spencer Arnold/ Getty Images, Topical Press Agency/Getty Images)
(Fotos: Hulton Archive/Getty Images (2), Spencer Arnold/ Getty Images, Topical Press Agency/Getty Images)

Grandes ideias não precisam ocupar grandes livros. Personalidades geniais concentraram belos e complexos pensamentos em missivas breves

Marcos Coronato, na Época

Há muitos motivos para gostar de cartas – elas funcionam como delicadas cápsulas do tempo, a preservar sutilezas e segredos do pensamento. Elas convidam o autor, confiante na intimidade da correspondência, a expor ideias, desejos e medos que não confessaria em público. Hoje, e-mails assumiram essa função. Mas, impalpáveis, de existência frágil, sempre a um clique do extermínio, não oferecem um refúgio seguro às pequenas histórias da vida privada – ou às grandes correspondências, destinadas, em algum momento, à posteridade. A historiadora britânica Sarah Pearsall, da Universidade de Cambridge, considera o gênero epistolar o preferido dos viajantes, migrantes e refugiados – e, principalmente em períodos turbulentos, “nos esclarecem sobre os conceitos fluidos de privacidade, segredo e confiança”. Gosto especialmente delas porque obrigam o autor a concentrar, em poucas linhas, o que há de mais intenso em suas opiniões e seus sentimentos.

Por esses motivos e mais alguns, o editor inglês Shaun Usher garimpa cartas históricas há anos. Desde 2009, Usher mantém o blog Letters of Note, dedicado a publicar correspondência à moda antiga – cartas, cartões e memorandos com algum interesse histórico. Usher ama cartas não apenas por elas serem reveladoras, (às vezes) concisas e valiosas como documentos. Ele as adora por ser um nostálgico. Sua devoção precisou de espaço em um segundo blog, o Letterheady, dedicado apenas à beleza de papéis de carta, envelopes e carimbos. Em 2013, Usher escolheu 125 cartas para publicar numa coletânea, Letters of note (recém-lançada no Brasil pela Companhia das Letras, com o título Cartas extraordinárias). Na Inglaterra, o editor usou um site de financiamento coletivo para conseguir lançar o livro. O entusiasmo dos adoradores de cartas garantiu que ele levantasse o triplo do dinheiro necessário.

As 125 cartas formam um conjunto variado, às vezes engraçado, às vezes tocante. Há missivas de famosos a anônimos – a escritora Anaïs Nin explica a um leitor boçal por que escreve sobre sexo sem boçalidades. E de anônimos a famosos – o menino Jim Berger propõe ao consagrado arquiteto Frank Lloyd Wright que projete uma casinha de cachorro. Anaïs e Jim fazem parte de um grupo que brilha. Muitas das cartas revelam medos recônditos, paixões equivocadas e sonhos grandiloquentes. Outras tantas expõem pensamentos e ideias que mudaram o mundo. Todas permanecem vivas – e têm algo a nos dizer.

imagem_01

imagem_02

imagem_03

imagem_04

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *