Curta produzido por alunos da UFRJ é selecionado para mostra no Festival de Cannes

“Sublime cor do teu silêncio” mostra o contato entre uma adolescente com deficiência auditiva e um mímico

unnamed

Publicado em O Globo

Tirar dez nas duas disciplinas para as quais produziram o curta “Sublime cor do teu silêncio” foi apenas a primeira conquista do grupo de alunos do quinto período de Comunicação da UFRJ por trás do trabalho. A produção acaba de ser aprovada para uma mostra oficial não-competitiva do Festival de Cinema de Cannes deste ano, garantindo uma injeção de ânimo na equipe.

– Começamos a pensar no projeto em junho do ano passado e produzimos tudo no segundo semestre. Finalizamos uma versão para que fosse avaliada pelas disciplinas Cinegrafia e Tecnologia da Produção – conta o roteirista Rubens Takamine, de 22 anos. – Depois disso, recebemos o feedback de uma professora com alguns pontos que poderiam ser melhorados. Fizemos ajustes e fechamos a versão final em março deste ano.

Com 15 minutos de duração, o filme conta a história da adolescente com deficiência auditiva Camila, interpretada pela atriz e aluna do curso Nádia Oliveira. A personagem tem nos seus desenhos um dos principais canais de conexão com o mundo e, ao conhecer um mímico, estabelece novas maneiras de contato.

Takamine conta que teve a ideia do roteiro a partir de experiências pessoais, como ter trabalhado numa mostra voltada para deficientes visuais. Temas relacionados à acessibilidade vinham despertando seu interesse e a ideia foi abraçada por toda a equipe. Para construir a personagem de Camila livre de qualquer abordagem que pudesse soar preconceituosa, o grupo buscou ajuda no Instituto Nacional de Educação de Surdos.

– Fizemos pesquisas para entender bem como eles se comunicam e pedimos à direção que avaliasse nosso roteiro – diz Takamine, que pretende adicionar recursos técnicas que torne o filme mais acessível, como audiodescrição.

PROCESSO COLABORATIVO

Cerca de 15 alunos participaram da produção, que teve um orçamento de apenas R$ 500, sendo a maior parte empregada em transporte e alimentação da equipe.

– Tudo foi feito de maneira bem colaborativa, usei uma câmera própria para filmar e cada um comprou uma coisa para ajudar. Para gravarmos as cenas no Parque Lage, onde se passa mais da metade das filmagens, contamos com apoio da própria instituição – conta.

 

[vimeo]https://vimeo.com/125007924#at=0[/vimeo]

 

Os resultados dessa experiência fez com que a equipe começasse a se movimentar para alçar novos voos. Eles formaram o coletivo de artes e midiativismo Cinestesia Coletiva e querem produzir novos trabalhos.

– A gente esperava que teria um bom retorno, porque o filme ficou visualmente bem bonito e com uma boa história. Mas não imaginávamos que iriamos tão longe em tão pouco tempo. Agora, queremos fazer mais pesquisas e levar esse tipo de produção adiante – conta Takamine.

Ele espera, ainda, que a própria trajetória do filme leve outros estudantes a caminhos semelhantes.

– Muita gente faz os trabalhos pensando apenas nas disciplinas e nem os inscreve em festivais. A gente espera que histórias como as nossa criem uma nova cultura, em que os alunos não tenham medo de expor suas ideias.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *