Inglês fraco dos estudantes preocupa a faculdade de medicina da USP

15129307

Publicado em Folha de S.Paulo

Estudantes da melhor faculdade de medicina do país têm apresentado uma defasagem na formação básica que pode comprometer seus estudos e seu futuro profissional: a falta de fluência em inglês.

O diagnóstico foi feito pela direção da Faculdade de Medicina da USP, que passou a tomar iniciativas para estimular os alunos a estudarem o idioma, especialmente os termos técnicos da área.

Em julho, a faculdade promoverá a primeira “winter school”, ou escola de inverno, um curso de duas semanas ministrado em inglês.

Dos 60 inscritos, dez são brasileiros. O objetivo é que, inseridos em um ambiente internacional, mesmo os alunos que não participam do curso fiquem em contato com colegas estrangeiros. Precisarão falar em inglês e terão dimensão da necessidade de dominar o idioma.

Essa é a expectativa do professor Aluísio Segurado, coordenador da comissão de internacionalização da faculdade. “Ainda há certa inibição, inércia. Como não são cobrados, os alunos não dedicam tempo a isso”, diz.

Há dois anos, a faculdade passou a oferecer uma oficina optativa de redação de artigos científicos em inglês.

A USP não permite que sejam oferecidos cursos obrigatórios em inglês na graduação, porque, como o domínio da língua não é requisito no ingresso, não pode ser exigido nessa etapa.

Segurado diz, porém, que o treinamento dos alunos é e será cada vez mais inevitável por dois motivos.

O primeiro é o maior ingresso de alunos vindos do ensino público, facilitado por políticas de inclusão adotadas pela USP nos últimos anos, como a concessão de bônus no vestibular.

Docentes citam estudo da Unicamp que apontou desempenho inferior desses alunos em inglês, ainda que não nas demais disciplinas.

O segundo motivo é a oferta de programas de intercâmbio no exterior, amplificada pelo programa Ciência sem Fronteiras, do governo federal. Com cada vez mais alunos querendo e podendo estudar fora, maior a necessidade de se dominar a língua inglesa.

Além disso, é fundamental acompanhar a produção contemporânea. “É difícil imaginar que um médico que não leia inglês consiga se manter atualizado”, afirma Segurado.

O professor Luiz Fernando Silva diz notar que “muitos alunos ficam boiando” em palestras de estrangeiros.

Ele observa o surgimento de empresas que traduzem textos científicos do português para o inglês. O serviço, se usado indiscriminadamente, impede a autonomia, diz.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

One thought on “Inglês fraco dos estudantes preocupa a faculdade de medicina da USP

  • 12 de maio de 2015 em 20:24
    Permalink

    Começaram a acordar….Infelizmente a segunda língua não é obrigatória…..existe lei, sim….como sempre,,,,não cumprida…..minhas notas de Língua Inglesa e Literatura do 4º bimestre foram: construa um presépio….e a média? 10,0…………..
    Sem comentários!!!!!!!!!!!
    PS: sou apaixonada pela Língua Inglesa <3

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *