O mundo de Aisha

Cristine, no Cafeína Literária

O mundo de Aisha
Ugo Bertotti (autoria) & Agnes Montanari (fotos e entrevistas)

Obrigadas a se casarem ainda meninas. Escravizadas, violentadas, por vezes assassinadas. Cobertas com o véu negro – o niqab – as mulheres do Iêmen parecem fantasmas. Contudo, pouco a pouco, com delicadeza, coragem e determinação, elas travam uma batalha corajosa por sua emancipação. Uma revolução silenciosa está em marcha para fazer valer seus direitos e sua liberdade. Aisha, Sabiha, Hamedda, Houssen e tantas outras: aqui estão algumas de suas histórias. Uma extraordinária reportagem em quadrinhos de Ugo Bertotti inspirada pelas imagens e pelas entrevistas da fotojornalista Agnes Montanari.
(fonte: quarta capa do livro)

mundo_aisha

Ugo Bertotti adaptou o foto documentário de Agnes Montanari para mostrar a história dessas mulheres que veem o mundo por detrás do niqab – véu que cobre o rosto e só revela os olhos. Dependendo da região, o niqab pode ser fard (obrigatório) ou sunnah (recomendado), mas a maioria das mulheres iemenitas evita sair de casa sem ele.

Através do olhar Montanari, conhecemos essas mulheres que, apesar da aparente submissão, questionama a situação social da mulher no Iêmen. O uso do niqab é apenas um dos aspectos da vida repleta de restrições a que elas são submetidas. As mulheres retratadas pela fotógrafa, cujas histórias são contadas de forma concisa por Bertotti, cada uma a seu modo, tentam conseguir seu próprio espaço numa sociedade extremamente conservadora e machista. Infelizmente, nem todas têm finais felizes.

O traço de Bertotti é bem pesado e, no geral, as páginas são bem escuras. O que faz todo o sentido se, como desconfio, a intenção do autor foi levar o leitor a experimentar a mesma percepção das mulheres ao enxergar o mundo pelas frestas do niqab sem poder, de fato, experimentá-lo. É bastante significativa, na primeira história, a descrição das sensações de Sabiha ao sair à janela ao alvorecer, sem vestir o niqab:

mundo-de-aisha03

Para nós, ocidentais, algumas situações retratadas beiram o surreal.

mundo-de-aisha01

“Eu incomodava por quê?
Simplesmente porque não ficava em casa, como todas as outras…

Tinha um restaurante, trabalhava com homens, tratava-os de igual para igual e: estava ganhando dinheiro.

Todo o meu trabalho, todo o meu esforço… para chegar àquela situação.”

(Hamedda, proprietária de restaurantes em Shibam-Kawkaban)

mundo-de-aisha02

Porém, ao ler essas histórias percebe-se que, mesmo parecendo ser restritivo, o uso do niqab de certa forma garante às mulheres iemenitas liberdade para circular livremente, para sair à rua, estudar, trabalhar. E não apenas isso. Garante-lhes também segurança, evitando que sejam ofendidas, atacadas e, mesmo, violentadas pela sociedade desigual em que vivem.

Vale um Macchiato

Booktrailer

Veja aqui uma amostra do livro.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *