Documentos e manuscritos de Moacyr Scliar estão disponíveis para leitura na internet

Além da referencial e volumosa obra que o  consagrou como um dos mais importantes escritores do Brasil, Moacyr Scliar (1937 – 2011) deixou como legado de sua profícua produção literária manuscritos, datiloscritos e registros diversos agora disponíveis para consulta virtual. Desde a terça-feira (9/6), o site do Delfos – Espaço de Documentação e Memória Cultural da PUCRS (delfosdigital.pucrs.br) apresenta cerca de 800 documentos digitalizados pertencentes ao acervo do autor gaúcho. – O livre acesso a este material é muito valioso para estudantes e pesquisadores – diz o professor Ricardo Araújo Barberena, coordenador executivo do Delfos. – A digitalização em alta definição permite que os textos sejam impressos. Em termos de volume, o acervo digital do Scliar está entre os maiores disponíveis hoje no Brasil.  Leia todas as notícias de Livros O processo de digitalização do material teve início em 2013, em uma iniciativa que contou com o envolvimento de Judith Scliar, viúva do escritor e doadora de boa parte do material. No começo dos anos 2000, o próprio Scliar já tratava com a PUCRS para que o Centro de Memória Literária da Faculdade de Letras da universidade fosse depositário de seus documentos. No total, mais de 8,6 mil páginas de manuscritos e datiloscritos do escritor estão sob os cuidados da PUCRS. E são reveladores da compulsão do autor pela escrita, prazer que exercitava tanto na máquina de datilografar quanto nas anotações em pedaços de papel (veja destaques do acervo abaixo). O site do Delfos disponibiliza, além de material referente às obras literárias de Scliar – como o processo de criação de livros como O Exército de Um Homem Só –, correspondências, recortes de jornais e anotações variadas. A busca pode ser por data, assunto, título e tipo. – Ficaram de fora apenas originais nunca publicados, em respeito à vontade de Scliar – destaca Barberena. Entre os textos mais antigos digitalizados, estão o conto datilografado Pedacinhos de Infância, datado de 1952. No segmento de recortes, com colaborações de Scliar na imprensa desde meados dos anos 1950, está o conto Hora Certa, publicado em Zero Hora no dia 12 de setembro de 1987. Com o acervo digital de Scliar no ar, o Delfos, localizado no 7º andar da Biblioteca Central da PUCRS, prepara para os próximos meses o lançamento do espaço virtual dedicado a Caio Fernando Abreu. Alguns destaques do acervo digital – Diferentes versões de A Guerra no Bom Fim – Manuscrito original  de O Exército de um Homem Só – Datiloscrito original de O Centauro no Jardim – Eu vos Abraço, Milhões - Documento digitado com correções ao longo do texto do romance – Roteiro manuscrito e originais da novela Os Voluntários
Excerto do original de “O Exército de um Homem Só” Foto: Delfos/Pucrs / Reprodução

Acervo digital foi disponibilizado no site do Delfos – Espaço de Documentação e Memória Cultural da PUCRS

Publicado no Zero Hora

Além da referencial e volumosa obra que o consagrou como um dos mais importantes escritores do Brasil, Moacyr Scliar (1937 – 2011) deixou como legado de sua profícua produção literária manuscritos, datiloscritos e registros diversos agora disponíveis para consulta virtual. Desde a terça-feira (9/6), o site do Delfos – Espaço de Documentação e Memória Cultural da PUCRS (delfosdigital.pucrs.br) apresenta cerca de 800 documentos digitalizados pertencentes ao acervo do autor gaúcho.

– O livre acesso a este material é muito valioso para estudantes e pesquisadores – diz o professor Ricardo Araújo Barberena, coordenador executivo do Delfos. – A digitalização em alta definição permite que os textos sejam impressos. Em termos de volume, o acervo digital do Scliar está entre os maiores disponíveis hoje no Brasil.

O processo de digitalização do material teve início em 2013, em uma iniciativa que contou com o envolvimento de Judith Scliar, viúva do escritor e doadora de boa parte do material. No começo dos anos 2000, o próprio Scliar já tratava com a PUCRS para que o Centro de Memória Literária da Faculdade de Letras da universidade fosse depositário de seus documentos. No total, mais de 8,6 mil páginas de manuscritos e datiloscritos do escritor estão sob os cuidados da PUCRS. E são reveladores da compulsão do autor pela escrita, prazer que exercitava tanto na máquina de datilografar quanto nas anotações em pedaços de papel (veja destaques do acervo abaixo).

O site do Delfos disponibiliza, além de material referente às obras literárias de Scliar – como o processo de criação de livros como O Exército de Um Homem Só –, correspondências, recortes de jornais e anotações variadas. A busca pode ser por data, assunto, título e tipo.

– Ficaram de fora apenas originais nunca publicados, em respeito à vontade de Scliar – destaca Barberena.

Entre os textos mais antigos digitalizados, estão o conto datilografado Pedacinhos de Infância, datado de 1952. No segmento de recortes, com colaborações de Scliar na imprensa desde meados dos anos 1950, está o conto Hora Certa, publicado em Zero Hora no dia 12 de setembro de 1987.

Com o acervo digital de Scliar no ar, o Delfos, localizado no 7º andar da Biblioteca Central da PUCRS, prepara para os próximos meses o lançamento do espaço virtual dedicado a Caio Fernando Abreu.

Alguns destaques do acervo digital

– Diferentes versões de A Guerra no Bom Fim

– Manuscrito original de O Exército de um Homem Só

– Datiloscrito original de O Centauro no Jardim

– Eu vos Abraço, Milhões – Documento digitado com correções ao longo do texto do romance

– Roteiro manuscrito e originais da novela Os Voluntários

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *