John Green e Nat Wolff dizem que ‘Cidades de Papel’ celebra amizade

Autor disse que adaptação para cinema é melhor do que sua obra.
Escritor e ator estão no Rio para divulgar filme baseado em livro.

Cristina Boeckel, no G1

John Green e Nat Wolff lançam filme 'Cidades de Papel' no Rio (Foto: Cristina Boeckel/G1)
John Green e Nat Wolff lançam filme ‘Cidades de
Papel’ no Rio (Foto: Cristina Boeckel/G1)

Em encontro com fãs e a imprensa nesta quarta-feira (1), o escritor John Green falou sobre a adaptação para o cinema de seu livro “Cidades de Papel”, que chega aos cinemas no dia 9 de julho.

Acompanhado do ator Nat Wolff, que interpreta Quentin, o protagonista, ele afirmou que o sentido principal de seu texto foi preservado na adaptação. “A coisa mais importante era o entendimento da amizade é de como as pessoas são complexas. Isso era central”.

Ele atesta a qualidade do trabalho. “Muita gente diz que adaptações para o cinema são piores do que os livros, mas acho que esta é claramente melhor”.

John Green citou como destaque na narrativa a maneira como a personagem alvo romântico do protagonista é interpretada pela modelo Cara Delevigne. “Era importante mostrar que Margo não é um milagre, é uma pessoa. Humanizá-la era fundamental”.

Sobre a paixão de Quentin por Margo, Nat Wolff conta que a história de amor está relacionada com outros fatores da sua vida que Quentin não consegue observar. “Às vezes você está focado em uma coisa, mas é preciso olhar para os lados”.

Fascínio pela cartografia
O tema das cidades de papel, que são pequenas cidades criadas por cartógrafos para conseguir identificar cópias, foi escolhido por John Green sempre ser fascinado por esse trabalho. “Sempre fui encantado por este ofício de escrever, de desenhar o mundo como eles fazem”.

Nat Wolff mostra paisagem do Rio a John Green no lançamento de 'Cidades de Papel' (Foto: Cristina Boeckel/G1)
Nat Wolff mostra paisagem do Rio a John Green
no lançamento de ‘Cidades de Papel’
(Foto: Cristina Boeckel/G1)

Semelhanças com personagem
O escritor também enfatizou que adorou o trabalho de Wolff como o protagonista do filme. “Nat é muito esperto e estou satisfeito não só por ele fazer parte do elenco, mas por estar envolvido no processo como um todo”.

Wolff, em contrapartida, elogiou Green e destacou que Cidades é seu livro favorito do autor. “Eu me senti extremamente à vontade durante as filmagens”.

O ator contou que há semelhanças entre a vida de Quentin e a sua própria. “O filme foi como uma máquina do tempo. Eu também tinha dois amigos inseparáveis e uma paixão platônica. Foi como se eu voltasse no tempo. Eu também sigo acreditando que a amizade é algo muito importante na minha vida”.

Sucesso no Brasil
John afirma que nunca esperou o sucesso que seus livros fizeram ao redor do mundo. “Eu nunca imaginei que meus livros iam ser traduzidos para o português e se tornariam best sellers aqui, por exemplo.”

John Green filma jornalistas no Rio (Foto: Cristina Boeckel/G1)
John Green filma jornalistas no Rio
(Foto: Cristina Boeckel/G1)

Green fez questão de reverenciar os leitores brasileiros. “Eu nunca me considerei diferente dos autores que falam para os jovens, mas é maravilhoso estar aqui e até é um pouco estranho, pois é algo que nunca imaginei. Eu gostaria de agradecer aos fãs brasileiros”.

O escritor completou a sua fala mencionando a dificuldade de escrever para o público adolescente.

“É uma linguagem que não é para adultos e nem para crianças. É um meio termo. São linguagens que se encontram e, em algum momento, entram em conflito. É uma época diferente da infância, é uma época de primeiras vezes, de primeira paixão, de descobertas. Não são adultos, mas já abandonaram a infância”, afirmou John.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *