Cursinho gratuito no Rio prepara travestis e transexuais para o Enem

Publicado em UOL Educação

imageAlunas do curso preparatório “Prepara, NEM” assistem aula em casa no centro do Rio

A aula é de sociologia e o assunto da vez é etnocentrismo. Reunidos em uma casa na Lapa, no centro do Rio de Janeiro, o professor e as alunas conversam sobre discriminação e contam histórias das próprias vidas. “Um dia desses o meu ex-marido, que é negro, estava falando comigo sobre o preconceito que ele sofre todos os dias só por causa da cor da pele dele. Aí eu falei que sempre ouvi que transexual só serve para trabalhar como prostituta ou cabeleireira”, diz uma das estudantes.

Lara Lincoln Milanês Ricardo tem 29 anos e é uma das alunas mais empolgadas do “Prepara, NEM!”, curso gratuito preparatório para o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) direcionado para travestis, transexuais, transgêneros e outras pessoas em situação de vulnerabilidade social e preconceito de gênero, iniciado há um mês. Transexual, ela atua como profissional autônoma de estética e beleza e sonha em quebrar a barreira do preconceito e entrar na universidade para cursar direito.

“Estou muito esperançosa. É uma oportunidade única porque a expectativa para as pessoas trans é sempre a marginalidade e esse projeto veio justamente para mostrar o contrário”, declara Lara, que conseguiu, com dificuldades, concluir o ensino médio.

Ela é exceção entre os alunos do “Prepara” –há um homem trans entre os matriculados. De acordo com um dos criadores do curso, o ativista Thiago Bassi, gestor do site de mapeamento da LGBTfobia “Tem Local”, que apoia o projeto, a maioria dos 20 estudantes matriculados não tem o 2º grau completo. “Não acho que se faz inclusão no mercado de trabalho ensinando a ter postura ou a fazer maquiagem. Isso é um incentivo ao subemprego. Por isso nos dispusemos a prepará-los para o Enem”, afirma Thiago.

Todos os professores e professoras do curso são voluntários. As aulas acontecem atualmente em quatro locais diferentes, todos no centro da cidade, entre eles dois sindicatos (de jornalistas e dos petroleiros). A ideia da ocupação de lugares diferentes foi da ativista Indianara Alves Siqueira, presidente do coletivo Transrevolução. O objetivo é fazer com que as pessoas se acostumem aos espaços e os espaços se acostumem a elas. “Fazemos um acolhimento para que essas pessoas se sintam pertencentes à sociedade que tanto as exclui”, comenta Bassi.

O número de voluntários chega a 120 pessoas. O professor de sociologia Thales Santos, 27, que também trabalha em um colégio na Gávea, na zona sul do Rio, soube do projeto quando foi “marcado” por amigo em um evento no Facebook. “Na hora que eu vi a proposta, achei fantástica, maravilhosa, e quis participar”, conta o professor.

“É claro que isso não é o ideal e que o melhor seria se elas estivessem em um cursinho, com todos os públicos, mas estamos esperando isso há muito tempo. É uma ação afirmativa para colocá-las na universidade”, argumenta.

Luciana Vasconcelos, 36, é travesti e se prostitui desde os 17 anos. Natural de Belo Horizonte, chegou no Rio em dezembro para passar o réveillon na cidade e acabou ficando. A intenção era deixar a prostituição após quase duas décadas no ofício, mas não conseguiu emprego em outra área. “O mercado de trabalho fecha as portas para quem é travesti”, diz Luciana, que mora em um abrigo da prefeitura e trabalha à noite na Lapa e em Copacabana.

Quando soube do “Prepara, NEM”, viu no curso uma oportunidade de “resgatar a vida de cidadã normal”. “Eu só estudei até o 1º ano do ensino médio. Na escola tradicional, as pessoas têm preconceito até de sentar do seu lado. Quero estudar agora para fazer um supletivo e procurar um emprego legal”, conta Luciana.

Dificuldades
No dia em que a reportagem acompanhou as aulas, uma segunda-feira, havia cinco alunas no local. Segundo as próprias estudantes, os outros inscritos têm dificuldades financeiras para pagar as passagens e se deslocarem até os locais do curso.

Para tentar evitar a evasão, os voluntários do “Prepara” foram às ruas tentar arrecadar dinheiro. Venderam comida, buscaram apoio de uma ONG e conseguiram garantir algumas semanas de passagens para algumas alunas. No momento em que recebeu a primeira verba para o transporte, a cabeleireira e maquiadora Tyfany Stacy, 31, se dispôs a cortar cabelos no local da aula e reverter o valor pago pelo serviço para o curso.

O Enem acontece nos dias 24 e 25 de outubro e nem todos os alunos do “Prepara” conseguiram se inscrever a tempo. Mas o objetivo do projeto é ir além do exame. “A ideia é que depois do Enem continuemos dando aula de idiomas e de computação básica, por exemplo. Não queremos parar por aqui”, declara Thiago.

image2As aulas acontecem em quatro espaços no centro do Rio, entre eles uma casa alternativa ocupada por artistas

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *