Fernando Pessoa vira HQ feita por português e brasileiro

Na HQ, Fernando Pessoa pertence a uma seita secreta Divulgação
Na HQ, Fernando Pessoa pertence a uma seita secreta
Divulgação

Sem nunca se encontrarem pessoalmente, André Morgado e Alexandre Leoni transformaram o poeta em um agente secreto

Publicado no Jornal do Commércio

A vida de um poeta com tantas identidades é a mais adequada para gerar uma história sobre sociedades secretas e maldições. Ao pensar em criar uma narrativa que aproximasse os leitores jovens da obra do poeta português Fernando Pessoa, o professor e escritor português André Morgado buscou inventar uma vida diferente para ele: a de um homem convocado para combater um “maleito do diabo” que assola como epidemia algumas pessoas. Homem das palavras, no entanto, precisava de um parceiro para transforma a ideia em HQ. Foi na capital do Mato Grosso do Sul, no Brasil, que ele encontrou o parceiro Alexandre Leoni.

Os dois nunca se conheceram, apesar de terem criados juntos a história A Vida Oculta de Fernando Pessoa, financiada via crowdfunding. Na Festa Literária Internacional de Pernambuco (Fliporto), os dois vão se encontrar neste domingo (15/11) pela primeira vez, às 18h30, na programação principal do evento, no Colégio São Bento, em Olinda.

O projeto foi uma forma de vencer a resistência de possíveis leitores que acham que Pessoa ou a sua poesia são “chatos”; daí veio o apelo ao formato das HQs. “Talvez muita gente se esqueça que Fernando Pessoa era uma pessoa tão interessante como toda a panóplia literária que nos deixou. Pessoa era mais do que um poeta. Era um empreendedor, alguém que arriscava a nível pessoal e profissional – mesmo que nem tudo corresse bem. Era um homem ligado à arte de estimular o pensamento nos seus mais variantes quadrantes, incluindo o ocultismo. Fernando Pessoa foi, aliás, próximo de Edward Alexander Crowley (famoso ocultista britânico)”, comenta André ao JC, em entrevista por e-mail.

O apreço pelo misticismo e pelo mistério do poeta do desassossego se juntaram ao fascínio que os seus muitos heterônimos despertam. “Ao contabilizarmos mais de cem nomes criados e utilizados para representação de eu’s diferentes, podemos apenas imaginar por quantos mundos viajou e quantas mentes interpretou (literariamente falando) realmente. Portanto, a sua vida real abre as portas para que a imaginação de cada um de nós crie várias parcelas heroicas dentro do próprio herói literário que todos lhe reconhecemos”, ainda pondera o roteirista.

Esse Fernando Pessoa ainda é composto em grande partes de trechos e confissões do próprio autor português. Além de um mergulho na obra do criador de A Tabacaria, eles tiveram que fazer um imenso exercício de pesquisa histórica. “Nesse processo de pesquisa – não só para a produção gráfica mas também para a escrita – procuramos estudar fotografias do início do século 20, em Lisboa; vimos filmes noir como Pacto de Sangue ou Império do Crime, lemos alguns livros biográficos sobre Pessoa e estudamos muitos apontamentos do próprio Fernando Pessoa, onde descrevia as características físicas dos heterônimos, por exemplo”, lembra André. Ele ainda revela que, para criarem a narrativa à distância, os dois abusaram de duas ferramentas: a confiança e a internet. “Montar as peças do puzzle – escrita e ilustração – à distância foi um dos desafios mais interessantes”, explica. Para conhecer esse Fernando Pessoa com ares de agente secreto poético, basta ir conferir essa parceria inusitada.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *