Estudantes usam jogos, brincadeiras e diversão para ensinar matemática

‘Uma brincadeira pode envolver mais do que uma fórmula’, diz professora.

matt

Publicado em G1

Alunos do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP) promoveram uma atividade diferente no Parque Infantil de Araraquara neste sábado (12). Com jogos, brincadeiras e diversão, eles mostraram que é possível ensinar e aprender matemática sem traumas e a metodologia agradou o público.

O aposentado Ioscamar Tagliacozzi foi um dos visitantes do parque que entraram na brincadeira. Formado em estudos sociais, história, geografia e biologia, ele não tem boas lembranças da forma como aprendeu matemática no colégio.

“Era uma relação de medo porque talvez pelo próprio docente, por falta de experiência, de clareza didática, transformava a matemática em um bicho papão. Era giz, saliva e lousa, não tinha outros argumentos mais didáticos para que nos pudesse convencer da importância da matemática”, contou.

E a iniciativa apresentada na cidade propõe justamente a fuga desse padrão. “A nossa intenção é que as pessoas tenham um contato recreativo com a matemática e que isso possa despertar em algumas delas o interesse por essa disciplina”, explicou o professor Jurandir Lacerda, coordenador do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid) na cidade.

A atividade é importante também para preparar os professores. “O projeto Pibid é um projeto de iniciação à docência que nos dá esse respaldo fora da universidade. A gente tem um convênio com as escolas, onde a gente vai aplicar atividades e aulas”, comentou Giancarla Bettoni, estudante do IFSP.

“É uma forma de a gente envolver um pouco mais porque, quando se trata de aula de matemática e de crianças, uma brincadeira pode envolver muito mais do que uma fórmula”, completou a professora Josemeire dos Santos.

“Se está meio complexo e você começa a não conseguir acertar, resolver, você desanima, mas, na hora em que você consegue os primeiros, vai empolgando e é maravilhoso”, garantiu Fátima Braga, supervisora do Pibid.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *