memorizacaoa
publicado na Super

1. Construa um “palácio da memória”
Também conhecido como “método de loci”, este dispositivo de memorização remonta à Grécia Antiga. Segundo o mito, o poeta grego Simônides de Ceos precisou identificar os corpos de pessoas que haviam morrido no desabamento de um palácio. Como ele se lembrava exatamente da localização de cada um, conseguiu assim “reconhecer” cada um dos cadáveres desfigurados.

A técnica consiste em usar a memória espacial para gravar nomes, fatos ou listas. O objetivo é criar um lugar imaginário, como uma casa ou um palácio, visualizar os móveis de cada cômodo e associar uma memória a cada um deles.

Imagine que você queira gravar os nomes de todos os presidentes brasileiros, por exemplo. Getúlio Vargas pode ser ligado à poltrona da sala e Juscelino Kubitschek, ao lustre. O ideal é que as associações entre os móveis e os elementos a serem memorizados sejam divertidas ou inusitadas – você pode associar Jânio Quadros ao quadro na parede, por exemplo.

Depois que fizer todas as associações, a ideia é percorrer mentalmente o “palácio” várias vezes, lembrando-se da posição de cada móvel e, consequentemente, dos nomes ou fatos vinculados a eles. Oradores gregos e romanos, como Cícero, usavam essa técnica para memorizar seus longos discursos.

2. Invente acrônimos, acrósticos e encadeamentos
Acrônimos são palavras formadas por letras que representam, por sua vez, outras palavras. A ferramenta de gestão CHA (Conhecimento, Habilidade e Atitude) é um exemplo.

Já os acrósticos são frases formadas por palavras cuja primeira letra é a dica para o que precisa ser lembrado. Se você quer memorizar, por exemplo, os nomes dos bairros paulistanos Mooca,Penha, Belém e Carrão, por exemplo, pode gravar a frase “Meu Pai Bebe Café”.

Outro dispositivo útil é o encadeamento, sugere o site The Memory Institute. Para guardar elementos numa determinada ordem, crie uma frase narrativa com eles. O ideal é que cada item “puxe” o outro por associação. Para gravar, nesta ordem, as palavras “menina”, “panela”, “doze”, “abóbora” e “verde”, por exemplo, você pode criar uma sentença como “A menina vendeu uma panela por doze reais ao plantador de abóboras, que ainda estão verdes”. A estrutura de encadeamento traz lógica para as palavras avulsas, além de facilitar a fixação de uma ordem.

3. Faça conexões entre informações novas e velhas

Uma das melhores formas de reter um dado é contextualizá-lo, isto é, integrá-lo aos conhecimentos que você já tem. Quanto mais conexões você fizer com os seus conhecimentos prévios, mais facilmente gravará uma novidade, dizem ao site Business Insider os autores do livro Make It Stick: The Science Of Successful Learning, Peter Brown, Henry Roediger e Mark McDaniel.

Uma ótima forma de fazer isso é aplicar, na prática, tudo que você precisa memorizar – ou, no mínimo, vislumbrar hipóteses de aplicação desses dados na vida real. Se você precisa gravar como funciona o processo de transmissão de ondas de calor, por exemplo, tente pensar nessas informações a cada vez que tiver uma xícara de chá em suas mãos num dia de frio.

4. Explore o seu próprio humor

A neurocientista Carla Tieppo, professora adjunta da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, diz que um excelente método para estimular a memória é criar imagens bizarras, engraçadas e surreais sobre o elemento que precisa ser recordado.

Se você acaba de conhecer uma pessoa, por exemplo, imagine-a numa situação esquisita, que faça você rir, e que tenha relação com o som do nome dela. É uma forma muito eficiente de gravar para sempre como ela se chama – quanto mais “cócegas” a imagem mental fizer em você, mais fácil será fixá-la, diz a professora.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments