Concurso Cultural Literário (157)

1337-20160318170343O tempo que resta

Um comentário à Carta aos Romanos

Giorgio Agamben (autoria), Davi Pessoa, Cláudio Oliveira (tradução)

Num de seus primeiros livros, Infância e História, Giorgio Agamben sustenta que a cultura moderna não conseguiu elaborar uma ideia do tempo de acordo com sua concepção da história. Isso se deve, explica, à herança grega que, para além de suas diferenças, segue presente na representação cristã do tempo que a cultura moderna secularizou. De fato, retomando uma expressão de Santo Agostinho, quer se trate do círculo, quer se trate da linha, ou seja, da temporalidade circular dos antigos ou da linearidade dos cristãos, o tempo é sempre concebido como uma sucessão contínua de pontos. E, desse modo, a experiência cristã do tempo permanece presa na subordinação ao espaço.

O presente trabalho procura confrontar esse duplo desafio: trazer à luz a experiência cristã do tempo, isto é, do tempo do Messias, para dispor de uma ideia do tempo à altura da dimensão histórica do homem.

Dividido em seis jornadas, o autor se ocupa das dez primeiras palavras da Carta de Paulo aos romanos. Cada uma delas é objeto de um comentário erudito que se alimenta das mais diversas fontes: da própria Escritura, da filosofia, dos midrashim judaicos, do direito romano, da literatura, etc. Todas se encaminham para o mesmo lugar, até um agora que já não é um ponto na sucessão do círculo ou da linha, mas um tempo que resta, que se contrai para abrir o presente à sua dimensão mais íntima.

***

Em parceria com a Autêntica, vamos sortear 3 exemplares de “O tempo que resta“, de Giorgio Agamben.

Para concorrer, fale na área de comentários sobre a importância de uma análise filosófica da Bíblia. Use no máximo 4 linhas.

Se participar via Facebook, por favor deixe seu e-mail de contato.

Para ficar sempre por dentro das novidades e promoções, sugerimos que curta as páginas dos envolvidos neste concurso cultural:

O resultado será divulgado dia 23/6 neste post.

Divulgue e participe.

 

Atenção para os ganhadores: Irenio Chaves, Isabel Aguiar e Rodrigo Santos. Parabéns! Entraremos em contato via e-mail.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

10 thoughts on “Concurso Cultural Literário (157)

  • 30 de maio de 2016 em 16:47
    Permalink

    É de fundamental importância a análise filosófica da Bíblia, pois através dela passamos a compreender melhor os mistérios da criação, das mensagens bíblicas e de vários temas relacionados à evolução humana.

    Resposta
  • 30 de maio de 2016 em 18:05
    Permalink

    A Filosofia, como expressão da busca pela verdade, não pode furtar-se à análise da gênese dos hebreus e do Cristianismo, expressa no Velho e no Novo Testamento.

    Resposta
  • 30 de maio de 2016 em 23:27
    Permalink

    Filosofia é a amizade ao saber e a Bíblia se apresenta como Palavra daquele que é o princípio da sabedoria, logo, a atração é inevitável. Cada um que se aproxima das Escrituras, o faz de um ponto de vista próprio, marcado pelos saberes que experimentou no decorrer de sua vida. Mais amplo o saber, maior o olhar, melhor o encontro com o Senhor, amigo do saber.

    Resposta
  • 1 de junho de 2016 em 1:13
    Permalink

    Na medida em que representa a estrutura óssea principal da cultura europeia pós-cristianismo, o estudo filosófico da Bíblia mostra-se uma radiografia essencial de compreensão do homem.

    Resposta
  • 3 de junho de 2016 em 15:10
    Permalink

    Uma das maiores indagações do campo filosófico está no estudo da origem da vida, assim sendo, é importante buscar compreender nas diversas religiões suas visões, suas formas de pensar. A Filosofia em si é muito abrangente sendo importante a mesma buscar uma lógica para se ampliar os conhecimentos.

    Resposta
  • 6 de junho de 2016 em 16:55
    Permalink

    A filosofia nos faz pensar, e uma analise dessas em um livro tão criticado e que muitos tem dúvidas, faria todos refletir sobre os ensinamentos presentes nesse maravilhoso livro!

    Resposta
  • 9 de junho de 2016 em 14:20
    Permalink

    Ler a bíblia através de um aspecto filosófico, não dogmático, acaba por abrir um espaço no coração que começa aos poucos ser preenchido com inquietação, desejo, integração e deleite.

    Resposta
  • 9 de junho de 2016 em 18:38
    Permalink

    a bíblia em sua essência, passa uma mensagem mto bonita e importante. seu estudo filosófico traria maior benefício p/ o homem, q o estudo religioso propriamente dito.

    Resposta
  • 11 de junho de 2016 em 23:44
    Permalink

    Desculoem-me os intelectuais, mas analisar as Escrituras de forma apenas racional é alienar a humanidade de um dos seus diferenciais mais profundos – a fé.

    Resposta
  • 18 de junho de 2016 em 16:56
    Permalink

    A análise filosófica da Bíblia é de suma importância para sua compreensão visto que ela trata do relacionamento do Homem (ser humano) e Deus como um todo fazendo-se necessário contemplar cada faceta desse prisma.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *