Estudante de Letras encontra livro de Patativa do Assaré autografado em sebo de Fortaleza


O livro “Cante lá que eu canto cá” e o cordel “Vicença e Sofia ou o Castigo de Mamãe/Antonio Conselheiro” foram comprados por R$30, mas o valor simbólico para Marcus é incalculável Foto: Rodrigo Gadelha

Roberta Souza, no Diário do Nordeste

A relíquia veio acompanhada de um cordel do mesmo autor

Num dia qualquer de novembro passado, um estudante de Letras da Universidade Federal do Ceará (UFC) se dirigiu a um dos sebos localizados no bairro Benfica em busca do clássico “Cante lá que eu canto cá”, de Patativa do Assaré. Marcus Sales, 36 anos, podia ter se conformado com uma cópia, como é de praxe entre os alunos da universidade, mas decidiu procurar o livro e se surpreendeu com o que encontrou lá. Sem alardes, o vendedor indicou a obra e disse que, dentro dela, estava um cordel, “Vicença e Sofia ou o Castigo de Mamãe/Antônio Conselheiro”.

Para o estudante, que também se aventura como cordelista, esse já era um trunfo. Mas o “tesouro” mesmo ele só encontraria ao abrir o livro com mais cuidado, a alguns passos dali, no Bosque Moreira Campos. É que tanto o clássico como o cordel estavam autografados pelo poeta de Assaré.

“O vendedor até me disse que estava assinado, mas pensei que era uma assinatura comum, como quando a gente grafa o próprio nome, sabe? Não liguei”, comenta. Com apenas R$ 30, ele comprou uma relíquia que hoje é vendida por preço muito maior na internet. Para se ter uma ideia, livros com a assinatura de Patativa no Mercado Livre variam de R$250 a R$ 1.096.

Memória

Para Marcus, existe algo ainda maior por trás disso. “É de um valor simbólico muito grande ter algo que passou pelas mãos dele e carrega essa mística. É a letrinha dele lá. Infelizmente não fui eu que pedi o autógrafo, mas só de ter essa memória, já é algo incalculável”, observa.


O estudante de Letras e cordelista Marcus Sales encontrou um livro e um cordel autografados pelo poeta Patativa num sebo de Fortaleza Foto: Rodrigo Gadelha

Quando conheceu Patativa, ainda no Ensino Médio, com a leitura de poesias do cordelista em livros didáticos, ainda não fazia ideia de que o poeta se tornaria uma fonte de inspiração para ele. A universidade e o Grupo de Estudos em Literatura Popular, coordenado pelo professor Stélio Torquato, confirmariam isso.

Com a escrita cursiva e as palavras apertadas, está a dedicatória: “Ao Dr. José Eriton. Homenagem do Patativa. Iguatu, 26/09/1983”. O estudante não faz ideia de quem seja, mas é grato por ter sido “o escolhido” para guardar essa história.

Com o cordel “O resgate da donzela ou a mulher empoderada”, publicado em fevereiro de 2018, e outro intitulado “A eleição do diabo”, a ser lançado em breve, Marcus segue o rastro da “ave poesia”. “Ele é uma inspiração. Quando você lê, quer contar sua história como ele contou”.

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *