Canal Pavablog no Youtube
Cristina Danuta

Cristina Danuta

(1 comments, 12872 posts)

This user hasn't shared any profile information

Posts by Cristina Danuta

A pedra frágil

2

Posso deixar meus leitores protestantes desconfortáveis por falar muito de Pedro e do que percebo como sua primazia inquestionável. Simão foi o primeiro discípulo a fazer praticamente tudo, desde pregar até curar. Isso indica também claramente que ele foi o primeiro, o líder dos Doze.

Posso deixar meus leitores católicos desconfortáveis – talvez, até zangados – pelo fato de que, embora eu fale sobre a primazia de Pedro, não seja capaz de concluir que isso gere sua supremacia. Ou seja, não sou capaz de, com eles, chegar à conclusão de que a primazia de Pedro necessariamente faça com que ele seja o primeiro papa.

(…) Não estou interessado em fazer (ou desfazer) a história da Igreja. Porém, parece-me evidente que tanto os católicos quanto os protestantes não compreenderam a Pedro. Os católicos fizeram dele um monumento, não uma pessoa. Os protestantes simplesmente negaram sua autoridade de discípulo fundador por medo de concordar com os católicos!

Michael Card, em A Pedra Frágil

As confissões de Frei Abóbora (2)

0
Desde que a felicidade é uma coisa completamente irrisória, Paula sabia viver dentro de uma quadrinha de calendário:

“Verdade, verdade triste
Verdade que nem se diz;
Felicidade consiste:
Em saber ser infeliz”.

Portanto dentro da sua simples felicidade: sejamos felizes! Vinham em seguida os outros itens da felicidade:

– Evitar de qualquer maneira a monotonia do tempo.
– Não sendo possível, pelo menos tapear a monotonia do tempo.
– Por fim, fazer do tempo um tempo em função das coisas mais agradáveis.

Mais que isso era impossível.

José Mauro de Vasconcelos, em As confissões de Frei Abóbora (Melhoramentos)

Ortodoxia (2)

0

“A inteligência é um bom exemplo daquela inteligência moderna que destrói a si mesma, se é que destrói a alguma coisa. A evolução ou é uma descrição científica inocente de como certas coisas terrenas aconteceram; ou então, se for algo mais que isso, é um ataque contra o próprio pensamento. Se há uma coisa que a evolução destrói, essa coisa não é a religião, mas sim o racionalismo. Se evolução simplesmente significa que algo positivo chamado macaco transformou-se lentamente em algo positivo chamado homem, então ela é inofensiva para o mais ortodoxo; pois um Deus pessoal poderia muito bem criar coisas de modo lento ou rápido, especialmente se, como no caso do Deus cristão, ele estivesse situado fora do tempo.
Mas se evolução significa algo mais que isso, então quer dizer que não existe algo como o macaco para mudar, e formar. Significa que não existe algo como uma coisa. Na melhor das hipóteses, só existe uma coisa, que é um fluxo de tudo e qualquer coisa. Isso constitui um ataque não contra a fé, mas contra a mente humana; você não pode pensar se não existem coisas sobre as quais pensar. Você não pode pensar se não está separado do assunto do pensamento. Descartes disse: “Penso; logo, existo”. O filósofo evolucionista inverte e negativiza o epigrama e diz: “Não existo; porntanto, não posso pensar”.

G.K. Chesterton, em “Ortodoxia”.

Em ano de Darwin, Chesterton.

Ortodoxia (2)

0

“A inteligência é um bom exemplo daquela inteligência moderna que destrói a si mesma, se é que destrói a alguma coisa. A evolução ou é uma descrição científica inocente de como certas coisas terrenas aconteceram; ou então, se for algo mais que isso, é um ataque contra o próprio pensamento. Se há uma coisa que a evolução destrói, essa coisa não é a religião, mas sim o racionalismo. Se evolução simplesmente significa que algo positivo chamado macaco transformou-se lentamente em algo positivo chamado homem, então ela é inofensiva para o mais ortodoxo; pois um Deus pessoal poderia muito bem criar coisas de modo lento ou rápido, especialmente se, como no caso do Deus cristão, ele estivesse situado fora do tempo.
Mas se evolução significa algo mais que isso, então quer dizer que não existe algo como o macaco para mudar, e formar. Significa que não existe algo como uma coisa. Na melhor das hipóteses, só existe uma coisa, que é um fluxo de tudo e qualquer coisa. Isso constitui um ataque não contra a fé, mas contra a mente humana; você não pode pensar se não existem coisas sobre as quais pensar. Você não pode pensar se não está separado do assunto do pensamento. Descartes disse: “Penso; logo, existo”. O filósofo evolucionista inverte e negativiza o epigrama e diz: “Não existo; porntanto, não posso pensar”.

G.K. Chesterton, em “Ortodoxia”.

Em ano de Darwin, Chesterton.

Estante virtual

0

Um meio interessante para compartilhar as leituras e obter informações a respeito das obras é o cadastro do Skoob, onde é possível montar uma estante virtual (com o que leu, o que está lendo e o que pretende ler), fazer resenhas e dar opiniões. Já montei a minha.

Cristina Danuta's RSS Feed
Go to Top