Guilherme

Guilherme

(0 comments, 96 posts)

This user hasn't shared any profile information

Posts by Guilherme

10 projetos criativos para incluir livros na decoração

0

publicado na Exame

Se você é aquela pessoa que adora livros e não consegue se desfazer de nenhum, mas não sabe o que fazer com eles, calma! Seus livros podem ser grandes aliados na decoração da sua casa.

O Viva Decora, site que reúne projeto de diferentes arquitetos e profissionais da área, reuniu uma série de projetos em que os livros são peças-chave na decoração.

Do moderno ao clássico, veja nas imagens 10 projetos criativos e inspire-se!

10

9

8

7

61

size_810_16_9_livros (5)

size_810_16_9_livros (4)

size_810_16_9_livros (3)

size_810_16_9_livros (2)

size_810_16_9_livros (1)

size_810_16_9_livros

5 lições de vida (comprovadas) de “O Pequeno Príncipe”

0

publicado na Exame

O Pequeno Príncipe foi publicado em 6 de abril de 1943 apresentando aos seus leitores o pequeno herói da obra mais famosa do autor Antoine de Saint-Exupéry.

O livro conta a história de um piloto que, após derrubar seu avião no deserto do Saara, encontra um garotinho conhecido pelos leitores como o Pequeno Príncipe.

O menino diz ao piloto/narrador sobre o seu planeta natal, um asteroide, e suas viagens a outros mundos no universo, e eles formam um laço pouco provável durante os oitos dias abandonados no deserto.

O livro tem encantado tanto crianças como adultos do mundo todo nos últimos 70 anos. As suas páginas ilustradas foram traduzidas a mais de 250 idiomas e dialetos. Para comemorar seu aniversário, o HuffPost France destaca cinco lições de vida do Pequeno Príncipe.

1. Devemos nos reconectar com a nossa criatividade da infância

O narrador de O Pequeno Príncipe abre o livro com uma história sobre o primeiro desenho que fez quando criança, de uma jiboia digerindo um elefante. Todos os adultos que olhavam a imagem, conta ele, sempre viam a mesma coisa: um chapéu comum.

O narrador diz que ele abandonou sua paixão por desenhar até conhecer o Pequeno Príncipe, que imediatamente reconheceu o desenho pelo que era: um elefante com uma jiboia dentro.

“Mas, quem quer que fosse, ele ou ela, sempre respondia: ‘É um chapéu’. Então eu nem falava de jiboias, nem de florestas virgens, nem de estrelas. Eu me colocava no seu nível. Falava com ele sobre bridge, golfe, política e gravatas. E os adultos ficavam felizes de encontrar um homem tão razoável”.

Lição de vida: Ao crescer, não perca o contato com aquele toque de loucura e criatividade. Os adultos preferem números e ideias práticas, mas eles se esquecem de olhar além da superfície, deixar fluir e ser criativo. A medida que eles perdem a curiosidade, tornam-se mais passivos.

O que diz a ciência: A criatividade e a imaginação trazem benefícios para sua saúde. Um estudo da Revista Psychology of Music mostra que estudantes de piano ficam menos estressados quando improvisam no palco. A música pode também melhorar a percepção de como expressar vocalmente uma emoção, conforme revelou o estudo.

As pessoas criativas são extremamente parecidas ao Pequeno Príncipe; elas sonham, buscam novas experiências e fazem as perguntas certas.

2. Para apreciar os simples prazeres da vida, precisamos ser menos sérios

Na jornada em planetas diferentes o Pequeno Príncipe explica que conheceu um homem de negócios muito sério. Este homem sempre contava todas as estrelas da galáxia e embora dizia ser feliz, pois era dono de todas elas, sua vida era solitária e monótona pois ele não tinha mais nada.

Ele não conseguia sequer apreciar a beleza das estrelas.
“‘Eu as administro. Eu as conto e reconto, disse o homem de negócios. É difícil. Mas eu sou um homem sério”.

Lição de vida: Você não deve comprometer sua alegria pelos simples prazeres da vida.

O que diz a ciência: Muitos estudos afirmam que não há nada melhor do que uma boa gargalhada para levantar o ânimo e melhorar a qualidade de vida.

Em 2014, os pesquisadores da Universidade Loma Linda, na Califórnia, descobriram que as pessoas que riem mais, frequentemente têm uma memória de curto prazo melhor e sofrem menos com o estresse. Outros estudos, como um conduzido pelos pesquisadores na Universidade de Maryland, mostram que o senso de humor pode nos proteger de um ataque cardíaco.

3. Dar um tempo a si mesmo é a chave para a felicidade

O Pequeno Príncipe relata ter encontrado outro personagem interessante no quinto planeta que visitou, onde cada dia dura apenas um minuto. O acendedor de lampiões, como é conhecido, deve desligar a luz no planeta a cada minuto e daí freneticamente ligá-la de volta um minuto depois. Ele nunca tem tempo para descansar ou dormir.

“Agora que o planeta dá uma volta por minuto, eu não tenho mais um segundo de repouso. Acendo e apago uma vez por minuto!” – O Acendedor de Lampiões

Lição de vida: Você precisa apreciar cada minuto que passa. Aproveite a vida.

O que diz a ciência: Os médicos não cansam de insistir: a falta de sono é catastrófica para a sua saúde. Viver a vida como a do acendedor de lampiões em O Pequeno Príncipe pode causar um aumento no risco de diabete, doenças cardíacas, infarto, tipos específicos de câncer, problemas de memória, mudanças de humor e um aumento no seu apetite.

Os efeitos negativos da falta de sono são vários. Além de dormir, o essencial é dar-se um tempo para se desconectar do trabalho. Não há dúvidas que hoje em dia, o acendedor de lampiões teria sofrido da síndrome de Burnout”.

4. Precisamos ter coragem para explorar

No sexto planeta de sua jornada, o Pequeno Príncipe conheceu um “senhor mais velho que escrevera livros volumosos”. Embora o Pequeno Príncipe inicialmente acredite que o autor era um explorador, ele descobre que na verdade ele é um geografo que jamais saiu nem de sua mesa.

“Não é o geógrafo que vai contar as cidades, os rios, as montanhas, os mares, os oceanos e os desertos. O geógrafo é muito importante para ficar passeando. Ele não abandona a sua escrivaninha”. — O Geografo

Lição de vida: Tendemos a ficar dentro de nossa “zona de conforto” porque é mais fácil do que se arriscar. Mas nós devemos usar o tempo que temos na Terra para ter experiências diferentes, conhecer novas pessoas e viajar pelo mundo.

O que a ciência diz: Existem milhares de motivos para sair da sua zona de conforto, muitas delas cientificamente comprovadas. A ansiedade que você sente ao confrontar o desafio pode até ajudá-lo a ser mais eficiente, de acordo com os psicólogos. E adaptar-se às mudanças nos ajuda a sermos mais afiados quando mais velhos, de acordo com um estudo publicado em 2013.

5. É melhor escolher com o coração

O Pequeno Príncipe está apaixonado com a rosa do seu planeta natal, uma que é como todas as outras rosas que ele vê na Terra. Mas a sua rosa é única porque ele a escolheu. É “única no mundo”, disse a raposa, porque o príncipe passou um tempo cuidando dela.

“Eis o meu segredo. É muito simples: só se vê verdadeiramente com o coração. O essencial é invisível aos olhos”. – A raposa

Lição de vida: O Pequeno Príncipe representa a espontaneidade. Diferente de muita gente, ele pensa instintivamente, com o coração. De acordo com a raposa, essa é a única forma de descobrir o que realmente importa.

O que a ciência diz: De acordo com um estudo publicado na Revista Organizational Behavior and Human Decision Processes, em 2012, uma decisão intuitiva pode resultar em resultados iguais ou melhores do que uma abordagem analítica.

Nossa intuição ajuda a equilibrar nossas decisões — ela serve para fechar o vazio entre razão e instinto, de acordo com Cholle Francis, autor de “A Inteligência Intuitiva”.

Obviamente, O Pequeno Príncipe possui outros conselhos de vida valiosos. Mas, para aprender ainda mais, talvez você queira perguntar direto para ele. Quando visitar seu planeta, não tem como errar: ele estará vendo o pôr-do-sol com a flor que ama.

10 livros interessantes para conhecer o mundo melhor

0

publicado na Exame

Os próximos dias prometem ser de descanso intenso para muitos brasileiros com a chegada do feriadão. E que tal aproveitar os momentos de tranquilidade para colocar a leitura em dia com lançamentos imperdíveis?

Com isso em mente, EXAME.com selecionou dez livros, alguns já à venda no Brasil e outros facilmente encontrados para compra na internet, que tratam de temas globais e que podem lhe ajudar a desenvolver ainda mais a sua visão de mundo.

size_810_16_9_mulher-lendo-na-praia

“Um de nós”

Preço sugerido? 54,90 reais
À venda no Brasil? Pode ser encontrado nas principais livrarias

Lançado pela Editora Record no mês passado, esse é o novo livro da consagrada escritora e jornalista norueguesa Asne Seierstad, autora do best-seller “O Livreiro de Cabul” (2006).

Em “Um de nós”, Asne se propõe a investigar Anders Breivik, o extremista norueguês responsável pelo maior massacre na Noruega em tempos de paz. A obra tem como pano de fundo os atentados cometidos por ele em 2011 e que deixaram ao menos 77 mortos, mas se debruça em sua trajetória da infância até os dias de hoje.

Lançado há poucos meses, o livro foi comparado pelos críticos do jornal The New York Times às obras “A Canção do Carrasco” (1979), de Norman Mailer e vencedora do Prêmio Pulitzer em 1980, e “A Sangue Frio” (1966), de Truman Capote, e é um retrato do novo extremismo político europeu.

“Missoula”

Preço sugerido? Cerca de 50 reais
À venda no Brasil? Pode ser encontrado nas principais livrarias

O novo trabalho do consagrado escritor Jon Krakauer, de “No ar rarefeito – Um relato da tragédia no Everest” (1996) e “Na Natureza Selvagem” (1998), trata de um tema delicado: os casos de violência sexual nas universidades americanas.

Só na cidade de Missoula, que fica no estado de Montana, entre 2008 e 2012, 350 casos desse tipo de agressão foram investigados e descobriu-se que grande parte dos acusados eram do time de futebol americano da universidade local.

Lançado no início do ano nos EUA e trazido ao Brasil pela editora Companhia das Letras, o livro foi classificado pela crítica do jornal americano USA Today como “uma reportagem meticulosa, fascinante e perturbadora”. Para a revista Newsweek, “Krakauer prestou um excelente serviço ao tratar sobre esse tema”.

“Sapiens – Uma breve história da humanidade”

Preço sugerido? Cerca de 40 reais
À venda no Brasil? Pode ser encontrado nas principais livrarias

Título imperdível para aqueles que gostam de ler sobre a história da humanidade, esse livro de Yuval Noah Harari relaciona o passado com os fatos do presente e se propõe a interpretá-los sob diferentes perspectivas. O livro foi lançado no Brasil pela editora L&PM.

Harari é professor de História da Universidade Hebraica de Jerusalém e lançou “Sapiens – Uma breve história da humanidade” no início do ano passado. A obra se tornou um best-seller quase que imediatamente.

Para o escritor Jared Diamond, responsável pelo clássico “Armas, Germes e Aço” (1997), o livro de Harari “trata das maiores questões da história e do mundo moderno e é escrito numa linguagem inesquecivelmente vivída”.

“Guerra Secreta – A CIA, um exército invisível e o combate nas sombras”

Preço sugerido? Cerca de 40 reais
À venda no Brasil? Pode ser encontrado nas principais livrarias

Enquanto o mundo observa as guerras que devastam alguns países, outra guerra, tão intensa quanto essas, se desenrola às margens do conhecimento do público e de autoridades globais, com o aval da Casa Branca e por meio de operações da CIA.

Escrito pelo repórter do jornal The New York Times e ganhador do Prêmio Pulitzer Mark Mazzetti, esse livro se propõe a analisar as consequências do atentado de 11 de setembro em solo americano para a rede de inteligência e as transformações sofridas pela CIA, que foi de serviço de espionagem a uma espécie de força armada paralela cujo objetivo hoje é o de caçar indivíduos específicos considerados inimigos dos EUA. E isso, sustenta o autor, não é necessariamente uma coisa boa.

Lançado originalmente em 2014 e agora no Brasil pela Editora Record, “Guerra Secreta – A CIA, um exército invisível e o combate nas sombras” foi classificado pela Foreign Policy, a maior revista de relações internacionais do mundo, como “indispensável”.

“As vozes de Tchernóbil – a história oral do desastre nuclear”

Preço sugerido? Cerca de 40 reais
À venda no Brasil? Pode ser encontrado nas principais livrarias

No ano em que a tragédia de Chernobyl completa 30 anos, finalmente chega ao Brasil pela editora Companhia das Letras um dos mais importantes registros dessa catástrofe pelas mãos da consagrada autora ucraniana Svetlana Aleksiévitch, que o lançou originalmente em 1997 e ganhou o Prêmio Nobel de Literatura em 2015.

A obra conta com relatos de pessoas que viveram na pele as consequências desse incidente e trata também da postura das autoridades soviéticas da época, que não imaginavam que estariam enfrentando os últimos dias da União Soviética.

“The New Odissey – The Story of Europe’s Refugee Crisis”

Preço sugerido? Cerca de 15 dólares
À venda no Brasil? Ainda não foi lançado no país, mas pode ser facilmente encontrado em sites especializados como a Amazon.

Escrito pelas mãos de Patrick Kingsley, correspondente internacional do The Guardian, esse livro trata de uma das questões mais urgentes da humanidade hoje: a crise de refugiados que já é a maior enfrentada no mundo desde a Segunda Guerra Mundial.

Kinglsey viajou por dezenas de países para testemunhar os dramas e os perigos enfrentados por essas pessoas e se propôs a montar um retrato fiel sobre quem, afinal, são os refugiados que transitam mundo afora em busca de uma vida mais segura.

Eleito pela Foreign Policy, a maior revista de relações internacionais do mundo, como Jornalista do Ano em 2015, Kinglsey pretende doar parte do dinheiro das vendas dessa obra, que ainda não está disponível no Brasil, mas pode ser comprada em inglês, para as causas relacionadas aos refugiados.

“Guantanamo Diary”

Preço sugerido? Cerca de 15 dólares
À venda no Brasil? Ainda não foi lançado no país, mas pode ser facilmente encontrado em sites especializados como a Amazon.

Esse livro é fruto dos relatos diários de Mohamedou Ould Slahi, preso pelos Estados Unidos em Guantanamo (Cuba) desde 2002 sem que tenha sido acusado formalmente. Nele, o mauritano Slahi, hoje com 45 anos, conta a história de sua vida, dos tempos de liberdade até o momento em que foi levado por autoridades americanas sob a acusação de ser parte da rede global terrorista Al Qaeda. Acusação essa que ele nega ser verdadeira.

Relata ainda o medo, a violência e a humilhação sofrida nas mãos de oficiais do país mais poderoso do mundo. Um comitê do exército americano encontrou evidências de que todas as informações obtidas de Slahi em seus interrogatórios eram fruto de sessões de tortura.

Classificado pelos críticos do jornal The New York Times como “um relato profundo e perturbador”, o livro se tornou um best-seller. Para a revista literária The New Yorker, Slahi conseguiu “se humanizar e humanizar seus guardas e interrogadores”.

Os abusos de Guantanamo são bem documentados em relatórios da CIA e esse não é o primeiro livro a tratar do tema, mas é o primeiro a ser escrito por alguém que testemunhou na pele as amargas consequências da desenfreada luta contra o terror dos EUA.

“Sophia: princess, sufragette, revolutionary”

Preço sugerido? Em torno de 20 dólares
À venda no Brasil? Ainda não foi lançado no país, mas pode ser facilmente encontrado em sites especializados como a Amazon

Nascida em uma família da realeza indiana em 1876, Sophia Duleep Singh foi criada no Reino Unido, era afilhada da Rainha Vitória e tinha tudo para se tornar um modelo da aristocracia inglesa. Não fosse o fato de que ela se tornou uma das maiores vozes da luta pelos direitos das mulheres no Reino Unido e ferrenha defensora da independência da Índia. E é a sua história o ponto central desse livro da escritora britânica Anita Anand.

Lançado em 2015, o livro foi descrito pela revista literária americana The New Yorker como um “raro olhar aos efeitos do imperialismo” e a história de Sophia foi chamada de “extraordinária” pelo jornal britânico The Guardian. É, sem dúvidas, um retrato das políticas coloniais da época, bem como das lutas pela igualdade de gênero.

“How did we get into this mess?”

Preço sugerido? Em torno de 20 dólares
À venda no Brasil? Ainda não foi lançado no país, mas pode ser facilmente encontrado em sites especializados como a Amazon.

Colunista do jornal britânico The Guardian, George Monbiot se dispôs a uma tarefa grandiosa nesse livro ao propor um questionamento do estado atual das coisas, passando pela crise de desigualdade que assola o mundo e incluindo a devastação do meio ambiente.

Para o jornal britânico The Times, “o que mais impressiona na escrita inteligente e elegante de Monbiot é a forma como ele pensa além do protesto e em direção às soluções realistas e representativas para os problemas da política e comércio internacional. ”

Lançado neste ano, o livro ainda não tem previsão de estreia no Brasil. Quem desejar, poderá encontra-lo para compra em inglês na internet.

“Connectography”

Preço sugerido? Em torno de 20 dólares
À venda no Brasil? Sua versão física ainda não, mas a versão eletrônica, em inglês, pode ser encontrada no comércio eletrônico do país. O título pode ser adquirido o em sites especializados como a Amazon.

A partir da tese de que a conectividade é a força mais revolucionária do século XXI, o livro quer explicar como a humanidade está reorganizando o mundo ao aproximar as megacidades por meio de rotas de transportes, energia e a infraestrutura de comunicações. A ideia é a de traçar as consequências disso para a geografia mundial, a economia, o meio ambiente.

Escrito pelo analista Parag Khanna, também conhecido pela obra “O segundo mundo: impérios e influência na nova ordem global” (2008), esse livro foi lançado em 2016 e foi descrito pelo jornal The Washington Post como “incrível” e classificado como “ousado” pela maior revista de relações internacionais do mundo, a Foreign Affairs.

Manter o cérebro ocupado pode ser bom para a saúde

1

publicado no Galileu

Um estudo da Universidade do Alabama mostrou que manter o cérebro ocupado pode ser a melhor maneira de deixá-lo afiado. A pesquisa foi feita com mais de 300 voluntários, entre 50 e 89 anos. Entre os adultos com mais de 50, aqueles que tinha uma agenda mais ocupada eram os mesmo que tinham o cérebro com o melhor poder de processamento, memória, raciocínio e vocabulário.

Pesquisas mostram que música trabalha o cérebro por completo (Foto: Divulgação)

Segundo o resultado das pesquisas, manter o cérebro ocupado não é bom apenas na meia idade, mas em idade mais avançada também. Os pesquisadores sugerem que se manter atarefado aumenta nossa capacidade de aprendizado, uma vez que isso faz com que a pessoa seja exposta a situações, pessoas e informações diferentes. Mas também é possível que pessoas com maior capacidade cognitiva tendam a ficar mais ocupadas. O estudo não conseguiu definir se a ocupação sozinha melhora a saúde do cérebro.

Os pesquisadores também consideraram o stress causado pelo excesso de atividades. “Basicamente, o estudo sugere que os benefícios de se manter ocupado ultrapassam as desvantagens”, diz à Time Denise Park, diretora de pesquisa da Universidade do Texas, informando que os estudos continuam para ver as vantagens e desvantagens das atividades na cognição do cérebro.

Professor pode saber conteúdo, mas não aprende a ensinar, diz educadora

0

publicado no UOL

Se a sociedade brasileira deseja mais qualidade em educação, a formação dos nossos professores precisa ser debatida. Essa é a opinião da educadora Guiomar Namo de Mello, diretora da EBRAP (Escola Brasileira de Professores) e uma das palestrantes da Bett Brasil Educar 2016, evento que ocorre em São Paulo nesta semana.

Segundo a educadora, formada pela USP e com pós-doutorado em Londres, o professor brasileiro precisa de orientação e de uma formação melhor, já que, na média, ele não tem um grande domínio do conteúdo que tem de ser ensinado e, muito menos, da maneira como esse assunto deve ser transmitido.

“Não temos um prêmio Nobel em cada sala de aula lecionando. O nosso professor, infelizmente, tem uma formação que deixa muito a desejar. Além de saber o conteúdo, o professor tem de dominar a pedagogia desse conteúdo”, afirmou. “Fazer a passagem daquilo que o professor aprendeu para aquilo que ele vai ensinar exige esforço, conceituação e uma prática que você só vai forjando com a experiência”, completou.

Professor não aprende a ensinar
Um dos principais problemas da formação de professores no Brasil é que não há especialista em didática de disciplina. Quem leciona matemática, por exemplo, passou um grande treinamento, na faculdade, de matemática. No entanto, não necessariamente esse profissional aprendeu a ensinar matemática para outras pessoas.

“O Brasil não tem pós-graduação sobre o ensino das coisas. Não possui professores que ensinem a ensinar”, disse. “Como a matemática tem que ser ensinada nas escolas? Como a do engenheiro? Essa pergunta não é trivial. Na verdade, a sociedade tem desprezo pelo ato de ensinar que é complexo e nobre”, completou.

Outro grave problema é a falta de domínio do conteúdo de alguns docentes.
Para Guiomar, os professores de 1º a 5º ano precisam também ter mais aulas do conteúdo que ensinam.

“Tem muito aluno de pedagogia, que vai se tornar professor, que entra na faculdade sem dominar português e matemática. Esse estudante não tem preparo técnico e não sabe nada”, disparou a educadora.

Base Nacional Comum Curricular
Recentemente, o governo federal, ainda sob o comando da presidente Dilma Rousseff, apresentou a segunda versão da Base Nacional Comum Curricular. Esse currículo tem como meta preparar conteúdos mínimos para serem ministrados a alunos de todo o país e, com isso, reduzir as desigualdades de ensino.

Apesar de apoiar a ideia, Guiomar faz muitas críticas à maneira como vem sendo implantada.

“Discutir currículo talvez seja a coisa mais complexa na educação, pois estamos trabalhando em um campo de hegemonia ideológica. Além disso, ninguém no Brasil tem experiência de construção curricular sólida. Nos EUA, por exemplo, a construção de uma base curricular comum foi uma história longa e muito tumultuada”, contou.

“O MEC resolveu fazer a base nacional no tempo político e não pedagógico e estabeleceu prazos que não são certos. A primeira versão saiu ruim, sem um preparo sério pra isso. Na segunda versão muita coisa mudou, mas ainda faltam outras tantas. Existe um tom de currículo como bandeira política e ideológica”, acrescentou.

Guilherme's RSS Feed
Go to Top