Contando e Cantando (Volume 2)

escritores

Faun | Netflix adquire direitos de conto inédito de filho de Stephen King

0

Bruno Tomé, no Observatório do Cinema

A Netflix venceu um leilão contra outros três estúdios e adquiriu os direitos de Faun, conto inédito de Joe Hill, escritor que é filho de Stephen King. A plataforma de streaming transformará a história em um filme.

Michael Sugar e Ashley Zalta ficam com a produção, através da Sugar23. Jeremy Slater (The Umbrella Academy) ficará com o roteiro.

A história de Faun será lançada apenas na primavera, em uma coletânea de contos de Joe Hill. O autor já divulgou uma sinopse da trama, que envolve um jogo chamado de O Mais Perigoso Game.

No mundo de Faun, as portas para mundos como Hogwarts, Nárnia e País das Maravilhas se abrem para todos. É assim que os homens enxergam uma possibilidade de fazer fortuna, oferecendo espaços para jogos reservados ou o empréstimo de criaturas mágicas.

A história segue o multi-milionário Tip Fallows, um caçador recreativo que quer desafios mais interessantes. É quando ele encontra Stockton, outro caçador rico e com uma oferta misteriosa para uma jornada. Os dois precisam apenas pagar US$ 250 mil para entrar em uma casa rural no Maine. É assim que começa uma aventura sobrenatural dentro de O Mais Perigoso Game.

Faun ainda não tem previsão de estreia na Netflix.

“A Mulher na Janela” vai virar filme, mas a vida do seu autor é mais sinistra

0

O novelista Dan Mallory, que escreve sob o pseudônimo A.J. Finn Imagem: Reprodução/Twitter

Caio Coletti, no UOL

Antes de chegar às prateleiras e se tornar um dos maiores best-sellers do ano passado, o suspense “A Mulher na Janela” foi vendido para várias editoras norte-americanas como o livro de estreia de um estimado membro da comunidade editorial, que assinou a obra com o pseudônimo A.J. Finn.

O nome verdadeiro do autor, no entanto, não foi revelado até o momento em que os lances no leilão pelos direitos de publicação do livro, ocorrido em 2016, atingiram US$ 750 mil. Assim que a revelação foi feita, várias editoras tiraram o seu nome da corrida

Este é só um dos “causos” relatados em uma matéria do “The New Yorker” sobre Dan Mallory, o homem por trás de A.J. Finn. Conversando com vários empregadores, professores, amigos, familiares, concorrentes e colegas de trabalho de Mallory, o repórter Ian Parker revela um rastro de mentiras que marcou a ascensão do agora celebrado autor no mundo editorial.

O livro de Mallory é protagonizado e narrado por Anna Fox, uma mulher que sofre de agorafobia, condição psicológica que há meses a impede de deixar o seu apartamento. Observando os vizinhos pela janela certa noite, ela testemunha o que acha ser um crime violento.

Enquanto a adaptação cinematográfica de “A Mulher na Janela” é filmada em Nova York, com previsão de lançamento para o final do ano, Amy Adams no papel principal e Joe Wright (“O Destino de Uma Nação”) na cadeira de diretor, a história de seu autor parece cada vez mais saída direto de um livro de mistério.

O talentoso Mallory

As semelhanças entre a vida de Mallory e um thriller literário podem ser mais do que mera coincidência. Na Universidade de Oxford, onde começou, mas nunca terminou, um doutorado em inglês, o futuro autor best-seller escreveu extensamente sobre os livros de Patricia Highsmith estrelados pelo personagem Tom Ripley.

Quem se lembra de “O Talentoso Ripley”, adaptação de 1999 estrelada por Matt Damon, sabe que o personagem título não é exatamente um modelo de comportamento. Mentiroso nato, ele aos poucos toma de assalto a vida de um amigo ricaço, Dickie (Jude Law), para fugir da mediocridade do seu próprio dia-a-dia.

Vários dos entrevistados na matéria do “The New Yorker” compararam o comportamento de Mallory com o do personagem. Em uma parte do filme, por exemplo, Ripley escreve cartas fingindo ser Dickie, a fim de dispersar suspeitas sobre o seu paradeiro.

Por um período de meses durante o ano de 2013, Mallory deixou de aparecer no escritório onde trabalhava, na popular editora Morrow, em Nova York. Ao invés de uma explicação do próprio Mallory, vários de seus contatos pessoais e profissionais passaram a receber e-mails que supostamente vinham de seu irmão.

Nas mensagens, “Jake” contava que Mallory estava internado para retirar um tumor cancerígeno, cirurgia perigosa que poderia até mesmo deixa-lo paralisado da cintura para baixo. Quando Mallory voltou ao trabalho, contou a pelo menos uma colega, que o perguntou sobre “Jake”, que o irmão tinha se matado.

“Dan foi tratado de forma horrível por muitas pessoas em sua infância e adolescência, o que fez com que ele se tornasse alguém profundamente solitário. Ele não confia em muita gente. Mantenham Dan em suas orações”, dizia um dos e-mails dessa época, obtido pelo “The New Yorker”.

A alusão a uma infância e adolescência cheia de tragédias remete a um ensaio que Mallory escreveu, anos antes, para tentar ser aceito em Oxford. O texto impressionou o professor Craig Raine, que orientaria o seu doutorado nunca finalizado.

No ensaio, Mallory narrava como teve que cuidar de sua mãe durante uma longa batalha contra o câncer. Ele também contava sobre o seu irmão, que nessa versão dos fatos sofria de distúrbios mentais e fibrose cística, e dizia que por isso tinha que sustentar a família sozinho.

Mallory dizia que tanto a mãe quanto o irmão haviam morrido no mesmo ano. A “cereja no bolo” do relato vinha quando o autor revelava que ele mesmo já havia sido diagnosticado e vencido um câncer, dessa vez no cérebro, que poderia voltar a qualquer momento para destruir sua vida mais uma vez.

O repórter do “The New Yorker”, no entanto, entrou em contato com a família de Mallory, que vive em Amangasett, no estado de Nova York. Tanto sua mãe quanto seu pai e seu irmão estão vivos, e até mesmo acompanham o escritor em viagens de publicidade.

O pai de Mallory falou brevemente com a reportagem, como que para esclarecer uma má concepção sobre seu filho. “A mãe de Dan teve câncer quando ele era pequeno, esteve perto da morte [mas se recuperou]. Mas Dan nunca teve”, comentou John Mallory.

Em uma declaração oficial sobre a matéria, Mallory admitiu vagamente algumas de suas mentiras, alegando que foram produtos de “severa depressão e transtorno bipolar”, que foi diagnosticado apenas em 2015.

Especialistas entrevistados pelo “The New Yorker”, no entanto, apontam que o distúrbio bipolar “não explica enganações organizadas, especialmente aquelas que servem motivos egoístas de ganho pessoal”.

A professora Carrie Bearden, do departamento de psicologia da Universidade da Califórnia, diz que é “muito irresponsável” justificar o comportamento de Mallory com o diagnóstico de transtorno bipolar. “Isso só vai aumentar o já enorme estigma que existe sobre essa doença”, critica.

Tolkien | Fox divulga primeiras imagens da cine biografia do escritor!

0

Uillian Magela, na Estação Nerd

A Fox e o ator Nicholas Hoult divulgaram esta semana as primeiras imagens oficiais do filme “Tolkien”. Confira:

Dirigido pelo cineasta finlandês Dome Karukoski e estrelado por Nicholas Hoult (“A Favorita”) e Lilly Colllins (“Espelho, Espelho Meu”), o longa narra os anos de formação de J. R. R. Tolkien, através do amor e da guerra, que inspiraram os contos da Terra-Média que entretêm e fascinam gerações. “Tolkien” mostra também o romance entre o autor e Edith Bratt (Lily Collins), que ele conheceu aos 16 anos, e o enfoca como um estudante obsessivo e estranho que buscava se integrar.

O aclamado escritor J. R. R. Tolkien é autor dos livros da saga “O Senhor dos Anéis”, “O Hobbit” e “A Árvore e Folha”. Os livros da série “O Senhor dos Anéis” estão entre os mais vendidos em todo mundo, com mais de 150 milhões de cópias comercializadas.

“Tolkien” explora os anos de formação do autor órfão ao encontrar amizade, amor e inspiração artística entre um grupo de colegas excluídos da escola. Isso o leva para a eclosão da Primeira Guerra Mundial, que ameaça acabar com a “irmandade”. Todas essas experiências inspirariam Tolkien a escrever seus famosos romances da Terra-Média.

Refugiado preso em campo de detenção ganha maior prêmio literário da Austrália

0

O refugiado curdo-iraniano Behrouz Boochani Foto: ASHLEY GILBERTSON / NYT

Jornalista curdo-iraniano está detido há seis anos em Papua Nova Guiné

Publicado em O Globo

Um refugiado curdo-iraniano ganhou o maior prêmio literário da Austrália com seu livro de estreia, escrito em seu celular e entregue um capítulo de cada vez via WhatsApp. Atualmente mantido em um campo de detenção em Papua Nova Guiné, Behrouz Boochani não pôde comparecer à cerimônia de premiação. No Victorian Premier’s Literary Awards, ele foi o vencedor nas categorias Victorian Prize — o principal do país — e na de Não-Ficção, somando 125 mil dólares australianos (cerca de US$ 90 mil)

Boochani foi preso na ilha de Manus em 2013 por tentar entrar na Austrália sem um visto válido. Ele é um dos 600 refugiados mantidos em acampamentos na ilha. Segundo a CNN, ele usou seu celular para escrever o livro “No friend but the mountains: Writing from Manus prison” (“Nenhum amigo além da montanha: Escrevendo da prisão de Manus”, em tradução direta). O escritor espera que o prêmio chame a atenção para a situação de mais de mil refugiados detidos na Austrália.

“Eu não quero celebrar essa conquista enquanto ainda vejo muitas pessoas inocentes sofrendo ao meu redor”, disse Boochani à Reuters em uma troca de mensagens de texto.

Boochani tem sido um crítico proeminente da política de imigração da Austrália. Os requerentes de asilo interceptados no mar são enviados para “processamento” em três campos em Papua Nova Guiné e um na ilha de Nauru, no Pacífico Sul, onde muitos permanecem por anos.

Desde 2013, mais de 3 mil refugiados em busca de asilo na Austrália foram enviados a centros de detenção, o que já gerou diversos protestos de ativistas dos direitos humanos. O governo australiano defende a política e alega que ela é necessária para impedir que criminosos entrem no país. Em 2017, o governo fechou o centro da ilha de Manus e remanejou os refugiados. Alguns conseguiram se instalar nos Estados Unidos, mas muitos permanecem na mesma situação que Boochani.

Boochani disse que um dos seus maiores medos enquanto escrevia o livro era que seu telefone fosse confiscado pelos guardas do campo. Ele escreveu o livro em seu farsi nativo e o enviou por WhatsApp para um tradutor na Austrália.

“Ele utiliza formações narrativas distintas, da análise crítica à descrição, poesia e surrealismo distópico”, descreve o júri do prêmio em sua análise da obra. “A escrita é bela e precisa, misturando tradições literárias que emanam de todo o mundo, mas particularmente das práticas curdas. A clareza com que idéias e conhecimentos são expressos é também um triunfo da tradução literária, realizada pelo tradutor Omid Tofighian.

O escritor já colaborou com diversas publicações ao redor do mundo, inclusive o jornal britânico “The Guardian”, que publicou o discurso de aceitação do prêmio na íntegra. Nele, Boochani afirma que a conquista é a prova de “palavras ainda têm o poder de desafiar sistemas e estruturas desumanos”.

“Eu estive numa cela por anos mas por todo esse tempo minha mente sempre esteve produzindo palavras, e essas palavras me levaram para além das fronteiras, me leveram além-mar e a lugares desconhecidos. Eu realmente acredito que as palavras são mais poderosas do que os muros deste lugar, desta prisão”, escreveu Boochani.

Autora de ’50 Tons de Cinza’ anuncia novo livro

0

‘The Mister’ é um romance sem data para chegar ao Brasil, mas que promete deixar os leitores sem fôlego até a última página

Publicado no Terra

Você até pode não ter lido, mas com certeza ouviu falar na trilogia 50 Tons de Cinza. Afinal, foi uma verdadeira febre, principalmente entre o público adulto. Sim, era tipo um Harry Potter para maiores de 18 anos.

Brincadeiras à parte, os livros fizeram muito sucesso e até hoje são lembrados. Se você curtia, pode comemorar porque tem um novo livro de E. L. James chegando nas prateleiras. Distribuído pela Intrínseca, The Mister deve chegar ainda no primeiro semestre de 2019. De acordo com as informações que foram divulgadas, a trama é centrada no rico Maxim Trevelyan e na mulher misteriosa por quem ele é apaixonado, Alessia Demachi. Segundo a crítica, The Mister é “uma montanha-russa de perigo e desejo que vai deixar os leitores sem fôlego até a última página”. Interessante, né?

Veja a sinopse:

“Londres, 2019.

A vida tem sido fácil para Maxim Trevelyan. Ele é inglês, bonito, rico, nunca precisou trabalhar e quase nunca dorme sozinho. Tudo isso muda quando uma tragédia acontece e Maxim herda um título de nobreza, a riqueza e as propriedades da família, e toda a responsabilidade que vem com isso. É um papel para o qual ele não está preparado, e que agora deve se esforçar para desempenhar.

Mas o maior desafio de Maxim vai ser lutar contra a atração por uma jovem enigmática que conheceu recentemente e que guarda um segredo do passado. Reservada, atraente e com talento para a música, Alessia é misteriosa e sedutora, e logo o desejo de Maxim por ela se transforma em algo que ele nunca experimentou e não ousa nomear. Mas, afinal, quem é Alessia Demachi? Maxim poderá protegê-la do mal que a ameaça? E o que ela fará quando souber que ele também esconde segredos?”.

Go to Top