Canal Pavablog no Youtube

frases

13 frases inesquecíveis de Nelson Rodrigues

0

Bruno Vaiano, na Galileu

Já virou piada faz tempo o número de frases atribuídas erroneamente a Clarice Lispector, Caio Fernando de Abreu ou Albert Einstein nas redes sociais. Difícil mesmo seria inventar uma frase que Nelson Rodrigues já não tenha dito de um jeito duas vezes melhor. O dramaturgo e cronista pernambucano, quefaria 104 anos hoje se estivesse vivo, tinha um comentário curto e grosso sobre quase qualquer assunto que você possa imaginar. Morreu em 21 de dezembro de 1980, aos 68 anos.

(Foto: Acervo Editora Globo / Editora Globo)

(Foto: Acervo Editora Globo / Editora Globo)

 

Se algumas de suas frases são de um machismo e conservadorismo impensável nos dias atuais – o autor se declarava reacionário e apoiou a ditadura militar –, outras são tão atuais e verdadeiras hoje quanto eram no século passado. Nelson era um homem de mais faces que o estigma que atribuiu a si mesmo, e retratou o Brasil de uma maneira insuperável, para o terror da moral e dos bons costumes. A GALILEU selecionou algumas frases inesquecíveis, ácidas e verdadeiras do jornalista sobre os temas mais variados.

1 – Sobre o crush:

“A beleza interessa nos primeiros quinze dias; e morre, em seguida, num insuportável tédio visual.”

2 – Sobre os políticos:

“Eu me nego a acreditar que um político, mesmo o mais doce político, tenha senso moral.”

3 – Sobre ser malandro:

“Falta ao virtuoso a feérica, a irisada, a multicolorida variedade do vigarista.”

4 – Sobre censura:

“Não admito censura nem de Jesus Cristo.”

5 – Sobre síndrome de vira-lata:

“O Brasil é muito impopular no Brasil.”

6 – Sobre a dignidade no transporte público às seis da tarde:

“O ônibus apinhado é o túmulo do pudor.”

7 – Sobre o subdesenvolvimento:

“Subdesenvolvimento não se improvisa; é obra de séculos.”

8 – Sobre sexo:

“Tarado é toda pessoa normal pega em flagrante.”

9 – Sobre a psicanálise:

“Entre o psicanalista e o doente, o mais perigoso é o psicanalista.”

10 – Sobre a própria voz:

“Não gosto de minha voz. Eu a tenho sob protesto. Há, entre mim e minha voz, uma incompatibilidade irreversível”.

11 – Sobre o silêncio:

A maioria das pessoas imagina que o importante, no diálogo, é a palavra. Engano, e repito: o importante é a pausa. É na pausa que duas pessoas se entendem e entram em comunhão.

12 – Sobre muita gente pensar a mesma coisa:

“Toda unanimidade é burra.”

13 – Sobre a valorização do indivíduo:

“Qualquer indivíduo é mais importante que toda a Via Láctea.”

Essas e outras 1000 estão disponíveis na coletânea Flor de obsessão: As 1000 melhores frases de Nelson Rodrigues, organizada por Ruy Castro, também autor da biografia do autor, O Anjo Pornográfico.

*Com supervisão de Isabela Moreira

7 frases inspiradoras de J. K. Rowling

0
Harry Potter faz aniversário no dia 31 de julho. E não é à toa: no mesmo dia, no ano de 1965, nascia sua criadora, J.K. Rowling.(Foto: Reprodução/Tumblr)

Harry Potter faz aniversário no dia 31 de julho. E não é à toa: no mesmo dia, no ano de 1965, nascia sua criadora, J.K. Rowling.(Foto: Reprodução/Tumblr)

 

Isabela Moreira, na Galileu

Nem tudo foi rosas para a britânica. Antes de Harry se tornar o bruxo mais querido da literatura e do cinema, a escritora passou por várias dificuldades: se tornou mãe muito nova e, logo, mãe solteira; teve trabalhos complicados e passou por situações de pobreza quase extrema.

Em diversas ocasiões Rowling relatou sua experiência e deu conselhos importantes para quem passa por momentos difíceis. Separamos algumas das frases inspiradoras — sobre superação, vida e literatura — que ela soltou pelo caminho. Confira:

1 – “Os bruxos representam o que os ‘trouxas’ de verdade mais têm medo: eles são párias e estão confortáveis sendo assim. Nada é mais revoltante para os convencionais do que as pessoas que não têm vergonha de serem desajustadas.” — Em entrevista à revista Salon, em 1999.

2 – “Não importa quanto dinheiro você tem, o seu valor vem de encontrar o que você faz de melhor.” — Em entrevista ao Mugglenet.com, em 2005.

3 – “Se você quer saber como uma pessoa é de verdade, preste atenção em como ela trata seus inferiores, e não seus iguais.” — Em Harry Potter e o Cálice Fogo

4 – “As histórias que mais amamos vivem em nós para sempre. Não importa se você voltará página por página ou se assistirá aos filmes mais uma vez, Hogwarts sempre estará te esperando.” — Em entrevista na estreia de Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte II, em 2011.

5 – “É impossível viver sem fracassar em algo, a não ser que você viva tão cautelosamente que é como se você nem estivesse vivendo — o que também é um fracasso.” — Em discurso na Universidade de Harvard, em 2008.

6 – “O fundo do poço se tornou a base sólida na qual eu reconstrui a minha vida.” — Em discurso na Universidade de Harvard, em 2008.

7 – “Nós não precisamos de mágica para transformar nosso mundo. Já temos o poder que precisamos dentro de nós mesmos. Nós temos o poder de imaginar o melhor.” — Em discurso na Universidade de Harvard, em 2008.

Uma citação literária para cada ocasião da sua vida

0

capa citaçao literaria

Fabio Mourão, no Dito pelo Maldito

É provável que você já tenha algumas citações literárias memorizadas para sacar no caso de emergência em meio a uma conversa casual. E talvez, até utilize outras por repetição, sem nem imaginar que provenham das páginas de um livro. Além de servirem para lhe render um enigmático ar de inteligência, essas frases também costumam ser extremamente úteis quando você se propõe a aconselhar um amigo.

Se você está precisando ampliar o seu vocabulário, separamos aqui algumas citações literárias interessantes que merecem estar no seu repertório de frases para serem usadas em diferentes ocasiões:

✔ Quando seu amigo se prolonga demais ao contar uma história:
“Nossa vida é desperdiçada por detalhes. Simplifique, simplifique! ”
– Henry David Thoreau, em Walden

✔ Quando você precisa inspirar alguma decisão:
“Eu só confio nas pessoas loucas, aquelas que são loucas pra viver, loucas para falar, loucas para serem salvas, desejosas de tudo ao mesmo tempo, que nunca bocejam ou dizem uma coisa corriqueira, mas queimam, queimam, queimam, como fabulosas velas amarelas romanas explodindo como aranhas através das estrelas.”
– Jack Kerouac, em On the Road

✔ Quando ocorrer alguma falha na memória:
“Você esquece o que quer se lembrar, e você se lembra do que quer esquecer.”
– Cormac McCarthy, em A Estrada

✔ Quando a vida desmotivar o seu trabalho:
“Quem é feliz não faz arte… Foi aí que nasceram os símbolos”
– Chuck Palahniuk, em No Sufoco

✔ Quando o passado volta para assombrar a sua mente:
“Memórias podem aquecer o seu interior. Mas elas também podem te rasgar por dentro.”
– Haruki Murakami, em Kafka à Beira-mar

✔ Quando alguém precisa de um aviso sobre a falsidade:
“Nenhum homem, por nenhum período considerável, pode vestir uma cara para si mesmo e outra para a multidão, sem que, finalmente, venha a se confundir completamente sobre qual delas talvez seja a verdadeira.”
– Nathaniel Hawthorne, em A Letra Escarlate

✔ Quando você sentir-se desvalorizado:
“Hoje em dia as pessoas sabem o preço de tudo, e o valor de nada.”
– Oscar Wilde, em O Retrato de Dorian Gray

E você amigo leitor?! Possui alguma citação literária favorita que você não dispense a oportunidade de usar? Conte-nos em nossos comentários…

11 trechos da literatura para nunca mais esquecer

0

eternamente

J. C. Guimarães, na Revista Bula

A alta literatura é uma mina encantada, onde se extrai joias dos mais variados quilates. Você vai lendo e, de repente, algo cintila. Você acaba de descobrir uma pepita considerável; uma frase ou um período que lhe toca sinceramente, além do conjunto. Trata-se de um trecho que lhe diz uma verdade ou traduz algo que você sente e não sabe exprimir ou gostaria de ter dito, a respeito de qualquer assunto: o amor, a amizade, a morte, o mistério deste mundo. Seja lá o que for: nada é completamente estranho aos escritores. É por isso que só escreve bem quem lê os mestres, porque para escrever bem é condição sine qua non ter os ouvidos educados, saber ler a entrelinhas. Segue uma amostra ínfima deste universo gigantesco de sabedoria.

Philip Roth, em O Animal Agonizante

“Quando volto a olhar para ela, já vestiu a jaqueta outra vez. De modo que você compreende que a moça tem consciência de seu poder, mas não sabe direito como usá-lo, o que fazer com ele, não sabe nem mesmo até que ponto quer todo esse poder. O corpo ainda é novo para ela, a moça ainda o está experimentando, tentando compreendê-lo, é um pouco como um menino que anda na rua com uma arma carregada, sem saber se está armado para se proteger ou se para dar início a uma carreira no crime.”

Marcel Proust, em Em Busca do Tempo Perdido

“Assim, os que produzem obras geniais não são aqueles que vivem no meio mais delicado, que têm a conversação mais brilhante, a cultura mais extensa, mas os que tiveram o poder, deixando subitamente de viver para si mesmos, de tornar a sua personalidade igual a um espelho, de tal modo que a sua vida aí se reflete, por mais medíocre que aliás pudesse ser mundanamente e até, em certo sentido, intelectualmente falando, pois o gênio consiste no poder refletor e não na qualidade intrínseca do espetáculo refletido.”

Herman Melville, em Moby Dick

“Chamai-me Ismael. Há alguns anos — quantos precisamente não vem ao caso — tendo eu pouco ou nenhum dinheiro na carteira e sem nenhum interesse na terra, ocorreu-me navegar por algum tempo e ver a parte aquosa do mundo.”

Graciliano Ramos, em Vidas Secas

“Baleia queria dormir. Acordaria feliz, num mundo cheio de preás. E lamberia as mãos de Fabiano, um Fabiano enorme. As crianças se espojariam com ela, rolariam com ela num pátio enorme, num chiqueiro enorme. O mundo ficaria todo cheio de preás, gordos, enormes.”

Guimarães Rosa, em Grande Sertão: Veredas

“Com minha brandura, alegre é que eu matava. Mas, as barbaridades que esse delegado fez e aconteceu, o senhor nem tem calo em coração para poder me escutar. Conseguiu de muito homem e mulher chorar sangue, por este simples universozinho aqui. Sertão. O senhor sabe: sertão é onde manda quem é forte, com as astúcias. Deus mesmo, quando vier, que venha armado!”

Cervantes, em Dom Quixote

“Para que vejas, Sancho, o bem que encerra a andante cavalaria, e quão a pique estão os que em qualquer ministério dela se exercitam, de virem em pouco tempo a ser nobilitados e estimados do mundo, quero que sentes aqui ao meu lado e em companhia desta boa gente, e que estejas tal como eu, que sou teu amo e natural senhor, que comas no meu prato, e bebas por onde eu beber, porque da cavalaria se pode dizer o mesmo que se diz do amor: todas as condições iguala.”

António Lobo Antunes, em Os Cus de Judas

“Porque, deixe-me confidenciar-lho, sou terno, sou terno mesmo antes do sexto JB sem água ou do oitavo drambuie, sou estupidamente e submissamente terno (mais…)

Os 30 mandamentos do escritor

0

escritores

Carlos Willian Leite, na Revista Bula

Os chamados mandamentos literários existem desde o surgimento da escrita. Aristóteles e Shakespeare foram pródigos em ensinar, por meio de conselhos, como se tornar um grande escritor. Gustave Flaubert, James Joyce, Henry Miller e Anaïs Nin também deixaram suas versões. Compilamos uma seleção de conselhos literários (ou mandamentos literários) de nove nomes fundamentais da literatura mundial dos últimos 150 anos: Machado de Assis, Marcel Proust, Gustave Flaubert, Henry Miller, Friedrich Nietzsche, Ernest Hemingway, Juan Carlos Onetti, Gabriel García Márquez e Jorge Luis Borges. A compilação reúne excertos de textos publicados na “The Paris Review”, na “Esquire” e no “The Observer”. Os conselhos literários de Ernest Hemingway foram adaptados por ele do Star Copy Style, o manual de redação do Kansas City Star, onde Ernest Hemingway começou sua carreira jornalística em 1917.

1 — Mintam sempre.
(Juan Carlos Onetti)
2 — A primeira condição de quem escreve é não aborrecer.
(Machado de Assis)
3 — Elimine toda palavra supérflua.
(Ernest Hemingway)
4 — Para se ter talento é necessário estarmos convencidos de que o temos.
(Gustave Flaubert)
5 — Uma coisa é uma história longa e outra é uma história alongada.
(Gabriel García Márquez)
6 — Há somente uma maneira de escrever para todos, que é escrever sem pensar em ninguém. (Marcel Proust)
7 — Antes de segurar a caneta, é preciso saber exatamente como se expressaria de viva voz o que se tem que dizer. Escrever deve ser apenas uma imitação.
(Friedrich Nietzsche)
8 — Escreva primeiro e sempre. Pintura, música, amigos, cinema, tudo isso vem depois.
(Henry Miller)
9 — Não sacrifiquem a sinceridade literária por nada. Nem a política, nem o triunfo. Escrevam sempre para esse outro, silencioso e implacável, que levamos conosco e não é possível enganar. (Juan Carlos Onetti)
10 — Evitar as cenas domésticas nos romances policiais; as cenas dramáticas nos diálogos filosóficos.
(Jorge Luis Borges)
11 — Use frases curtas. Use parágrafos de abertura curtos. Use seu idioma de maneira vigorosa. (Ernest Hemingway)
12 — Trabalhe de acordo com o programa, e não de acordo com o humor. Pare na hora prevista! (Henry Miller)
13 — Não force o leitor a ler uma frase novamente para compreender seu sentido.
(Gabriel García Márquez)
14 — Uma verdade claramente compreendida não pode ser escrita com sinceridade.
(Marcel Proust)
15 — O escritor está longe de possuir todos os meios do orador. Deve, pois, inspirar-se em uma forma de discurso expressiva. O resultado escrito, de qualquer modo, aparecerá mais apagado que seu modelo.
(Friedrich Nietzsche)
16 — Palavra puxa palavra, uma ideia traz outra, e assim se faz um livro, um governo, ou uma revolução.
(Machado de Assis)
17 — Não escrevam jamais pensando na crítica, nos amigos ou parentes, na doce noiva ou esposa. Nem sequer no leitor hipotético.
(Juan Carlos Onetti)
18 — O autor na sua obra, deve ser como Deus no universo, presente em toda a parte, mas não visível em nenhuma.
(Gustave Flaubert)
19 — Evite o uso de adjetivos, especialmente os extravagantes, como “esplêndido”, “deslumbrante”, “grandioso”, “magnífico”, “suntuoso”.
(Ernest Hemingway)
20 — Esqueça os livros que quer escrever. Pense apenas no que está escrevendo.
(Henry Miller)
21 — Se você se aborrece escrevendo, o leitor se aborrece lendo.
(Gabriel García Márquez)
22 — O que se deve exigir do escritor, antes de tudo, é certo sentimento íntimo, que o torne homem do seu tempo e do seu país, ainda quando trate de assuntos remotos no tempo e no espaço.
(Machado de Assis)
23 — A riqueza da vida se traduz na riqueza dos gestos. É preciso aprender a considerar tudo como um gesto: a longitude e a pausa das frases, a pontuação, as respirações; também a escolha das palavras e a sucessão dos argumentos.
(Friedrich Nietzsche)
24 — Todo o talento de escrever não consiste senão na escolha das palavras.
(Gustave Flaubert)
25 — Mantenha-se humano! Veja pessoas, vá a lugares, beba, se sentir vontade.
(Henry Miller)
26 — Não se limitem a ler os livros já consagrados. Proust e Joyce foram depreciados quando mostraram o nariz. Hoje são gênios.
(Juan Carlos Onetti)
27 — O final de uma história deve ser escrito quando você ainda estiver na metade.
(Gabriel García Márquez)
28 — Evite a vaidade, a modéstia, a pederastia, a falta de pederastia, o suicídio.
(Jorge Luis Borges)
29 — O tato do bom prosador na escolha de seus meios consiste em aproximar-se da poesia até roçá-la, mas sem ultrapassar jamais o limite que a separa.
(Friedrich Nietzsche)
30 — Um livro não deve nunca parecer-se com uma conversação nem responder ao desejo de agradar ou de desagradar.
(Marcel Proust)

Go to Top