Canal Pavablog no Youtube

listas

Fabiula Nascimento e elenco de ‘Bom sucesso’ revelam os livros que estão lendo

0

Paulo Victor Mafrans, no Extra

Um livro sempre salta aos olhos da leitora voraz Paloma, personagem de Grazi Massafera, que se transporta para contos de fadas quando dá um tempo na costura para ler. Além disso, ‘Bom sucesso’ tem como um dos núcleos principais o da editora Prado Monteiro. Mas o que será que os atores da novela e de outras produções andam lendo?

Rafael Infante – “Hoje estou lendo ‘A última tentação’, de Nikos Kazanizakis. Eu realmente fiquei surpreso com a maneira que ele conduz a história. Sou viciado em ir a livrarias e sempre estou fuxicando. Meu livro favorito é sempre o último que li, porque abre ainda mais meus horizontes. A leitura relaxa, proporciona criatividade e um momento gostoso comigo mesmo. É um processo de autoconhecimento”.

Armando Babaioff – “Estou lendo ‘Tribunal da quinta-feira’, de Michel Laub. Acho fabuloso ter um novela que mostra a crise literária que vivemos no Brasil. A média de leitura de um brasileiro é um livro e meio por ano. Só em Buenos Aires, há mais livrarias do que em todo o Brasil. Meus pais sempre me incentivaram a ler”.

Fabiula Nascimento – “Estou lendo ‘Sapiens: uma breve história da humanidade’, de Yuval Harari. Eu desejo que o Brasil seja um país mais culto, com educação, com pessoas sempre com um livro na mão. Por isso, deixo alguns exemplares no metrô ou em locais públicos. Curiosamente, não fui incentivada a ler, mas tomei gosto pela leitura por volta dos 17 anos. E acho muito importante mostrar esse hábito na novela”.

Yasmin Gomlevsky -“Por muitos anos, meu livro preferido foi ‘O amor é um cão dos diabos’, de Charles Bukowski. Hoje, busco um novo favorito. Estou lendo ‘21 lições para o século 21’, de Yuval Noah Harari. Minha família, de maneira geral, lê muito. A leitura me mantém mais reflexiva. Acho que fico mais inteligente quando a rotina da leitura está em dia”.

Felipe Haiut – “Esse livro, ‘A morte é um dia que vale a pena viver’, me ajudou a atravessar o luto da perda de uma grande amiga. Lembro que com ‘Ensaio sobre a cegueira’ (José Saramago) foi a primeira vez em que tive uma sensação lendo. Me senti cego realmente, envolvido com a história. Ler abre a nossa cabeça, nos tira da ignorância. Costumo ler mais de um livro por vez, tenho prazer em saber que estou lendo muita coisa ao mesmo tempo”.

Giullia Buscacio
– “Estou lendo “O alquimista” e gosto muito de pegar dicas num perfil do Instagram chamado “book.ster. Desde muito nova minha mãe introduziu os gibis na minha vida e, apartir daí, fui tomando gosto pela leitura e, inicialmente, por livros de terror (risos). Acho que a leitura contribui muito para que possamos ter diálogos mais bem elaborados”.

Lola Fanucchi – “No momento, estou lendo “A glória e seu cortejo de horrores”, de Fernanda Torres, por indicação de uma amiga. Lembro de ter lido “o guia dos curiosos” quando era criança e ter gostado muito. Até hoje tenho guardado como lembrança daquela época”.

Alex Morenno – “O Vampiro Lestat”, de Anne Rice, tem tomados meu tempo de leitura. Estou gostando muito do livro porque o universo dos vampiros me interessa muito. Tenho alguns livros preferidos, mas “O filho de mil homens”, Valter Hugo Mãe, me tocou forte. Acho que porque o personagem central está em uma faixa etária muito próxima da minha. Por isso, comecei a refletir sobre a passagem do tempo.

Hugo Bonemer – “Meu livro de cabeceira é “O código da alma”, que fala de causas psicológicas de males físicos. A leitura ajuda a me acalmar. Tenho o hábito de ler um bloco de páginas e, no fim dele, fazer um resumos de tudo que li. Tenho o hábito de ler sempre. todos. Tenho muitos livros inacabados”.

Bárbara Reis – “Eu estou lendo o livro ‘Sapiens: uma breve história da humanidade’, por indicação de uma amiga, porque percebi que na época de escola eu estudava para passar de ano. Por isso, muitas coisas passaram por mim e não absorvi. Com o tempo, passei a me interessar em saber algumas coisas sobre nossa história. Lembro, também, que o livro que mudou muito minha percepção foi “Nunca desista dos seus sonhos”, do Augusto Cury. Teve um mês que consegui ler quatro livros, tenho um compromisso com esse ritual.

Estes são os 5 livros que Bill Gates recomenda você ler nas férias

0

Foto: Divulgação

Cofundador da Microsoft segue com a tradição de compartilhar os livros que mais gostou de ler nos últimos meses

Publicado no Itmidia

Bill Gates é conhecido por ser um leitor ávido. Em uma entrevista ao New York Times em 2016, o cofundador da Microsoft disse que a leitura ainda é a “principal maneira de aprender coisas novas e testar minha compreensão”. Ao jornal, ele disse que lê cerca de 50 livros por ano.

Como parte dos seus hábitos de leitura, Gates mantém a tradição de compartilhar os livros favoritos que leu na última temporada, aproveitando as férias do meio do ano. “Eu sempre gosto de escolher um monte de livros para levar comigo sempre que me preparo para sair de férias. Mais frequentemente, acabo tendo mais livros do que eu poderia ler em uma viagem. Minha filosofia é que eu prefiro ter muito para ler do que muito pouco”, escreveu em post publicado em seu blog.

Na lista de livros deste semestre, Gates lembra que suas escolhas não são uma leitura leve. “Todos, exceto um, lidam com a ideia de disrupção, mas eu não quero dizer ‘disrupção; na maneira como as pessoas de tecnologia costumam dizer isso. Recentemente me vi atraído por livros sobre reviravoltas – seja a União Soviética logo após a revolução bolchevique, aos Estados Unidos em tempos de guerra ou uma reavaliação global de nosso sistema econômico”, reflete.

Na lista abaixo, confira as cinco recomendações literárias e um breve resumo de Gates sobre os títulos. Note, que os livros ainda não possuem edição brasileira, com exceção de “Um Cavalheiro em Moscou”.

“Upheaval”, de Jared Diamond

“Eu sou um grande fã de tudo o que Jared escreveu, e seu mais recente livro não é exceção. O livro explora como as sociedades reagem em momentos de crise. Ele usa uma série de estudos de caso fascinantes para mostrar como as nações gerenciavam desafios existenciais como guerra civil, ameaças externas e mal-estar geral. Parece um pouco deprimente, mas terminei o livro ainda mais otimista sobre nossa capacidade de resolver problemas do que quando o comecei”.

“Nine Pints”, de Rose George

“Se você fica enojado por ver sangue, este provavelmente não é para você. Mas se você é como eu e acha isso fascinante, você apreciará este livro de um jornalista britânico com uma conexão especialmente pessoal com o assunto. Eu sou um grande fã de livros que abordam um tópico específico, então o Nine Pints (o título refere-se ao volume de sangue do adulto médio) era o meu caminho. Está cheio de fatos super interessantes que vão deixar você com uma nova apreciação pelo sangue”.

“Um Cavalheiro em Moscou”, de Amor Towles

“Parece que todo mundo que conheço leu este livro. Eu finalmente me juntei ao clube depois que meu cunhado me enviou uma cópia, e estou feliz por ter feito isso. O romance de Towles sobre um conde condenado à prisão perpétua em um hotel de Moscou é divertido, inteligente e surpreendentemente otimista. Mesmo que você não goste de ler sobre a Rússia tanto quanto eu (já li todos os livros de Dostoiévski), ‘Um cavalheiro em Moscou’ é uma história incrível que qualquer um pode curtir”.

“Presidents of War”, de Michael Beschloss

“Meu interesse em todos os aspectos da Guerra do Vietnã é a principal razão pela qual decidi pegar este livro. No momento em que terminei, aprendi muito não apenas sobre o Vietnã, mas sobre os oito outros grandes conflitos que os EUA entraram entre a virada do século XIX e os anos 70. O amplo escopo de Beschloss permite que você tire importantes lições transversais sobre liderança presidencial”.


“The Future of Capitalism”, de Paul Collier

“O livro mais recente de Collier é uma visão instigante de um tópico que é ideal para muitas pessoas agora. Embora eu não concorde com ele sobre tudo – acho que a análise dele do problema é melhor do que as soluções propostas -, seu histórico como economista de desenvolvimento lhe dá uma perspectiva inteligente sobre o rumo do capitalismo”.

Curtindo Chernobyl da HBO? Conheça três ótimos livros sobre o assunto!

0

Gabriel Faria, no Torre de Vigilância

Minissérie composta por cinco episódios criada por Craig Mazin e produzida pela HBO, Chernobyl está sendo transmitida atualmente e caminhando para seu encerramento. Adaptando fielmente os fatos do maior desastre nuclear da história, na usina ucraniana que dá nome à série, crítica e espectadores no geral vêm elogiando o desenrolar e os aspectos técnicos da produção.

O desastre ocorrido em 1986 já foi tema de muitas produções, sejam elas televisivas, cinematográficas ou literárias. O drama vivido pelas famílias e trabalhadores na então União Soviética, a tentativa banal de acobertamento dos fatos por parte do governo tentando evitar o caos, entre outras situações desastrosas que expõem os principais problemas do ser humano, vieram à tona e vêm sendo discutidos semanalmente com a exibição de novos episódios.

Abaixo, recomendaremos três elogiados livros sobre o assunto, para que algo tão memorável negativamente na história humana permaneça sempre em discussão.

Vozes de Tchernóbil: a história oral do desastre nuclear

Livro mais conhecido e premiado sobre o desastre, Vozes de Tchernóbil foi escrito por Svetlana Aleksiévitch, escritora e jornalista bielorrussa. Neste livro, vencedor do Prêmio Nobel de Literatura de 2015, Svetlana se utiliza das múltiplas vozes – de viúvas, trabalhadores afetados, cientistas ainda debilitados pela experiência, soldados, gente do povo – para construir uma narrativa arrebatadora, a um só tempo, relato e testemunho de uma tragédia quase indizível.

Cenas terríveis, acontecimentos dramáticos, episódios patéticos, tudo na história de Tchernóbil aparece com a força das melhores reportagens jornalísticas e a potência dos maiores romances literários. As palavras de seus personagens, que dão corpo à narrativa em forma de relato, apresentam dores incomparáveis.

Nina: Desvendando Chernobyl

Livro finalista do Prêmio Jabuti de 2018 na categoria “Conto.”

Em Desvendando Chernobyl, Ariane Severo retoma o assunto abordado por Svetlana (em seu livro Vozes de Tchernóbil) com outras qualidades. Trata-se de um romance onde Nina, psicanalista brasileira nascida em Moscou da união efêmera de um casal de bolsistas gaúchos, volta à então capital da União Soviética com o desejo de ajudar “pessoas que sofrem com a catástrofe de Chernobyl“.

Ariane recria os fatos com absoluta veracidade, sem nunca perder a ternura, principalmente em relação aos seres humanos mais humildes (e seus animais e plantas) destruídos pela irresponsabilidade dos poderosos envolvidos na catástrofe.

Chernobyl 01:23:40: The Incredible True Story of the World’s Worst Nuclear Disaster

Ainda não disponível em português, Chernobyl 01:23:40 do autor inglês Andrew Leatherbarrow narra em detalhes como o reator nuclear da usina apresentou uma falha crítica e como funcionava anteriormente. O narrador também apresenta descrições e sentimentos acerca de uma ida à Pripyat, vilarejo mais próximo à usina, e demonstra em palavras as emoções que o local transmitem nos dias de hoje e que o motivaram a escrever este livro mesmo não sendo da área.

O material apresentado exigiu muita pesquisa e faz jus aos fatos reais. Os eventos que levaram ao desastre são narrados de forma contínua e muito clara, tornando-se uma leitura fácil para qualquer um, até mesmo um leitor descompromissado que deseja saber mais sobre o assunto.

Existem dezenas de outros livros que falam sobre o desastre de Chernobyl, seja em forma de romance com ficção ou a história real. A série de TV tem reavivado a discussão, beneficiando o questionamento e expondo fatos que agora alcançam um novo público. Da mesma forma, a literatura permanece com relatos eternos de tanto sofrimento em um dos momentos mais sombrios da história humana.

5 filmes que você não sabia que foram inspirados em livros

0

Amanda Barros, no Desencaixados

Que o mercado literário cada vez mais está ligado às grandes produções cinematográficas é inegável, e cada vez mais os fãs estão tanto lendo os livros quanto assistindo aos filmes. Mas e aqueles filmes que você nem imagina que saíram das páginas de um livro?

Separamos nessa lista 5 filmes que são inspirados em livros e você, provavelmente, não sabia. Confira:

1 – Stardust – O Mistério da Estrela (2007)

O filme conta a história de Tristan (Charlie Cox), que se aventura em um reino de fadas para recuperar uma estrela. Ele, a estrela e uma mulher chamada Yvaine (Claire Danes) devem enfrentar um pirata e um grupo de bruxas malvadas.

O longa é baseado no livro homônimo de Neil Gaiman e é como um conto de fadas adulto, com direito a bruxas, fadas, diversos outros seres encantados, e claro, o amor. O livro foi publicado em 1999 e até hoje cativa fãs das mais diversas idades.

2 – Sierra Burgess é uma Loser (2018)

O filme conta a história de Sierra (Shannon Purser), uma adolescente inteligente, mas fora dos padrões de beleza do ensino médio. Quando um incidente de confusão de identidade resulta em um romance inesperado em sua vida, ela se vê precisando se juntar a garota mais popular da escola para poder ficar com o menino que gosta.

O longa é uma versão moderna da peça de teatro clássica Cyrano de Begerac, lançado em 1897, onde um homem escrevia poesias para sua amada, mas o rosto que ela pensava ser dele era de outra pessoa, então ele achou melhor assim, pois achava que ela o acharia muito feio se soubesse quem ele era de verdade. No filme, os gêneros dos personagens foram trocados e se passa nos dias atuais.

3 – E Se Fosse Verdade? (2005)

A comédia romântica E Se Fosse Verdade? conta a história do arquiteto David Abbott (Mark Ruffalo). Quando ele se muda para um novo apartamento descobre que a inquilina anterior, Elizabeth Masterson (Reese Witherspoon), é uma espécie de espírito que vai conviver com ele, mas ela nega que está morta. Entretanto, o que ele mais quer saber é por que só ele consegue ver a mulher?

O filme é inspirado no livro homônimo, que foi lançado em 1999, de um escritor francês chamado Marc Levy. A história explora vida após a morte, espiritualidade e amor. A obra foi a primeira da carreira do autor e ele escreveu com o intuito de criar uma história que seu filho pudesse ler quando ficasse adulto, assim virou um sucesso já na sua primeira publicação.

4 – Um Olhar do Paraíso (2009)

Nesse filme é contada a emocionante história de Susie Salmon (Saoirse Ronan), a menina estava está voltando para casa quando foi estuprada e assassinada por George Harvey (Stanley Tucci), um vizinho que mora sozinho. Susie, que agora está em um local entre o paraíso e o inferno, observa a situação de sua família com sua perda e lida com o sentimento de vingança e a vontade de ajudar sua família a superar sua morte.

O longa é baseado no livro Uma Vida Interrompida: Mémorias de um Anjo Assassinado, lançado em 2002, da autora Alice Sebold. A história do livro permeia o mesmo universo e é ficcional, mas o fato a ser observado é que a autora é sobrevivente de um estupro que sofreu na faculdade e por isso viu na escrita uma forma de falar sobre o assunto. O enredo é emocionante e mostra um triste retrato de agressão contra mulheres e crianças, mas também a pureza de suas almas.

5 – Ponte Para Terabítia (2007)

Jess (Josh Hutcherson) se sente um estranho na escola e até com sua própria família que não entende muito bem seus gostos e aspirações, é a partir daí que ele conhece a aluna nova, Leslie (AnnaSophia Robb). Uma garota extrovertida, decidida e cheia de convicções que vem para agitar a vida do garoto. Juntos eles descobrirão o reino mágico de Terabítia.

O livro homônimo que inspirou o filme foi lançado em 1977 e é da escritora Katherine Paterson, a autora criou a história como forma de ajudar o filho a superar um grande trauma que teve na infância, e a história tomou proporções imensas chegando a ganhar duas adaptações. Na adaptação de 2007, seu filho, já adulto, se tornou roteirista do filme.

Estes são os 5 livros de ‘leitura obrigatória’, segundo Meghan Markle

0

Estes são os 5 livros de ‘leitura obrigatória’, segundo Meghan Markle – Reprodução/Instagram
A lista foi feita quando a Duquesa de Sussex tinha um blog de estilo de vidaAntes de Meghan Markle se casar com o príncipe Harry e se tornar a duquesa de Sussex, ela tinha um blog de estilo de vida chamado The Tig (em homenagem a seu vinho favorito, Tignanello).

Infelizmente, o Tig não existe mais, mas graças à Internet, os fãs de Meghan conseguiram recuperar um post antigo sobre seus livros favoritos.

Markle fez uma lista com os cinco livros que ninguém deveria deixar de ler, e que para ela deveria ser ‘leitura obrigatória’:

1. The Motivation Manifesto, um livro de autoajuda de Brendon Burchard, sobre o poder pessoal.

2. Os Quatro Compromissos, de Don Miguel Ruiz, livro que a mãe de Meghan, Doria Ragland, lhe deu aos 13 anos, que ‘revela a fonte das crenças autolimitadas que nos roubam a alegria e criam sofrimento desnecessário’.

3. O Pequeno Príncipe, de Antoine de Saint-Exupery.

4. Quem mexeu no meu queijo?, de Spencer Johnson.

5.  O Tao do Pooh, de Benjamin Hoff, ‘sobre aspectos do taoismo contados através dos personagens de Winnie the Pooh.
Go to Top