Canal Pavablog no Youtube

listas

10 perfis do Instagram ótimos para quem ama devorar livros e curtir novas histórias!

0

69044-10-otimos-perfis-do-instagram-para-620x0-1

Chega de ficar só olhando fotos na rede social! Aproveite o tempo para conhecer mais sobre alguns livros bem legais.

Publicado no Purebreak

O Purebreak está sempre trazendo várias novidades do mundo literário, e dessa vez vamos indicar 10 perfis super lindos, criativos e interessantes pra você parar de perder tempo de ficar curtindo as selfies dos seus amigos no Instagram e descobrir vários livros incríveis através da famosa rede social de fotos!

Não é à toa que vários seriados de sucesso como “Game of Thrones”, são inspirados nos sucessos dos livros. Mas também há quem goste de saber sobre a vida dos famosos e apreciar a biografia de artistas como a Dulce María, que até dividiu o palco com Valeska Popozuda no lançamento seu livro. Não importa a sua idade, profissão ou gênero, dedique um tempo do seu dia para ler, pois como já dizia o filósofo Sêneca: “A leitura nutre a inteligência”.

1. @nerdsthat

Não precisa ser nerd para se identificar de cara com as frases postadas por esse perfil.

l1

2. @grifeinumlivro

Pra você que adora grifar frases em livros, nesse perfil também é possível enviar sugestões dos seus trechos favoritos!

l2

3. @livrogram

Quer ler uma resenha diferente daquele livro ou HQ que você tá em dúvida se compra ou não? Esse perfil te ajuda exatamente nisso!

l3

4. @books_secrets

O perfil é de uma blogueira chamada Bia Brito, que além de dar dicas, posta lindas imagens de livros.

l4

5. @blueeyedbiblio
Apesar de ser inglês, as fotos de livros e estantes são tão fantásticas, que vale muito a pena virar um seguidor.

l5

6. @jovemleitora

Se você curte uma leitura voltada para “jovens adultos”, esse perfil é o super indicado!

l6 (mais…)

7 Contos fundamentais para conhecer a obra de Borges

0

Vilto Reis, no Homo Literatus

Obras de fácil acesso que levam você a entrar no universo do escritor argentino Jorge Luis Borges

borges

Um dos mais importantes escritores do século XX, Borges preferiu escrever ensaios, poesias e contos a dedicar-se a um romance. Como diz em O Aleph “Desvario laborioso e empobrecedor o de compor vastos livros; o de explanar em quinhentas páginas uma ideia cuja exposição oral cabe em poucos minutos.” Em outra oportunidade, sendo entrevistado por Osvaldo Ferrari, quando o jornalista elogiou o uso conciso das palavras nas narrativas do escritor, Borges respondeu que àquilo que alguns chamam de concisão também pode ser entendido como preguiça.

Antes de citar os contos da lista, gostaria ainda de esboçar uma classificação dos contos produzidos pelo argentino em três categorias: 1) Regionalista: obras que apontam para uma Buenos Aires dos fins do século XIX, tempo que precede o próprio Borges, de um tempo em que o tango ainda pertencia as classes baixas, e os cuchilleros trocavam facadas em Palermo; 2) Crítico-Literária: em que o autor cria uma história na qual um crítico, fictício, analisa outro escritor também inventado, ou de livros que falam sobre outros livros; 3) Universal: procura abarcar questões de interesse filosófico, sobre o tempo, deus e o universo.

Jorge Luis Borges

Mas vamos aos contos indicados:

O Imortal¹: relata a história de um general romano que sai a procura da imortalidade; fato que o autor aprofunda em suas reflexões filosóficas, como pode ser conferido neste trecho: “Ser imortal é insignificante; com exceção do homem, todas as criaturas o são, pois ignoram a morte; o divino, o terrível, o incompreensível é saber-se imortal”. No entanto, ao deparar-se com sua busca, toda a sua vida é alterada, não bem como ele imaginava.

O jardim dos caminhos que se bifurcam²: uma das mais importantes narrativas do autor no que se refere a falar de uma de suas metáforas preferidas: o labirinto. O protagonista do conto está sendo perseguido e foge para o lugar onde viveu seu descendente, um rei que disse que se ausentaria do mundo para construir um labirinto e escrever um livro. Contudo, o que o leitor não perde por esperar é a relação dessa história com a do próprio protagonista.

A biblioteca de Babel²: o autor fala do mundo como se este fosse uma biblioteca, tendo um dos mais impressionantes começos literários da história da literatura: “O universo (que outros chamam a Biblioteca) constitui-se de um número indefinido, e quiçá infinito, de galerias hexagonais, com vastos postos de ventilação no centro, cercados por varandas baixíssimas.”

O outro³: tema de muitas histórias literárias, a representação o duplo, do personagem que se repete, não poderia se ausentar da obra do escritor argentino. Mais do que isso, ele escolheu a si mesmo para representar nessa pequena peça narrativa que impressiona. Em um banco de uma praça, o ancião Borges encontra o jovem Borges e os dois têm um diálogo que abarca a criação literária e a vida, posto que ambas não se podem entender separadas.

À memória de Shakespeare: o protagonista desse conto encontra alguém que se diz ser portador da memória do bardo inglês. Fazem um trato, de forma que a memória possa ser passada. No entanto, as coisas não saem exatamente como o personagem narrador dessa história esperava, o que acaba sendo um exercício de reflexão sobre a memória e a criatividade.
O Aleph¹: neste conto, temos novamente Borges lidando com o tema da universalidade, pois um episódio nos leva a este ponto, lugar, ou seja lá como posso ser chamado, em que se pode enxergar todo o universo. Uma história bastante enigmática.

Os Teólogos¹: dois teólogos, Aureliano e João de Panonia, digladiam-se em suas discussões religiosas, o que Borges vai tratando com um humor que pouco aparece em outros contos; por exemplo, no trecho: “Discutiu com os homens de cuja sentença dependia a sua sorte e cometeu a grosseria máxima de fazê-lo com talento e com ironia” ( pg. 32). A discussão leva um deles à fogueira, mas eles ainda se encontrarão na eternidade, culminando em um final inesperado.
***
Se quiser saber mais sobre Borges: Marcos Peres indica Jorge Luis Borges


1. Este conto encontra-se no livro O Aleph.
2. Este conto encontra-se no livro Ficções.
3. Este conto encontra-se em O livro da areia.
4. Este conto encontra-se no livro Nove ensaios dantescos & a memória de Shakespeare.

Hitler, Jesus, assassinato: confira dez livros polêmicos

0

Ao longo da história, muitas publicações foram tachados de “perigosas”, por diversas razões, como a de ter influenciado ditadores e criminosos pelo mundo

cartoonicesPublicado no Terra

Ao final de 2015, cairão em domínio público os direitos autorais do livro “Mein Kempf”, concebido pelo general nazista Adolf Hitler e cujos direitos atualmente pertencem à Biblioteca Estadual da Baviera, na Alemanha. A instituição, atualmente, se recusa a imprimir novas edições da obra, por considerá-la “perigosa demais” para ser lida pelo público.

Ao longo da história, porém, muitos outros livros além do manifesto de Hitler já foram tachados de “perigosos”, por diversas razões, a exemplo de ter influenciado ditadores e criminosos pelo mundo.  Confira a seguir, na lista produzida pelo Terra e pela Nuvem de Livros .

Mein Kempf (Adolf Hitler)

Mein Kempf ” (ou “Minha Luta”, na tradução mais aceita) foi concebido por Hitler durante o período em que o general austríaco estava na prisão, na década de 1920. Na obra, que conta detalhes autobiográficos, há ampla difusão de um conteúdo antissemita (o povo judeu é considerado um “perigo”) e racialista (racismo científico), que se tornariam a base do governo nazista de Hitler na Alemanha até a derrota do país germânico na Segunda Guerra Mundial.

O apanhador no campo de centeio (JD Salinger)

Considerado pela revista Time como um dos cem melhores romances ingleses escritos após 1923, “O apanhador no campo de centeio” pôs à tona diversos debates da vida adolescente com o personagem Holden Caufield. No entanto, a obra passou a ser tachada de “perigosa” depois de o assassino de John Lennon, Mark David Chapman, confessar que tirou do livro a inspiração para matar o ex-Beatle em 1980. O livro também teria servido dado ideia a Roberto John Bardo, assassino da modelo e atriz americana Rebecca Schaeffer, e a John Hinckley Jr., que tentou assassinar o ex-presidente americano Ronald Reagan em 1981.

O Príncipe (Nicolau Maquiavel)

Maquiavel escreveu em 1513 o livro que se tornou referência para a constituição do Estado moderno. Determinadas passagem da obra, como “os fins justificam os meios” e que “é melhor ser temido que amado” fizeram com que a expressão “maquiavelismo” se tornasse sinônimo de “perversidade” e “maldade”. Apesar de ter diversas interpretações e ser um dos livros mais estudados no mundo, “O Príncipe” teria sido também uma das fontes de inspiração de ditadores como Hitler e Stalin. Este conteúdo está disponível na Nuvem de Livros.

O Anticristo (Friedrich Nietzsche)

Trata-se de uma das críticas mais veementes ao cristianismo. Na obra, o filósofo alemão classifica a religião cristã de “maldição” e responsável por persuadir a massa com ideias pré-fabricadas. Em seu ensaio, Nietzsche questiona Jesus Cristo e aponta que “O Evangelho morreu na cruz”. Este conteúdo está disponível na Nuvem de Livros.

O Evangelho segundo Jesus Cristo (José Saramago)

O escritor português José Saramago, vencedor do Nobel de Literatura de 1998, também abordou a temática do Cristo em um de seus livros. Na obra, o autor conta uma história humanizada da vida de Jesus, deixando o mítico em segundo plano. A suposta relação com Maria Madalena também está presente no livro, que foi lançado em 1991 e recebeu fortes críticas da Igreja Católica lusitana.

Caçadas de Pedrinho (Monteiro Lobato)

Trata-se de um livro infantil, em mais uma das aventuras de Pedrinho e Narizinho no Sítio do Picapau Amarelo. No entanto, em 2010, o Conselho Nacional de Educação (CNE) havia recomendado que um dos clássicos de Monteiro Lobato deixasse de ser distribuídos nas escolas pelo Brasil por considerá-lo racista. O Ministério da Educação (MEC) rejeitou o parecer do CNE, mas, à época, apontou que há elementos racistas na obra, porém inserido em um contexto histórico. Este conteúdo está disponível na Nuvem de Livros.

Lolita (Vladimir Nabokov)

Um dos romances mais aclamados do século 20, “Lolita” também carrega em seu enredo uma enorme polêmica: a trama, ficcional, gira em torno da paixão obsessiva do intelectual de meia-idade Humbert Humbert por Lolita, uma menina de 12 anos chamada Dolores Haze. A obra é considerada imoral, e o autor chegou a ser tachado de pedófilo.

Os versos satânicos (Salman Rushie)

Na obra fantasiosa de Salman Rushdie, dois atores indianos sofrem uma metamorfose após um acidente aéreo: um vira anjo; o outro, demônio. Além de abordar uma das dúvidas mais comuns da humanidade (quem sou eu?), o autor faz diversas analogias à vida do Profeta Maomé, fundador do islamismo. O livro não agradou à cultura muçulmana, e Rushdie chegou a ser ameaçado de morte.

1984 (George Orwell)

Talvez você não saiba, mas o conceito de “Big Brother” nasceu justamente no livro 1984 – escrito em 1948 e publicado em 1949 por George Orwell e que projetava o futuro dali a alguns anos, com base política. O escritor, certamente, não pensava em reality shows, mas criou o conceito do Grande Irmão: um poder cruel, que tudo vê e tudo sabe no sombrio território ficcional de Oceânia, comandado pelo Partido e que tem como braço direito o horripilante Ministério do Amor, onde o personagem Winston sofre terríveis torturas. A obra é uma crítica ferrenha a Estados totalitários e questiona os excessos do poder incontestado.

Admirável Mundo Novo (Aldous Huxley)

Assim como “1984”, “Admirável Mundo Novo” questiona o futuro da humanidade, mas apoia-se nos vieses do avanço científico e na perda da identidade humana. No mundo inventado por Huxley, seres humanos são programados em laboratórios, a felicidade era obtida por meio de pílulas da droga Soma, Henry Ford é idolatrado, as palavras “mãe” e “pai” são repugnantes, as obras de Shakespeare são consideradas revolucionárias. Trata-se de uma projeção bastante crítica e pessimista, porém alarmante das civilizações futuras. Este conteúdo está disponível na Nuvem de Livros.

19 livros que todos deveriam ler na escola

2
(Foto: Raul Lieberwirth/ flickr/ creative commons)

(Foto: Raul Lieberwirth/ flickr/ creative commons)

Luciana Galastri, na Galileu

Perguntamos a nossos fãs no Facebook que livros eles gostariam de ter lido na escola – e quais deles eles indicariam para os estudantes de hoje, para estimular o gosto pela leitura. Confira aqui algumas das respostas e veja a lista completa de indicações no fim do post – vale comentar por lá e deixar a sua indicação também:

O Diário de Anne Frank, Anne Frank

O emocionante relato de uma menina judia, escrito durante a Segunda Guerra Mundial, quando se manteve escondida dos nazistas com sua família.

O Mundo de Sofia, Jostein Gaarder

‘Romance filosófico’, funciona como um guia básico para as principais ideias da filosofia, usando a história de Sofia Amundsen, uma garota prestes a completar 15 anos.

Fahrenheit 451, Ray Bradbury

Um romance distópico que servia como crítica à sociedade americana quando foi publicado, em plena Guerra Fria, faz uma análise interessante e atual sobre o conceito de censura e de acesso ao conhecimento.

Série Harry Potter, J.K. Rowling

As famosas aventuras do bruxinho foram apontadas por vários de nossos leitores como porta de entrada para o mundo da literatura.

O apanhador no campo de centeio, J.D. Salinger

O livro foi publicado, originalmente, para adultos – mas com o passar dos anos se tornou uma obra juvenil, por tratar de temas típicos da adolescência. O protagonista, Holden Caulfield, pode ser considerado um ícone da rebeldia da juventude.

Série Vaga-Lume, editora Ática

Publicado especialmente para o público infanto-juvenil, as aventuras da série Vaga-Lume são praticamente unanimidade entre os nossos leitores. Contém clássicos como ‘O Escaravelho do Diabo’ e ‘A guerra do lanche’. Veja uma lista completa com todos os livros da coleção.

Orgulho e Preconceito, Jane Austen

Escrito há alguns séculos, o romance entre Elizabeth Bennet e Mr. Darcy poderia ser uma história água-com-açúcar sobre uma mocinha em busca do amor. Mas Jane Austen usa a ideia desse amor para fazer uma crítica à sociedade inglesa da época e também à construção do casamento.

As vantagens de ser invisível, Stephen Chbosky

Adaptado para os cinemas recentemente, esse novo clássico americano conta a história de Charlie, um adolescente com vários problemas e com dificuldades de fazer amigos. Através de cartas, Charlie conta como conhece Sam e Patrick e como a amizade acaba mudando sua vida. Emocionante.

O Caçador de Pipas, Khaled Hossein

Enquanto conta a história de Amir, homem atormentado pela culpa de trair o seu melhor amigo de infância, Hassan, Hossein também relata acontecimentos políticos que definiram o Afeganistão atual: a queda da monarquia na década de 70, o golpe comunista, a invasão soviética até a implantação do regime Talibã.

1984, George Orwell

Também um clássico, retrata como um regime totalitarista resulta na opressão individual. É famosos por cunhar o conceito do ‘Grande Irmão’, a ideia de que o governo está sempre observando, acabando com a privacidade.

Eleanor & Park, Rainbow Rowell

Apesar de ter sido publicado em 2012 (o livro mais novo da lista) o romance entre Eleanor e Park é ambientado em 1986. Durante a história, que aborda a temática do primeiro amor, os pontos de vista se alternam entre os dois protagonistas.

O Pequeno Príncipe, de Antoine de Saint-Exupéry

Se você acha que, pelo nome e pelas belas ilustrações coloridas, se trata de um livro (só) para crianças pequenas, está muito enganado. Com ideias profundas como “você se torna eternamente responsável por aquilo que cativa”, tem um alto teor filosófico.

Uma breve história do tempo, Stephen Hawking

Ok, é um livro de forte teor científico – mas Hawking consegue explicar a um leigo conceitos importantes da física e da cosmologia, como buracos negros e a teoria das supercordas.

Bilhões e Bilhões, Carl Sagan

Livro publicado um ano após a morte de Sagan, foi descrito como um testamento do cientista – sim, tem discussões sobre ciência e sobre sua carreira, mas também seus pensamentos em relação a questões como o aborto e até sobre sua própria morte.

A Revolução dos Bichos, George Orwell

O segundo Orwell da lista, conta como animais de fazenda se revoltam contra seu dono humano e instauram um novo regime. Uma sátira da União Soviética, mostra como a corrupção toma conta do sistema e como esse sistema logo se torna uma ditadura.

Capitães da Areia, Jorge Amado

Na Salvador dos anos 30, um grupo de meninos abandonados, liderados por Pedro Bala, rouba para sobreviver e, dentro de sua pequena comunidade, criam um sistema similar ao de uma família na falta de figuras paternas e maternas.

Meu pé de laranja lima, José Mauro de Vasconcelos

Conta a história de um menino de cinco anos chamado ‘Zezé’. Criado em uma família pobre, com muitos irmãos, tem em um pé de laranja-lima seu maior confidente, contando à árvore todas as suas aventuras.

O Hobbit, J. R.R. Tolkien

A introdução ao mundo de Tolkien, que se desenrola em “O Senhor dos Anéis”, conta a jornada de Bilbo Bolseiro, que sai de sua zona de conforto no Condado para ajudar um grupo de anões a recuperar seu tesouro e sua cidade, roubados por um dragão. É considerado um dos melhores romances infanto-juvenis da história.

Admirável mundo novo, Aldous Huxley

A distopia mostra uma sociedade dividida por castas (os mais bonitos/fortes são das castas principais), em que pessoas são condicionadas biologicamente e psicologicamente a obedecer a um sistema. Em meio à essa paz, chega um desconhecido, fruto de uma relação espontânea e fora do controle desse sistema, e, com ele, surgem questões sobre o estilo de vida dominante.

5 livros indispensáveis para qualquer estudante universitário

0

Saiba quais são os livros que devem estar na sua estante durante a partir desse ano letivo

livros-foto

Publicado no Universia

O hábito de leitura é fundamental para qualquer faixa etária. Além de ampliarem o vocabulário, os livros melhoram a escrita, desenvolvem as habilidades cognitivas e expandem a visão de mundo.

Na faculdade, os estudantes costumam geralmente costumam ter um acesso frequente à leitura. Além dos livros que normalmente aparecem na grade curricular, muitos alunos buscam ter acesso a obras de interesse próprio, que abordem um assunto cuja temática desperta o seu interesse.

Se você é um amante da leitura, saiba que existem certas obras indispensáveis para qualquer estudante na universidade. A seguir, confira a lista com 5 obras que qualquer universitário deveria ler em 2015:

1 -“Liberdade”, por Jonathan Franzen
Essa história é sobre um triângulo amoroso, formado por colegas que se conheceram na faculdade. O que será mais importante para eles: amor ou amizade? Como lidar com uma situação na qual você se apaixona, mas ao mesmo tempo não quer perder o seu melhor amigo? As respostas para essas perguntas surgem ao longo da leitura.

2 – “Este Lado do Paraíso”, por F. Scott Fitzgerald
O livro aborda a desilusão de um universitário recém-formado: ao terminar a sua graduação, ele percebe que a vida real é completamente diferente da vivida por ele na faculdade. A partir daí, ele parte em busca da sua própria essência. Trata-se de uma situação vivenciada por muitos estudantes.

3 – “Norwegian Wood”, por Haruki Murakami
O livro conta a história de um universitário que muda os seus princípios de vida e suas atitudes, ensinando o leitor a apreciar as amizades e o amor verdadeiro. Além disso, ele pode ajudar o estudante a se preparar melhor para encarar a realidade da vida.

4 – “1984”, por George Orwell
O livro retrata um cenário no qual o mundo está dividido entre três estados totalitários: um controle total, a eliminação de todos os valores humanos e as tentativas de sobreviver neste mundo cheio de ódio. Questionando a individualidade, a história desafia o leitor a analisar a sua própria capacidade de desafiar o sistema.

5 – “Cem Anos de Solidão”, por Gabriel García Marquez
Este é um romance épico sobre a evolução da humanidade, em um cenário onde todos estão condenados à solidão. Trata-se de uma leitura perfeita para que o estudante possa entender a importância das relações familiares, e do apoio de pessoas que o amam.

Clássicos como os citados acima podem ampliar não somente o seu vocabulário, como também o seu conhecimento e a sua reflexão sobre a vida. Siga essa lista e garanta uma ótima experiência de leitura para 2015!

 

Go to Top