listas

Os 100 melhores livros de todos os tempos, a lista das listas

3

Carlos Willian Leite, na Revista Bula

Para se chegar ao resultado fizemos uma compilação de 15 listas publicadas por jornais, revistas e sites especializados em listas, mercado editorial e livros. O objetivo da pesquisa era identificar, baseado nestas listas, quais eram os 100 melhores livros da história. Algumas das listas pesquisadas incluíam apenas romances, outras — livros não ficcionais. Algumas traziam apenas obras do século 20, outras — obras seminais, formadoras da cultural ocidental. Após a seleção das listas, criamos uma base de dados para que todos os livros fossem pontuados igualmente independentemente do gênero ou período em que foi escrito. Nos casos de empate — e foram muitos — desempatamos atribuindo o valor mais alto ao livro que obteve o maior número de resultados no Google, numa consulta por autor e título.

Participaram do levantamento as publicações: “The New York Times”, “Amazon”, “Le Monde”, “The New York Public Library”, “BBC”, “The Guardian”, “Modern Library”, “Time”, “Newsweek”, “Telegraph”, “Lists Of Bests”, “Wikipedia”, “Folha de S. Paulo”, “Revista Época”, “Revista Bravo”.

Obviamente que listas são sempre incompletas, idiossincráticas. Sabe-se que, como a percepção, a opinião — que foi a base de todas as listas —, é algo individual. De qualquer forma, os 100 livros selecionados, se não são unanimidades entre as publicações pesquisadas (e possivelmente não serão entre os leitores), são referências incontestes da grandeza e importância da literatura para a humanidade.

O resultado não pretende ser abrangente ou definitivo, antes é apenas um reflexo da paixão de leitores e críticos que ajudaram a construir, com suas opiniões, um vasto guia literário que percorre mais de 2 mil anos de história. As sinopses são das respectivas editoras.

1 — Dom Quixote, Miguel de Cervantes, 1605

Dom-Quixote-de-La-Mancha

Dom Quixote de La Mancha não tem outros inimigos além dos que povoam sua mente enlouquecida. Seu cavalo não é um alazão imponente, seu escudeiro é um simples camponês da vizinhança e ele próprio foi ordenado cavaleiro por um estalajadeiro. Para completar, o narrador da história afirma se tratar de um relato de segunda mão, escrito pelo historiador árabe Cide Hamete Benengeli, e que seu trabalho se resume a compilar informações. Não é preciso avançar muito na leitura para perceber que Dom Quixote é bem diferente das novelas de cavalaria tradicionais — um gênero muito cultuado na Espanha do início do século 17, apesar de tratar de uma instituição que já não existia havia muito tempo. A história do fidalgo que perde o juízo e parte pelo país para lutar em nome da justiça contém elementos que iriam dar início à tradição do romance moderno — como o humor, as digressões e reflexões de toda ordem, a oralidade nas falas, a metalinguagem — e marcariam o fim da Idade Média na literatura.

2 — Guerra e Paz, Liev Tolstói, 1869

PV Rio de Janeiro (RJ) 09/11/2011 Imagens do livro "Guerra e paz", de Liev Tolstói (Editora Cosac Naify) - Foto Divulgação

PV Rio de Janeiro (RJ) 09/11/2011 Imagens do livro “Guerra e paz”, de Liev Tolstói (Editora Cosac Naify) – Foto Divulgação

“Milhões de pessoas praticaram, umas contra as outras, uma quantidade tão inumerável de crimes, embustes, traições, roubos, fraudes, falsificações de dinheiro, pilhagens, incêndios e assassinatos, como não se encontra nos autos de todos os tribunais do mundo em séculos inteiros […]. O que produziu tal acontecimento extraordinário?”. Empenhado em responder a esta pergunta, através da busca pela verdade histórica dos fatos, e em argumentar com os historiadores de sua época, que no seu entender resumiam os acontecimentos nas ações de algumas figuras poderosas, Liev Nikoláievitch Tolstói (1828-1910) escreveu um dos maiores romances da literatura mundial. Guerra e paz descreve a campanha de Napoleão Bonaparte na Rússia e estende-se até o ano de 1820. Baseado em meticulosa e exaustiva pesquisa — com fontes que vão dos estudos do francês Adolphe Thiers e do russo Mikháilovski-Danílevsk a testemunhos orais —, Tolstói reconta os episódios que culminaram na derrota francesa e retrata, à sua maneira, personagens reais, como o próprio Napoleão e uma série de comandantes militares.

3 — A Montanha Mágica, Thomas Mann, 1924

A-Montanha-Magica

Imagem simbólica da corrosão da sociedade europeia antes da Primeira Guerra. Ao visitar o primo em um sanatório, Hans Castorp acaba por contrair tuberculose. Permanece internado por sete anos, vivendo em um ambiente de requinte intelectual, em permanente debate com ideias filosóficas antagônicas, até que decide partir para o front.

4 — Ulisses, James Joyce, 1922

Ulisses

Um homem sai de casa pela manhã, cumpre com as tarefas do dia e, pela noite, retorna ao lar. Foi em torno desse esqueleto enganosamente simples, quase banal, que James Joyce elaborou o que veio a ser o grande romance do século 20. Inspirado na “Odisseia”, de Homero, “Ulysses” é ambientado em Dublin, e narra as aventuras de Leopold Bloom e seu amigo Stephen Dedalus ao longo do dia 16 de junho de 1904. Tal como o Ulisses homérico, Bloom precisa superar numerosos obstáculos e tentações até retornar ao apartamento na rua Eccles, onde sua mulher, Molly, o espera. Para criar esse personagem rico e vibrante, Joyce misturou numerosos estilos e referências culturais, num caleidoscópio de vozes que tem desafiado gerações de leitores e estudiosos ao redor do mundo. O culto em torno de “Ulysses” teve início antes mesmo de sua publicação em livro, quando trechos do romance começaram a aparecer num jornal literário dos EUA. Por conta dessas passagens, “Ulysses” foi banido nos Estados Unidos, numa acusação de obscenidade, dando início a uma longa pendenga legal, que seria resolvida apenas onze anos depois, com a liberação do romance em solo americano.

5 — Cem Anos de Solidão, Gabriel García Márquez, 1967

Cem-Anos-de-Solidao

“Muitos anos depois, diante do pelotão de fuzilamento, o Coronel Aureliano Buendia havia de recordar aquela tarde remota em que seu pai o levou para conhecer a fábrica de gelo”… Com essa frase antológica, García Marquéz, Prêmio Nobel de Literatura de 1982, introduz a fantástica Macondo, um vilarejo situado em algum recanto do imaginário caribenho, e a saga dos Buendia, cujo patriarca, Aureliano, fez trinta e duas guerras civis… e perdeu todas. García Marquéz já despontava como um dos mais importantes escritores latino-americanos, no início da década de 1970, quando “Cem Anos de Solidão” começou a ganhar público no Brasil. O livro causou enorme impacto. Na época, o continente estava pontilhado de ditaduras. Havia um sentimento geral de opressão e de impotência. Então, essa narrativa em tom quase mítico, em que o tempo perde o caminho, em que os episódios testemunhados e vividos acabam se incorporando às lendas populares, evoca nos leitores uma liberdade imemorial, que não pode ser arrebatada. E tão presente. Tão familiar e necessária. (mais…)

Sete livros de suspense para prender sua respiração

0
Stephen King é um dos mais notáveis escritores de suspense e ficção, com livros famosos como "A Coisa".

Stephen King é um dos mais notáveis escritores de suspense e ficção, com livros famosos como “A Coisa”. Reprodução

Publicado no Catraca Livre

E não é só filme que da arrepio não. Os livros de suspenses e de terror são muito procurados, muitas vezes não só por darem medo, mas pelo mistério, pelo tipo de narrativa que nos deixa na maior tensão com investigações policiais, serial killers e muito mais.

Os livros de suspense causam incerteza, manipulam nossas emoções e nos fazem elaborar teorias para desvendar os milhares de acontecimentos e enigmas profundos que neles estão presentes. São ótimas leituras justamente por estarem sempre alimentando nossa imaginação.

Confira sete suspenses que selecionamos para começar a ler hoje.

Serial Killers: Louco ou Cruel?

120459211_1GG-450x450

Serial Killers – Anatomia do Mal

113983066_2GG-450x450

Coleção Agatha Christie

122175941_1GG-450x450 (mais…)

10 livros para aumentar a motivação na carreira

0

765x510x10-livros-para-aumentar-a-motivacao-na-carreira-portaltrainee.jpg.pagespeed.ic.1BGm1PKutJ

Falta motivação na sua carreira? Ler um bom livro pode fazer com que você tenha novas ideias, trace metas e se aproxime cada vez mais do caminho do sucesso.

Lorena Torres, no Portal Trainee

Confira 10 livros que trarão motivação para sua carreira:

1 – Getting Things Done (A Arte de Fazer Acontecer)

Os conselhos do autor ajudam os profissionais a aumentarem a produtividade e diminuírem o estresse. Além disso, o livro ensina práticas de gestão de tempo modernas que auxiliam a redução do estresse.

2 – Desafiando o Talento (Geoff Colvin)

O autor Geoff Colvin é jornalista e editor da revita Fortune. Ele traz á tona um importante confronto: talento inato x trabalho duro.

O livro mostra questões motivadores para quem acredita que, mesmo não sendo dono de um grande talento ou QI, pode seguir pelo caminho do sucesso.

3 – A Estratégia do Oceano Azul (W. Chan Kim e Renéé Mauborgne)

Profissionais que têm uma carreira diferenciada são aqueles que adotam visão estratégica. A obra trabalha com exemplos reais e mostra o que grandes empresas e líderes fazem para manter-se no caminho do crescimento.

Lembre-se: você sempre ‘nadará’ com concorrentes altamente qualificados. Por isso, precisa desenvolver estratégias que te proporcionarão um diferencial diante da competitividade.

4 – O Físico (Noah Gordon)

Segundo especialistas, “O Físico” é um dos melhores livros para profissionais desmotivados. Em 600 páginas, o autor relata os desafios de um médico da Idade Média. A história inspira e faz refletir sobre o quanto somos capazes de enfrentar os obstáculos, esperar e ter determinação para alcançarmos aquilo que de fato queremos!

5 – Construindo um Futuro de Sucesso (Márcia Luz)

O livro traz uma série de relatos de pessoas que batalharam e conseguiram mudar a própria história. Entre eles, alguns empresários de sucesso, Oscar Schmidt e Ana Maria Braga.

“Sucesso não é uma questão de sorte ou azar. Ele é construído passo a passo e definirá seu destino”, relata a autora.

6 – Peixe! Como Motivar e Gerar Resultados (Stephen Lundin)

Uma gestora assume o desafio de conseguir modificar o ambiente de trabalho em uma unidade, onde ela considera o depósito de lixo tóxico da organização. Isso porque, é nesse setor que estão os funcionários mais desmotivados. O livro é uma verdadeira lição de motivação e faz com que você aprenda também sobre a importância de motivar colegas de equipe.

7 – Agora é pra Valer (Márcia Luz)

A autora descreve personagens com características de pessoas do mundo corporativo. O grande objetivo da obra é apresentar o conceito de liderança transformadora.

8 – O que Podem Aprender com os Gansos (Alexandre Rangel)

O livro traz lições que vão da liderança à motivação e passam por ensinamentos sobre (mais…)

9 livros importantes que todo estudante de Direito deve ler (nem todos da área jurídica)

0

amo-direito-noticias-Livros

Publicado no Amo Direito

Quem é do Direito costuma buscar na internet informações sobre livros importantes que deve ler para tornar-se bom aluno na faculdade, aproveitar melhor o curso e planejar a sonhada futura carreira.

Não são todos livros da área jurídica, mas são livros que posso afirmar serem fundamentais para um bom desempenho durante a faculdade e depois dela. Alguns desses livros eu gostaria de ter conhecido enquanto eu estava na faculdade, e tenho certeza de que você poderá aproveitá-los muito bem.

Incluí junto às sugestões, links para comprar os livros no site da Livraria Cultura, facilitando o seu acesso aos títulos. Os links são do tipo “afiliados”, mas cabe a você escolher comprar onde eu recomendei ou em outro lugar de sua preferência.

1 – “Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas” (Dale Carnegie)
Este é apenas um dos livros de Dale Carnegie que recomendo. Se você ainda não percebeu, deve começar a perceber que o curso de direito leva você a um mundo onde se exige um bom relacionamento com as pessoas. Normalmente, a faculdade não vai ensinar isso a você. Mas, a vida mostrará o quanto é necessário saber lidar com as pessoas, estabelecer e manter contatos e aprender a trazer as pessoas para o seu modo de pensar. “Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas” é um grande clássico, e você deve levá-lo muito a sério. Coloquei o livro na primeira posição de propósito, pois a leitura é incrivelmente leve e agradável, de modo que, assim que você tiver o livro em mãos, já poderá começar a dar mais passos adiante, numa nova postura diante das relações humanas.

Um trecho do livro: “Assim, como eu já disse, Lincoln atirou a carta para o lado, porque aprendera, numa dura experiência, que as críticas violentas e as repreensões redundam sempre em futilidade.”

2 – “A Arte de Fazer Acontecer” (David Allen)
Você já sabe que cursar a faculdade de direito não é simplesmente ir lá. É uma coisa que realmente mexe com a sua vida, em todos os níveis imagináveis. Será que você está preparado para lidar com uma infinidade de livros, materiais, datas e tarefas, além de anotações, provas, objetivos pessoais e a organização dos seus sonhos? David Allen o ajuda a lidar com questões de organização pessoal ou, mais precisamente, como cuidar para que tudo o que você precisa fazer seja, realmente, feito.

Um trecho do livro: “Pelo menos uma porção da sua mente é realmente meio estúpida, de uma forma interessante. Sim, porque se tivesse qualquer inteligência inata, ela só o lembraria das coisas que você precisa fazer na hora que você pudesse agir em relação a elas.”

3 – “A Arte da Guerra” (Sun Tzu)
Em primeiro lugar, sejamos a favor da PAZ! Vamos dizer não à guerra, pois o que precisamos é de uma vida mais digna, sem violência, sem destruição. Agora, em termos de conhecimento estratégico, preparo e postura diante de situações difíceis, você não vai querer se colocar como vítima ou uma mera peça a ser descartada pela força implacável de conjunturas turbulentas. Por isso, compre um exemplar de “A Arte da Guerra” e estude-o. Há muitas lições e uma profunda filosofia nas palavras do livro.

4 – “Teoria Geral do Processo” (Cintra, Grinover e Dinamarco)
Um livrinho que vai te ajudar muito, especialmente no início da faculdade. Foi um dos meus livros preferidos na faculdade, e possibilitou que eu tivesse uma noção muito mais precisa de todo o funcionamento da Justiça, e não apenas do processo judicial. Fala, entre outras coisas interessantes, sobre a organização judiciária, incluindo, claro, as funções do STJ e do STF, e ainda sobre serviços auxiliares da Justiça, Ministério Público, advogados públicos e particulares e muito mais. Recomendo que você faça uma primeira leitura corrente e integral, sem muita preocupação em memorizar, mas sim em tomar conhecimento do conteúdo do livro. Tenho certeza de que, depois disso, você terá uma sensação de up na sua “auto-estima jurídica”.

Um trecho do livro: “No atual estágio dos conhecimentos científicos sobre o direito, é predominante o entendimento de que não há (mais…)

British Airways cria lista com os livros mais esquecidos a bordo

0

livros

Daniela Majori, no Segs

Um levantamento realizado pela British Airways revelou que, a cada ano, cerca de 500 livros e 1.400 kindles são esquecidos a bordo dos vôos da companhia. Entre eles, a Bíblia Sagrada representa 6% dos livros deixados para trás.

Na preferência dos viajantes, romances são o tipo mais comum encontrado nos vôos (22%), seguido de thrillers policiais, didáticos, guias de viagens, não-ficção, negócios e economia. Entre as biografias mais populares estão a de Hillary Clinton, do piloto Lewis Hamilton e do jogador de tênis Roger Federer. O gênero menos encontrado a bordo, de acordo com o levantamento, é o ‘chick lit’, que inclui romances leves e divertidos.

Entre os meses de abril a julho, os títulos mais esquecidos foram:

“Game of Thrones” – George R.R. Martin

“Cinquenta Tons de Cinza” – E.L. James

“A Garota no Trem” – Paula Hawkins

“Nós” – David Nicholls

“Garota Exemplar” – Gillian Flynn

“Escolhas Difíceis” – Hillary Clinton

“O Livro Negro” – Hilary Mantel

“Shotgun Lovesongs” – Nickolas Butler
“Inteligência Social” – Daniel Goleman

“Funny Girl” – Nick Hornby

Go to Top