Canal Pavablog no Youtube

poetas

Projeto de escritor piauiense transforma histórias de pessoas comuns em poesia

0

Ithalo Furtado idealizou o projeto em Poço de Caldas, Minas Gerais. — Foto: Isabela Quebradas

Ithalo Furtado é de Parnaíba e lançou o projeto ‘Escuto histórias, escrevo poemas’. Autor pretende viajar por capitais para levar o projeto para todas as regiões do Brasil.

José Marcelo e Andrê Nascimento, no G1

Sentado em uma praça, diante de uma cadeira vazia, o escritor piauiense Ithalo Furtado faz um convite inusitado às pessoas que caminham pelas cidades: que sentem com ele e contem sua história, para que o autor as transforme em poemas. Natural de Parnaíba, no litoral do Piauí, Ithalo planeja viajar pelo Brasil levando seu projeto de transcrever vidas em versos.

Neste 7 de janeiro, em que se comemora o Dia do Leitor, o G1 conversou com o autor, que contou que se inspirou na artista paulistana Ana Teixeira, que ficou famosa ao tricotar em praças enquanto convidava as pessoas a lhe contarem suas histórias de amor. “Esse projeto dela me inspirou a ouvir pessoas e fazer poemas sobre o que me contam, até porque todo mundo tem uma história pra contar”, disse o poeta.

“Elas vêm como uma oportunidade de desabafar, de serem ouvidas”, disse o autor — Foto: Isabela Quebradas

Ithalo já transformou histórias em poemas nas cidades de Manaus, no Amazonas, Poços de Caldas, em Minas Gerais. No Piauí, o poeta passou por Parnaíba e Teresina. Nestas experiências, ele conta que ouviu histórias familiares, aventuras amorosas, segredos guardados há anos por pessoas que decidem expor ali mesmo, diante dele.

“É algo muito forte, ouvir as pessoas contando seus segredos para você, em praça pública. Elas vêm como uma oportunidade de desabafar, de serem ouvidas. Algumas pessoas só pedem para me dar um abraço. É uma intervenção que mexe com o ambiente todo, por que as pessoas ficam imaginando o que vai acontecer ali”, disse.

Ithalo Furtado escutando histórias no Parque da Cidadania, em Teresina — Foto: Ícaro Uther

Ithalo conta que há quem chegue com histórias de luta, como a da mulher que procurou pela mãe durante anos nas ruas de São Luís mas acabou encontrando um grande amor, até contos divertidos como o do casal que se encontrou em três forrós diferentes em Teresina. “No terceiro encontro, começaram a namorar”, relembra o escritor. Depois de contar sua história, cada participante recebe seu poema e leva para casa. “Alguns falam que vão emoldurar”.

Agora, o projeto do autor é viajar por treze estados brasileiros visitando praças e registrando as histórias que escutar em poemas. Os melhores textos desenvolvidos durante serão reunidos em um livro. Para isso ele lançou uma campanha de financiamento coletivo e pretende pegar a estrada em abril de 2019.

Ao final das histórias, cada participante levou seu poema para casa. “Alguns falam que vão emoldurar”, disse o escritor piauiense. — Foto: Isabela Quebradas

Além dos textos, a publicação contará ainda com o trabalho de fotógrafos de cada local visitado. “Contratarei um fotógrafo da cidade para fotografar a intervenção. É uma maneira de valorizar também a arte nativa de outras pessoas”, disse.

Autor de três livros, Ithalo tem experiência em misturar a literatura com outras artes. “Eu acredito na literatura que transcende o livro enquanto objeto artístico e cria um ambiente transmídia, sugerindo novas possibilidades para as histórias em música, audiovisual e fotografia”, disse.

10 poemas de amor para receitar e rolar sem moderação

0

publiucado no Bula

Pode ser que ele a surpreenda com um colar de estrelas cadentes caídas direto do céu da sua boca. Pode ser que ela fique louca com um anel de dias antes, um artefato simples e ordinário, feito de plástico, que ele descobriu por acaso, futricando dentro, garimpando no fundo de um saco de balas, feito um menino. O afeto disfarça-se nos detalhes, de acordo com o universo feminino. Pode ser que beijos doces redimam um homem amargo que desaprendeu com o tempo a dizer Eu te amo. São coisas que acontecem. A vida é dura. O amor amolece. Pode ser que ela banque pacotes completos para viajarem na fantasia, com tudo incluso, inclusive planos para um futuro breve e leves poemas para serem digeridos após se cometer loucuras a dois. Contra as iniquidades do mundo, a união faz a força. Pode ser que ele ouse na culinária, cozinhe, tempere de maneira extraordinária, a seu gosto, aquele prato predileto, e a convide, sem rodeios, direto, para jantarem fora, no jardim de casa, nus, hilários, criativos por causa e consequência do vinho, competindo brancuras com o luar. Pode ser que a velha chama reacenda — com o combustível dos vagalumes — corações em estado de latência. Pode ser que a ciência confirme, para o desagravo dos poetas por opção, que amar faça bem à saúde dos que se afeiçoaram à solidão.

Book pages in the shape of a heart

Book pages in the shape of a heart

*Por ocasião do Dia dos Namorados, a Revista Bula conclama os seus leitores a presentear com poesia os ouvidos de quem se ama. Pode parecer démodé — e deve ser — , mesmo assim, seguem 10 dos melhores poemas de amor de todos os tempos para recitar e rolar sem moderação.

Amor é fogo que arde sem se ver
(Luís Vaz de Camões)

Amor é um fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói, e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer.

É um não querer mais que bem querer;
É um andar solitário entre a gente;
É nunca contentar-se e contente;
É um cuidar que ganha em se perder;

É querer estar preso por vontade;
É servir a quem vence, o vencedor;
É ter com quem nos mata, lealdade.

Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade,
Se tão contrário a si é o mesmo Amor?

(mais…)

Os 10 melhores poemas brasileiros de todos os tempos

0

publicado no Revista Bula

Pedimos aos leitores e colaboradores que apontassem os poemas mais significativos de autores brasileiros em todos os tempos, independentemente de gêneros ou correntes literárias a que pertenceram. Mais de 170 poemas foram indicados, mas, destes, apenas 24 tiveram mais de cinco citações. São eles: “A Máquina do Mundo”, “Procura da Poesia”, “Áporo” e “Flor e a Náusea”, de Carlos Drummond de Andrade; “O Cão Sem Plumas”, “Tecendo a Manhã” e “Uma Faca Só Lâmina”, de João Cabral de Melo Neto; “Invenção de Orfeu”, de Jorge de Lima; “O Inferno de Wall Street”, de Sousândrade; “Marília de Dirceu”, de Tomás Antônio Gonzaga; “Cobra Norato”, de Raul Bopp; “O Romanceiro da Inconfidência”, de Cecília Meireles; “Vozes d’África”, de Castro Alves; “Vou-me Embora pra Pasárgada” e “O Cacto”, de Manuel Bandeira; “Poema Sujo” e “Uma Fotografia Aérea”, de Ferreira Gullar; “Via Láctea” e “De Volta do Baile”, de Olavo Bilac; “Canção do Exílio”, de Gonçalves Dias; “As Cismas do Destino” e “Versos Íntimos”, de Augusto dos Anjos; “As Pombas”, de Raimundo Correia; “Soneto da Fidelidade”, de Vinícius de Moraes.

Ferreira-Gullar

Listas são sempre incompletas, idiossincráticas. Sabe-se que, como a percepção, a opinião — que é base da maioria das listas —, é algo individual. De qualquer forma, os dez poemas selecionados, se não são unanimidades entre os participantes da enquete (e possivelmente não serão entre os leitores), são referências incontestes de alguns dos momentos mais marcantes da história poesia brasileira. O resultado não pretende ser abrangente ou definitivo e corresponde apenas à opinião das pessoas consultadas. Por motivo de direitos autorais, alguns poemas tiveram apenas trechos publicados.

(mais…)

Ler poesia é mais útil para o cérebro que livros de autoajuda, dizem cientistas

0
William Shakespeare

William Shakespeare

 

Você já podia imaginar, mas agora está evidenciado cientificamente: ler poesia pode ser mais eficaz em tratamentos psicológicos do que livros de autoajuda. E mais: textos de escritores clássicos como Shakespeare, Fernando Pessoa, William Wordsworth e T.S. Eliot, mesmo quando de difícil compreensão, estimulam a atividade cerebral de modo muito mais profundo e duradouro do que textos mais simples e coloquiais.

Marcelo Vinicius, no Obvious

Um texto já publicado pela agência EFE, mas que poderia ser revisto, afinal estamos comentando sobre a velha história da análise crítica sobre Literatura tida como de qualidade e a Literatura tida como de entretenimento, e mais, auto-ajuda: a leitura de obras clássicas estimula a atividade cerebral e ainda pode ajudar pessoas com problemas emocionais, diz estudo.

Ler autores clássicos, como Shakespeare, Fernando Pessoa, William Wordsworth e T.S. Eliot, estimula a mente e a poesia pode ser mais eficaz em tratamentos do que os livros de autoajuda, segundo um estudo da Universidade de Liverpool.

2203_jpg_280x450_q85

Especialistas em ciência, psicologia e literatura inglesa da universidade monitoraram a atividade cerebral de 30 voluntários que leram primeiro trechos de textos clássicos e depois essas mesmas passagens traduzidas para a “linguagem coloquial”.

Os resultados da pesquisa, antecipados pelo jornal britânico “Daily Telegraph”, mostram que a atividade do cérebro “dispara” quando o leitor encontra palavras incomuns ou frases com uma estrutura semântica complexa, mas não reage quando esse mesmo conteúdo se expressa com fórmulas de uso cotidiano.

Esses estímulos se mantêm durante um tempo, potencializando a atenção do indivíduo, segundo o estudo, que utilizou textos de autores ingleses como Henry Vaughan, John Donne, Elizabeth Barrett Browning e Philip Larkin.

Os especialistas descobriram que a poesia “é mais útil que os livros de autoajuda”, já que afeta o lado direito do cérebro, onde são armazenadas as lembranças autobiográficas, e ajuda a refletir sobre eles e entendê-los desde outra perspectiva.

“A poesia não é só uma questão de estilo. A descrição profunda de experiências acrescenta elementos emocionais e biográficos ao conhecimento cognitivo que já possuímos de nossas lembranças”, explica o professor David, encarregado de apresentar o estudo.

Após o descobrimento, os especialistas buscam agora compreender como afetaram a atividade cerebral as contínuas revisões de alguns clássicos da literatura para adaptá-los à linguagem atual, caso das obras de Charles Dickens.

Os 10 melhores poemas de Vinicius de Moraes

0

vinicius-610x350

Carlos Willian leite, na Revista Bula

 

Pedimos aos leitores, colaboradores, seguidores do Twitter e Facebook — escritores, jornalistas, publicitários, professores — que apontassem os poemas mais significativos de Vinicius de Moraes. Considerado um dos mais importantes nomes da poesia e da música nacionais, Vinicius de Moraes deixou uma obra vasta, passando pela literatura, teatro, cinema e música. No gênero musical, Vinicius teve como principais parceiros um seletíssimo grupo, que incluía entre outros, Tom Jobim, Toquinho, Baden Powell, João Gilberto, Chico Buarque e Carlos Lyra.

Do encontro entre Vinicius e Jobim nasceu uma das mais fecundas parcerias da história da música mundial, marcada por clássicos como “Se Todos Fossem Iguais a Você”, “A Felicidade”, “Chega de Saudade”, “Eu Sei que Vou te Amar”, “Garota de Ipanema” e “Insensatez”.

Na literatura e no teatro Vinicius de Moraes deixou obras-primas, com destaque para a peça teatral “Orfeu da Conceição”, escrita em 1954, baseada no drama da mitologia grega Orfeu e Eurídice. A peça foi transformada no filme “Orfeu Negro”, em 1959, pelo diretor francês Marcel Camus, alcançando repercussão mundial e conquistando a Palma de Ouro no Festival Cannes e o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. Na literatura, foram mais de 10 livros, com destaque para “Forma e Exegese”, “Cinco Elegias” e “Poemas, Sonetos e Baladas”, também conhecido como “O Encontro do Cotidiano”, publicado em 1946, que traz o poema “Soneto de Fidelidade”, que posteriormente seria declamado junto com a música “Eu Sei que Vou Te Amar”.

Sobre o poeta Vinicius de Moraes escreveu Carlos Drummond de Andrade: “Vinicius é o único poeta brasileiro que ousou viver sob o signo da paixão. Quer dizer, da poesia em estado natural. Eu queria ter sido Vinicius de Moraes”.

Vinicius de Moraes nasceu no Rio de Janeiro em 19 de outubro de 1913, e morreu na madrugada de 9 de julho de 1980, aos 67 anos, devido a problemas decorrentes de uma isquemia cerebral.

Os poemas selecionados foram publicados nos livros “Cinco Elegias”, “Poemas, Sonetos e Baladas”, “Novos Poemas”, “Novos Poemas (II)” “Pátria Minha”, Livro de Sonetos” e “Antologia Poética”.

Soneto de Fidelidade

De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.

Pátria Minha

A minha pátria é como se não fosse, é íntima
Doçura e vontade de chorar; uma criança dormindo
É minha pátria. Por isso, no exílio
Assistindo dormir meu filho
Choro de saudades de minha pátria.

Se me perguntarem o que é a minha pátria direi:
Não sei. De fato, não sei
Como, por que e quando a minha pátria
Mas sei que a minha pátria é a luz, o sal e a água
Que elaboram e liquefazem a minha mágoa
Em longas lágrimas amargas.

Vontade de beijar os olhos de minha pátria
De niná-la, de passar-lhe a mão pelos cabelos…
Vontade de mudar as cores do vestido (auriverde!) tão feias
De minha pátria, de minha pátria sem sapatos
E sem meias pátria minha
Tão pobrinha!

Porque te amo tanto, pátria minha, eu que não tenho
Pátria, eu semente que nasci do vento
Eu que não vou e não venho, eu que permaneço
Em contato com a dor do tempo, eu elemento
De ligação entre a ação e o pensamento
Eu fio invisível no espaço de todo adeus
Eu, o sem Deus!

Tenho-te no entanto em mim como um gemido
De flor; tenho-te como um amor morrido
A quem se jurou; tenho-te como uma fé
Sem dogma; tenho-te em tudo em que não me sinto a jeito
Nesta sala estrangeira com lareira
E sem pé-direito.

Ah, pátria minha, lembra-me uma noite no Maine, Nova Inglaterra
Quando tudo passou a ser infinito e nada terra
E eu vi alfa e beta de Centauro escalarem o monte até o céu
Muitos me surpreenderam parado no campo sem luz
À espera de ver surgir a Cruz do Sul
Que eu sabia, mas amanheceu…

Fonte de mel, bicho triste, pátria minha
Amada, idolatrada, salve, salve!
Que mais doce esperança acorrentada
O não poder dizer-te: aguarda…
Não tardo!

Quero rever-te, pátria minha, e para
Rever-te me esqueci de tudo
Fui cego, estropiado, surdo, mudo
Vi minha humilde morte cara a cara
Rasguei poemas, mulheres, horizontes
Fiquei simples, sem fontes.

Pátria minha… A minha pátria não é florão, nem ostenta
Lábaro não; a minha pátria é desolação
De caminhos, a minha pátria é terra sedenta
E praia branca; a minha pátria é o grande rio secular
Que bebe nuvem, come terra
E urina mar.

Mais do que a mais garrida a minha pátria tem
Uma quentura, um querer bem, um bem
Um libertas quae sera tamem
Que um dia traduzi num exame escrito:
“Liberta que serás também”
E repito!

Ponho no vento o ouvido e escuto a brisa
Que brinca em teus cabelos e te alisa
Pátria minha, e perfuma o teu chão…
Que vontade de adormecer-me
Entre teus doces montes, pátria minha
Atento à fome em tuas entranhas
E ao batuque em teu coração.

Não te direi o nome, pátria minha
Teu nome é pátria amada, é patriazinha
Não rima com mãe gentil
Vives em mim como uma filha, que és
Uma ilha de ternura: a Ilha
Brasil, talvez.

Agora chamarei a amiga cotovia
E pedirei que peça ao rouxinol do dia
Que peça ao sabiá
Para levar-te presto este avigrama:
“Pátria minha, saudades de quem te ama…
Vinicius de Moraes.”

Poema de Natal

Para isso fomos feitos:
Para lembrar e ser lembrados
Para chorar e fazer chorar
Para enterrar os nossos mortos —
Por isso temos braços longos para os adeuses
Mãos para colher o que foi dado
Dedos para cavar a terra.
Assim será nossa vida:
Uma tarde sempre a esquecer
Uma estrela a se apagar na treva
Um caminho entre dois túmulos —
Por isso precisamos velar
Falar baixo, pisar leve, ver
A noite dormir em silêncio.
Não há muito o que dizer:
Uma canção sobre um berço
Um verso, talvez de amor
Uma prece por quem se vai —
Mas que essa hora não esqueça
E por ela os nossos corações
Se deixem, graves e simples.
Pois para isso fomos feitos:
Para a esperança no milagre
Para a participação da poesia
Para ver a face da morte —
De repente nunca mais esperaremos…
Hoje a noite é jovem; da morte, apenas
Nascemos, imensamente.

Soneto de Contrição

Eu te amo, Maria, eu te amo tanto
Que o meu peito me dói como em doença
E quanto mais me seja a dor intensa
Mais cresce na minha alma teu encanto.

Como a criança que vagueia o canto
Ante o mistério da amplidão suspensa
Meu coração é um vago de acalanto
Berçando versos de saudade imensa.

Não é maior o coração (mais…)

Go to Top