Escola E3

Posts tagged 17 Bienal do livro do Rio

BIENAL DO LIVRO: 10 coisas para não fazer

1

Soluções para não falhar na missão e ter a Bienal que você sempre quis! 🙂

Via Mudando de Assunto

 

17ª Bienal do Livro Rio anuncia a programação cultural

0

Bienal

Publicado no Jornal do Brasil

A 17ª Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro, que acontece entre 3 e 13 de setembro de 2015, no Riocentro, anunciou nesta terça, 4 de agosto, sua programação cultural. O encontro aconteceu no Consulado da Argentina, país homenageado, e revelou um recorde duplo no que diz respeito aos convidados: são mais de 200 autores de diversos estilos, entre eles 27 estrangeiros. Como maior evento literário do país, a Bienal vai promover uma festa do livro – aproximando escritores, editores, livreiros, professores, estudantes e leitores de todas as idades e perfis.

O cônsul-geral da Argentina, Marcelo Bertoldi, abriu a apresentação destacando a importância de receber esta homenagem no ano em que o Rio completa 450 anos. “A Argentina é um país de variedades e contrastes, com uma cultura rica e apaixonada, que vem tendo um reconhecimento sem precedentes no Brasil. A Bienal é uma oportunidade para estreitarmos ainda mais essa relação”, disse.

Marcos da Veiga Pereira, presidente do SNEL (Sindicato Nacional dos Editores de Livros), que promove a Bienal ao lado da Fagga l GL events Exhibitions, falou em seguida. Ele ressaltou a missão da Bienal em se renovar ano a ano sem perder a essência, lembrando ainda a importância do evento para a cidade. “O Rio de Janeiro literalmente se enfeita de Bienal do Livro a cada dois anos”, disse.

Gonzalo Entenza, do Ministério das Relações Exteriores argentino, anunciou as atrações do país na Bienal. “Procuramos encontrar a maior diversidade possível entre os escritores selecionados”, afirmou. São eles: Martín Kohan (Segundos fora), Tamara Kamenszain (O gueto/ O eco da minha mãe), Eduardo Sacheri (O segredo dos seus olhos), Claudia Piñeiro (As viúvas das quintas-feiras), Mariana Enríquez (As coisas que perdemos no fogo), Mempo Giardinelli (O décimo inferno), María Moreno (Teoría de la noche), Sergio Olguín (La fragilidad de los cuerpos), o cartunista Tute (Batu 1), Diana Bellessi (Pasos de baile), Noé Jitrik (Historia critica de la literatura argentina), Inés Garland (Una reina perfecta), Silvia Schujer (Hugo tiene hambre) e Luciano Saracino (a graphic novel Jim Morrison: o Rei Lagarto).

Já o estande da Argentina fará referência ao conto “A biblioteca de Babel”, de Jorge Luis Borges, montado em forma de labirinto e com o chão coberto de hexágonos. Haverá ainda uma mostra de manuscritos de grandes autores argentinos.

Nomes confirmados para a programação cultural

O melhor da produção brasileira contemporânea estará representado em toda a sua variedade: ficção, poesia, ensaios, biografias, fantasia, história, política, negócios, comportamento, moda, música, sociedade, humor, quadrinhos, clássicos infantis, educação e muito mais. Entre os nomes estão Alberto Mussa, Antonio Prata, Ferreira Gullar, Gregório Duvivier, Gustavo Cerbasi, Ignácio Loyola Brandão, Laurentino Gomes, Marcelo Rubens Paiva, Mary del Priore, Paula Pimenta, Pedro Gabriel, Ruy Castro, Thalita Rebouças e muitos outros.

No que diz respeito aos internacionais, no sábado, 5, a Bienal recebe David Nicholls (Um Dia), Julia Quinn (Os Bridgertons) e Leigh Bardugo (Grisha). Raymond E. Feist (O Mago), Colleen Hoover (Hopeless) e Jeff Kinney (Diário de um banana) se apresentam no domingo (6). Já Joseph Delaney (As Aventuras do Caça-Feitiço) conversa com o público na segunda (7). Três escritoras vão se revezar entre as sessões do dia 12 – Anna Todd (After), Colleen Houck (A Maldição do Tigre) e Sophie Kinsella (Becky Bloom) –, enquanto o Café Literário recebe Jacques Leenhardt, organizador de uma edição especial de Viagem pitoresca e histórica ao Brasil, de Debret. Em 13 de setembro, Josh Malerman fala sobre seu Caixa de Pássaros. Completa o time Pedro Chagas Freitas, fenômeno de vendas em Portugal, que lança Prometo falhar.

Café Literário

Entre os espaços da programação oficial, o sempre concorrido Café Literário permanece com seus debates dedicados a todos os aspectos da cultura. Rodrigo Lacerda, escritor e editor, estreia como curador e, entre muitos outros temas, vai colocar em pauta as relações do Rio de Janeiro com as letras – será uma das homenagens da Bienal aos 450 anos da cidade.

Os assuntos abordados serão os mais variados. “O mundo literário gira em torno da nossa realidade”, disse Rodrigo. O espaço, que nessa edição terá uma área especial para autógrafos, vai celebrar grandes autores – de Mario de Andrade a João Ubaldo Ribeiro – e colocar em pauta temas atuais como a polêmica das biografias e a crise econômica, entre outros.

Bamboleio

No inédito Bamboleio, as crianças vão participar com suas famílias de jogos literários e brincadeiras que envolvem as culturas de todos os países – aprendendo, assim, a importância de conviver com as diferenças. Nesse sentido, os Jogos Olímpicos funcionam como inspiração: os aros coloridos se transformam em bambolês que, além de movimentar corpo e mente, servem de pontes para o imaginário e o universo mágico das primeiras leituras. As atividades, sempre interativas, incluem biblioteca, cabines de leitura, trava-línguas e outras surpresas multimídia.

A concepção e a curadoria do espaço são do escritor e historiador João Alegria, diretor do Canal Futura, que define o Bamboleio como “um espaço lúdico das ideias”. “O nome vem de ‘bambolê’, que remete ao aro olímpico e é a representação ideal para o espaço: precisamos de jogo de cintura para conviver com a diversidade”, completou.

Cubovoxes

Já o Cubovoxes será uma atividade dinâmica que vai conectar, incluir e compartilhar tendências de pensamento e as manifestações culturais do momento em uma arena na qual adolescentes e jovens adultos serão convidados a bate-papos com personalidades do (mais…)

Go to Top