Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged 5 anos

Cresce o número de crianças de 4 a 5 anos matriculadas nas escolas brasileiras, diz estudo

0

thinkstockphotos-473466588

Publicado em Crescer

O número de crianças de 4 a 5 anos matriculadas na pré-escola aumentou de 72,5% para 89,5%, entre 2005 e 2014, segundo levantamento feito pelo Movimento Todos pela Educação. O estudo tem como base dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada anualmente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em números absolutos, isso significa dizer que, em 2005, havia 4,8 milhões de crianças de 4 a 5 anos na escola, número que passou para 4,9 milhões, em 2014. Considerando todos os grupos em idade escolar (4 a 5, 6 a 14, 15 a 17 anos), esta foi a faixa etária que registrou o maior aumento.

“Há evidência de que as crianças que frequentam uma educação infantil de qualidade têm um percurso escolar com mais aprendizagem e uma vida adulta com muito mais oportunidades. Investir nas crianças, portanto, é a melhor estratégia para superarmos a desigualdade, que é ainda muito alta e persistente no país”, diz Priscila Cruz, presidente-executiva do Todos pela Educação.

Rondônia registra maior diferença

O estado que teve um aumento mais significativo foi Rondônia. Em 2005 47,2% de crianças desta faixa etária estavam na escola. Em 2014, a porcentagem quase dobrou e chegou a 83,8%.

O Rio Grande do Sul aparece em segundo lugar (com um aumento de 46,7% para 80,1%), seguido pelo Mato Grosso (59% para 84,1%), Mato Grosso do Sul (64,1% para 88,8%), Acre (50,3% para 73,4%) e Paraná (64,4% para 87,5%). Em São Paulo, no mesmo período, o percentual de crianças de 4 a 5 anos na pré-escola passou de 78,4% para 93,1%, enquanto no Rio de Janeiro foi de 80,6% para 90,4%.

O Movimento

Ainda de acordo com o levantamento, em 2005, 5 milhões de crianças e jovens entre 4 e 17 anos estavam fora da escola. Em 2014, de um total de 44,3 milhões de pessoas nessa faixa etária, 2,8 milhões não estavam matriculados.

O movimento Todos pela Educação foi fundado em 2006, quando definiu 5 metas para serem alcançadas até 2022, ano em que o Brasil completa 200 anos de independência. O levantamento tem como objetivo acompanhar a evolução da primeira destas metas, que são as seguintes:

1 – Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola
2 – Toda criança plenamente alfabetizada até os 8 anos
3 – Todo aluno com aprendizado adequado ao seu ano
4 – Todo jovem de 19 anos com ensino médio concluído
5 – Investimento em educação ampliado e bem gerido

Pré-escola é importante, mas faltam vagas na rede pública

0

preescola
Maria Torkania, em UOL

O Centro de Educação Infantil (CEI) do Núcleo Bandeirante tem um espaço que reúne jogos, brinquedos e até uma arara com fantasias para ajudar as crianças a ser quem quiserem. Na sexta-feira (28), Carlos Eduardo, de 5 anos, escolheu ser o Batman.

Localizada no Núcleo Bandeirante, região administrativa do Distrito Federal (DF) a cerca de 13 quilômetros de Brasília, a escola atende crianças de 4 e 5 anos em dois turnos. A proposta do CEI é que, em um ambiente de brincadeiras, os alunos desenvolvam a linguagem oral e a corporal, a matemática, a socialização e outras competências.

“Muitas vezes, o pai pergunta se a criança vai sair daqui lendo. Não é esse o foco da educação infantil. Tem criança que sai daqui lendo e escrevendo, mas nosso objetivo é trabalhar a socialização, a questão dos valores, da escuta sensível aos alunos. Nosso projeto é: Criança não é gente grande”, diz a diretora da escola, Ana Paula Gomes.

A professora Rebeca Breder afirma que o impacto da educação infantil é percebido principalmente na autonomia dos alunos. “As crianças saem percebendo os direitos e deveres que têm e sabendo respeitar os demais. Essa parte social é a mais importante.”

No entanto, a oferta de vagas no ensino infantil fica aquém da demanda em todo o país. No Núcleo Bandeirante, o CEI recebe também crianças de quatro áreas próximas. “Todos os dias tem uma pessoa solicitando vaga. Precisamos de mais escolas”, afirma Ana Paula.

A pré-escola, voltada para crianças de 4 e 5 anos passará a ser obrigatória no ano que vem e o Brasil terá que atender a todas as crianças que estão fora da escola. Ao todo são 790 mil. No Distrito Federal (DF), são 18,5 mil sem vaga, que equivalem a 23,4% do total da população nessa faixa etária.

Doméstica busca vaga para caçula

A doméstica Adelina Gomes da Silva sabe o que é não conseguir uma vaga. O filho mais novo, João Pedro, hoje com 5 anos, passou o ano passado inteiro sem estudar, porque as escolas não tinham vaga. Este ano, João está em uma escola particular, graças à ajuda da chefe de Adelina.

Adelina, que trabalha em turno integral quatro vezes por semana, diz que tem que pagar alguém para ficar com o filho na parte da manhã, já que ele estuda apenas à tarde. “Se ele passasse o dia na escola, seria bem melhor, me ajudaria muito”, diz a doméstica. “Para o próximo ano, vou correr atrás de novo. Pesa muito pagar uma particular.”

Ela mora em Planaltina, a 43 quilômetros de Brasília. Na região, está a maior demanda no primeiro período, para crianças com 4 anos – cerca de 1,5 mil nesta faixa etária não foram atendidas na rede pública ou conveniada este ano, informa a Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal.

De acordo com o subsecretário de Planejamento, Acompanhamento e Avaliação Educacional da Secretaria de Educação, Fábio Pereira de Sousa, o governo do Distrito Federal pretende, até o final de 2016, universalizar o acesso à pré-escola. “Vamos implantar novas turmas em escolas que estão com salas ociosas e ampliar parcerias com entidades filantrópicas e conveniadas”, adianta Sousa.

De porta em porta pelo Brasil

0

Projeto Poesia Viva – A Poesia Bate a Sua Porta completa cinco anos e comemora 31 mil livros distribuídos pelo país

Abrangência. A criadora do projeto, Andreia Donadon Leal, durante entrega de exemplares em Serra do Carmo, um distrito de Mariana

Abrangência. A criadora do projeto, Andreia Donadon Leal, durante entrega de exemplares em Serra do Carmo, um distrito de Mariana

Vinícius Lacerda em O Tempo

A inquietude causada pelo excesso de livros guardados em casa e a vontade de estimular a leitura na cidade de Mariana encorajaram a escritora e artista plástica Andreia Leal a começar, ainda em 2009, o projeto Poesia Viva – A Poesia Bate à Sua Porta, que leva obras literárias a variadas residências familiares da cidade.

“Depois que me casei com J.B. Donadon-Leal (escritor e professor da Universidade Federal de Ouro Preto), vi que ele tinha muitos livros parados em casa. Eu achava aquilo um absurdo: todas aquelas obras envelhecendo, sendo que outras pessoas poderiam estar lendo. Daí resolvi distribuir”, conta Andreia.

Não por acaso, a primeira beneficiada foi a vizinha de Andreia. Em seguida, ela passou a caminhar até outros bairros da cidade histórica para levar os livros, e mais tarde a outras cidades, como Santa Bárbara, Ouro Preto e Viçosa.

Não tardou para que o projeto tomasse forma e ficasse nacionalmente conhecido. No mesmo ano de sua criação, recebeu o Prêmio VivaLeitura, concedido pelo Ministério da Cultura. “Na época, quando o ministro Juca Ferreira estava fazendo o discurso para anunciar o vencedor, ele disse que o ministério atuava em duas linhas para estimular a leitura: bibliotecas e escolas. Em seguida ele completou, afirmando que faltava uma terceira: a família. Quando ele disse isso, tive certeza que tínhamos vencido”, recorda-se.

O motivo da convicção ao ouvir o anúncio vem de um dos alicerces do projeto. Ao distribuir os livros, que reúnem doações variadas e obras de sua autoria, Andreia não apenas os entrega, mas faz questão de conversar com todos os moradores da casa. “Com o tempo, percebemos que, ao abordar uma família, conseguimos atingir outras duas ou três, pois elas passam os livros adiante”, relata.

Com relação ao estímulo, Andreia garante que o projeto atinge pessoas de todas as idades e atribui esse alcance às conversas estabelecidas com cada participante do projeto. “Eu sempre falo que não precisa ler um livro todo de imediato. Leia um conto todo dia ou de três em três dias, do jeito que achar melhor. O importante é inserir isso na rotina, assim como tratamos o trabalho e a resolução de problemas. Mas é preciso que o livro esteja lá, e, por isso o projeto é importante”, sublinha. “E não importa se a pessoa é alfabetizada ou não, o contato com o livro vai além disso”.

Ainda sobre o fomento à leitura, Andreia enxerga que o ineditismo do projeto está no fato de reverter uma ordem há muito estabelecida. “Temos como objetivo desmitificar a figura do escritor e fazemos isso, acredito, ao percorrer um caminho contrário: em vez de o leitor ir em busca do livro, o escritor leva o livro até o leitor. Quanto o próprio autor bate na porta e conversa com você, o incentivo é bem maior”, afirma.

Obstinação. Desde o seu surgimento, o Poesia Viva cresceu. Atualmente, a artista computa 31 mil livros distribuídos por 17 cidades do interior de Minas Gerais, incluindo comunidades quilombolas, e por outros 13 Estados, como Rio de Janeiro, São Paulo, Espírito Santo, Santa Catarina e Distrito Federal. Também começaram a entregar em empresas. “Tudo começou com uma mineradora cujos funcionários estavam muito estressados. Nós levamos os livros até lá e, agora, na hora do almoço, eles leem”, relata.

Desde a origem da iniciativa, Andreia faz esse trabalho apenas com o suporte da Prefeitura Municipal de Mariana. Para a distribuição local, ela sempre conta com a ajuda de voluntários.

“Nunca tivemos nenhum patrocínio. O dinheiro que ganhamos em 2009 (R$ 30 mil) serviu para imprimir livros de escritores locais, que foram distribuídos gratuitamente. Acho que não temos sorte, mesmo com muita visibilidade. Nem espero mais por um patrocínio, já estou acostumada”, afirma, lamentando o fato de ter enviado projetos para diversos editais e leis de incentivo, mas sempre sem sucesso.

Para continuar essa empreitada, ela pondera, o combustível mais eficaz é o retorno que tem dos beneficiados. “Teve esse garoto que perdeu o pai, e a mãe começou a entrar em depressão. Depois que passamos na casa dele, eles começaram a ler juntos, a mãe melhorou, e hoje o menino até escreve poesias. Esse resultado é fantástico, e isso me faz seguir em frente”.

Aos cinco anos, menino se torna especialista em computação

0

Um menino inglês se tornou o mais jovem especialista em computação de que se tem notícia.

Ayan passou em exame de certificação da Microsoft; ele começou a aprender a operar computadores aos 3 anos.

Ayan passou em exame de certificação da Microsoft; ele começou a aprender a operar computadores aos 3 anos.

Gurvinder Gill, na BBC

Ayan Qureshi foi certificado como profissional pela empresa Microsoft, após passar em um teste de habilidades a que se submeteu aos cinco anos de idade.

O menino, que agora tem seis anos, criou sua própria rede de computadores em casa. Ele disse à BBC que achou o exame difícil, porém divertido, e espera se tornar um empreendedor na área.

Seu pai, Asim, que é consultor na área de TI (Tecnologia da Informação), disse que “o mais desafiador (ao prestar o exame) foi explicar a linguagem do teste a um menino de cinco anos”.

“Mas ele pareceu entender e tem uma memória muito boa”, afirmou.

Asim começou a ensinar computação ao filho quando este tinha três anos. Ele brincava com computadores antigos para entender conceitos como hard drive e placa-mãe.

“Qualquer coisa que eu falasse ele lembrava no dia seguinte. Então comecei a alimentá-lo com mais informação”, explicou. “O uso excessivo de computadores nessa idade pode ter um efeito negativo, mas, no caso de Ayan, ele aproveitou uma oportunidade.”

Laboratório

Ayan criou sua própria rede de computação

Ayan criou sua própria rede de computação

Ayan tem seu próprio laboratório de computação em sua casa, em Coventry (centro da Inglaterra), com uma rede de informática que ele mesmo construiu.

O menino passa cerca de duas horas por dia aprendendo sobre sistemas operacionais e como instalar programas.

Quando Ayan foi prestar o exame da Microsoft – geralmente prestado por quem quer se tornar técnico em TI -, os monitores da empresa acharam que ele era muito novo para ser um candidato. O pai assegurou-lhes que o menino ficaria bem.

A família Qureshi se mudou do Paquistão para a Inglaterra em 2009.

“Estou muito, muito orgulhosa”, disse a mãe do menino, Mamoona. “Não quero que ele bata um recorde mundial a cada dia. Mas quero que ele dê o seu melhor no que quer que faça na vida.”

Ayan contou que sonha em criar no Reino Unido uma região semelhante ao Vale do Silício americano, concentrando empresas de tecnologia, e em abrir uma empresa própria.

Garoto de 10 anos lança livro de poemas na Flip; leia entrevista

0

Publicado por Folha de S.Paulo

A literatura entrou cedo na vida de Antonio Perucello Ventura, 10. Aos seis anos, leu a “Divina Comédia”. Aos sete, “Dom Quixote”. Aos nove,”20 Mil Léguas Submarinas”. Sua lista inclui também “Frankenstein”, “Ilíada”, “Odisseia” e “O Pequeno Príncipe”. E agora o garoto lança seu próprio livro de poemas.

Toninho, que mora em Mococa e começou a escrever seus primeiros versos quando tinha cinco anos, lança no próximo sábado (2) no Off-Flip, em Paraty (RJ), seu primeiro livro de poemas: “Toninho, O Poeta A-Ventura”. O evento acontece durante a Flip (Festa Literária Internacional de Paraty), que vai de 30 de julho a 3 de agosto.

1

Divulgação / O autor do livro “Toninho, o Poeta A-ventura”, Antonio Perucello Ventura, 10.

“Sempre que lia um livro, eu me sentia parte do texto. Acho muito bom que as pessoas possam sentir o mesmo com algo escrito por mim. Estou muito feliz, ainda mais por lançar meu livro ao mesmo tempo que o novo do meu pai”, conta.

Seu pai, Antonio Ventura, que também é poeta, lança também na Flip “O Guardador de Abismos”, pela sua editora, Toopbooks. Já o livro de Toninho leva é uma edição independente, quanto o autor é responsável pela edição do livro, e será vendido por R$ 15.

O garoto calcula que tenha escrito 27 ou 28 poemas até agora. Desses, 12 estão no livro e falam sobre a lua, a chuva, as estações do ano e outros temas cotidianos.

“As poesias precisam de imagem, emoção e significado. Essas três coisas estão sempre presentes em nosso dia a dia”, justifica.

Outros temas, como mitologia, também servem de inspiração. “Escrevi um poema sobre o renascer das cinzas, por exemplo, que é o que acontece com a fênix.”

Além de escrever, Antonio toca flauta transversal e faz aulas de natação, tênis e futebol. “Também sou apaixonado por ciências, gosto de estudar os átomos, os elétrons e a origem da vida”, conta. Entre as profissões que cogita para o futuro está a de cientista, de escritor e juiz.

Poema do livro que será lançado no dia 2 de agosto em Paraty

Poema do livro que será lançado no dia 2 de agosto em Paraty

Antonio Perucello Ventura, 10, escreveu seu primeiro poema "O Autor" aos 5 anos de idade

Antonio Perucello Ventura, 10, escreveu seu primeiro poema “O Autor” aos 5 anos de idade

Antonio já leu clássicos como "Frankenstein", "Ilíada" e "Odisseia"

Antonio já leu clássicos como “Frankenstein”, “Ilíada” e “Odisseia”

Poema do livro que será lançado no dia 2 de agosto em Paraty

Poema do livro que será lançado no dia 2 de agosto em Paraty

Antonio já leu clássicos como "Frankenstein", "Ilíada" e "Odisseia"

Antonio já leu clássicos como “Frankenstein”, “Ilíada” e “Odisseia”

Antonio Perucello Ventura, 10, escreveu seu primeiro poema "O Autor" aos 5 anos de idade

Antonio Perucello Ventura, 10, escreveu seu primeiro poema “O Autor” aos 5 anos de idade

PARA CONFERIR

Lançamento do livro ‘Toninho, O Poeta A-ventura’
QUANDO 2/8, das 18h às 21h
ONDE Câmara Municipal de Paraty – r. Dr. Samuel Costa, 29, Centro Histórico, Paraty – RJ

Go to Top