Posts tagged adaptação

5 habilidades profissionais aprendidas durante a escola

0

Entenda o que você aprendeu durante o período acadêmico que é útil no ambiente profissional

habilidades-profissionais-durante-escola-noticias

Publicado em Universia Brasil

O universo acadêmico faz com que os estudantes adquiram uma série de conhecimentos e habilidades que serão úteis durante toda vida. Várias delas são desenvolvidas durante a escola e aprimoradas no universo acadêmico. Confira quais são elas a seguir:

1 – Pensamento crítico

Essa habilidade é desenvolvida durante a escola porque é o primeiro momento da vida em que os estudantes são expostos a problemas que precisam resolver. Assim, quanto mais desenvolvido o senso crítico, maior as chances de o estudante conseguir lidar bem com as situações complicadas que precisar enfrentar na vida profissional e pessoal.

2 – Agilidade e capacidade de adaptação

Independentemente do local em que a pessoa trabalhe, é importante saber se adaptar a todos os cenários que surgirem, como uma transição de cargo, por exemplo. Além disso, na escola os alunos aprendem a serem ágeis, para conseguirem terminar uma prova a tempo, por exemplo, e usam essa habilidade no momento de entregar resultados.

3 – Boa comunicação

Por mais que muitas pessoas não consigam desenvolver bem essa habilidade, as que conseguem iniciam esse processo durante a escola. As apresentações de trabalhos são os maiores exemplos de como melhorar e, no mundo corporativo, saber se comunicar bem é um grande diferencial. Além disso, a expressão escrita também é muito importante, já que, independentemente da carreira que o aluno irá seguir, precisará escrever, nem que sejam e-mails.

4 – Imaginação e curiosidade

Essas duas habilidades são muito conectadas e amplamente desenvolvidas durante a vida acadêmica. Os estudantes são instigados a buscar sempre mais conhecimento e, por isso, são estimulados a serem curiosos. A partir do contato com novas histórias, podem despertar a imaginação. Dentro do ambiente profissional, ser curioso e imaginativo são grandes diferenciais.

5 – Analisar bem informações

A maior parte das vezes que os professores pedem que os estudantes realizem algum trabalho, enfatizam a importância de não confiar em todas as informações disponíveis na internet. Assim, ao crescerem e ingressarem no mercado de trabalho, essas pessoas tendem a ser mais cautelosas e não acreditarem em todos os dados que são fornecidos a elas, dobrando o cuidado que têm com a veracidade.

‘Cidades de papel’: Para John Green e Nat Wolff, filme é tão bom quanto livro

1

Autor e ator estiveram no Brasil para lançar filme que estreia na quinta (9).
‘Ela se revelou uma excelente atriz’, diz Nat sobre modelo Cara Delevingne.

cartaz

Publicado no G1

John Green está impressionado com a popularidade que possui no Brasil. Em entrevista ao G1, o escritor americano falou que considera os leitores brasileiros entre os mais apaixonados do mundo. Ele também diz que os fãs de seu trabalho se unem para fazer coisas “incríveis” em prol de outras pessoas.

Ele esteve no Brasil para lançar “Cidades de Papel”, que estreia nesta quinta-feira (9). O filme é baseado em seu livro de 2008. Nat Wolff, que interpreta o protagonista, também veio. O ator conta que os fãs daqui são os que mais interagem com ele via Twitter.

Filme é melhor do que o livro?

Green fez um alerta aos seus leitores. Eles podem se surpreender com as mudanças no enredo do filme, quando comparado ao livro. Mas ele destaca que o “espírito de amizade” entre o protagonista e seus amigos, o fio condutor da história, segue intacto. Para ele, certas alterações fizeram o filme ser até melhor do que o livro em alguns pontos.

“Há coisas no filme que eu gosto mais. Há algumas coisas que Nat e os outros atores trouxeram para o filme que eu nunca tinha pensado”, explica Green.

Cantoria e Ângela
“Como no momento em que eles cantam. É uma das cenas mais divertidas e isso não está no livro. E a Ângela, interpretada pela Jaz Sinclair, tem uma participação muito pequena no livro. E achei sua performance tão forte… Eu realmente gostei daquele romance. Essas são duas coisas que eu gostei mais no filme. Mas eu gosto dos dois”, complementa.

John Green afirma que não sabe apontar por que seus livros se tornaram best-sellers no Brasil. “Os leitores brasileiros são muito apaixonados. E quando eles gostam de alguma coisa, gostam de compartilhar. Eles leem o livro e compartilham e contam para os amigos e familiares.”

Nat Wolff compartilha da opinião de Green. O ator e músico toca com o irmão no duo Nat & Alex Wolff e já se acostumou com a insistência de seu fã-clube brasileiro. “Recebemos milhares de tuítes, ‘venha ao Brasil, venha tocar no Brasil’. Eu sinto que há uma conexão com os brasileiros e espero voltar para fazer uma turnê”, avisa.

Nat e Alex têm uma música na trilha sonora de “Cidades de Papel”, chamada “Look Outside”. “Eu tenho a sorte de fazer parte de dois mundos que se encontram. Eu acho que uma coisa ajuda a outra porque são bem similares. E eu odeio ficar entediado. São as duas coisas que mais gosto: fazer música com o meu irmão e atuar em bons projetos.”

cidadesdepapel-natwolf-caradelevingne

Em “Cidades de Papel”, Nat vive Quentin, um adolescente com uma paixão platônica pela vizinha, Margo Roth Spiegelman, interpretada pela top model inglesa Cara Delevingne. Certa noite, Margo pede ajuda para um plano de vingança. Após várias emoções, a jovem desaparece e Quentin e seus amigos tentam encontrá-la.

Nat, que trabalha como ator há dez anos, elogia a modelo que começa a enveredar pelo mundo da interpretação. “Ela se revelou uma excelente atriz e também é uma excelente pessoa. Eu e John somos muito sortudos em conhecê-la.” John completa e afirma que ela é uma pessoa “sensível”, o que contribui para o sucesso do trabalho.

johngreen-natwolf-cidadesdepapel

Fãs de longa data x fãs novos

Após o sucesso do primeiro longa baseado em um livro seu, “A Culpa é das Estrelas”, de 2014, John Green viu o número de fãs aumentar consideravelmente.

Mesmo com um enorme número de leitores, ele nega que existam grandes rivalidades entre os fãs antigos e os que conheceram seu trabalho recentemente. Para ele, o interesse em comum destas pessoas os ajuda a construir boas coisas para a sociedade.

“Mesmo com o crescimento, ainda lembra uma comunidade, uma comunidade que pode fazer coisas importantes juntas”, garante o autor.

“Eles encontram caminhos para fazer coisas juntos, para ter projetos, como serviços comunitários, construção de casas para sem teto, angariar fundos para projetos. O que eles fazem juntos é que os realmente torna uma comunidade forte e a faz crescer. Pode parecer estranho quando cresce ao ponto de se tornar um grande fenômeno, mas também é estranho para mim também”.

John Green vem ao Brasil em julho para divulgar filme

0

Escritor será acompanhado pelo ator Nat Wolff para lançamento de ‘Cidades de Papel’

O escritor John Green atende aos fãs em Nasville, nos Estados Unidos (Rick Diamond/Getty Images/VEJA)

O escritor John Green atende aos fãs em Nasville, nos Estados Unidos (Rick Diamond/Getty Images/VEJA)

Publicado na Veja on-line

O escritor americano John Green virá ao Brasil com o ator Nat Wolff para a divulgação do filme Cidades de Papel. Este é o segundo longa baseado em um livro de Green, que no ano passado se tornou sucesso de bilheteria com a adaptação de outro best-seller, A Culpa É das Estrelas. Os dois chegam ao país no início de julho – o filme está previsto para estrear por aqui no dia 9 de julho.

Wolff, que em A Culpa interpretou Isaac, um personagem coadjuvante, agora ocupa o papel do protagonista na pele de Quentin. Na trama, o rapaz alimenta uma paixão platônica por sua vizinha Margo (Cara Delevingne). Certo dia, a jovem aparece de surpresa em sua janela e pede ajuda para realizar uma série de vinganças. Na manhã seguinte, ela desaparece, mas deixa pistas para ser encontrada. Logo, Quentin parte em seu encalço.

Além de Cidades de Papel, outros livros de Green estão previstos para serem adaptados para o cinema. São eles Quem É Você Alasca?, o primeiro escrito pelo autor, em 2005, e Deixe a Neve Cair, parceria de Green com Maureen Johnson e Lauren Myracle, que recentemente teve os direitos adquiridos pela Universal.

Spielberg dirigirá adaptação do livro “Jogador Número 1” no cinema

0

20150326145554_660_420

Publicado em Olhar Digital

Um dos livros mais geeks de todos os tempos, “Ready Player One”, lançado no Brasil como “Jogador Número 1” está chegando aos cinemas e já tem diretor definido. A obra, cheia de referências a games e à cultura pop dos anos 1980, não poderia ser chefiada por outra pessoa além de Steven Spielberg.

Segundo o site Deadline, Spielberg começará a comandar a obra assim que encerrar a adaptação do livro The BFG para o cinema, na qual trabalha atualmente.

“Ready Player One” foi escrito por Ernest Cline, e conta a história de um futuro no qual as pessoas se conectam a um mundo de realidade virtual chamado OASIS. Quando seu criador morre, as pessoas descobrem que ele deixou escondido um “easter egg”; quem encontrá-lo poderá ter acesso a toda a sua fortuna. Toda a busca por este prêmio é recheada de referências a games e à cultura pop oitentista.

Portanto, poucos diretores seriam mais habilitados a criar uma adaptação cinemática do que Spielberg, envolvido em projetos como “Indiana Jones”, “Jurassic Park”, “ET”, “Os Goonies” e “De Volta para o Futuro”. Várias das obras do diretor são citadas no livro.

Veja fotos de ‘Cidades de papel’, filme baseado no best-seller de John Green

0

Autor é o mesmo de ‘A culpa é das estrelas’; longa faturou US$ 300 milhões.
Com Natt Wolff e Cara Delevingne, nova adaptação estreia em julho.

cidades-1

Publicado no G1

O jornal “USA Today” divulgou, nesta quarta-feira (18), fotos do filme “Cidade de papel”, baseado no best-seller homônimo escrito por John Green. Ele também é autor de “A culpa é das estrelas”, filme lançado em junho do ano passado que faturou mais de US$ 300 milhões no mundo todo.

Em entrevista ao “USA Today”, Green destacou as diferenças entre as duas obras. Enquanto “A culpa é das estrelas” era um drama romântico sobre dois jovens com câncer, “Cidades de papel”, que estreia em julho de 2015, pode ser descrito como uma “dramédia romântica”.

“‘Cidades de papel’ é muito diferente de ‘A culpa é das estrelas’, de todas as formas possíveis”, afirmou Green. “Hollywood está tão acostumada a franquias. Mas, aqui, não se trata de uma série de filmes. [‘Cidades de papel’] É uma história que não tem relação [com ‘A culpa…’] e é bonita e engraçada.”

A trama que chega aos cinemas neste ano retrata, essencialmente, o amadurecimento de um adolescente. De acordo com a sinopse oficial, a história é centrada em Quentin (papel de Nat Wolff) e em sua enigmática vizinha Margo (papel da modelo britânica Cara Delevingne). A jovem gosta tanto de mistérios, que acaba se tornando um.

Depois de levar Quentin para uma noite de aventuras pela cidade, Margo desaparece, deixando para trás pistas para o amigo decifrar. A busca coloca Quentin e seus amigos em uma jornada eletrizante. Para encontrá-la, ele deve entender o verdadeiro significado de amizade e de amor.

Ao “USA Today”, John Green comentou que, em princípio, não aprovou a ideia da supermodelo britânica Cara Delevingne se encarregar de Margo. “Quando ouvi que [cara] estava fazendo testes, meio que pensei: ‘Não’. É claro que achei que fosse loucura. Mas depois vi a audição. Ela entendeu Margo de maneiras que ninguém que eu já conheci entende.”

cidades-2

cidades-3

cidades-4

Go to Top