Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Alexander

Livros que podem ajudar na preparação de candidatos a concursos públicos

0

Obras que falam de superação, disciplina e perseverança, entre outros temas, funcionam como estímulo, dizem especialistas

1

Publicado em O Globo

RIO – Superação, perseverança, como lidar com os problemas, disciplina… Essas são algumas atitudes que o mercado costuma dizer que devem ser desenvolvidas por candidatos a concursos públicos. E são alguns ensinamentos que podemos captar ao ler um bom livro. Assim, o Boa Chance resolveu unir o útil ao agradável e pedir a especialistas de diferentes áreas que sugerissem alguns títulos para nossos leitores. Confira o que eles responderam. E também a lista de filmes que foi indicada por outros especialistas esta semana.

“Endurance — A Lendária expedição de Shackleton à Antártida” (Caroline Alexander/Companhia das Letras) — “O livro conta a historia de determinação de um grupo de marinheiros náufragos, que venceram as dificuldades do Ártico, no século passado. Com certeza uma leitura que nos prende pelos fatos verídicos narrados e nos ensina muito sobre a vida. De outro lado, para os que têm em seu caminho uma prova física, ou mesmo para aqueles que veem no esporte fonte de oxigenação da mente (o que defendo) e de relaxamento (idem), a indicação certamente recai sobre o festejado livro do preparador físico Nuno Cobra, “A Semente da vitória” (Senac/São Paulo). Certamente o livro encerra a ultima pagina inaugurando uma nova fase de vida nos leitores”. (Leonardo Pereira, diretor do IOB Concursos)

“A Felicidade, desesperadamente” (André Comte-Sponville) — “Nesta obra curta, que é apenas a transcrição de uma fala do autor, o filósofo francês lembra que na palavra “esperança” subjazem espera e passividade. Por isso, segundo sua percepção, é que é necessário perder as esperanças e apropriar-se da própria história, como protagonista que não espera nada, mas que toma o destino e a história nas próprias mãos e nos próprios termos, sem esperar pela sorte. Me parece que é exatamente isso que cada candidato tem de fazer”. (Carlos Rogério Duarte, professor de português e literatura do Instituto de Desenvolvimento e Estudos de Governo -Ideg)

“A História de Minha Vida” (Hellen Keller/Ed.Antropofásica) – “Para aqueles que querem vencer dificuldades indescritíveis em sua vida para chegar onde desejam, a recomendação é a biografia de Hellen Keller que, aos cinco anos, ficou cega, surda e muda e, com uma disposição inacreditável e o auxílio de uma enfermeira conseguiu transpor os desafios para comunicar-se e construir uma vida e uma história que inspira a todos que tiveram o privilégio de conhecer seu extraordinário relato. Outra obra que aconselho a leitura é “A incrível história de Shackleton, a mais extraordinária aventura de todos os tempos”, que fala sobre a persistência e caráter de Shackleton como um homem capaz de vencer todas as adversidades e, contra todas as probabilidades, liderar conseguir salvar todos os tripulantes de uma expedição à Antártica em 1.914. (coach Sílvio Celestino)

“A arte da guerra” (Sun Tzu/Ediouro) – “Esta obra normalmente é uma indicação para aqueles que buscam motivação extra para o concurso público. Estratégias de como vencer e disciplina são ensinamentos encontrados neste livro. Outra boa indicação é “O segredo” (Rondha Byrne/Ediouro), que também traz ensinamentos válidos, como controle da mente, concentração, foco. (Orlando Stiebler, professor de atualidades do Canal dos Concursos)

“O Código da superação – Uma fascinante jornada além da conquista” (José Luiz Tejon/Editora Gente) — “Através desse material, os candidatos podem estabelecer um paralelo entre sua vida e a vida do personagem do livro, e constatar que, por pior que seja esta ou aquela situação, é possível superá-la. O livro retrata parte da história de José Luiz Tejon. Trata-se do relato de uma viagem realizada em abril de 2010 para Tel Megiddo, o Armageddon, em Israel. Aos três anos, Tejon teve seu rosto todo queimado num acidente doméstico. Até os 15, foi submetido a inúmeras cirurgias plásticas. Ele queria ser igual a todo mundo. Mas foi obrigado a aceitar a diferença. O livro enumera as reflexões de Tejon a partir de cada dia de meditação no Armageddon, sobre as 12 causas mais relevantes da alma humana e do que deve ser superado: trauma, abandono, infância, amor, competição, carreira, educação, derrota, morte, agressão, beleza e sucesso. Mesmo não sendo um livro direcionado, do ponto de vista didático, para quem faz concursos, é uma leitura estimulante, já que ensina como faz diferença o modo como lidamos com nossos problemas”. (Alberto Almeida – professor da Academia do Concurso)

“Fernão Capelo Gaivota” (Richard Bach/Editora Record) – “O livro é uma alegoria sobre a importância de se buscar propósitos mais nobres para a vida. O autor usa uma gaivota como personagem principal. Um pássaro que, diferente dos outros de sua espécie, não se preocupa apenas em conseguir comida. Este está preocupado com a beleza de seu próprio vôo, em aperfeiçoar sua técnica e executar o mais belo dos vôos. Uma metáfora sobre acreditar nos próprios sonhos e buscar o que se quer, mesmo quando tudo parece conspirar contra isso. Outra leitura que não pode faltar aos concurseiros é “A Lei do Triunfo”, de Napoleon Hiil. O autor mostra mostra, já em 1928, que estamos vivendo na era da incerteza e do desanimo e que precisamos de força em dobro e meios eficientes de luta para vencer os desafios! É sempre útil para os concurseiros descobrir e poder aplicar em suas vidas o que levou os vencedores de outras épocas, apesar de tantos obstáculos, a alcançar a vítória e a realizar os seus sonhos. Não é um livro pequeno, são 738 páginas, porém, hoje, com as técnicas eficazes de leitura dinâmica disponíveis, ler o livro vai ser o primeiro desafio a ser ultrapassado”. (Juarez Lopes, especialista em leitura dinâmica e memorização do Instituto IOM)

“Virando a própria mesa” (Ricardo Semler/Editora Rocco) – “OO livro fala sobre um jovem administrador, 28 anos, que herda uma empresa indo à falência e precisa fazer com que ela volte a ser lucrativa. Todo o processo de reestruturação do capital e de gestão de pessoas é feito com muita criatividade, inovação e talento. Tomando decisões ousadas, reestruturou a empresa, conseguindo torná-las lucrativa. Semler não reinventou a roda. Ele procurou transportar para nossa realidade métodos e sistemas que vinham sendo empregados com sucesso em países escandinavos industrializados. Outra obra que recomendo é “Metas que desafiam: a ciência dos feitos extraordinários”, Mark Murphy (Clio Editora). Segundo o autor, é preciso estabelecer metas que ponham à prova os limites da sua capacidade. Ele dá quatro dicas práticas para alcançar feitos extraordinários. O quanto você quer? Metas sinceras; Entusiasmo – Metas animadas; intensidade e determinação – Metas necessárias; Feitos extraordinários – Metas difíceis. Murphy compara a necessidade da meta com a sobrevivência: “Há rumores de que Steve Jobs trabalhava no iPad enquanto se recuperava de um transplante de fígado. O desejo de atingir as metas precisa ser muito intenso – sua sobrevivência depende de atingir estas metas”, diz o autor. (Aline Cataldi – psicóloga educacional do Universo do Concurso Publico)

Academia de ciências nos EUA cria selo para livros ‘verossímeis’

0

Publicado por BBC [via Estadão]

Com avanços tecnológicos, credibilidade de trama se tornou um desafio para autores de romances policiais.

Muitas tramas de romances policiais caem por terra quando os leitores desconfiam da verossimilhança dos acontecimentos. E enquanto escritores tentam garantir que suas histórias sejam críveis e plausíveis, uma organização científica dos Estados Unidos passou a oferecer um selo de aprovação para livros que acertaram na exposição dos fatos.

Não é uma tarefa fácil, a dos escritores. A ficção policial hoje requer um profundo conhecimento de áreas técnicas e científicas, essencial para o roteiro – e que muitas vezes leva a situações difíceis de serem descritas em palavras e de forma precisa.

Agora, a Academia de Ciências de Washington (WAS na sigla em inglês), criada em 1898 por Alexander Graham Bell – o inventor do telefone -, deu início a um projeto que dá selos de aprovação para livros que tenham fatos científico corretos.

“Muito lixo é publicado atualmente na área de ciência”, diz Peg Kay, escritora e membro da WAS. Segundo ela, esse declínio deve-se à pressão comercial e à falta de bons editores por esse declínio.

“Tudo que os agentes querem é atingir as massas. Ninguém sabe mais no que acreditar porque não há mais filtro.”

O presidente da WAS, Jim Cole, afirma que muitas pessoas acompanham séries de ciência da TV, como CSI, que podem dar a impressão de que a tecnologia pode resolver qualquer crime.

“A ciência da maneira como é percebida pelo público não é necessariamente a ciência correta”, diz Cole.

“Com autores publicando na internet sem editoras, acho que essa questão vai ganhar ainda mais importância no futuro, sobre o que é real e o que não é.”

Pesquisa

A maioria dos autores de renome estão cientes da importância de se fazer pesquisas extensas. Eles também costumam entrar em contato com especialistas.

“Sempre me preocupo em não errar”, diz John Gilstrap, autor de onze livros, vários deles na lista de best-sellers do New York Times. “Quanto mais detalhes houver em questões técnicas, o risco é maior. (Basta) Uma frase errada e é incrível o número de e-mails que você recebe dizendo que você cometeu um erro.”

O protagonista de muitos dos livros de Gilstrap é Jonathan Grave, especialista em resgate de reféns.

Enquanto Sherlock Holmes seguia pegadas, Grave usa tecnologia do celular, GPS e rastreia o uso de cartões de crédito.

“O desafio para mim era vender Grave como um cara tecnológico, sendo que eu não sou assim”, diz o escritor.

Gilstrap tem sido tão bem sucedido que um especialista militar chegou a acreditar que ele estava revelando informações tecnológicas secretas em um de seus livros.

“Mas eu não tinha revelado nada, inventei tudo.” (mais…)

Go to Top