Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Alfred Hitchcock

A verdadeira obra que deu origem ao filme clássico, “Os Pássaros”, de Hitchcock

0

os-passaros-site-darkside-banner-1

Fabio Mourão, no Dito pelo Maldito

Você conhece o filme. É um dos maiores clássicos de Alfred Hitchcock, de 1963. Nos créditos, consta que a história é baseada no conto “Os Pássaros”, de Daphne du Marier, escritora que o mestre do suspense já havia adaptado antes em A Estalagem Maldita (1939) e Rebecca, a Mulher Inesquecível (1940) – livro também acusado de plágio devido às semelhanças com um romance brasileiro publicado em 1934: A Sucessora, de Carolina Nabuco.
Quase trinta anos após seu lançamento, o romance de Frank Baker ganharia repercussão quando o autor ameaçou processar Hitchcock e Daphne Du Maurier. Para deixar essa estranha coincidência com ares de plano macabro: Daphne era prima do antigo editor de Frank Baker, o inglês Peter Davies, e chegou a trabalhar com o parente.

os-passaros-site-darkside-hitchcock

No ano em que se celebra os 80 anos da primeira edição, a DarkSide Books orgulhosamente apresenta o livro OS PÁSSAROS para todos os leitores e cinéfilos brasileiros apaixonados por um bom susto. Um retrato sombrio e acurado de uma Londres pré-Guerra, como se Baker conseguisse vislumbrar o futuro próximo de terror e feitos inomináveis apresentado pela Segunda Guerra Mundial.

os-passaros-site-darkside-capa-3dNarrado em primeira pessoa por um dos sobreviventes do ataque mortal, o romance traça um panorama ao mesmo tempo irônico e crítico ao capitalismo e às sociedades ocidentais, que ainda se recuperavam da Primeira Guerra e da crise econômica iniciada com o Crash da Bolsa de Nova York, em 1929, mas seguiam cometendo barbaridades, em nome da civilização, em lugares como a África.
A edição da DarkSide Books, em Limited Edition (capa dura) é fiel à versão definitiva, revisada à mão pelo próprio autor, em 1964. OS PÁSSAROS conta ainda com uma introdução feita por Ken Mogg, respeitado estudioso da obra de Hitchcock. Mais um livro imperdível da DarkSide®, editora responsável pelo primeiro relançamento de Psicose (2013), de Robert Bloch, no Brasil, depois de quase 50 anos

Concurso Cultural Literário (163)

1

1361-20160505095639

Vertigo (Um corpo que cai)

De Boileau – Narcejac e tradução de Fernando Scheibe.

Encarregado por um antigo colega de seguir sua jovem e bela mulher, o detetive Flavières logo se vê perdidamente apaixonado pela moça. Essa impropriedade não o impede de investigar os temores de seu amigo Gévigne a respeito da esposa: suas ausências, seus mistérios, uma melancolia que a leva a olhar para as águas do Sena por horas a fio… Nenhum amante, nenhuma simulação, nenhuma doença. Apenas uma estranha relação com a bisavó, morta em circunstâncias terríveis e a quem a jovem Madeleine não chegou a conhecer… Um clássico de Pierre Boileau e Thomas Narcejac, especialistas na arte de conduzir a trama – e o leitor – até onde menos se espera.

Este instigante e sinistro roman noir foi adaptado por Alec Coppel e Samuel A. Taylor e filmado por Alfred Hitchcock em 1958. Um corpo que cai é considerado um dos melhores filmes de todos os tempos.

 

 

 

1360-20160505094301

A dama oculta

De Ethel Lina White e tradução de Rogério Bettoni.

Livro que deu origem ao clássico homônimo de Alfred Hitchcock, A dama oculta é por si só uma obra envolvente e extraordinária. Sua força está na maestria com que Ethel Lina White constrói atmosferas sinistras e perturbadoras. Iris Carr é uma jovem e bela socialite que retorna para a Inglaterra após um período de férias no continente europeu. Sentindo-se só e intimidada durante a viagem de trem, ela encontra conforto na companhia de uma estranha que conhece apenas como “srta. Froy”. O conforto logo se transforma em pânico quando a srta. Froy some sem deixar vestígios. Questionando a própria sanidade e desconfiando das reais intenções das pessoas a sua volta, Iris tenta desesperadamente desvendar o súbito desaparecimento de sua companheira de viagem – uma mulher que ninguém mais se lembra de ter visto!

Não é difícil perceber por que Hitchcock adotou este clássico e se viu compelido a imprimir-lhe, em 1938, sua marca cinematográfica.

***

Em parceria com a Vestígio, vamos sortear 2 kits com 1 exemplar de “Um corpo que cai” e “A dama oculta“.

Para concorrer, cite um filme dirigido por Alfred Hitchcock em que ele faz participação como figuranteSua resposta deverá ser enviada para [email protected]. Respostas na área de comentários serão apagadas.

Para ficar sempre por dentro das novidades e promoções, sugerimos que curta as páginas dos envolvidos neste concurso cultural:

O resultado será divulgado dia 09/08 neste post.

Boa sorte! 🙂

 

Atenção para os ganhadores: Iago Santos e Cibele Ramos. Parabéns! Entraremos em contato via e-mail.

E se Saul Bass tivesse criado a abertura de “Game of Thrones”?

0

A resposta está nesta sequência assinada por Milan Vuckovic

Amanda de Almeida, no B9

Saul Bass fez muita coisa bacana ao longo de sua frutífera carreira, mas talvez as aberturas e pôsteres de filmes de Alfred Hitchcock, Stanley Kubrick e Martin Scorsese sejam os mais presentes na memória do grande público.

E foi inspirado por este grande mestre que o designer alemão Milan Vuckovic criou uma abertura alternativa para uma de suas séries favoritas (e nossas também), Game of Thrones.

Tão bacana quanto o trabalho gráfico é a trilha sonora, assinada por Scott Bradlee e Dave Koz, que confere aquele ar de suspense e mistério dos clássicos de Hitchcock ao tema original criado por Ramin Djawadi.

1

‘Psicose’, o livro que fisgou Hitchcock, é relançado no Brasil

0

Nova edição da obra de Robert Bloch, que inspirou filme clássico do mestre do suspense, chega ao país depois de meio século esgotada

Norman Bates (Anthony Perkins) e Marion Crane (Janet Leigh): diretor tirou o livro de circulação Divulgação

Norman Bates (Anthony Perkins) e Marion Crane (Janet Leigh): diretor tirou o livro de circulação Divulgação

Liv Brandão em O Globo

RIO – Mary Crane tomava banho em seu quarto do Bates Motel quando foi surpreendida por uma “velha louca”, cujas mãos abrem a cortina da banheira e, com uma faca de açougueiro, decepam sua cabeça. A descrição só não bate exatamente com a célebre cena do chuveiro de “Psicose” porque Alfred Hitchcock decidiu que a Marion de Janet Leigh deveria morrer esfaqueada. Mas foi justamente essa passagem do livro homônimo de Robert Bloch que inspirou o cineasta inglês a comprar aquela história. Depois de uma elogiosa resenha no “New York Times”, Hitchcock correu para adquirir seus direitos para o cinema e não só isso: fez sua assistente tirar de circulação todos os exemplares existentes do livro, para evitar que o final vazasse. Pois parece que a ordem do diretor acabou ecoando no Brasil, onde o livro foi editado unicamente na década de 1960 e figurou entre os mais vendidos da época, para depois desaparecer por completo das prateleiras – um exemplar usado, em mau estado, é encontrado por até R$ 150. Pois agora “Psicose” de Robert Bloch finalmente ganha uma reedição brasileira, pelas mãos da novata Darkside, depois de muita luta.

— Sempre quisemos lançar este livro. Fomos atrás dos principais agentes literários para descobrir quem representava a obra de Robert Bloch e foi muito difícil encontrar o responsável. Um passava para o outro e ninguém nunca sabia ao certo, ninguém tinha o contato. Levamos cerca de oito meses até descobrirmos que o livro era representado pelo advogado dos herdeiros do escritor (morto em 1994, aos 77 anos) — conta Christiano Menezes, diretor editorial da Darkside. A novíssima edição vem em duas versões: capa dura, que preserva o inconfundível logotipo criado por Tony Palladino, e brochura, com tradução de Anabela Paiva.

Apesar de Bloch ter sido criticado por François Truffaut em sua série de entrevistas com o mestre do suspense, o escritor era aclamado por colegas mais famosos, como Stephen King, que afirmou que algumas de suas obras (foram 30 livros e centenas de contos) tiveram grande influência na literatura americana. Estudiosos da obra de Hitchcock também ressaltam o valor da escrita de Bloch, que criou seu Norman Bates — atualmente retratado na elogiada série “Bates Motel” — inspirado pelo famoso assassino americano Ed Gein (sua primeira vítima conhecida, aliás, também se chamava Mary, como a mocinha do filme).

— Robert Bloch é frequentemente citado com desdém, mas o que a gente tem que lembrar é que ele chegou lá primeiro, foi ele quem criou o personagem chamado Norman Bates. Ele criou a Mary Crane do livro, que virou a Marion Crane do filme. Ele criou o enredo sobre um homem dominado pela mãe que recorre a diabólicos e assustadores atos de violência. Essencialmente, tudo o que acontece no filme em termos de história vem de Robert Bloch. Acho que há uma tendência a negligenciar o poder dessa criação — defende Stephen Rebello, autor de “Alfred Hitchcock e os bastidores de ‘Psicose’” (Intrínseca), considerado um dos maiores estudiosos da obra do cineasta.

Roteiro ‘impossível’

Para apostar na força do thriller, Hitchcock precisou comprar várias brigas. No fim dos anos 1950, o cineasta tentava se recuperar do baque de ter dois projetos abortados, que renderam prejuízos significativos, e enfrentava a concorrência de nomes como Otto Preminger e Henri-Georges Clouzot. Antes mesmo de se interessar pela trama de Bloch, “Psicose” já havia sido submetido aos analistas da Paramount, que consideraram o argumento “impossível para o cinema”, por ser chocante demais para uma época em que os filmes não retratavam tanta violência.

— Ele basicamente arriscou sua reputação e sua vida criativa para conseguir rodar esse filme — conta Rebello, que diz entender os motivos para o cineasta ousar tanto. — Com influência do (mestre da ficção científica e terror) H. P. Lovecraft, de quem era discípulo, Bloch vem de uma linha menos pretensiosa em termos de aspirações literárias, mas faz uma arte que tenta pegar pelas tripas em vez de investir na boa educação. Isso o interessou bastante.

Rebello, que assume que os diálogos da tela são uma versão melhorada do que está nas páginas, ressalta outra prova da importância da obra que inspirou o filme: a despeito da cena do chuveiro e ao contrário do que costumava fazer, Hitchcock foi bastante fiel ao que foi narrado por Bloch, que ainda lançou duas continuações de sua mais importante criação, cujo primeiro rascunho ficou pronto em seis semanas.

— No livro, Norman Bates é um cara de meia idade, careca, de óculos, rechonchudo, beberrão. Provavelmente mais parecido com o que Norman Bates poderia ser na vida real — contextualiza Rebello. — Só que Hitchcock tinha um ótimo instinto para escalar seus atores e foi muito sofisticado ao perceber que o público ficaria encantado por um belo rosto. Especialmente, um jovem e bonito. Para viver Norman Bates em “Psicose”, o filme, ele chamou Anthony Perkins. Graças a ele, as pessoas poderiam até não gostar do personagem, mas o achariam atraente. Isso foi brilhante.

Outra grande mudança acontece logo no início das duas versões da história. Se o filme apresenta de cara os dramas de Marion com seu amante Sam Loomis e seu inesperado golpe ao roubar US$ 40 mil do patrão para fugir e tentar uma vida melhor, o livro é aberto com descrições detalhadas sobre a interação entre Norman e sua castradora mãe, Norma.

— Isso obviamente não poderia acontecer no filme, afinal, descobrimos no fim de tudo que ela está morta. Há sim, mudanças, mas elas são bem espertas e acuradas — explica Rebello. — Acredito que o roteirista tenha decidido desenvolver primeiro o personagem de Marion para fazer com que os espectadores criassem empatia por uma mulher que está presa a um emprego nada interessante, lidando com colegas nada interessantes e vivendo uma situação desesperadora com o namorado que não quer casar com ela. Dessa forma, os espectadores se apegaram bem mais a esse personagem do que se o filme começasse como o livro.

Para Rebello, o fato de ler ter lido o livro depois de assistir ao filme e saber a verdadeira origem dos assassinatos no Bates Motel não estraga sua fruição. Se Hitchcock fez de tudo para preservar o desfecho da história — além de tirar todo o estoque do livro de circulação, o cineasta proibiu que as pessoas entrassem na sala depois de a exibição começar — o livro acaba completando a experiência.

— Há algo de realmente sombrio nesse livro, você consegue sentir que está lendo sobre uma vida muito difícil, uma existência muito solitária. O livro dá mais noção de como são as noites de Norman Bates, que tipo de música ele gosta de ouvir, o que ele lê, quão realmente horripilantes são os efeitos da violência emocional e psicológica de sua mãe. O filme não se atém a esse tipo de detalhe.

Go to Top