Canal Pavablog no Youtube

Posts tagged Alta literatura

Os livros e escritores mais lidos no mundo

0
O americano John Green, do best-seller "A Culpa é das Estrelas". Foto: Justin Tallis/AFP

O americano John Green, do best-seller “A Culpa é das Estrelas”. Foto: Justin Tallis/AFP

 

Nunca se imprimiu tantos livros como nos últimos anos. Os best-sellers mundiais vendem milhões de exemplares e muitos autores são grandes estrelas do mundo da cultura. Mas a popularização da internet, que já abalou jornais, revistas e outros veículos de comunicação, coloca em dúvida o futuro do livro físico

Célio Martins, no Certas Palavras

De cima para baixo: Dan Brown, J.K. Rowling, John Green, Nicholas Sparks e o brasileiro Paulo Coelho.

De cima para baixo: Dan Brown, J.K. Rowling, John Green, Nicholas Sparks e o brasileiro Paulo Coelho.

Quando Miguel de Cervantes conseguiu autorização do rei Felipe II para publicar Dom Quixote de la Mancha, em 1604, a primeira edição teve apenas 300 exemplares. No ano passado, a tiragem inicial do livro A Espiã, do escritor brasileiro Paulo Coelho, foi de 150 mil exemplares só nos Estados Unidos. E a última obra do americano John Green – autor do best-seller A Culpa é das Estrelas – que leva o título nada sugestivo Tartarugas Até Lá Embaixo, será lançado agora em outubro no Brasil com 200 mil exemplares apenas para o público tupiniquim.

A simples comparação evidencia como o livro impresso conquistou leitores e atravessou com firmeza as grandes revoluções na comunicação. Em quase seis séculos desde aquele acontecimento histórico protagonizado por Cervantes, jornais e revistas se popularizaram, veio o telefone, o rádio, a televisão e, mais recentemente, a internet, invento que abalou todas os outros meios de comunicação. Mas o livro impresso seguiu sua jornada (quase) inabalável.

A cada ano surgem grandes “estrelas” do mundo dos chamados best-sellers. Nomes como J.K. Rowling (Harry Potter), J. R. R. Tolkien (O Senhor dos Anéis), Dan Brown (O Código Da Vinci) e Paulo Coelho (O Alquimista) compõem um universo de autores que já venderam mais de 100 milhões de exemplares de suas obras e movimentam centenas de bilhões dólares todos os anos.

Nos dias atuais, no entanto, em que jornais, revistas e outros meios de comunicação buscam novos modelos para se manterem vivos na aldeia digital (termo que deve substituir o famoso conceito de “aldeia global”, criado pelo teórico da comunicação Marshall McLuhan), surge o questionamento inevitável se o livro impresso vai superar essa nova revolução tecnológica. Como não poderia ser diferente em se tratando do futuro de um formato de distribuição de conhecimento, cultura e entretenimento, as previsões são divergentes: de um lado os que acreditam que o livro se perpetuar, independentemente do que vier pela frente; de outro, os que veem o mesmo fim destinado aos outros impressos.

“Muito já se disse sobre o fim do livro impresso, frente à evolução do digital, mas o que aparentemente se desenha não é a extinção de um em função do outro, mas a coexistência das duas plataformas como diferentes experiências de leitura”, diz Danielle Machado, editora executiva da Intrínseca, que tem no seu catálogo campeões de venda como John Green e Walter Isaacson.

Opinião parecida tem o diretor de marketing da Record, Bruno Zolotar, e a diretora de comunicação da Editora Rocco, Cintia Borges. “Você vai numa Bienal do livro e vê uma multidão de jovens comprando livros físicos. O Umberto Eco dizia que o livro físico jamais seria substituído como aconteceu com o cd, por exemplo, porque o livro de papel é uma plataforma perfeita para a leitura”, argumenta Zolotar. “Enquanto a principal característica do mundo digital é a transitoriedade, a sobreposição de informações e conteúdo, o livro é um objeto tangível e de vida longa”, complementa Cintia.

Mas esse otimismo não é compartilhado por gente como o jornalista e escritor paranaense Laurentino Gomes, autor de obras campeãs de venda no país como 1808 e 1822. “No longo prazo, todos os formatos de distribuição que utilizam a plataforma papel vão desaparecer. É uma questão de lógica econômica e ambiental. O livro, mais denso e menos perecível, ainda resistirá um pouco mais de tempo no papel. Mas é só questão de tempo até que livro digital se imponha definitivamente sobre o formato papel”, prevê.

Agatha Christie, um ícone dos best-sellers

Agatha2Na chamada biblioteca de best-sellers, com infindáveis títulos e autores em suas prateleiras, é interessante observar que a onda de escritores dos milhões de exemplares, chamados de comerciais – ou literatura de entretenimento, como preferem classificar muitos literatos para diferenciá-los da ‘alta literatura’ – não começou recentemente.

A campeã e uma das precursoras dessa história é Agatha Christie. O Guiness Book descreve a escritora britânica como a romancista mais bem-sucedida da história da literatura popular mundial em número total de livros vendidos, uma vez que suas obras, juntas, venderam cerca de três bilhões de cópias. Seu maior sucesso, O Caso dos Dez Negrinhos, é de 1939 e bateu os 100 milhões de exemplares.

Outra estrela de maior grandeza desse universo é o norte-americano Sidney Sheldon – o autor de O Outro Lado da Meia-Noite é o escritor mais traduzido do planeta, segundo o Guinness.

Não é só ficção

Além dos autores os quais se pode classificar como de ficção, há escritores de milhões de exemplares em vários outros setores, como religião, ciência, autoajuda, jornalismo, biografias, literatura infantil e até livros para colorir.

Entre os livros mais vendidos no Brasil neste ano, por exemplo, o primeiro colocado – de acordo com levantamento do site publishnews – o primeiro colocado é um livro religioso e o segundo, de autoajuda: Batalha Espiritual – Entre Anjos e Demônios (Editora Petra), do Padre Reginaldo Manzotti, e O Homem mais Inteligente da História (Editora Sextante), de Augusto Cury. Ambos com mais de 100 mil exemplares só neste ano.

Os livros escritos por religiosos, aliás, transformaram-se numa mina de ouro para as editoras. O Padre Marcelo Rossi, por exemplo, fez milagre ao vender mais de 8 milhões de exemplares de Ágape e obter tiragem inicial de 500 mil de Kairós.

No campo da chamada autoajuda, o médico psiquiatra e professor Augusto Jorge Cury superou as fronteiras do Brasil há muito tempo e virou um astro internacional. Seus livros já foram publicados em quase 80 países. Só no Brasil ele vendeu mais de 20 milhões de exemplares, segundo números divulgados pelo site do Grupo Educacional Augusto Cury. Felicidade roubada – um romance psicológico sobre os fantasmas da emoção, é uma de suas obras de grande sucesso.

Alta literatura

O fenômeno das grandes tiragens de livros físicos não se resume aos títulos considerados comerciais ou populares. Obras da chamada alta literatura também exibem números impressionantes.

Além de Dom Quixote de la Mancha, de Miguel de Cervantes, citado no início desta reportagem, estão no topo das vendas ainda nos dias atuais obras como Um Conto de Duas Cidades (200 milhões de exemplares), de Charles Dickens, O Pequeno Príncipe (140 milhões), de Antoine de Saint-Exupéry,

Cem Anos de Solidão, Gabriel García Márquez, Lolita, de Vladimir Nabokov, e O Nome da Rosa, de Umberto Eco, esses com mais de 50 milhões de livros vendidos.

A galáxia juvenil

Paula-PimentaNão é de hoje que livros destinados ao público juvenil fazem sucesso. Os autores mais “curtidos” por adolescentes e jovens formam uma galáxia que ajuda a movimentar o grande universo da indústria do livro. Mundialmente, além de J.K. Rowling (Harry Potter), outro dos grandes nomes atuais desse nicho é a norte-americana Meg Cabot. Autora de mais de 70 livros, bateu recordes com a série de onze volumes de O Diário da Princesa.

No Brasil também existem grandes estrelas desse universo. Só para citar um exemplo, uma escritora de grande sucesso no momento é a mineira Paula Pimenta, que esteve em Curitiba na sexta-feira (21) para o lançamento de sua nova obra Minha Vida Fora de Série – 4ª Temporada. Paula ficou conhecida com a série Fazendo Meu Filme e já vendeu mais de 1,5 milhão de exemplares. Seus livros são lidos em Portugal, Espanha, Itália e toda a América Latina.

“Ainda fico surpresa quando vou ao salão de beleza ou à padaria e as pessoas pedem pra tirar foto comigo! Eu achava que essas coisas aconteciam só com os popstars e atores de televisão, e não com escritores”, relata a escritora ao comentar seu sucesso.

Amantes da literatura criam Sebos para satisfazer paixão pelos livros

0

Jovens se preocupam em ampliar seu acervo e vendê-los a preços acessíveis

Publicado no Portal o Dia

As lojas de livros literários usados, os Sebos, é uma espécie em extinção na cidade. Quem vende afirma que o mercado não gera lucros. Por isso, os amantes da literatura sempre têm dificuldades para encontrar livros antigos e raros com preços acessíveis. Em Teresina, essas obras são vendidas por R$ 25,00 em média. Os preços variam de acordo com o estado de preservação e sua antiguidade.

Cada publicação tem uma história especial. O autor tece personagens, cidades, situações, tudo junto em um produto diagramado, organizado, muitas vezes em capítulos, e exposto na vitrine. Só que um livro acaba sendo muito mais que um mero reprodutor de histórias. Se a obra for profunda e, de alguma forma, atingir o leitor, ele indica o livro para outras pessoas e, se ele não for muito apegado ao objeto físico, acaba repassando-o a amigos, como uma maneira de dividir sensações. Dessa forma, o livro, muito além de seu conteúdo, acaba se fazendo uma história.

Sentindo a necessidade de compartilhar tudo isso, a professora de Literatura, Laís Romero, decidiu criar um Sebo literário dentro de seu apartamento. Entre os brinquedos do filho, Luís, e os gatos que cria no pequeno espaço, Laís arrumou um lugar para pessoas iguais a ela, que sempre estão com sede de boas leituras. Ela faz isso há um ano e afirma que é por prazer. “A venda dos livros não me traz uma renda extra e o que ganho eu não conto como algo relevante. Eu me satisfaço apenas em trocar experiências literárias”, afirma.

A professora de Literatura, Laís Romero, resolveu fazer de seu apartamento um Sebo Literário

A professora de Literatura, Laís Romero, resolveu fazer de seu apartamento um Sebo Literário

O Sebo é visitado por poucas pessoas. “Eu tenho em torno de 20 clientes fieis, muitos deles são amigos”, explica Laís. Com um ano de existência, seu acervo aumenta gradativamente. Laís está sempre a procura de livros e, geralmente, quando vê uma coleção de obras literárias posta de lado e esquecida na casa de alguém, mostra interesse em adquirir.

Ela também tem uma preocupação especial com seus visitantes. “Algumas pessoas descobrem pelas redes sociais a página que eu vendo livros e me procuram, pedem para ver meu acervo. Eu ofereço café e um bom papo. Muitas vezes elas entram no meu apartamento com um livro especifico na cabeça, mas acabam levando dois, três a mais”, esclarece.

A paixão pelos livros também estimulou e aproximou dois jovens universitários. Romário Farias e Ariadne Chaves vendem livros em feiras literárias desde 2012, época em que começaram a namorar. Mas somente em 2015, o casal resolveu “oficializar” a venda de livros e criaram a página “Paranoia Livros”. “Sabemos da força que as redes sociais, bem como os grupos de comercialização e troca de itens possuem e como ainda não possuímos um espaço físico, nós encontramos no mundo virtual um primeiro passo para isso”, explica Romário.

O lucro que é obtido pela venda dos livros, é destinado para a ampliação do acervo. “O objetivo é desenvolver, aumentar o acervo e futuramente dar um espaço físico para os livros e leitores ou pra quem só quer apreciar um café e uma boa conversa”, afirma o universitário.

“O ‘empreendimento paranoico’ do qual estamos investindo, é fundado em amor aos livros e nos mundos criados por eles e que numa sequência de produção, recepção e apropriação transformam vidas e nos fazem encontrar uns aos outros nas discussões sobre as leituras”, conclui Romário.

Enquanto o mercado de livros na cidade é voltado para o próprio mercado, saber que existem pessoas que tratam da literatura como uma forma de estreitar laços, é sentir que, no final, quem acaba ganhando é o leitor, que entra em contato direto com um dos sentidos da literatura: transformar a vida de alguém.

Livros escolares e paradidáticos geram mais lucros

Pela falta de Sebos físicos dedicados somente a livros literários na cidade, os leitores acabam não tendo muitas opções disponíveis. É fato que encontrar bancas de livros usados no Centro de Teresina é uma tarefa fácil, mas a maioria dessas banquinhas tem todo seu acervo voltado a livros escolares, apostilas e paradidáticos, quase sempre usados e com um preço mais acessível.

Bancas de livros usados que ficam localizadas na Praça do Fripisa priorizam vendas de livros didáticos

Bancas de livros usados que ficam localizadas na Praça do Fripisa priorizam vendas de livros didáticos

Ceiça Ferreira é livreira a mais de 20 anos. A pedagoga de 46 anos é dona de uma loja de livros, junto com mais 7 amigos. Cada dono é responsável por uma parte da loja, além de manterem uma banca de livros escolares na Praça do Fripisa. A loja física só existe a pouco mais de 2 anos, mas durante duas décadas, Ceiça já levou seu acervo para diversas feiras dentro e fora do estado. Ela afirma que consegue se sustentar apenas com a venda de livros. Entretanto, isto só é possível por que em sua loja, ela oferece todos os tipos de livros. “Por mais que eu goste de literatura e sinta prazer em indicar bons livros para os meus clientes, eu sei que nenhum Sebo se sustentaria sem oferecer livros escolares e paradidáticos”, explica.

Fotos: Elias Fontenele/ODIA

Loja da pedagoga Ceiça Ferreira, lucra mais com a venda de livros escolares e paradidáticos

Loja da pedagoga Ceiça Ferreira, lucra mais com a venda de livros escolares e paradidáticos

Para algumas pessoas, a compra do livro usado tem uma diferença do livro novo, que está muito além do preço. Para a estudante do ensino médio, Raíssa Muniz, de 17 anos, um livro usado tem toda uma simbologia por trás de sua história. “Uma obra que pertenceu a uma outra pessoa, já conta por si uma história. Trazer consigo um livro usado é como se apropriar das memórias alheias. E isso quase sempre é uma experiência rica e divertida”, pontua.
Edição: Nayara Felizardo
Por: Aldenora Cavalcante (estagiária)

Alta literatura vs. literatura de entretenimento

0

Foto feita em Amsterdã por Struan Teague; o trabalho dele pode ser visto em struanteague.com

Raquel Cozer, em A Biblioteca de Raquel

Estava conversando por email esses dias com o Felipe Pena, organizador do “Geração Subzero – 20 Autores Congelados pela Crítica e Adorados pelos Leitores”, e comentei que felizes são os escritores que independem de resenhas para ter o trabalho conhecido –caso, entre os autores que ele selecionou, de Thalita Rebouças, com mais de um milhão de exemplares vendidos; André Vianco, que já passou dos 700 mil; Eduardo Spohr e Raphael Draccon.

Os números de vendas desses quatro são muito mais expressivos que os de quaisquer autores brasileiros, jovens, velhos, vivos ou mortos, cujos livros os jornais costumam repassar a críticos para avaliação. Por via das dúvidas, “O Globo” deste final de semana aceitou a provocação e publicou texto de João Cezar de Castro Rocha sobre o “Geração Subzero”.

Pouco depois daquela conversa com Pena, que antecedeu o lançamento do livro, discussão similar veio à tona na mesa de Jonathan Franzen na Flip.

Franzen é um personagem raro no mercado, um best-seller aclamado pela crítica. Figura tanto na capa do austero “New York Times Review of Books” quanto em discussões do clube de leitura de Oprah Winfrey. Acostumado com o gigantesco mercado americano, ficou assustado ao saber que seu “Liberdade” vendeu “só” 20 mil exemplares no Brasil –sem ter noção de que o número equivale a sete vezes a tiragem inicial média de uma obra literária por aqui.

***

Em Paraty, ele comentou: “Estranhamente, [embora venda muito], sinto que culturalmente estou do outro lado. Estou do lado dos que não vendem nada”. O subtexto, levando em conta o tom pouco elogioso que dedicara pouco antes a John Grisham e Stephen King, seria: os maiores vendedores de livros hoje em geral não têm valor literário. Mas ele foi além.

“A literatura está de fato com problemas”, ele disse. “Por dois séculos, o romance foi a forma de arte dominante. Gente como Faulkner, Conrad, podia contar com muitos leitores. Mas hoje o romance não é mais uma forma dominante na cultura. Então, mais do que nunca, é preciso lembrar que ele surgiu como uma forma de entretenimento.”

Aqui ele fez a ressalva de que a palavra entretenimento tem conotação mais negativa em outros idiomas do que em inglês. “Não digo que a meta seja escrever como James Patterson. Mas vivemos num mundo cheio de distrações, então precisamos pensar em como reter a atenção das pessoas. Isso podemos fazer com uma narrativa que atraia. A função do romance sério é usar essa capacidade de suspender as pessoas e ao mesmo tempo ser pertinente.”

Ao mesmo tempo em que admite a mágoa por “não existirem departamento inteiros de estudos sobre Franzen”, ele não quer que a preocupação com a escrita seja central ao ponto de se tornar um empecilho. “Não quero que ninguém pare para pensar na linguagem. Que ninguém diga: ‘Isso é uma metáfora, isso é uma frase formulada com tal objetivo’.”

***

(mais…)

Go to Top