Posts tagged alunos

Cachorro entra em Universidade e deixa aula muito mais animada

0

Não se sabe como o cãozinho entrou na sala, mas ele adorou a atenção que recebeu dos alunos e deixou o clima no local muito mais leve

Andrezza Oestreicher, no Portal do Dog

Nós já publicamos casos de cachorros que escolheram escolas para viver aqui no Brasil, como é o caso do cãozinho Amarelo, que escolheu a escola estadual Dom Hermeto, localizada em Uruguaiana, no Rio Grande do Sul, como lar e tem permissão para entrar em todas as salas de aula.

Mas, parece que não é só aqui no Brasil que os cães gostam de se abrigar dentro de escolas. Nos Estados Unidos, um cachorro ficou famoso após “invadir” uma sala de aula da Universidade de Auburn, no Alabama, e divertir os alunos, que publicaram vários vídeos do animal nas redes sociais.

De acordo com os alunos, o cachorro apareceu na sala durante uma aula não tão divertida que acontece logo cedo, pela manhã. O animal entrou pouco tempo depois que a aula começou e mudou o clima do local.

“Não é incomum ver um cão de serviço ocasionalmente, mas este não era um cão de serviço. Não pertencia a ninguém na classe ou mesmo no prédio e não tinha identificação de serviço”, disse Hunter Greenwell, um dos alunos que estava na classe da Universidade de Auburn, Alabama, à Press Association.

Ainda segundo os alunos, a professora só percebeu a presença do cão depois que viu a movimentação dos alunos. O cachorrinho perambulou muito feliz por toda a sala e deixou que os alunos lhe fizessem carinho, distraindo todos os estudantes.

O aluno Hunter Greenwell comentou que acredita que o cão estava na rua e entrou no prédio no momento em que alguém deixou a porta aberta. Ele disse ainda que, quando a professora pediu que os seguranças retirassem o cachorro da sala, o animal pareceu triste ao ter que sair, mas que ele adorou a atenção que recebeu nos minutos em que passou ali.

Hunter contou que os alunos têm um certo medo daquela aula, porém o aparecimento do cão ajudou a deixar o clima bem mais leve naquele dia. “Resumindo, eu acho que, se houvesse uma lição, é que: a) os cachorros são incríveis e podem sempre animar as pessoas, e b) a vida é surpreendente”, disse o aluno.

Fonte: Irish Examiner

O curso que ensina a ser feliz e se tornou o mais concorrido da Universidade de Yale

0

As aulas Psicologia e Boa Vida são dadas duas vezes por semana Getty Images

 

Cerca de um quarto dos alunos de Yale se inscreveu no curso de Psicologia e Vida Boa, para aprender a “ciência da felicidade”

Publicado no R7 [via BBC Brasil]

Um quarto dos alunos da Universidade de Yale, nos EUA, se inscreveu em janeiro em uma nova matéria chamada Psicologia e Vida Boa, que ensina como ser feliz.

“O objetivo é que os estudantes aprendam a ciência da felicidade e a ponham em prática”, disse Laurie Santos, professora da matéria, ao jornal universitário Yale Daily News.

Com mais de 1,2 mil alunos inscritos, o curso se tornou o mais popular nos três séculos de história de Yale. O recorde anterior era dos anos 1990, de 1.050 alunos inscritos no curso Psicologia e a Lei, oferecido pelo presidente da universidade, Peter Salovey.

O curso, conhecido como Psyc 157, se fundamenta nos conceitos da psicologia positiva, uma área científica iniciada em 1998 e que estuda a felicidade e o bem-estar.

O curso é oferecido pela psicóloga Laurie Santos Schirin Rangnick/Universidade de Yale

“Grande parte das aulas se concentra nos conceitos errôneos que associamos à felicidade e em por que nossa mente gera esse tipo de pensamento”, diz Santos.

“Revemos as informações sobre o que realmente faz as pessoas felizes e depois fazemos as chamadas reconexões, pequenos exercícios para criar no cérebro novas conexões ligadas aos nossos hábitos”, ela acrescenta.

As aulas são dadas duas vezes por semana e incluem a produção de textos, leitura teórica e até questionários. Há também uma prova escrita no meio do semestre, dois projetos de pesquisa e um trabalho final sobre superação pessoal – que precisa ser em primeira pessoa.

O Psyc 157 também tem uma prática chamada hack yourself, onde os alunos têm que ir completando uma série de atividades e tarefas para “ter uma vida mais feliz, saudável e produtiva”.

Uma das tarefas, por exemplo, é escrever todos os dias durante uma semana um “diário da gratidão”.

Grito de ajuda

Para Santos, o motivo de tanto interesse nas aulas é o desejo dos estudantes por mudança. Segundo ela, nos últimos anos do colégio, muitos deles abrem mão de cuidar de si mesmos para se dedicarem ao processo seletivo para entrarem na universidade. Isso faz com que cheguem a Yale estressados, ansiosos e com outros problemas de saúde mental.

“Aqui eles percebem que não estão tão felizes como poderiam ser e querem tomar uma atitude para mudar isso”, disse Santos ao Yale Daily News.

Curso sobre psicologia positiva é o mais concorrido dos três séculos de história da Yale Getty Images

“Acredito que os estudantes querem ter uma conversa sobre saúde mental, os níveis de estresse no campus e sobre o que podem fazer para melhorar as coisas. Essa aula pode ser um catalisador de algumas mudanças culturais positivas.”

Diversos alunos têm compartilhado nas redes sociais como o curso os ajuda a lidar com o estresse do meio acadêmico. Há também os que admitem estar cursando a disciplina para conseguir créditos “fáceis” para ser formar.

O Psyc 157 veio na esteira de uma tendência educativa mais ampla, de universidades de elite dos EUA que estão querendo dar respostas às angústias da geração Y.

Em 2015, por exemplo, uma das matérias mais populares da Universidade de Stanford foi a Desenhando sua Vida, na qual se ensinava como fazer escolhas na vida – tanto pessoas quanto profissionais.

Disponível online

Apesar de sua boa reputação como pesquisadora e diretora de uma das residências estudantis, Laurie Santos se surpreendeu com a popularidade do curso. Ela esperava ter apenas uma centena de alunos.

A universidade também foi pega de surpresa, e teve que mudar as aulas para o principal auditório da instituição.

A popularidade também gerou problemas com outras matérias de horário coincidente, porque gerou uma queda nas inscrições.

Santos disse que não voltará a oferecer a disciplina devido ao transtorno causado por tantas inscrições. No entanto, um resumo do curso será disponibilizado na internet para quem tiver interesse.

Depressão e problemas psicológicos fazem universitários trancar matrículas

0

Karina Yamamoto, no UOL

Ana Sophia Coimbra fazia duas faculdades, mas resolveu trancar o bacharelado

Ana Sophia Coimbra fazia duas faculdades, mas resolveu trancar o bacharelado

É final de tarde em São Bernardo, no ABC paulista, e grupos de universitários se reúnem e conversam animadamente em frente ao prédio em que terão aula dali algumas horas.

Eles se revezam no violão. O repertório é eclético, de pops românticos a MPB. O clima parece de festa, até que se toca num assunto tão delicado quanto cotidiano para eles: a ansiedade e a sobrecarga da vida universitária.

Na roda, que começa com nove universitários, todos se angustiam com a cobrança do ensino superior.

Dois deles tinham acabado de pedir trancamento do semestre por motivos psicológicos. “Eu estou com o meu laudo aqui na mão, vou até a secretaria daqui a pouco”, disse um rapaz que pediu anonimato.

Ele contou que não estava mais aguentando a carga por sofrer de ansiedade e que não conseguiria aproveitar os créditos das matérias que já havia cursado –o trancamento se referia ao semestre anterior. As disciplinas não entrariam em seu currículo, o que é uma possibilidade na UFABC (Universidade Federal do ABC).

Quase ao mesmo, todos começam a listar motivos para que a ansiedade –e em alguns casos até a depressão– se instale.

Segundo os estudantes, a cobrança acadêmica da vida universitária é alta: muito conteúdo, trabalhos e provas. E muitos deles fazem jornada dupla, seja porque trabalham, seja porque fazem mais uma graduação.

Ana Sophia Coimbra, 20, mora no Tatuapé, faz direito matutino na PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo) e o bacharelado em ciências e humanidades à noite na UFABC, em São Bernardo, desde 2016.

Em sua opinião, o esforço de levar duas graduações ao mesmo tempo vai “valer a pena para o futuro profissional”. Só que ela já desistiu de terminar as duas no tempo mínimo.

Neste final de semestre, ela pediu o trancamento na UFABC. O sorriso largo de Sophia desaparece quando ela conta que a rotina é bastante puxada, desgastante e estressante. O final do ano é quando as provas das duas graduações se acumulam.

Karina Yamamoto/UOL

humanas

Prédio da área de humanas da UFABC em São Bernardo

“Neste último quadrimestre, que seria o que eu já deveria pegar as matérias de economia, não consegui pegar nenhuma”, diz Sophia. Na UFABC, o aluno escolhe as disciplinas que deseja fazer a partir das notas anteriores. O bacharelado permite especializações, como economia, filosofia ou políticas públicas.

“Foi um quadrimestre bem difícil, também sofri com ansiedade e estresse”, conta, sem querer especificar o motivo para o trancamento do curso.

Outros alunos que se aproximam concordam que a ansiedade e a sobrecarga estão bastante presentes na rotina.

“Problema que a gente sempre vê por aqui”

O problema é tão corrente que há uma instância institucional na UFABC para apoiar os alunos. As duas entidades estudantis que atuam no campus, o DCE (Diretório Central dos Estudantes) e a Caap (Central Acadêmica de Atividades Poliesportivas), têm esse assunto em suas preocupações. Já o DCE promoveu discussões e debates.

No final de novembro, uma postagem em sua página no Facebook convocou os alunos: “Saúde mental importa! Neste fim de quadrimestre, não deixe de lado algo tão importante quanto suas notas”.

Já a Caap aposta na prática de esportes para enfrentar a ansiedade e o estresse. Naquele final de dia, em São Bernardo, alguns alunos jogavam vôlei de praia, na quadra de areia inaugurada há pouco tempo.

Karina Yamamoto/UOL

Luiz Felipe Sallani (à esq.) e Warley Brenke, que divulgam os esportes como válvula de escape para a ansiedade

Entre os esportistas, havia dois diretores da entidade: Luiz Felipe Sallani e Warley Brenke. Eles contam que tentam incentivar a prática de esportes como uma válvula de escape.

“A gente não comenta isso no dia a dia, a gente fala das coisas boas”, diz Luiz Felipe ao ser questionado se problemas psíquicos fazem parte dos seus relatos sobre a universidade. “Mas isso [ansiedade, depressão, sobrecarga] é um problema que a gente vê sempre por aqui”, completa Warley.

Situação tem se agravado, dizem professores

O percentual de sofrimento psíquico entre os universitários chega a 49,1% – ou seja, um a cada dois estudantes brasileiros do ensino superior sofre com problemas psicológicos. Esse número é o resultado de estudo feito a partir de 1.375 artigos internacionais que analisam a rotina de alunos da área da saúde. Como comparação, o percentual do cidadão brasileiro médio gira em torno de 30%.

“Sentir-se ansioso ou triste em determinadas situações faz parte da vida, mas esse quadro chama a atenção nessa faixa da população”, explica a psicóloga Karen Graner, uma das autoras do estudo, em conjunto com a professora Ana Teresa de Abreu Ramos Cerqueira, da Unesp (Universidade Estadual Paulista), em Botucatu.

“A percepção dos alunos sobre sua vivência na universidade pode influenciar a sensação de bem-estar. Chamo aqui a atenção também para fatores que ainda vêm sendo pouco investigados, como a percepção de discriminação social, de violência escolar, como a prática do trote, problemas atuais nas universidades brasileiras e que podem favorecer ou intensificar o sofrimento entre os estudantes”, completa Graner.

Alguns professores ouvidos pela reportagem do UOL relatam que o problema tem se agravado nos últimos anos.

Karina Yamamoto/UOL

Victor Setti usou a prevenção de suicídio como tema de estudo

 

Quem trabalha com os estudantes diretamente concorda com essa percepção. “Existem situações na universidade que geram estresse”, diz Rinaldo Molina, coordenador do Proato (Programa de Atenção e Orientação a Discentes), instituído no Mackenzie em agosto de 2015 em caráter experimental e que foi oficializado em fevereiro de 2017.

Os alunos do curso de psicologia já recebiam algum atendimento, segundo Molina, mas esse programa visa atender toda a universidade “porque o problema estava crescendo”.

Cada estudante encara os desafios de maneira diferente. A proximidade com a questão da depressão –por causa da mãe– e com a ideia de se matar –fruto da sua própria condição psicológica– levou o estudante da UFABC Victor Setti, 23, a tomar a prevenção de suicídio como tema de estudo.

Karina Yamamoto/UOL

Gabriel Victor Bondan dorme 4 horas por noite e diz lidar bem com o estresse

Gabriel Victor Bondan dorme 4 horas por noite e diz lidar bem com o estresse

“De tanto pensar nisso [ele conta que teve um esgotamento psíquico em 2015 e pensou em se matar], acabou que comecei a estudar na filosofia alguns autores e parti para minha área, em políticas públicas”, diz.

Já Gabriel Victor Bondan, 21, diz lidar bem com o estresse. Ele faz duas faculdades: termomecânica na Fundação Salvador Arena e ciências e humanidades na UFABC.

“Descobri que, com o tempo mais apertado, eu acabei me esforçando mais no pouco tempo que tenho e isso até aumentou minhas notas na termomecânica”, diz o estudante, que admite dormir apenas quatro horas por noite. “Acho que trabalho melhor sob pressão.”

Paraisópolis terá escola de inglês de elite gratuita para até mil alunos

0

15126072035a288de3c23c4_1512607203_3x2_md

Julia Barbon, na Folha de S.Paulo

De um lado, prédios de luxo, do outro, uma das maiores favelas da capital paulista. Em um terreno às margens de Paraisópolis que até 2010 era só mato e hoje serve de estacionamento, a Cultura Inglesa vai construir uma unidade para até mil alunos.

A escola de inglês será exatamente igual à que existe a 2 km dali, na região do Morumbi (zona oeste), onde alunos pagam ao menos R$ 2.400 por cada semestre de aula. Mas com uma diferença: os cursos serão gratuitos, voltados para a comunidade.

A intenção é iniciar as obras no começo de 2018 e que elas durem cerca de um ano, para que haja aulas em 2019. A Cultura tem outros projetos sociais em favelas, mas essa é a primeira vez que terá um prédio estruturado desse tipo.

A ideia toda na verdade surgiu por causa da creche municipal que existe há sete anos a alguns metros desse terreno e é gerida pela Catedral Anglicana de São Paulo.

A história é antiga. O reverendo Aldo Quintão, que comanda o templo e já é figura conhecida na mídia por celebrar casamentos de gays e batizados de famosos, tinha o sonho de construir uma escola infantil para mil crianças ali.

“Eu vim de uma família muito simples. Minha mãe era faxineira de escola, e meu pai, sapateiro. Se eu tivesse tido uma creche na minha vida, teria sido muito melhor”, diz ele.

Com a ajuda da iniciativa privada, que recebeu incentivos fiscais, conseguiu erguer uma unidade hoje com 430 alunos de até quatro anos de idade em Paraisópolis (a média na cidade é de 138 crianças por creche).

Como vai ficar a escola de inglês, que terá 850 m², e o prédio novo da creche, com 3.600 m²

Como vai ficar a escola de inglês, que terá 850 m², e o prédio novo da creche, com 3.600 m²

Neste ano, ele viu a possibilidade de ampliá-la e atingir seu objetivo inicial quando o prefeito João Doria (PSDB) e o deputado estadual Fernando Capez (PSDB) foram assistir a uma missa na catedral.

Ele chamou o prefeito para subir no altar e falou: “Se o senhor me permite, eu construí o maior prédio de creche do Brasil, com 4.000 m², mas ele foi feito para ter 8.000 m²”.

Os dois políticos prometeram mediar a procura por empresas que aceitassem custear as obras. Dias depois, um conselheiro da Cultura Inglesa participou de uma reunião com a gestão municipal, o reverendo e empresários.

“Ele trouxe a ideia para o conselho, levantamos os custos e topamos”, diz o presidente da escola de inglês, Derek Barnes. Segundo ele, a única contrapartida foi a posse do terreno onde a unidade da Cultura será feita.

“Como somos uma instituição sem fins lucrativos, já temos certa vantagem em termos fiscais”, afirma. “Estamos fazendo isso porque faz parte da nossa missão. Era uma parceria natural, temos origem inglesa e a catedral também é anglicana.”

A Cultura então ficou com 15% da área de 10 mil m². No total, planeja gastar R$ 16 milhões: dois terços disso com a ampliação da creche e o resto com a escola de inglês.

Milton Barbieri, engenheiro voluntário que é responsável pelo projeto da creche e acompanha o sonho do reverendo há dez anos, brinca que a obra é “subfaturada”. “Quando comecei a frequentar a catedral só tinha um papel com um desenho e não tínhamos dinheiro. Atender mil crianças vai ser sensacional.”

A CRECHE QUE JÁ EXISTE

A atual diretora da creche, Cristina Xavier, vai ser a responsável por controlar mais 500 crianças quando o novo prédio ficar pronto. Ela, no entanto, não mostra preocupação. Já se acostumou com a gritaria nos corredores e salas. “Nem ouço mais”, brinca.

17343185Segundo a pedagoga, cerca de 95% dos alunos hoje são de Paraisópolis, e a renda média das famílias varia entre R$ 1.000 e R$ 1.500.

O distrito onde fica a unidade, a Vila Andrade (zona sul), é um dos que têm o menor percentual de crianças atendidas com relação à demanda por vagas em creches. A fila na região ultrapassava um ano e três meses em 2015.

Como é conveniada, a Creche Anglicana segue a lista de espera da prefeitura, com prioridade para alunos mais pobres. O município paga, por cada criança, cerca de R$ 400 mensais à catedral –que também mantém outras quatro creches em São Paulo.

Esse dinheiro não é suficiente para gerir a estrutura de quase 500 alunos, 66 funcionários, 44 pedagogos e cinco refeições por dia, então a igreja arrecada o resto com festas, doações e leilões de objetos.

Para o início das obras da nova ala, só falta a aprovação do projeto pela prefeitura. As novidades vão ser apresentadas às crianças de Paraisópolis na festa de Natal da catedral, neste domingo (10).

Conhecido por aplicar provas fantasiado, professor se veste de palhaço Pennywise durante teste no AC

0
whatsapp-image-2017-12-07-at-17.11.57-1-

Professor aplica prova fantasiado de palhaço Pennywise, do filme “It, A Coisa. (Foto: Arquivo pessoal)

Professor há 11 anos, Giovanni Casseb faz aplicação de teste fantasiado de personagens de filme de terror com a intenção de motivar e deixar os alunos mais descontraídos na hora da prova.

Karolini Oliveira, no G1

que você faria se encontrasse com um personagem malvado, acostumado a desaparecer com crianças indefesas? Atender às perguntas que fossem feitas.

É isso que um professor da Universidade Federal do Acre (Ufac) fez na quarta-feira (6) ao aplicar prova aos alunos do curso de medicina, vestido do temido palhaço Pennywise, personagem do filme ‘It, A Coisa’.

Professor há 11 anos, Giovanni Casseb, contou ao G1 que era uma prova da disciplina de Fisiopatologia e a intenção era motivar e deixar os alunos mais descontraídos na hora da prova. “É uma maneira de descontrair, porque é uma prova oral difícil. E aí acaba descontraindo os alunos”, explica.

Casseb, que dá a disciplina há 4 anos, conta que começou a fazer as provas temáticas em 2015, sempre com vilões diferentes. Para este ano, ele diz que escolheu o palhaço Pennywise por ser um personagem marcante do filme “It, A Coisa”.

“Eu já vinha aplicando as provas dessa disciplina fantasiado de vilão. Como gostei do último filme do ‘It, A coisa’, decidi usar. Faço todo semestre na prova oral”, ressalta Casseb.

Palhaço Pennywise, personagem do filme 'It, A Coisa', foi escolha do professor Giovanni Casseb para usar no dia da aplicar a prova de Fisiopatologia. (Foto: Arquivo pessoal)

Palhaço Pennywise, personagem do filme ‘It, A Coisa’, foi escolha do professor Giovanni Casseb para usar no dia da aplicar a prova de Fisiopatologia. (Foto: Arquivo pessoal)

Personagens como Freddy Krueger, Coringa, Pinguim e até Donald Trump já foram escolhidos como fantasia para a prova temática do professor. E ele garante que os alunos aprovam a iniciativa.

“O professor tem que ser versátil em tempos de tecnlogia. É uma metodologia que eu uso para entreter e mostrar a importância da disciplina que eles [os alunos] estão estudando. E eles adoram. Na verdade, eles até ficam curiosos para saber o personagem que eu vou utilizar”, ressalta.

Professor usa método para descontrair alunos na hora da prova (Foto: Arquivo pessoal)

Professor usa método para descontrair alunos na hora da prova (Foto: Arquivo pessoal)

O professor conta que a empolgação dos alunos começa dias antes, quando passa a mandar e-mails com falas do personagem que ele vai usar. “Mando algumas dicas e eles ficam curiosos”, conta.

Os alunos também entraram no clima e participaram da prova de uma forma diferente, usando capas amarelas, assim como no filme. A acadêmica do 4º período de medicina Fernanda Magela, de 20 anos, foi uma das alunas que fez a prova e diz que viveu uma experiência positiva.

“Foi uma experiência ótima, porque, apesar de ser uma temática difícil e ter a pressão psicológica de uma prova oral, a didática que ele utiliza torna a experiência muito mais prazerosa”, destaca.

A estudante lembra ainda que se sentiu parte do filme com toda a ornamentação e preparo do professor. “O nosso bloco também tinha balões espalhados. Tudo isso influencia um pouco. Tive a sensação de fazer parte do filme”, conta.

Casseb chegou a receber comentários negativos sobre seu trabalho com as fantasias, mas diz que a responsabilidade dele é com os alunos. “Faço isso pelos alunos, não pra me promover ou querer mídia. Não ligo para os comentários negativos, não significam nada pra mim. O que importa é a opinião dos alunos que se amarram”, destaca.

 

O professor disse ainda que já o aconselharam a participar de concursos de fantasia, mas garante que as atividades que desenvolve é apenas pelos alunos. “O que eu faço é para eles”, finaliza.

Go to Top